The Night Of 1×04: The Art of War

47
457

O Chamado Selvagem de Naz.

No livro de Jack London, The Call of the Wild, Buck era um cão que vivia tranquilamente até ser sequestrado e vendido para trabalhar duramente como um cão-de-trenó na região fria e selvagem do Alaska.  Naquele ambiente inóspito ele vê o despertar e o crescimento de seu lado feroz e aprende a ouvir seus instintos. Buck precisa lutar não apenas para não ser agredido por outros cães, mas para comer, dormir e viver nessas novas circunstâncias.  No caminho ele encontra a figura amigável de John Thorton e aos poucos o cão percebe-se adaptado a sua nova vida e entregue a sua verdadeira natureza selvagem.

Semelhanças com a história de Naz? Lendo essa sinopse fica fácil entender porque Freddy sugeriu o livro a Nasir Khan. E nesse episódio parece que vimos o despertar selvagem de Naz na prisão. Seu olhar é outro. Mais seguro e confiante parece ter aceitado que, ao menos no futuro próximo, precisará aprender a lutar por sua sobrevivência naquele ambiente inóspito. Isso fica evidente quando lhe cortam o braço e ele não se desespera ou denuncia aos policiais, mas sozinho faz seu curativo e procura aquele que lhe ofereceu ajuda. É hora de aguçar seus instintos e aceitar que precisará da ajuda de Freddy para sobreviver ali.

Em The Art of War, The Night Of chega à metade da temporada e a sensação é que a minissérie melhora a cada semana. Possivelmente em seu episódio mais dinâmico até então, a qualidade da produção foi mantida e ela começa a colher os frutos da construção extremamente bem-feita de personagens como Naz e John Stone. A empatia que ambos despertam ficou bastante evidente quando nos percebemos aflitos e ansiosos pelas escolhas e o destino de Naz, e igualmente consternados e pesarosos com os aspectos da vida de Stone e seu eczema repugnante.

Detetive Stone. Ficou bastante claro que Stone envolveu-se demais com o caso Nasir Khan. Seja em seu olhar desolado e desanimado frente a um novo cliente, em sua presença constante nos trâmites judiciais do ex-cliente ou na ânsia de investigar novos fatos sobre o caso do jovem paquistanês, é evidente que o advogado não irá se desapegar e que acredita na inocência de Nasir.

E suas ações como detetive investigativo foram bastante eficientes. No enterro de Andrea, ele flagrou um curioso diálogo do padrasto da menina com um jovem rapaz em que frases como ‘É assunto de família e não tem a ver com você’ e ‘Assine os documentos e mande o cheque’ foram entreouvidas aumentando a sensação que Don Taylor possa ter alguma relação com o crime. Mas não foi só isso. Após uma análise cuidadosa de fotos da vítima (em uma Igreja na qual a freira também parecia bastante interessada em seu celular!) ele identifica a clínica de reabilitação que Andrea frequentava e aproveitando-se de um funcionário ganancioso, consegue a ficha dela. Ainda que esteja visivelmente interessado no caso, Stone não perde a chance de lucrar com a informação obtida. Se parecia que ele iria sair no prejuízo por um cliente que nem era mais seu, o advogado acabou saindo no lucro ao vender as informações para a equipe de Crowe.

The Art of War esteve especialmente recheado de cenas comoventes envolvendo o advogado. A questão do seu eczema continua sendo abordada com bastante frequência e me pergunto se isso faz parte apenas da composição do ‘advogado fracassado’ ou se virá a ter alguma ‘função’ no desenrolar da trama. O fato é que é difícil sentir-se indiferente ao vê-lo lidando com ‘os dois sanduíches Subway’ em seu dia a dia. A todo lugar que vai, Stone é acompanhado de olhares enojados e desconfortáveis (tais como os do público que assiste a série, é inegável). Sua cena de sexo com a prostituta foi bastante desconfortável especialmente quando termina com a mulher encarando um ‘gel anticoceira – ação rápida’ após a relação. No médico, os estados de seus pés não poderiam estar piores (usar água sanitária? O.O), e vê-lo desanimado encarando o farmacêutico enumerando os péssimos efeitos colaterais que pode ter com o novo remédio foi desolador. E diante disto tudo é difícil não nos envolvermos com o personagem, sentindo sua dor e todos os julgamentos que o cercam. E é ainda mais contundente quando toda essa questão alia-se ao desrespeito que ele sofre como profissional. Ouvir a advogada Crowe desqualificando-o ‘Profissional? Ele teve John Stone’ seguida de risadas que endossam aquele discurso, é duro não só para Stone, mas também para nós que a essa altura já sentimos enorme empatia pelo personagem.

Um preso de verdade. Em Riker Island, Naz é ‘abandonado’ por um antigo amigo e ganha o que parece outro companheiro disposto a ensiná-lo sobre a vida selvagem da prisão. Calvin Hart surge ao lado de Nasir discursando sobre ‘Olhar e não olhar’ e pronto a torná-lo um preso de verdade. Com conselhos opostos ao ‘amigo’ do episódio anterior, Hart alerta-o para não se aproximar de Freddy e ainda diz que uma aliança com o boxeador ‘acabaria matando Naz’.

E o que falar de Freddy? O ‘dono’ da prisão mostrou que mais do que dinheiro e poder, ele também tem suas habilidades como boxeador como um importante trunfo para amedrontar, impor respeito e dominar o ambiente. Quando termina de nocautear seu adversário, ele lança um olhar penetrante para Naz relembrando-o que pode ajudá-lo assim que ele pedir. Mas por que deseja tanto isso? Sinceramente, aquele papo de ‘universitário inteligente como uma dádiva para meu cérebro’ não me convenceu satisfatoriamente. Ainda que o simbolismo disso tenha sido representado no fato de Naz já ter lido sua indicação, ‘Chamado Selvagem’, sinto que o boxeador poderá vir a cobrar sua ajuda no futuro e desconhecendo o ‘preço’ antes de aceitar a oferta, Nasir estará vulnerável a qualquer pedido. De qualquer forma, nesse momento Naz não tem saída melhor do que unir-se ao lutador.

Analisando cuidadosamente, vemos que Freddy insiste pelo pedido de Naz. Ele o faz quando o aconselha a trocar seu macacão cor de laranja que grita ‘criminoso violento’ pelo uniforme verde discreto. Ainda que fale a Nasir que ele não lhe deve nada por aquela atitude, Freddy está cultivando em Naz a sensação que o paquistanês precisa e quase depende dele.  E ao longo do episódio, após ser atacado duas vezes, Nasir vai concluindo que sua melhor chance de sair vivo é realmente aliar-se a Freddy.

Sobre o napalm artesanal, preciso dizer que meu alerta contra Hart acendeu no momento em que ele mostra a foto de sua sobrinha. Quem em sã consciência guardaria a foto de um ente querido morto, especialmente naquele estado? Que homem macabro. Aí fica evidente a transformação de Naz. Não é com a polícia que ele procura ajuda. Seguro, ele encara seu agressor e decidi-se de uma vez por todas a pedir auxílio de quem realmente manda ali.

Como falei em reviews anteriores, acredito que a ajuda de Freddy não vá se limitar ao terreno interno de Riker Island. Será que há alguma chance de, por exemplo, o boxeador pagar a defesa de Naz?

Clube da Justiça. Os objetivos da advogada Crowe ao aceitar o caso Nasir Khan não poderiam ter ficado mais claros… Sem qualquer interesse em lutar pela defesa e honra de Naz ou buscar justiça para Andrea, como vendeu tão bem ao casal Khan, ela desejava apenas a fama e alavancar sua carreira sem muito trabalho. Aquela que se mostrou tão humana quando oferecia seus trabalhos para a família Khan, não poderia ter sido mais ríspida ao lidar com Salim e com o próprio Naz. Enquanto as vidas de um homem (inocente?) e de uma jovem menina brutalmente assassinada foram devastadas, vemos os protagonistas do sistema judiciário americano em uma intensa negociação movida unicamente pelos próprios interesses: fama, poupar esforços e recursos de um Julgamento, desafogar o sistema…

O acordo oferecido para Naz, 15 anos (com a possibilidade de sair em 12), seria irrecusável para o autor do crime, realmente um presente dos deuses. Mas para um jovem que sabe que é inocente não se trata de evitar uma prisão perpétua e ganhar anos de liberdade, mas justamente de perder esses 15 anos de sua vida. Na sua alegada inocência reside a esperança que o sistema funcione e a justiça seja feita, o que significaria sua absolvição. Não há vantagem em ‘trocar uma vida na prisão por alguns poucos anos’ quando na verdade o que ele enxerga é que estaria trocando sua honra, sua inocência e liberdade absoluta por 15 longos anos preso por um crime que não cometeu.

Crowe, Stone, Freddy… Todos insistem para que Naz aceite o acordo. Talvez por terem a consciência que o sistema é falho e que aquela é a melhor oportunidade para o paquistanês. O argumento pró-acordo mais contundente e razoável foi o de Stone: Aceitar o acordo não indica que você a matou, mas que não confia que doze idiotas serão justos para decidir. E a verdade é que ele tem razão. Mas como um homem inocente aceita ser condenado por um crime que não cometeu sem nem ter a chance de provar sua versão dos fatos?

A única pessoa que levanta a hipótese de Naz recusar o acordo é justamente aquela que Crowe chamou para convencê-lo de uma vez por todas. E no diálogo com Chandra surge a confiança que Nasir nunca sentiu em relação nem à Crowe ou mesmo Stone. Ela mostra-se interessada em conhecer sua história e encará-lo ‘como uma pessoa’ e não um caso, e assim, Naz decide-se por surpreender a todos e alegar inocência quando devia assumir-se culpado.

E que sensação maravilhosa vê-lo enfrentando Crowe que despida de qualquer profissionalismo gritou “Você é um idiota. Você se arruinou. Eu mesma tenho vontade de matá-lo”.  Vai tarde, mulher. Que personagem detestável!

Stone & Chandra. A dupla improvável de advogados pode ter iniciado nesse episódio uma parceria importante na defesa de Naz, quando Chandra compra as informações obtidas por Stone. Se a interação começa com a desanimadora ‘Detesto moças atraentes dizendo que lembro o pai delas’, a perspectiva é que as coisas melhorem. Os dois têm em comum o fato de estarem realmente envolvidos com a pessoa Nasir Khan e não apenas com o caso do paquistanês assassino.  Mas agora a devastada família Khan, que vive em uma casa vigiada pela imprensa e sente os preconceitos de ter um filho homicida em todos os aspectos de suas vidas, precisará pagar pelos serviços de Chandra. A não ser que prefiram outro profissional…

 SM DETECTIVE

– A lista de suspeitos permanece a mesma: Naz; Motorista da funerária; A dupla que viu Naz e Andrea juntos na casa da jovem; Padrasto de Andrea; o Vizinho de Andrea;

– O gato de Andrea ainda está vivo! E volta a ser mencionado…

  • Marcos Bastos

    Esse gato deve ter algum papel importante na história.

    Eu acho que o Freddy está por trás dos ataques a Naz (o colchão queimado, o corte no braço). Ele tem poder lá dentro e deve ter feito isso pra fazer o Naz pedir a ajuda dele. Agora, pq ele quer tanto o Naz dependendo dele? E se ele fizer o Naz sair (pagando um bom advogado, por exemplo) e começar a pedir favores? Isso vai realmente acabar o matando.

    Meu suspeito ainda é o vizinho dela.

    • Alan

      Acabei o episódio e pensei a mesma coisa. Freddy está arquitetando todos os ataques contra Naz. E não havia pensado nisso, Naz vai pagar a proteção quando estiver fora.

  • Marcos Bastos

    Esse gato deve ter algum papel importante na história.

    Eu acho que o Freddy está por trás dos ataques a Naz (o colchão queimado, o corte no braço). Ele tem poder lá dentro e deve ter feito isso pra fazer o Naz pedir a ajuda dele. Agora, pq ele quer tanto o Naz dependendo dele? E se ele fizer o Naz sair (pagando um bom advogado, por exemplo) e começar a pedir favores? Isso vai realmente acabar o matando.

    Meu suspeito ainda é o vizinho dela.

    • Alan

      Acabei o episódio e pensei a mesma coisa. Freddy está arquitetando todos os ataques contra Naz. E não havia pensado nisso, Naz vai pagar a proteção quando estiver fora.

  • Alan

    Não havia pensado que Freddy pode pagar a defesa. Acho que será isso mesmo. Continuo achando o padrasto e o vizinho como os principais suspeitos.

    Sobre a questão do eczema acho que vão continuar explorando isso na série, mas sem vínculo algum com o desenrolar, só para ajudar ainda mais na imagem de um advogado fracassado.

    O melhor do episódio foi a mudança em Naz, ele não tem mais o olhar de garoto virgem de faculdade, ele já se transformou, a cara de mau dele já é visível.

  • Alan

    Não havia pensado que Freddy pode pagar a defesa. Acho que será isso mesmo. Continuo achando o padrasto e o vizinho como os principais suspeitos.

    Sobre a questão do eczema acho que vão continuar explorando isso na série, mas sem vínculo algum com o desenrolar, só para ajudar ainda mais na imagem de um advogado fracassado.

    O melhor do episódio foi a mudança em Naz, ele não tem mais o olhar de garoto virgem de faculdade, ele já se transformou, a cara de mau dele já é visível.

  • Roberto Pereira

    Série excelente. O personagem do presidiário me intriga tbm. Qual é a dele insistindo em ter Naz lhe devendo favores? Acho que mais do que o mistério de quem matou, que imagino nem deva ser muito difícil descobrir (se alguém quiser MESMO investigar e apostaria no padrasto que tem mó cara de tarado) é mostrar os podres do sistema judicial. Como é tv provavelmente teremos um final “feliz” e a inocência de Naz virá a tona, mas na vida real…

  • Roberto Pereira

    Série excelente. O personagem do presidiário me intriga tbm. Qual é a dele insistindo em ter Naz lhe devendo favores? Acho que mais do que o mistério de quem matou, que imagino nem deva ser muito difícil descobrir (se alguém quiser MESMO investigar e apostaria no padrasto que tem mó cara de tarado) é mostrar os podres do sistema judicial. Como é tv provavelmente teremos um final “feliz” e a inocência de Naz virá a tona, mas na vida real…

  • ROGER JANSEN BASCHI

    A série só melhora e o eczema do Stone só piora…o coitado sofreu até

    bullying da Crowe no tribunal.!!

  • ROGER JANSEN BASCHI

    A série só melhora e o eczema do Stone só piora…o coitado sofreu até

    bullying da Crowe no tribunal.!!

  • Val Carnaval

    Amo suas reviews Steffi! ♡

    Adorei o ep. 4 e prevejo grande avanço nos próximos episódios.
    Gosto do comportamento do Naz, que mesmo sendo uma pessoa aparentemente frágil tenta se impor e não ser pisado. Porém ainda não entendo pq Freddy quer tanto ajuda-lo. Nada é de graça e o preço pode ser alto demais.

    O gato… oh Deus! Sofro!

  • Val Carnaval

    Amo suas reviews Steffi! ♡

    Adorei o ep. 4 e prevejo grande avanço nos próximos episódios.
    Gosto do comportamento do Naz, que mesmo sendo uma pessoa aparentemente frágil tenta se impor e não ser pisado. Porém ainda não entendo pq Freddy quer tanto ajuda-lo. Nada é de graça e o preço pode ser alto demais.

    O gato… oh Deus! Sofro!

  • Paulo Cesar Toledo

    Tenho 2 suspeitos: Naz e o vizinho. A transformação do paquistanês é uma pista. Lembrem-se que ele roubou o táxi do pai. A atitude dele diante do Hart sugere um dupla personalidade. O gato pra mim é a chave. Naz é mesmo alérgico? Há um grande destaque para a bombinha em todos os epsódios. Enfim, chutes, rs. Mais um espetáculo da HBO!

    • Cesar

      Ainda nao descartei ele, mas em relação ao Hart, porra, o cara pediu né? Só um trouxão ficaria apanhando sem fazer nada, acho a reação do Naz normal. Mas a serie aos poucos vai colocando mais pistas, como a discussão do padrasto da menina, certamente tem muita relevancia pro final

    • CoopLc

      Não descarto também a possibilidade do Naz ter feito mas acho que iria de encontro ao arco da série na prisão. Há uma forte crítica aqui ao sistema prisional e judiciário americano, como por exemplo o fato do delegado simplesmente acusar o Naz independente de seu instinto ser conflituoso. No fim, ele só quer fechar o caso e ganhar reconhecimento, assim como o Stone só quer ser aclamado – embora agora pareça que ele realmente se importe com o Naz. Julgá-lo como culpado, na minha visão, seria contraditório.

      • Paulo Cesar Toledo

        Por isso tenho o vizinho como o outro suspeito. Para a série, ser o Naz provocaria a surpresa, o hype. Para a proposta teria que ser outro.

        Em sábado, 6 de agosto de 2016, Disqus escreveu:

  • Paulo Cesar Toledo

    Tenho 2 suspeitos: Naz e o vizinho. A transformação do paquistanês é uma pista. Lembrem-se que ele roubou o táxi do pai. A atitude dele diante do Hart sugere um dupla personalidade. O gato pra mim é a chave. Naz é mesmo alérgico? Há um grande destaque para a bombinha em todos os epsódios. Enfim, chutes, rs. Mais um espetáculo da HBO!

    • Cesar

      Ainda nao descartei ele, mas em relação ao Hart, porra, o cara pediu né? Só um trouxão ficaria apanhando sem fazer nada, acho a reação do Naz normal. Mas a serie aos poucos vai colocando mais pistas, como a discussão do padrasto da menina, certamente tem muita relevancia pro final

    • CoopLc

      Não descarto também a possibilidade do Naz ter feito mas acho que iria de encontro ao arco da série na prisão. Há uma forte crítica aqui ao sistema prisional e judiciário americano, como por exemplo o fato do delegado simplesmente acusar o Naz independente de seu instinto ser conflituoso. No fim, ele só quer fechar o caso e ganhar reconhecimento, assim como o Stone só quer ser aclamado – embora agora pareça que ele realmente se importe com o Naz. Julgá-lo como culpado, na minha visão, seria contraditório.

      • Paulo Cesar Toledo

        Por isso tenho o vizinho como o outro suspeito. Para a série, ser o Naz provocaria a surpresa, o hype. Para a proposta teria que ser outro.

        Em sábado, 6 de agosto de 2016, Disqus escreveu:

  • Márcio Paulo

    Pelo andar da carruagem eu acho que o Stone vai conseguir inocentar o Naz e descobrir depois disso que ele era o culpado.

    Essa seria a grande sacada da série.

  • Márcio Paulo

    Pelo andar da carruagem eu acho que o Stone vai conseguir inocentar o Naz e descobrir depois disso que ele era o culpado.

    Essa seria a grande sacada da série.

  • Cesar

    Aquele preso que ferrou o naz… qual a era a dele afinal? Desde o inicio ele queria ferrar o Naz, ou tudo o que ele contou era verdade e ele so queimou o Naz pelo fato dele ter desistido de aceitar o acordo e tentar provar ainda sua inocencia? Sei lá, achei meio avulso…

    Outra coisa foi o episodio rodar essa possibilidade do acordo o tempo inteiro, e eu em nenhum momento cogitei de o Naz aceitar, pois tambem na faria sentido… não tinha pra onde historia continuar se isso ocorresse.

    Mas em geral, foi o 2° melhor episodio dos 4, atras claro, do piloto. E o mais importante, que vontade de ir atras desse livro The Call of the Wild, assim que tiver tempo, irei lê-lo

    • Alan

      Sobre o preso, na minha opinião, só mostrou como as pessoas lá são afetadas, parecem Normais mas todos têm suas loucuras. Ele ficou puto porque ele não fez o acordo ou então foi a mando do boxeador.

      Sobre quem matou a menina é alguém que tinha algum laço afetivo com ela, devido ao número de facadas

  • Cesar

    Aquele preso que ferrou o naz… qual a era a dele afinal? Desde o inicio ele queria ferrar o Naz, ou tudo o que ele contou era verdade e ele so queimou o Naz pelo fato dele ter desistido de aceitar o acordo e tentar provar ainda sua inocencia? Algo relacionado ao assassino de sua sobrinha. Sei lá, achei meio avulso…

    Outra coisa foi o episodio rodar essa possibilidade do acordo o tempo inteiro, e eu em nenhum momento cogitei de o Naz aceitar, pois tambem na faria sentido… não tinha pra onde historia continuar se isso ocorresse.

    Acho que depois da cena no cemiterio, em que o padastro novamente volta a trama, nao tem como ele não estar envolvido. Queria algo mais original e surpreendente… Sera que vai ser so mais um caso de familia? Se bem que QUEM matou é quase o de menos, como ja falaram, o sistema judiciario é o destaque da serie.

    Sobre o Stone… engraçado como a serie cria duas situações que podiam acabar totalmente com sua auto-estima, ser considerado um bosta por todas as “autoridades” do judiciario. E o problema de seus pés. Mas ele não se afeta tanto por isso, entao nao sei se faz muito sentido continuar com isso

    Mas em geral, foi o 2° melhor episodio dos 4, atras claro, do piloto. E o mais importante, que vontade de ir atras desse livro The Call of the Wild, assim que tiver tempo, irei lê-lo

    • Alan

      Sobre o preso, na minha opinião, só mostrou como as pessoas lá são afetadas, parecem Normais mas todos têm suas loucuras. Ele ficou puto porque ele não fez o acordo ou então foi a mando do boxeador.

      Sobre quem matou a menina é alguém que tinha algum laço afetivo com ela, devido ao número de facadas

  • Fernando d.S.

    o enredo de The Night of está de maneira geral bem parecido com a série original britânica

  • Fernando d.S.

    o enredo de The Night of está de maneira geral bem parecido com a série original britânica

  • Wellington Laurindo

    Será que Stone já foi preso alguma vez na vida e foi nos banhos da cadeira que ele pegou aquela doença? E quando ele fala que o Naz sairia da cadeia aos 35 e que adoraria ter 35 anos de novo, isso diz alguma coisa, não?
    Sobre os suspeitos eu tiraria esse motorista da funerária e colocaria o jovem que estava falando com o padrasto de Andreia. Também suspeito muito do Naz, pois ele apagou no meio da transa, pode ter acontecido muita coisa nesse lapso temporal, além da mudança dele nesse episódio, sei que ele já tem um tempinho na prisão e que isso já trás uma mudança, mas achei ele frio demais ao tomar algumas atitudes.

  • Wellington Laurindo

    Será que Stone já foi preso alguma vez na vida e foi nos banhos da cadeira que ele pegou aquela doença? E quando ele fala que o Naz sairia da cadeia aos 35 e que adoraria ter 35 anos de novo, isso diz alguma coisa, não?
    Sobre os suspeitos eu tiraria esse motorista da funerária e colocaria o jovem que estava falando com o padrasto de Andreia. Também suspeito muito do Naz, pois ele apagou no meio da transa, pode ter acontecido muita coisa nesse lapso temporal, além da mudança dele nesse episódio, sei que ele já tem um tempinho na prisão e que isso já trás uma mudança, mas achei ele frio demais ao tomar algumas atitudes.

  • Bruno Vaz

    Um palpite que tenho é que toda essa questão do eczema do Stone vai servir, caso ele volte a defender Naz, pra que ele em um futuro julgamento final do caso, John calce os sapatos que tanto lhe fazem falta, simbolizando todo o “sacrifício” e envolvimento pelo Naz.

    • Regina

      Sim, isso faz muito sentido.

    • CoopLc

      Realmente! Tem uma cena no terceiro episódio em que ele fica encarando um sapato na loja. Confesso que senti a dor dele, embora nunca ter sido eczema. John Turturro é do caralho.

  • Bruno Vaz

    Um palpite que tenho é que toda essa questão do eczema do Stone vai servir, caso ele volte a defender Naz, pra que ele em um futuro julgamento final do caso, John calce os sapatos que tanto lhe fazem falta, simbolizando todo o “sacrifício” e envolvimento pelo Naz.

    • Regina

      Sim, isso faz muito sentido.

    • CoopLc

      Realmente! Tem uma cena no terceiro episódio em que ele fica encarando um sapato na loja. Confesso que senti a dor dele, embora nunca ter sido eczema. John Turturro é do caralho.

  • Carolina Alvarenga

    Esse ator estava no Jason Bourne

  • Carolina Alvarenga

    Esse ator estava no Jason Bourne

  • CoopLc

    Espero que a Aida Turturro apareça mais, adorei revê-la, mesmo que por alguns segundos. Confesso que aquela cena me deixou triste, porque seria o Gandolfini interpretando o Stone e ver a Janice dando esporro no Tony seria bom demais.

  • CoopLc

    Espero que a Aida Turturro apareça mais, adorei revê-la mesmo que por alguns segundos. Confesso que aquela cena me deixou triste, porque seria o Gandolfini interpretando o Stone e ver a Janice dando esporro no Tony seria bom demais.

    Aliás, acho que o assassino da Andréa está relacionado à clínica de reabilitação que o Stone estava investigando. E interessante notar o rápido flashback do Naz na hora de aceitar o acordo no tribunal. Fomos apresentados à um ponto de vista que antes não nos fora mostrado. Será que o pó que ele cheirou não era cocaína, e sim algo para fazê-lo “apagar” e ele e a Andrea morrerem juntos? Ela claramente contemplava suicídio. Minha teoria até agora é que o assassino está ligado a clínica de reabilitação e que ele ainda não apareceu. Ou será que é o carinha que tirou foto dos arquivos para o Stone?

    Ainda: achei suspeito até demais esse padastro da Andrea, e aquela conversa no seu funeral me deixou ainda mais instigado.

  • Fábio Santos

    Chama o Pé de Mais Um, o prof. Girafales e o advogado de defesa porque esse gato é suspeito!

  • Fábio Santos

    Chama o Pé de Mais Um, o prof. Girafales e o advogado de defesa porque esse gato é suspeito!

  • talita :)

    Estou adorando mesmo essa série. Qualidade irretocável de roteiro, trilha sonora. Conseguem fazer a gente sentir o que é estar naquele ambiente hostil. Destaque muito bom para o Riz Ahmed, não o conhecia e to encantada com o trabalho de atuação dele, é realmente MUITO bom! Ainda bem após ver o personagem dele em Jason Bourne. Enfim, série fantástica.

  • talita :)

    Estou adorando mesmo essa série. Qualidade irretocável de roteiro, trilha sonora. Conseguem fazer a gente sentir o que é estar naquele ambiente hostil. Destaque muito bom para o Riz Ahmed, não o conhecia e to encantada com o trabalho de atuação dele, é realmente MUITO bom! Ainda bem após ver o personagem dele em Jason Bourne. Enfim, série fantástica.

    • Thiago luis

      Ele fez o ajudante do Jake gyllenhall em O Abutre

  • Carolina Favero

    Queria tanto achar esse livro do Sidney sheldon que citam nesse episodio na internet mas parece impossível. ..

  • Carolina Favero

    Queria tanto achar esse livro do Sidney sheldon que citam nesse episodio na internet mas parece impossível. ..