Sweet/Vicious 1×03: Sucker

0
100

Trago a vocês com Sucker, uma questão interessante, presente em toda história de heróis: qual a validez do que elas estão fazendo? Afinal, estão combatendo um crime com outro. Diante dos olhos da lei ser vigilante é errado, mas considerando a questão do ponto de vista moral, é errado machucar quem machucou outras, inclusive para tentar impedir que isso volte a ocorrer? E qual o limite entre o certo e o errado? Elas já o ultrapassaram?

Ambas acham correto sua conduta, Jules tem o ar mais contido, fazendo o que faz por achar certo e para proteger outras garotas que são indefesas, como ela um dia foi. Ophelia além do fator justiça, acha divertido bater em bad guys e sentir a adrenalina pulsando.

Independentemente de onde Jules conseguiu seu treinamento ninja, vemos que Ophelia também tem habilidades, e as duas trocam conhecimento, como atirar a faca no alvo. Onde será que ela passou a infância/adolescência aprendendo? Seu treinamento começou e vemos que ela tem muito a aprender, mas digo que ela não é iniciante nessas artes.

Sweet/Vicious --- Sucker
Sweet/Vicious — Sucker

O caso da semana envolveu uma moça que saiu com um cara que conheceu em um aplicativo de encontros. Me pergunto quem combina de se encontrar um desconhecido em um local obscuro, e me lembro das pessoas ingênuas. Isso passou pela cabeça da vítima depois do fato, que se culpou pela estupidez. A culpa nunca é da vítima, entenda, mas é sempre bom prevenir, porque mesmo as pessoas precavidas não estão seguras.

Os momentos de tensão emocional, principalmente quando Jules escuta o relato da moça que foi estuprada e na cena que Nate entra em seu quarto, são tocantes e bem conduzidos, é possível ver a claustrofobia de guardar suas emoções, revivendo seu trauma. O grupo de suporte é uma boa adição do roteiro, servindo como uma válvula de escape para as garotas que, por vários motivos decidiram não compartilhar o abuso com conhecidos, e/ou precisam se apoiar em alguém que passou pela mesma situação. Também descobrimos que Jules retira seus alvos dos relatos das companheiras.

Sweet/Vicious --- Sucker
Sweet/Vicious — Sucker

O egoísmo é algo intrínseco do ser humano, até atos altruístas são realizados para o próprio benefício. Essa parte de Ophelia esteve presente ao colocar várias coisas que eram sua responsabilidade em cima de Harris, sem pensar no lado dele e nas obrigações que ele tinha a cumprir. Como parte de ser humano é criar relações, laços, e mantê-los, é necessário se colocar no lugar do outro, com isso temos os dois amigos fazendo as pazes em uma cena fofa. Coloco minhas fichas que ele será a primeira pessoa a descobrir sobre a vida secreta das duas, e depois do choque inicial irá ajudá-las (all heroes needs sidekicks).

Estava pensando alguém não demoraria a notar um padrão nas agressões e descobrir que foram causados pelas mesmas pessoas. Com elas divulgando sua obra para as moças isso deve acontecer mais rápido, mas não teria sentido fazer aquilo tudo se as garotas não soubessem que tem alguém protegendo-as e que estão seguras agora.

Nate mostra partes obscuras de sua personalidade ao agir tão centrado em seu ego, em toda a situação com Kennedy, mas volta a se portar como bom moço depois de esfriar a cabeça. Quando o monstro sai da casinha é difícil enclausurá-lo novamente, então aposto que esse lado volta a aparecer, aos poucos. Kennedy mostra que tem uma personalidade forte e não será submetida com tanta facilidade.

Sucker desenvolveu a personalidade e amadurecimento dos personagens, lentamente passamos a conhecer os coadjuvantes. É isso e nos vemos semana que vem.

> Entrevista com o elenco de 3%!

PS: Achei hilário as moças chapadas de cogumelos deslizando pela loja.

PS2: Nada a dizer sobre o plot de Tyler e das garotas despistando ele, vamos ver como se desenrola.

PS3: As habilidades de Ophelia como hacker estão mais (um pouquinho) próximas da realidade, com ela até cometendo erros.

PS4: Ainda acho que tem uma química legal entre Jules e Tyler, mas a forma como ele fala sorrindo é super irritante.

PS5: Cheguei à conclusão que Harris não é mesmo gay, minhas impressões estavam erradas. Ele ser perdido faz parte de seu alivio cômico. Veremos como se desenvolverá esse romance dele com a moça dos cogumelos.