Stranger Things 1×04: Chapter Four: The Body

O povo da Netflix realmente não está de brincadeira

28
1940

O povo da Netflix realmente não está de brincadeira. Stranger Things chegou com a premissa de encantar os fãs da década de 80, com milhares de referências e uma estética que se assemelhasse ao máximo dessa época. Após 4 episódios, pode-se constatar que a promessa foi cumprida e temos referências e inspirações oitentistas para todos os lados. Da abertura aos créditos, tudo remete aos anos 80. O que, pelo menos eu, não esperava era essa ousadia criativa dos irmãos Duffer.

Enquanto a história estava se encaminhando para um lado (Will e Barb mortos e na consciência da criatura), esse episódio colocou todas essas teorias por terra e entregou 50 minutos eletrizantes e bem esclarecedores.

Os primeiros minutos se encaminhavam para sepultar de vez qualquer possibilidade de Will ainda estar vivo. É interessante como os Duffer ficam brincando com todas as pistas mostradas até o momento, deixando o expectador confuso e até em dúvida do que é real ou ilusório. Joyce, por exemplo, está realmente presenciando eventos sobrenaturais, porém fiquei na pensando se a manifestação era mesmo de Will ou da criatura, fingindo ser o menino.

Curiosamente, a resposta para a morte, ou não, de Will veio da investigação de Hopper. O xerife tem sido um dos melhores personagens da série, sendo uma figura que acredita em fatos e comprovações, mas que também segue seus instintos. Também é linda a sensibilidade que ele apresenta, como na cena em que precisa dar a notícia do falecimento do Byer para a mãe. Bom ver que todas as peças começam a fazer sentido e que teremos o esperado confronto entre o Laboratório e a polícia de Hawkings.

Falando no laboratório, o desenvolvimento e as respostas aos vários questionamentos que foram surgindo com os episódios estão ocorrendo de forma vagarosa, porém gradativa. Se inicialmente só se sabia que essa organização é do governo e que se realiza vários experimentos em humanos, agora já se pode ver que a criatura, que está ocupando parte da instalação, é de certa estranheza para eles. Isso é um bom indício de que esse ser não é parte de um dos experimentos dessa organização.

Por outro lado, tanto Nancy quanto Joyce caracterizaram a criatura como um ser humano sem face, o que pode sugerir que este ser tenha sido transformado por experimentos do Laboratório ou ter sido exposto a um fenômeno externo. De qualquer forma, fica claro que todos (nós e eles) estão no escuro.

Na parte High School, também não se pode reclamar. Os dramas adolescentes deram lugar à procura por Barbara e a dinâmica entre Nancy e Jonathan funcionou muito bem. Vejo os dois trabalhando com Joyce para entender melhor a situação das vítimas e tentando achar uma forma de alcançá-las. Bem, no primeiro episódio podemos ver um pôster do filme “O Enigma de Outro Mundo” no porão de Mike. Seria essa uma dica do que encontraremos a seguir?

Até o momento, já tivemos várias mudanças de perspectivas e eixo narrativo. A cena do desaparecimento de Barbara, por exemplo, é extremamente eficaz e executada de forma primorosa, pois consegue registrar um mesmo momento de 3 pontos vista distintos (Nancy/Barb/Jonathan). Trabalhando essas viradas constantes de percepção, a direção promove uma interação mais natural entre os personagens, unindo as emoções dos 3 ao mesmo momento narrativo. Espetacular.

Esse mesmo recurso é utilizado novamente em “The Body”. A procura por Will culmina em uma das melhores cenas da série até o momento. Temos Winona interpretando Joyce de forma memorável e um elenco infantil de dar inveja ao Spielberg, ambos procurando Will, porém de formas diferentes. Mike e Eleven continuam carregando os momentos dramáticos do grupo, enquanto Lucas e Dustin são os típicos desajustados que tem medo de tudo e servem exclusivamente como alívio cômico. Os poderes de El ganham cada vez mais importância na história e parecem ser a verdadeira chave para encontrar Will.

Joyce, por sua vez, continua implacável em sua busca pelo filho. A resiliência dela é extraordinária e a cada cena parece que ela chega ao limite para salvar Will. Meu coração realmente se apertou quando ela meteu a marreta na parede, em vão. A maior preocupação é sobre a saúde mental dela, afinal de contas, Lonnie voltou e sabemos que a relação dos dois é pra lá de conturbada.

Enfim, chegamos a metade da temporada e todos estão envolvidos diretamente na procura por Will e Barbara. Falta pouco para termos as respostas e o embate de forças na cidadezinha parece inevitável. E que continuemos nesse nível fantástico, Dona Netflix! 

Familiar Things

Só pra registrar, El apresenta poderes telecinéticos, telepáticos e sérios problemas de temperamento quando acuada. #X-MenFeelings

A cena em que o Hopper fala da filha me deixou bem pensante. Primeiro, pensei que fosse um flashback. Depois, achei que ele estava perdido nas ilusões. Fui trollada duas vezes pelos Duffer.

A maior referência foi, sem dúvida, de The Thing. Sendo assim, VEJA THE THING.

Toda uma geração foi vingada quando Troy se mijou no meio do colégio. Que momento, senhoras e senhores.

Achei essa aparição do Lonnie mega avulsa.

El e Mike estão atingindo picos de fofura no meu computador. Que casal fofo, gente!

A criatura que está na instalação é a mesma que está com Will e Barbara?

Quem percebeu a referência ESCRACHADA no momento em que Joyce manda o Will fugir da criatura? Manda aí embaixo seu palpite.

  • rebeca neiva

    mais algumas referências a esse episódio. The body = baseado no livro de stephen king que deu origem ao filme “conta comigo”. Poltergeist. É muita referência pra uma série só, mas ao mesmo tempo eles conseguem ser extremamente originais. Maratonei a série hoje e amei

    • Lara Loureiro

      Só de referências ao Stephen King, tive que que conseguir uma consultoria!

      • Rafael

        Não lembro bem dos detalhes pois faz uns dez anos que eu li e vez algo que eu vou escrever não esteja 100% certo, mas tem um livro dele (A Casa Negra) em que uma mãe tinha (não lembro se ela morreu ou foi pra um hospício) que tinha as unhas completamente destruídas porque ela ouvia a voz do filho desaparecido vindo de dentro das paredes da casa, e de tanto tentar “abrir a parede” com as unhas ela acabou arrebentando os dedos. No livro, atrás das paredes haviam os Territórios, algo tipo um mundo espiritual ou outro plano (sendo essa uma conexão com a série da Torre Negra e o Rei Carmesim).

        • Lara Loureiro

          Essa foi uma das referências dessa cena. Congrats!

    • vinland

      Poltergeist tem referencia em quase todos os episodios. Sem falar de ET, The Body, Gonnies, The Thing, e varios outros. Adorei essa serie. Pena ter sido apenas 8 episodios pra essa temporada.

  • rebeca neiva

    mais algumas referências a esse episódio. The body = baseado no livro de stephen king que deu origem ao filme “conta comigo”. Poltergeist. É muita referência pra uma série só, mas ao mesmo tempo eles conseguem ser extremamente originais. Maratonei a série hoje e amei

    • Lara Loureiro

      Só de referências ao Stephen King, tive que que conseguir uma consultoria!

      • Rafael

        Não lembro bem dos detalhes pois faz uns dez anos que eu li e vez algo que eu vou escrever não esteja 100% certo, mas tem um livro dele (A Casa Negra) em que uma mãe tinha (não lembro se ela morreu ou foi pra um hospício) que tinha as unhas completamente destruídas porque ela ouvia a voz do filho desaparecido vindo de dentro das paredes da casa, e de tanto tentar “abrir a parede” com as unhas ela acabou arrebentando os dedos. No livro, atrás das paredes haviam os Territórios, algo tipo um mundo espiritual ou outro plano (sendo essa uma conexão com a série da Torre Negra e o Rei Carmesim).

        • Lara Loureiro

          Essa foi uma das referências dessa cena. Congrats!

    • vinland

      Poltergeist tem referencia em quase todos os episodios. Sem falar de ET, The Body, Gonnies, The Thing, e varios outros. Adorei essa serie. Pena ter sido apenas 8 episodios pra essa temporada.

    • Name

      SIm, tbm percebi essa referência a obra de King! Conta Comigo (Nome do conto original é The Body) que é um filme que fala sobre 4 amigos indo procurar o corpo de um jovem morto, dá pra ver a clara inspiração né? Amo essas referências

  • Andre Ramos

    Eu e minha esposa maratonamos os 8 episodios de uma vez. A série é excelente e mantém seu interesse do começo ao fim.

  • Andre Ramos

    Eu e minha esposa maratonamos os 8 episodios de uma vez. A série é excelente e mantém seu interesse do começo ao fim.

  • Marcos Ferrari

    A série foi um presente para quem cresceu na década de oitenta. Tinha tempo que uma série não me agradava tanto e me deixava assustado como esta.

    E a The Millennium Falcon sendo levitada pela 11? Quero essa garota aqui em casa.

  • Marcos Ferrari

    A série foi um presente para quem cresceu na década de oitenta. Tinha tempo que uma série não me agradava tanto e me deixava assustado como esta.

    E a The Millennium Falcon sendo levitada pela 11? Quero essa garota aqui em casa.

  • João Neto

    Eu to em um relacionamento sério com essa série. Não é só por ela homenagear tudo q gosto, é a dinâmica tudo flui rápido e vc quer logo ver o final dessa história. Isso é raro.

  • João Neto

    Eu to em um relacionamento sério com essa série. Não é só por ela homenagear tudo q gosto, é a dinâmica tudo flui rápido e vc quer logo ver o final dessa história. Isso é raro.

  • Dhéo

    Não aguentei e maratonei a série. Sensacional. Valeu a pena. Estou maravilhado.

  • Dhéo

    Não aguentei e maratonei a série. Sensacional. Valeu a pena. Estou maravilhado.

  • Antony

    PUTA QUE PARIU LACROU ! Essa foi a palavra que me veio quando terminou o episodio sem duvida a Netflix acertou nessa nova serie esse epi 4 foi o melhor deles a serie vem em uma crescente as peças estão todas ai e o incrível é que não dá para ter certeza de nada os atores adultos e crianças estão dando um show só não gosto da Nancy mas ela não está mais atrapalhando o roteiro e está no plot principal , tudo ocorre de maneira fluida e emocionante Stranger Things é uma bela obra criada pela Netflix espero que tenha o reconhecimento que merece . Do jeito que está terminarei a serie em 3 dias as reviews estão muito boas vou seguir comentando em todas .

  • Antony

    PUTA QUE PARIU LACROU ! Essa foi a palavra que me veio quando terminou o episodio sem duvida a Netflix acertou nessa nova serie esse epi 4 foi o melhor deles a serie vem em uma crescente as peças estão todas ai e o incrível é que não dá para ter certeza de nada os atores adultos e crianças estão dando um show só não gosto da Nancy mas ela não está mais atrapalhando o roteiro e está no plot principal , tudo ocorre de maneira fluida e emocionante Stranger Things é uma bela obra criada pela Netflix espero que tenha o reconhecimento que merece . Do jeito que está terminarei a serie em 3 dias as reviews estão muito boas vou seguir comentando em todas .

  • Junito Hartley

    Ta me lembrando muito o filme sobrenatural de James Wan o local que o Will esta preso.

  • Junito Hartley

    Ta me lembrando muito o filme sobrenatural de James Wan o local que o Will esta preso.

  • Magnosama

    Aquela VAGINA-PORTAL-DIMENSIONAL foi bizarramente épica.

    Série totalmente excelente.

  • Magnosama

    Aquela VAGINA-PORTAL-DIMENSIONAL foi bizarramente épica.

    Série totalmente excelente.

  • Wilton20

    “Toda uma geração foi vingada quando Troy se mijou no meio do colégio. Que momento, senhoras e senhores.”

    O highlight do seu texto, Lara!!!
    Hehehe…

  • Wilton20

    “Toda uma geração foi vingada quando Troy se mijou no meio do colégio. Que momento, senhoras e senhores.”

    O highlight do seu texto, Lara!!!
    Hehehe…