The Crown 1×04: Act of God

3
1054

Mesmo Elizabeth tendo vivido para suceder o seu pai no trono, a forma com que isso aconteceu foi de forma abrupta como pudemos acompanhar nos episódios anteriores. E se antes o foco era nessa transição em saber lidar com diversas forças e opiniões, agora a política entra com tudo na história. Diversas séries abordam a política como mote principal (Veep, House of Cards, The West Wing), porém essa abordagem contemporânea entre monarquia e política é algo que não estamos familiarizados a acompanhar, e está sendo bastante interessante.

Todo soberano precisa de conselheiros para tomar as melhores decisões e Elizabeth enxerga na sua vó essa pessoa principal. Mary tem um conhecimento político e estratégico sobre a monarquia e o governo do Reino Unido que só ajudará sua neta no seu reinado. Política é poder, mas quando você não é eleito e mesmo assim possui uma enorme força nas posições do seu país, como saber o limite entre os dois, quando interver? Essas questões foram as principais desse episódio, chamado de “Ato Divino”.

A série conseguiu relacionar a “vontade” de Deus fazer com que alguém nasça monarca e precise exercer esse mandato, com o grande nevoeiro que aconteceu em Londres no ano de 1952. A pressão do Partido Trabalhista com o mandato de Churchill é tão grande que chegou na rainha. Mas aí que está a questão, um monarca deve utilizar do seu poder para interferir em questões governamentais? George VI lidou diferente de sua filha quando confrontado para conversar com o Primeiro Ministro sobre a sua possível renúncia do cargo político. A situação do país era outra, sem sombra de dúvidas como afirmou Tommy, porém toda essa pressão em Elizabeth II é mais por conta da sua inexperiência no cargo e ter a aparência de uma mulher “frágil”. 

O grande nevoeiro de Londres em 1952
O grande nevoeiro de Londres em 1952

Em círculos nos quais homens exercem a maioria das decisões e mulheres na maioria das vezes são apenas secretárias e/ou correspondentes, os homens tendem a menosprezar mulheres e acham que elas podem ser manipuláveis. A rainha Elizabeth II já mostrou que consegue lidar com essa situação muito bem, a diplomacia é algo nato dela, e como sua avó aconselhou-a há momentos nos quais não se deve tomar partido, mesmo sendo difícil não se posicionar, a melhor e a coisa mais difícil de fazer é não se posicionar.

Se para um monarca é necessário medir toda essa intervenção na política do governo, para os governantes é fundamental se posicionar. Churchill era o líder do Reino Unido na época e enquanto defendia não fazer nada, se Deus mandou ele acaba, o caos reinava em Londres. O egoísmo dos políticos mostra que só quando a situação lhes afeta de alguma maneira é que medidas são tomadas. Com o Primeiro Ministro não foi diferente, mesmo sofrendo duras críticas do seu partido e outras forças internas se articulando para tentar tirar a sua posição, ele só toma uma atitude quando sua secretária morre. Churchill foi um político fundamental na 2ª Guerra Mundial e voltar ao poder não foi a melhor decisão, por conta do seu ego ele preferiu voltar e sofrer críticas fundadas sobre sua forma de governar.

No fim um nevoeiro que podia ter sido evitado se sancionado a lei anteriormente foi chamado de ato divino, e um político que se omitiu até quando não pôde mais se saiu como herói. De divino toda essa situação não teve nada.

> Veredito da 3ª temporada de Black Mirror!

PS1: A necessidade da mudança rápida na conversa que Elizabeth II teria com Churchill mais uma vez mostra que de besta e ingênua ela só tem a cara.

PS1: Que fotografia linda quando o sol volta!

PS3: A burocracia monárquica é tão grande que até decisões pessoais precisam passar pelo gabinete do Primeiro Ministro, eu hein!

  • Vaz

    Achei esse episódio fantástico por conseguir representar bem o grande nevoeiro. Desde o início, já ficamos esperando o momento em que a secretária de Churchill seria uma das milhares de vidas perdidas na ocasião. Destaque para a parcialidade da imprensa ao transformar o PM em herói depois daquele discurso inesperado.

  • Caio R

    A secretária teve seu momento de brilho, principalmente por lembrar Churchill a força que ele ainda tem e quem era aquele rapaz de 24 anos. A forma como retrataram o nevoeiro foi formidável. E os diálogos entre a Rainha e o Primeiro-Ministro sempre muito bons.

  • Mari_LP

    Excelente episódio! Muito bem estruturado do começo ao fim. Na minha opinião não foi a morte da secretaria que fez o PM mudar de ideia, mas sim o fato dele ter sido chamado pela rainha de ultima hora. Isso o fez desconfiar e, temendo pelo cargo, decidiu se posicionar posando de herói. Outro ponto interessante são os créditos finais. Enquanto Philip se ressente não poder voar e diz que não faz nada o dia inteiro, 12.000 pessoas estão morrendo nas ruas..