The Strain 3×05: Madness

8
621

Até aqui o episódio mais interessante de The Strain em sua terceira (e penúltima) temporada conforme noticiado esta semana; Madness, mesmo que não tenha ido para muitos lugares, ao menos foi dinâmico e com nossos personagens espalhados por toda a cidade. Aliás o episódio começa…

… com uma narrativa fria e nada surpreendente de como o mundo está em perigo por conta da ameaça strigoi. Com imagens aproveitadas de outros desastres ocorridos à humanidade na vida real, The Strain tenta nos convencer que o assunto é sério e “que mais do que nunca” providências precisam ser tomadas. Por isso mesmo, dada a urgência da situação, eu não entendo muito o fato de termos uma quarta temporada, uma vez que mediante o domínio do terror, como contar isso em mais, sei lá, 10 episódios? Planejamento? Possivelmente não, uma vez que um dos responsáveis pelo show disse que seria possível terminar a trama em três temporadas e eu confesso que estava suplicando por isso. Você não?

Série tem vilão, mas ele não aparece

Não estou falando de Cloverfield, estou falando de uma série que está em sua terceira temporada e já teve tempo suficiente para convencer a gente de que algo terrível está acontecendo (agora no mundo). Com a assinatura de Guillermo del Toro e Chuck Hogan, The Strain provoca muitas emoções (incluindo raiva, lógico), menos medo e terror em quem assiste. A experiência televisiva não fica completa e a concorrência de séries deste gênero não é pequena.

Por isso o papo de Quinlan (um avulso na história depois que foi vergonhosamente derrotado por um esquadrão strigoi) com Setrakian, tentando desvendar que segredos seriam estes escondidos no Lumen para derrotar o Mestre, chegam a ser irritantes, dado o nível de enrolação. Nem mesmo os flashbacks funcionam como nas temporadas passadas, onde informações importantes ao contexto eram agregadas. Ah! “O Setrakian decepou o outro nazi-cientista e colocou seus pedaços em uma caixa”, logo, ele se lembrou que tudo que precisa ser feito com o Mestre é colocá-lo em uma espécie de caixão. Lembrando ao leitor do SM que se você acompanha a série desde o início sabe que foi dentro de um caixão que o Mestre chegou à Nova Iorque com a ajudinha de Palmer. Quinlan, a meu ver, está com outras intenções e elas não são puras.

Resultado: voltamos à estaca zero e mesmo após uma negativa por dizer não confiar no dono da Stoneheart, é justamente ao empresário que ele recorre para conseguir capturar o Mestre. E repito: se você sabe que teremos uma nova temporada em 2017, sabe também que o Mestre tem uma sobrevida de pelo menos 1 anos. Na televisão, of course. Essa notícia não contribui em nada para quem quer manter uma audiência.

Fet, sempre o melhor de The Strain

Olha, talvez ele seja o mais envolvido em destruir os strigois, mesmo que suas estratégias sejam semelhantes aos seus tempos de exterminador de ratos em Manhattan e pelo que pudemos constatar, a demanda é quase a mesma da encontrada nos esgotos de Nova Iorque.

Menos bem-humorado do que nas primeiras temporadas, Fet, mesmo sem submeter à Justine, sinaliza à força-tarefa que tipo de ataque deve ser feito para conter ou minimizar os possíveis estragos que as centenas de strigois podem causar. Mesmo ele reservando o melhor plot do episódio, eu não consegui entender como estes seres estão mantendo certas práticas inteligentes, se neste momento, não há ninguém que o Mestre tenha se apossado para manter o seu exército em uma guerra coordenada. Mesmo sem aparecer neste episódio, acredito que será Kelly a escolhida para ser o “cavalo” do Mestre ou finalmente Eichorst terá incorporado o Strigoi-Mor, para sua glória e revanche com Setrakian, sendo essa a grande batalha final.

A visão de strigois um por cima do outro, em uma espécie de habitat improvisado, me dá nojo e ninguém melhor que o caça-ratos para entender como será feita a aproximação. O próximo episódio segundo o IMDB é “The Battle of Central Park”, ou seja, esperamos realmente uma guerra.

Eph e Dutch, transem logo, por favor!

Esse pedido não é de um adolescente onanista ávido por matar saudades das cenas mais tórridas de GoT. Existem alternativas viáveis para manutenção da prática. A questão é que os dois não avançam em nada do que tentam juntos ou em separado. Primeiro se empolgam com uma descoberta que associa o repúdio causado pela energia dispensada na luz emitida por um micro-ondas, que óbvio, envolve alguma espécie de radiação. Depois, precedido por um breve momento de comemoração patética, eles prendem um strigoi e esperam que ele não reaja de maneira lógica para tentar sair dali. Quebram a cara e sabe o que acontece? Nada. Daí ficam com um papinho pra lá e pra cá, inclusive sugerindo que Justine poderia mudar seu humor se transasse… então pelo amor de Deus, larguem os strigois lá embaixo em seus espasmos de dor e tentativa de libertação e vão se “coitar”.

Existe uma expressão muito conhecida por nós: “deste mato não sai mais cachorro”. Embora muitos sejam os strigois escondidos e capazes de dizimar a população daquele Estado, irrita a falta de timing com a história. O desvio de atenção dado a outros plots reforçam a ideia de que os caras não sabem para onde levar aquilo que eles mesmo criaram. Se você assiste outras séries, sabe do que eu estou falando. Antes fosse um procedural, que terminasse um enredo a cada episódio. Agora conceder quatro temporadas a uma série com premissa mal construída, com personagens largados e com um elenco notadamente desmotivado, foi uma enorme bola fora da FX.

Observação: no episódio anterior Eichorst parecia desesperado em revidar o ataque que os strigois sofreram. No seguinte aparece com um novo “parceiro” e pede ajuda de Palmer para o recebimento de uma carga, segundo ele importante para os planos. De quem se o Mestre nem corpo tem? Sinceramente, não dá para entender.

  • Ronaldo

    Eu estou achando que o mestre vai pegar o corpo do Fet, pois ele está sempre na linha de frente. Para the strain ser boa falta o senso de desastre que twd tem (não que twd seja um primor).

    • Flavio Batista

      Foi exatamente o q senti na primeira temporada, e abandonei a serie! tinha alguma coisa absurdamente estranha acontecendo e todo mundo continuava como se nada estivesse rolando, inclusive os q sabia da m… toda! Serie estranha do caramba! dai eu larguei, sempre fiquei com vontade de voltar, mas tava tao bagaceira q desisti

  • Flavio Batista

    Ta como 1×05 no titulo…

  • Bundalelê

    Acho que você papou mosca, Daniel. O Mestre já está em um novo corpo sim. Na cena final do quarto episódio, quando o Eph e a Dutch estão no táxi, um strigoi conversa com eles e os olhos ficam vermelhos. Exatamente como se o Mestre o estivesse controlando.

    E o Setrakian já está a procura do novo corpo do Mestre. Tanto que ele pede a ajuda do Palmer para isso.

  • Patrícia

    Como li os livros, meu coração doí vendo o rumo da série. Só espero q o final seja igual.

  • André

    Eu ja me acostumei com The Strain..a série sempre foi fraca,mas sou fascinado pelos Strigois,acho qe sâo criaturas interessantes e acho a make deles bem digna entâo aprendi a gostar dela msm assim. Se fizessem uma trama mais horror e dinamica teria sido melhor,iria cobrir um pouco o roteiro fraco mas paciencia. Amo Fet e Dutch

  • Simples amigos. O mestre já está lindamente incorporado na Justine. A redação desse site nem pensou nessa possibilidade?

    • diariodopierrot

      Será? Aí sim hein?!