Outcast 1×07: The Damage Done

4
147

Reparação.

O conceito de redenção é um dos passos mais controversos da jornada do herói. Sempre presente, mas nem sempre realizado, o tópico varia de uma realização fácil a um caminho de provações dolorosas. A reparação dos erros cometidos no caminho, essa foi a temática do episódio da semana de Outcast.

O clima na cidade já não está dos melhores, mas o Ver. Anderson sempre faz o possível ao seu alcance para piorar ainda mais as coisas. O surto durante o “Dia da Lembrança” foi a explosão de tudo o que ele vinha acumulando até então: a sensação de impotência perante o mal, que caminha livremente na cidade, a aparente necessidade alheia e por último o “sinal” marcado a faca no peito. É como se Anderson tivesse a capacidade inerente de implodir, mesmo que de modo inocente, tudo o que toca. Ceder a um impulso primal, numa cidade onde o número de habitantes “reais” fica cada dia mais complicado de se mensurar, foi a pá de cal na já abalada crença da cidade na figura até então santificada do Reverendo. Sidney leva de modo debochado as acusações já que até então o único que conta com a marca do mal é a figura que deveria defender o povo dele.

Já Kyle continua na sua maré de boa sorte, mesmo que a última nova desta seja um tanto complicada de administrar. Allison ao tomar conhecimento do que realmente ocorreu na fatídica noite que causou a separação do casal e do crescente medo da filha, resolve deixar a garotinha com o pai. Mesmo que aparentemente a relação tenha sido retomada com sucesso, deixar Amber com o pai é apenas mais um dos fatores complexos da vida de Kyle, já que ainda há uma ordem de restrição em andamento, isso pode complicar ainda mais a visão dos habitantes da cidade tem de Kyle.

Falando nos habitantes de Rome, o Chefe Giles se tornou o mais novo aliado na cruzada travada na surdina da pacata (aparentemente) cidadezinha. Enquanto Kyle se aprofunda ainda mais nas entranhas da cidade, descobrindo que a possessão vinha acontecendo muito antes do que se pensava, Giles começa a tomar ciência dos fatos acerca os casos recorrentes resolvidos pelo Rev. Mas o fator mais “interessante” nessa aliança recém formada é a ambiguidade da condição de Ogden. Se todos os possessos, pelo menos até agora, demonstravam certa repulsa ou dor no toque de Kyle, porque o Chefe dos Bombeiros não estaria demonstrado o mesmo sinal? Seria ele ainda humano, trabalhando como um servo de uma engrenagem maior ou um novo estágio na complicada evolução construída pela teia de interações da cidade? E aquela ameaça a Kyle, sobre o que seria?

Com um episódio focado na revelação de fatos através de nuances veladas na narrativa construída em torno do acidente da mina, Outcast mostrou uma quantidade absurda de evolução da narrativa, pavimentando o caminho para os três últimos episódios da temporada. Até a próxima semana!

Nota do Exílio 1: Pensei que Mildred tinha entrado no rol de pessoas catatônicas da cidade, mas ela bateu as botas! RIP Mildred;

Nota do Exílio 2: A construção que a trama de Megan/ Mark/ Donnie está seguindo pode culminar num dos momentos mais marcantes das HQs. Sabia que a surra ia ter um retorno problemático para o casal;

Nota do Exílio 3: Anderson finalmente tomando atitude e beijando Patricia. O problema é que Aaron, o filho rebelde, causou toda a treta por ciúmes…

Nota do Exílio 4: Noite de Pôquer tensa…

Nota do Exílio 5: Curti o papo todo cheio de farpas entre Anderson e Sidney na barbearia.

HQ VS SÉRIE (ZONA DE SPOILERS ABAIXO)

– Toda a trama do acidente da mina é criação para a série, sendo inexistente nas Hqs;

– Quem fica sabendo da marca no peito do Reverendo é Kyle e não o Chefe de Polícia;

– Assim como a interação entre Giles e Barnes no trailer queimado na floresta, nada daquilo tem nas Hqs, visto que Giles acaba se tornando um dos possuídos;

– Mildred não está morta nas Hqs;

– Não houve todo esse imbróglio entre Megan/ Mark e Donnie nas Hqs;

– Allison não lembrou de nada sobre a sua possessão. Nas Hqs ela ainda desacredita de Kyle, não acreditando na história e se afasta mais ainda dele;

– O confronto da Barbearia acontece de outro modo, assim como a revelação da do Reverendo marca para a cidade. Nas HQs ele espanca Sidney e acaba sendo preso.

  • Diego Fernando

    Boa review. A série já esta rumando pro fim e pra mim esta um pouco morna. Até então a maioria dos eventos tem sido baseados nas HQ sem grandiosas inovações. Esperava mais ação, revelações quanto a motivação das possessões, algo mais ritualístico e desenvolvimento da mitologia sobre o Outcast. Falta um “punch” que a transforme em algo sensacional, que você veja e fique super ansioso pelo próximo episódio, que torne a temporada memorável (como Stranger Things ou as temporadas iniciais de Supernatural) …

  • Diego Fernando

    Boa review. A série já esta rumando pro fim e pra mim esta um pouco morna. Até então a maioria dos eventos tem sido baseados nas HQ sem grandiosas inovações. Esperava mais ação, revelações quanto a motivação das possessões, algo mais ritualístico e desenvolvimento da mitologia sobre o Outcast. Falta um “punch” que a transforme em algo sensacional, que você veja e fique super ansioso pelo próximo episódio, que torne a temporada memorável (como Stranger Things ou as temporadas iniciais de Supernatural) …

  • Thiago Vinicius

    que série lenta!!
    7 episódios e não aconteceu porra nenhuma rsrs!
    só vou terminar a temporada pq já cheguei até aqui kkk

  • Thiago Vinicius

    que série lenta!!
    7 episódios e não aconteceu porra nenhuma rsrs!
    só vou terminar a temporada pq já cheguei até aqui kkk