The Crown 1×03: Windsor

4
1188

Qual a prioridade na sua vida, o amor ou o dever? Esse dilema foi crucial em Windsor, terceiro episódio de The Crown. Se vendo na posição máxima da que é talvez a maior casa monárquica da Europa, Elizabeth precisa decidir como lidar com as decisões e expectativas da sua vida pessoal e como isso se relaciona com os seus deveres como rainha.

Se nos episódios anteriores haviam insinuações e sugestões dúbias, em Windsor fica mais do que clara a ambição que Philip tem de ascender socialmente e se tornar efetivamente o novo chefe de estado do Reino Unido. Se casar com a calma e obediente Elizabeth foi algo fundamental para suas aspirações, não só por ser a primeira na linha sucessória, mas porque, tivesse investido na errática e espontânea Margaret, ele nunca teria influência real nas decisões da corte inglesa.

Agora o príncipe-consorte se vê em uma situação complicada. Incapaz de viver à altura das expectativas de sua família, mas sem querer deixar de lado a esposa por quem já tem afeto, e com quem já criou uma amorosa família, Philip precisa engolir o orgulho e se focar em ajudar Elizabeth a governar o seu reino. Ele sabe que ainda é muito importante para a rainha, e ainda que suas aspirações estejam em segundo plano, ainda pode exercer uma enorme influência sobre ela.

Como era de se esperar, porém, os planos e opiniões de Philip são apenas uma parcela do bombardeio de informações que Elizabeth sofreu desde o acontecido com seu pai. Todos parecem acreditar estarem manipulando a jovem, não só o seu galante marido, mas Churchill, Edward, e até sua avó. O que nenhum deles percebeu ainda, contudo, é que Elizabeth tem um excelente dom diplomático, o que permite que ela tome suas próprias decisões, ao mesmo tempo em que parece estar acatando os conselhos de alguém.

Sem dúvidas a decisão final da rainha foi um duro golpe no seu relacionamento, mas essa dualidade entre o dever e o coração está representada brutalmente por seu tio, Edward. Apesar de ainda ter algum apreço junto à população, é fato que o ex-rei perdeu toda a moral e a influência que poderia ter, basicamente por abdicar de tudo em nome do amor. A sua mãe é a maior crítica, e Elizabeth sabe que se abandonar o nome  Windsor, deixará a sua família quase tão desagradada quanto.

Edward, por sinal, talvez justamente por já ter passado por essa decisão entre o dever e o coração, parece se surpreender com o pensamento e a atitude de sua sobrinha, e o personagem se mostra constantemente surpreso pelas opiniões proferidas, como se estivesse se dando conta que aquela não é apenas uma mulher ingênua, opinião que parece ser compartilhada por quase todos. Talvez o único que já tivesse percebido o potencial de Elizabeth, fosse seu pai, George, que do alto de sua bondade, sempre tratou a filha não só com o afeto irrestrito, mas com respeito de quem sabe estar falando com uma igual.

O Duque Edward VIII já começou a se dar conta que sua sobrinha é uma mulher de atitude. The Crown --- Windsor.
O Duque Edward VIII já começou a se dar conta que sua sobrinha é uma mulher de atitude. The Crown — Windsor.

> Veredito da 3ª temporada de Black Mirror!

Em suma, The Crown mantém um ritmo adequado para o que vinha mostrando em seus primeiros episódios. Longe do elenco ou das picuinhas de Downtown Abbey, por exemplo, a série da Netflix continua nos presenteando com atuações muito boas (ainda que não espetaculares), e uma trama interessante (ainda que não tão profunda), com destaque absoluto para a produção, que segue recriando a Inglaterra dos anos 50 de forma brilhante. Resta saber agora quais os próximos passos da rainha ainda não nomeada, e em que momento todos começarão a perceber a força da jovem regente.

  • Natanael Lucas

    Conseguiram deixar o Duque Edward bem irritante! haha
    Ótima review, o próximo episódio é um dos melhores da série! o/

  • Isadora Alonso

    A série está maravilhosa, comecei a ver na sexta e já estou quase terminando! A ambientação, os personagens e a história estão seguindo um ótimo rumo e até onde eu vi (episódio 7) algumas gratas surpresas ajudam ainda mais a melhorar a série.
    Pena que o Rei teve de morrer logo pois era um dos melhores personagens e as cenas da sua !despedida” foram ótimas. O tio de Elizabeth é irritante mas ainda sim, outro personagem bom (especialmente no episódio da coroação).
    Parabéns pela review!!
    E realmente o próximo é um dos melhores episódios rs

  • Alessandra Ghagsdgd

    Adorei ver o Duque Edward representado pelo ator que fez Charles em A Rainha, mas meu pug quer processar Elizabeth por suas palavras crueis sobre essas bolotinhas adoraveis

  • Caio R

    Seguindo o nível dos episódios anteriores, mas aprofundando nos dramas pessoais, como a convivência com as expectativas da família (Philip), o fundo do poço (Edward) e frieza himalaica necessária para servir de exemplo (Mary). Esta última, inclusive, tem se destacado. E em um momento onde haviam três rainhas (Mary, a rainha-mãe e a rainha), a avó e a neta apagaram completamente a rainha-mãe, que sempre fora apresentada como uma figura carismática mas que até o momento tem se mostrado pouco tragável.