Timeless 1×03: Atomic City

2
362

Timeless aposta na ação, mas não sai do lugar.

Tem um ditado que diz “devagar se vai ao longe” e esse, até o momento, parece ser o caso de Timeless. A passos de tartaruga a série continua subindo os degraus da qualidade e apesar de ter mostrado um episódio que, de fato, não tirou a série do lugar, ele preparou terreno para algo muito maior (é o que esperamos né…) e de quebra ainda teve bons momentos de ação.

 “Lembrem-se o que acontece em Vegas, fica em Vegas”.
“Lembrem-se o que acontece em Vegas, fica em Vegas”.

Dessa vez a máquina no tempo nos leva para a sonora, divertida e colorida cidade de Las Vegas no ano de 1962, temos participações de personagens ilustres da história mundial como Frank Sinatra e John Kennedy. Usando como pano de fundo os testes nucleares que assolaram aquela região nas décadas de 50 e 60 a série dá seguimento a sua narrativa de aprofundamento de seus personagens. Wyatt, depois de dois episódios, finalmente teve uma certa atenção para si. Na primeira review havia dito que o plot do personagem e sua falecida esposa era demasiado cansativo e repetitivo, o que continua sendo verdade. Entretanto (e na medida do possível) não deixou de ser tocante a tentativa dele de mandar um telegrama para a esposa, pasmem a cinquenta anos no futuro, na tentativa de salva-la da morte. Ao que tudo indica a sua esposa foi assassinada, o que pode se tornar uma trama interessante a depender de como os roteiristas vão decidi utiliza-la.

“Peguei o dono da máfia, peguei até o Presidente dos EUA e entrei para a história... Se corta invejosa. ”
“Peguei o dono da máfia, peguei até o Presidente dos EUA e entrei para a história… Se corta invejosa. ”

Apesar de ter sido ambientado num cenário que tinha as presenças de Frank Sinatra e John Kennedy, foi uma personagem real, mas menos icônica que teve mais peso nesse episódio: Judith Campbell. Judith foi uma das conhecidas amantes do ex-presidente Kennedy. A figura polemica da Srta. Campbell foi bem utilizada nesse episódio, já que a mesma tinha presença garantida dentro de círculos de políticos naquela época, aqui ela foi utilizada como meio de conquista pelo nosso vilão o Flynn que chantageou a moça com fotos do caso dela com Kennedy para conseguir o que queria. Ponto para série que pegou uma figura real não tanto conhecida e a colocou no centro do episódio, interagindo de maneira satisfatória com Flynn, Wyatt e Lucy. Destaco também o desempenho da atriz Elana Santine, que nos passou uma fragilidade e sensualidade incrível da personagem. Ela se junta a Kate Drummond do episódio 1 e ao filho de Kennedy no episódio 2 na galeria das ótimas participações históricas (apesar de não haver indícios de que Kate realmente existiu).

“Lucy vai casar com ISSO e não quer só porque não conhece o cara... Tsc, Tsc, Tsc! ”.
“Lucy vai casar com ISSO e não quer só porque não conhece o cara… Tsc, Tsc, Tsc! ”.

A história de Lucy e a forma como sua vida foi afetada pelo Hidenburg continuou nesse episódio. A coitada ainda não sabe como desfazer essa bagunça para poder trazer sua irmã de volta, descobriu que na sua linha do tempo original seu pai não é quem ela acreditava ser e para completar ela está noiva de um cara que ela não conhece. Está difícil para a nossa protagonista! Outro que está passando por um drama pesaaaado é Rufus. Dividido entre a lealdade pelo seu chefe e a amizade de Lucy e Wyatt, o personagem agora se vê diante da possibilidade de seu mentor ser um traidor. As ambições dos “vilões” também ficaram mais claras, o roubo da máquina e toda essa pataquada não se trata unicamente de mudar o mundo e sim varrer o tal de Rittenhouse da história. Creio que Rittenhouse não se trata de uma pessoa e sim de uma organização a qual Malcolm (dono e criador da máquina) parece ser bem chegado, Rufus parece ter conhecimento e Lucy parece está intimamente envolvida com isso. Fico me perguntando aonde é que o pobre Wyatt entra nisso tudo.

“O tal chroma continua a nos envergonhar... Tsc, Tsc, Tsc! ”.
“O tal chroma continua a nos envergonhar… Tsc, Tsc, Tsc! ”.

Bom, depois de termos visitado o assassinato de Abraham Lincoln, Timeless nos levou a um período menos importante e até mesmo confuso da história. Não entendo porque para roubar o conteúdo de uma bomba atômica os vilões teriam que ir necessariamente a Las Vegas de 62. Mesmo assim, achei Vegas muito bem representada, a caracterização e o figurino voltaram a ser destaque, o que mostra o comprometimento da equipe técnica em fazer um trabalho bem feito. Melhorando de forma significativa desde de seu episódio piloto, Timeless se mantem agradável de acompanhar. Até semana que vem 😉

Booom 1: Para quem gostou da época em que esse episódio de passou, recomendo a minissérie 11.22.63, baseada no livro Novembro de 63 do mestre Stephen King. Apesar de ser protagonizada pelo apático James Franco, a minissérie é muito boa. E tem as reviews de todos os seus episódios aqui no Série Maníacos.

Booom 2: Judith Campbell, a amante de Kennedy, escreveu um livro de memórias chamado Judith Exner: My Story, aonde ela relata não só seu caso com Kennedy, como também seu caso com o chefão da máfia Sam Giacana que também faz uma ponta no episódio. O livro foi adaptado em um filme para a TV chamado Power and Beauty de 2002.

Nota Histórica:

“Área de testes nucleares em Nevada, a poucos quilômetros de Las Vegas”.

De fato, a cidade de Las Vegas ficava a uma pouca distância dos testes nucleares. A cidade tinha o chamado Turismo Atômico ou Turismo Nuclear, onde turistas de todos os lugares vinham e além de aproveitar os encantos da cidade assistiam em tempo real os testes nucleares e suas nuvens em formato de cogumelo. Recentemente, as sequelas desses testes vieram a público e a forma covarde com que ele afetou a sua população. Mais de vinte tipos de câncer foram diagnosticados, sendo os testes o motivo. Diversas pessoas morreram e diversas crianças nascidas de pais expostos a essa radiação sofreram de malformação durante sua gestação.

  • Bruno

    Esperava mais da serie. Goran Vijsnick esta muito canastrao (nao que ja nao fosse, desde os tempos de ER, mas em Extant também estava logo é do ator, nao do papel), o mocinho esta quase Barbie de Under The Dome da tao sem graça e o piloto só tem o plot do invisivel por ser afro descendente (cansou já).

  • Reinaldo

    Acompanhando a série de perto. Vamos ver no que dá. Obrigado pela review.