The Young Pope 1×08: Chapter 8

2
171

Até que ponto a nossa vida não é um eterno “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”? Essa é a discussão levantada por esse episódio de The Young Pope, e um dos temas centrais da série como um todo. Mesmo que boa parte dos habitantes do mundo tenham a sua religião, quantas dessas pessoas não quebram rotineiramente os preceitos da sua crença, tendo atitudes diretamente contrárias aos seus dogmas?

O próprio Lenny quebra constantemente o que ele próprio prega, apresentando atitudes arrogantes, mesquinhas, egoístas. Apesar de estar querendo fazer o bem, e disso não restam dúvidas, o jovem pontífice tem atitudes que seriam reprovadas por qualquer pessoa que tenha estudado minimamente os preceitos da igreja católica. Isso não impede, contudo, que ele identifique injustiças ou hipocrisias, quando vê alguma. E é justamente o que ele identifica na irmã Antônia.

Mesmo tendo excelentes intenções, irmã Antônia é claramente uma líder muito mais autoritária do que deveria, o que é altamente reprovável. Seu segundo pecado, porém, ou pelo menos o que o episódio nos apresenta, é algo que deveria estar longe de questão em uma sociedade igualitária: sua sexualidade. Fica cada vez mais claro que a própria sexualidade do Papa é muito reprimida. A obsessão que ele nutre por seus pais, unida à sua perseguição à homossexualidade dentro da igreja e a relação estranha que ele tinha com Esther, já deixaram mais do que claro que ele não é uma pessoa bem resolvida sexualmente.

É justamente isso que o diferenciava de seu fiel amigo, cardeal Dussolier, que morreu justamente por ter a sua sexualidade muito mais aflorada e bem resolvida do que a do amigo, ainda que tenha escolhido a profissão errada. Belardo se culpa por saber que as suas atitudes empurraram o amigo de volta para o seu país, mas sabe que ele trilhou o próprio caminho.

Da mesma forma que trilhou Esther, que até demorou para fugir de Belardo. Muito me espantou a paciência que ela e Peter tiveram com o Papa. Por um tempo acreditei que ela também tinha uma atração pelo pontífice, até pelo relacionamento absolutamente medíocre que ela tinha dentro de casa, mas essa relação parece cada vez mais distante (agora literalmente). Ao invés de Esther e as outras crianças andando de patins, nesse episódio Pio XIII se deparou com protestantes do FEMEN nos jardins do Vaticano. Belardo sabe que essas mulheres estão corretas, mas sua confusão interna o impede de tomar uma decisão progressista. Na dúvida, deixa a corda estourar do lado mais fraco, esse parece ser o lema do sacerdote.

O curioso é que ainda que ele esteja confuso, em dúvidas, buscando a existência de Deus a todos os momentos, mas duvidando disso no instante seguinte, Belardo tem concepções corretas sobre uma série de assuntos, e o seu discurso final na África, elogiado pelo repórter, é justamente sobre isso. Todo sabemos em nosso âmago o que é ser bom, e como podemos ajudar a nossa sociedade, mas às vezes ficamos presos por nosso egoísmo, nossa falta de visão, ou mesmo por nossa religião. Às vezes é muito mais importante fazer o bem do que seguir um dogma. Fica a dica para o Papa.

OS: Destaque para o escritor Elmore Coen, claramente uma mistura de Elmore Leonard e Leonard Cohen!

  • Pedro Henrique Saldanha

    Esse episódio foi maravilhoso. Sem palavras.

  • rvg

    A série é bela e tocante, Pio XIII em vários aspectos é uma criança. As vezes arrogante, imatura, fútil mas inocente e de bom coração.