Survivor Millennials vs Gen X 33×08: I’m the Kingpin

41
910

Um dia do caçador, outro da caça em I’m the Kingpin.

Sim, Diogo Pacheco não pôde escrever esta semana e eu mesmo, Guto Mello, a Ana Furtado da cobertura de Survivor do Série Maníacos, cheguei para substituí-lo.

E já vou começar falando sobre quão fascinante pode ser Survivor como jogo social, acima de questões estratégicas. Eu fui aprendendo, com o tempo e com a maratona do reality, que de nada adianta ser o primeiro da turma, ser campeão mundial de xadrez, fazer parte de uma Agência Nacional de Inteligência para saber jogar Survivor. Você pode chegar à final usando estratégia e inteligência, mas em tempos em que Michele Fitzgerald é a atual detentora do título de Sole Survivor, há de se compreender que a percepção alheia de quem você é e do que faz pode importar muito mais do que o que você de fato faz para chegar lá.

O mais interessante do momento da merge não é a divisão de votos ou as alianças que são feitas até aqui. Era inclusive bastante previsível que, nesta temporada, a votação ocorresse da maneira como foi e estrategicamente estamos falando de uma merge até bem mais morna do que a média em Survivor. Mas em termos comportamentais, os personagens da atual temporada estão dando um show de entretenimento, criando novas dinâmicas e modificando o ambiente e o jogo de maneiras completamente malucas e imprevisíveis, e é justamente isso que torna Millennials vs Gen-X uma temporada tão fascinante.

A vingança dos nerds

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

Todos aguardávamos ansiosamente por esse momento e ele veio: Zeke, Hannah e Adam reunited, e mais munidos de informação do que qualquer outro “voting block” desta temporada. Mas o mais curioso dessa história é pensar em como o jogo – e consequentemente, o comportamento dos jogadores – se transformou completamente desde a última vez que esses três estavam juntos. Cada um deles passou por uma jornada e por uma mudança, para o bem ou para o mal, e esse processo que os levou às pessoas que eles foram na merge fica fácil de entender quando levamos em conta a história das três tribos.

Zeke cresceu imensamente depois que deixou os Millennials. Na New Vanua, construiu relações sólidas com Chris e David – ele sempre dizia que não se identificava tanto com o estilo Millennial de vida – e dominou a tribo. Essa confiança construída depois do tombo gerou um Zeke confiante, seguro e dominante na merge, que acabou despontando como uma espécie de líder para o trio.

Hannah, por outro lado, chegou à merge sentindo o peso do blindside maravilhoso do episódio anterior, e isso apenas solidificou em sua mente a sensação de pertencimento à sua aliança inicial dos nerds – que ela, por pura insegurança, havia traído. O movimento de Jay para tirar Michaela acabou desconstruindo o trabalho de Michelle para conquistá-la e a empurrando de vez de volta para os misfits, desta vez segura do que quer e das pessoas com quem quer jogar.

Adam, por sua vez, ficou no meio do caminho. Ele era o swing vote na New Takali e fez a escolha de ficar ao lado de Ken e Jessica e contra Taylor. O problema é que Ken e Jessica são uma dupla na qual Adam jamais conseguiria se infiltrar. Ele seria sempre um acessório para os dois, não sendo possível construir uma relação sólida e real como ele poderia ter entre os Millennials. Por outro lado, Adam havia saído da primeira tribo em uma situação de bottom e Taylor, a única cara conhecida que estava com ele desde o início, fazia parte da aliança dominante na ocasião. Essencialmente, Adam era o único dos três nerds cuja história não tinha solidez suficiente para que ele tivesse confiança para decidir para que lado ir e com quem jogar.

Dessa forma, o que vimos foi um Adam desesperado demais para criar relações com quem quer que fosse e, portanto, pecando pelo overplay. O mais curioso de tudo foi ver ninguém mais e ninguém menos que Hannah funcionando como o pilar de sustentação do aliado e explicando que ele não deveria enlouquecer. Aqui caberia a frase “quando Hannah é a pessoa que diz que você está desesperado demais, é hora de rever seu comportamento com urgência!”. Mas não acho que seja bem assim. Ao contrário de Adam, Hannah finalmente encontrou seu lugar no jogo, e, diante dessa segurança, mudou completamente de postura, consequentemente aumentando suas chances. Essa inversão de papéis foi definitivamente a coisa mais interessante do episódio.

A volta da dupla dinâmica

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

David e Ken foram uma dupla por quem a maioria de nós torcemos durante o pre-merge, principalmente por eles serem os oprimidos da tribo Gen-Xer, e é bonito ver a postura de Ken feliz por recuperar seu aliado (embora eu tenha sentido um pouco a ausência da recíproca quando assisti a esse momento). E é interessante ver como, assim como Hannah, a dupla, principalmente David, mudou completamente de postura se compararmos com os outsiders que eram na primeira Takali.

A esta altura do campeonato, acho muito difícil alguém negar o fato de que David é um jogador especialmente astuto que vem lançando mão de uma estratégia interessantíssima para seguir em frente: usar as vantagens que possui no jogo para criar vínculos e ganhar aliados. O primeiro foi Ken, a segunda Jessica, e por fim Zeke. Essas conexões fizeram com que David assumisse uma posição extremamente confortável e, embora seja possível argumentar que o social é responsável por isso, nós o vimos tentar jogar socialmente no início, sem sucesso. Jessica só se “converteu” depois de ser salva, e Zeke muito provavelmente enxergou David com olhos melhores após ver o idol.

Essa ideia não é inédita, mas tenho a sensação de que nunca serviu como o grande alicerce estratégico de alguém dessa maneira, ao ponto de trazer três aliados diferentes em situações distintas. Por esse motivo, vejo David como um jogador não apenas ousado, mas único e que certamente já tem o status de jogador histórico para o show. Após vê-lo claramente colhendo tão bons frutos de suas decisões nesta merge, me pego torcendo por ele no jogo, de forma que seja possível estabelecer, em plena trigésima terceira temporada, uma nova estratégia “David” de vencer. Seria um legado muito interessante para Survivor.

Presente de grego

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

É curioso pensar que David teve tanto sucesso em sua decisão estratégica enquanto Adam falhou miseravelmente ao tentar fazer a mesma coisa, e analisar as variáveis que geraram resultados tão diferentes é importante neste espaço.

A primeira e mais óbvia delas é o fato de essa vantagem de Adam ser a vantagem mais inútil e desnecessária da história do show. Kelley Wentworth já comentou publicamente que ficaria putíssima se passasse horas procurando e achasse uma merda dessas, ia querer jogar o papel no fogo e exigir uma diferente pra produção. Se essa linda está dizendo, quem somos nós pra contrariar, não é mesmo?

E ela está certíssima. Roubar uma recompensa pode até ser bom para matar a fome ou a saudade da família, e certamente seria boa TV, mas estrategicamente não é nada benéfico para o dono da vantagem. Pior: o risco é deixar uma pessoa com ódio de você para o resto do jogo e cavar a própria eliminação.

Se eu fosse Adam ficaria bem quietinho e jamais usaria essa vantagem, ou, na melhor das hipóteses, usaria em alguém que está no bottom e já o considera inimigo de qualquer maneira, de forma a impedir que essa pessoa se alimente bem para o desafio de imunidade. Mas mesmo essa última estratégia não me soa como algo que vale o risco de sair por aí sozinho procurando idols. Se a aliança majoritária decidir isolar Taylor, Jay e Will, cedo ou tarde acaba conseguindo eliminá-los de qualquer forma.

E eis que aí Adam tenta ser inteligente e usar essa vantagem da mesma maneira que David. À primeira vista, expor a vantagem em vez do idol pode ser considerado sinal de esperteza, já que ele tentou criar vínculos, mas resguardando seu maior segredo. Porém, levando em conta a inutilidade da vantagem, será que vale a pena se expor revelando algo que não tem serventia efetiva no jogo?

Se chegam pra me falar esse “grande segredo”, mentalmente eu diria “caguei” – isso se eu acreditasse de fato que o show ia inventar uma vantagem besta dessas. Não há por que me sentir mais próximo de alguém com um segredo bobo desses, mas, se eu sou um jogador mais ardiloso, posso muito bem tentar usar isso para jogar o coleguinha debaixo do ônibus.

Além de tudo isso, temos uma questão na qual David ganhou de Adam de goleada: a capacidade de ler a pessoa antes de decidir conquistá-la como aliada.

Um jogador tão ruim que dá a volta

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

Sem Figgy, Taylor ficou até divertido de assistir, porque o que ele tem de babaca, tem de burro. Seu par era quem o freava um pouco de cometer suas cagadas, e solto podemos ver toda a imbecilidade de Taylor em ação. O episódio dos potes foi HILÁRIO, o cara acorda à noite pra roubar comida, faz uma barulhada danada, e ainda tem a pachorra de gravar um confessional dizendo “sou bom com potes [WTF???] então resolvi roubar comida”.

Mas se Taylor é um jogador tão ruim, como Adam falhou tanto em enxergar que ele jamais ficaria ao seu lado? Além do desespero por estar perdido no jogo e do overplay, podemos dar a Adam o crédito de que uma aliança com Taylor seria uma ideia bastante interessante. É alguém que ninguém sonharia que seria próximo de Adam depois de tudo o que houve, e ainda é alguém sem cérebro e consequentemente fácil de controlar.

O que Adam não conseguiu compreender foi que, se o plano era enfraquecer Jay, não faz sentido algum contar ao seu mais notório aliado desde o dia 1 e tentar vender essa como uma boa jogada para Taylor. Até mesmo alguém como ele é capaz de entender que esse movimento logo de cara na merge não seria nada vantajoso. Você elimina minha namorada do jogo, quer atacar o meu melhor amigo, e acha mesmo que eu vou achar esse plano um máximo? Adicionalmente, é fácil enxergar que Taylor não é o tipo de cara que abandonaria todo esse histórico e ficaria grato a Adam por ele revelar que tem a vantagem.

A conclusão é que chega uma hora no jogo em que você precisa simplesmente escolher uma aliança e ficar nela, e não tentar fazer planos mirabolantes com todas as pessoas possíveis. É razoável, porém, pensar que Adam conseguirá se recuperar desse episódio desastroso, até porque a narrativa da temporada o vem tratando como um dos personagens principais da nossa história. E, nesse aspecto, fiquem com uma aspa que ouvi e considero genial:

“Adam é o típico protagonista de filme adolescente, e esse episódio foi aquela fase do filme em que o protagonista se empolga e faz merda. Como quando Cady toma o lugar de Regina George.” (PACHECO, Diogo)

Apesar de eu não ver Adam com olhos tão otimistas, consigo enxergar essa como sendo a narrativa escolhida para ele na história, e a comparação com Mean Girls é maravilhosa. Ao menos desse episódio da merge, ele de fato foi o protagonista absoluto. Um protagonista atrapalhadíssimo, mas ainda assim um protagonista. Para o futuro, o que eu recomendaria era que Adam contasse logo sobre a vantagem para todos os outros jogadores antes que Taylor tenha a oportunidade de fazê-la se virar contra seu dono.

Versão 2.0

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

Foi muito legal assistir a uma versão atualizada – em vez de simplesmente reciclada – de um clássico challenge de Survivor (sdds Shii-Ann, sdds Parvati). É um dos meus desafios favoritos porque ele não beneficia nenhum gênero ou tipo físico específico, e a nova dificuldade de ficar com as duas mãos pra cima adicionou um drama extra muito bacana. Estou achando os twists da temporada meio mequetrefes (vamos ver se a Legacy Advantage salva), mas, assim como acertou lindamente no tema e na escolha de elenco, a produção está caprichando bastante nos challenges e nos deixando orgulhosos.

O confessional de Will dizendo que precisava muito vencer deu uma boa pista de que ele ficaria pelo menos no F2 do desafio, e assim aconteceu. Quem de fato surpreendeu foi Jessica, mostrando uma garra bonita de ver (lembrei um pouco de Monica em Blood vs Water) e impressionando ao quase ganhar o colar. Mas, para a minha tristeza, o destino quis salvar Will dessa eliminação, o que acabou sacrificando uma jogadora que eu ainda não estava preparado pra perder.

“Estamos cometendo um grande erro”

Survivor Millennials vs Gen X --- I'm the Kingpin
Survivor Millennials vs Gen X — I’m the Kingpin

A visão de jogo e capacidade estratégica de Michelle sempre me impressionaram. Mesmo em seus momentos mais discretos, ela já havia deixado claro que jogava com sangue nos olhos e não deixaria seu destino à revelia dos demais jogadores. A edição nunca me enganou vendendo a ideia de que Adam podia sair, e a minha esperança era que a aliança majoritária decidisse eliminar Taylor. Por isso, quando o nome de Michelle foi jogado na roda por David, senti um frio na espinha.

Entretanto, Michelle começou a me tranquilizar com seu confessional dizendo que considerava a eliminação de Adam um grande erro e uma decisão emocional. Ela estava certíssima. Jay e Taylor eram apenas moleques que queriam alimentar o próprio ego em vez de pensar de maneira mais inteligente. Então, era hora de a nossa rainha do jogo de bastidores começar a agir (talvez usar sua conexão com Hannah para se associar às pessoas certas e mudar o alvo), certo?

Errado! A sede de vingança de Hannah não foi a única herança deixada por Michaela. Em entrevistas esta semana, Michelle nos contou que, na Ikabula, Michaela disse a todos que Michelle era uma grande ameaça estratégica e perigosíssima. Dessa forma, a louca da bíbila tomou a decisão estratégica de deixar esse votinho ser controlado pelas outras pessoas para evitar ser notada – e consequentemente alvejada. Isso é uma estratégia inteligente, mas um cenário instável como o da primeira votação da merge é a pior hora possível para decidir utilizá-la.

No fim, numa dessas inversões loucas que só Survivor é capaz de nos proporcionar, Michelle acabou sendo eliminada justamente por estar passando despercebida e, portanto, ser a candidata menos provável a receber a imunidade de um idol. Vê-la reconhecendo isso (que caiu justamente por ter decidido não tentar ser uma força atuante nessa votação) logo de cara no depoimento pós-Tribal Council confirmou a minha sensação de que Michelle tem uma impressionante visão de jogo e que foi sacrificada principalmente por ter se aliado às pessoas erradas e sofrido as consequências das péssimas decisões alheias.

Ótimo para todos os que continuam no jogo. Dos quatro da aliança minoritária, Michelle sem dúvida era a mais capaz (e provavelmente a única capaz) de realmente surpreender e organizar um contra-ataque. Certamente Michelle cometeu erros ao expor demais suas preferências de aliados e atacar desnecessariamente David na New Vanua, mas na eliminação de Mari ela brilhou muito e se mostrou uma jogadora como poucos são capazes de ser.

Michelle saiu bem mais cedo do que eu gostaria e se junta a Mari e Michaela na lista de participantes que eu gostaria de rever. Embora Michaela seja de longe a melhor personagem das três, quem está anos-luz na frente em termos de jogo que quero ver sendo jogado novamente é Michelle. Se a expectativa era de que a moça fosse fazer o papel da louca da bíblia, ela provou que de louca não tem absolutamente nada e que, independentemente de fé, é possível fazer um jogo extremamente racional e estratégico. É também essa a mentalidade que espero dela como a primeira jurada, e duvido muito que não seja a que teremos.

8 episódios, 7 blindsides… and counting! Não importa quantos favoritos meus saiam ou a triste escassez de mulheres da temporada, Milennials vs Gen-X já é uma season maravilhosa no meu ranking. E no de vocês?

> As séries favoritas do Fábio Porchat!

Ranking

  1. David – Controlou 9 votos no pós-merge e eliminou a jogadora mais perigosa entre os 4 possíveis alvos, aquela que inclusive já havia declarado abertamente que queria tirá-lo. Não há como dizer que ele não foi o mais beneficiado com o resultado da primeira votação. Tem Ken e Jessica como aliados de um lado, Zeke e Chris como aliados do outro e pode escolher tranquilamente pra que lado ir. Tudo isso num cenário pós-merge é extremamente poderoso, e ficarei extremamente surpreso se David estiver fora do F4 da temporada.
  1. Zeke – Finalmente começou a cumprir a promessa que era quando o cast saiu. Tem boas relações entre os gen-Xers e boas relações entre os millenials, e parece ser o líder da aliança dos nerds deixada por Mari como herança. Está pau a pau com David como candidato à posição mais confortável do jogo no pós-merge.
  1. Hannah – Dificilmente será vista como uma ameaça, e isso finalmente dá a ela uma boa margem para agir. Sua mudança de postura na merge, muito mais segura do que o que havíamos visto até então, mostra que ela sabe que o jogo virou em seu favor a partir de agora. O perigo é deixar os gen-Xers controlarem as coisas e acabar se vendo irreversivelmente do lado errado dos votos quando o jogo afunilar.
  1. Chris – Tinha tudo pra ser um enorme alvo assim que a merge chegasse, mas fez um jogo social digno para evitar isso e deve durar um bom tempo. Se me pedirem para apostar hoje no provável F4 da temporada, esses 4 nomes seriam minha aposta sem pestanejar.
  1. Jessica – Além de ser constantemente vendida pela edição como uma boa jogadora, Jessica mostrou nesse episódio que pode dar trabalho nos challenges (mas não mostrou suficiente para ser vista como challenge beast que precisa ser eliminada). Não acredito que vença, mas duvido muito que ela seja eliminada antes do F6.
  1. Ken – Está atrás de Hannah e de Jessica porque inevitavelmente carrega o rótulo de alfa. Além disso, como a edição mostrou, tende a fazer um jogo mais emocional, querendo votar em pessoas que o incomodam, e menos estratégico. A confiança que inspira e seu compromisso com a verdade eram forças gigantescas na fase tribal, mas, num cenário pós-merge, podem torná-lo alvo fácil de um blindside. Ainda tem mais chance de ganhar do que a maioria das pessoas que listei acima, mas, por ter menos chance de chegar à final do que elas, acabou ficando numa posição mais intermediária no ranking. E o fato de ele ter sido quase invisível em um episódio chave como o da merge fortalece a ideia de que sua eliminação acabará acontecendo.
  1. Adam – Apesar de ter sido o astro do episódio da merge (e isso não é pouca coisa), não foi retratado à melhor luz possível. Estaria muito mais bem posicionado aqui se não fosse por este episódio, mas a sua falta de noção ao pedir desculpas a Taylor anteriormente era apenas um sinal de suas falhas como jogador. A insistência em querer os cool kids como aliados e principalmente os depoimentos de Zeke e Hannah (as duas pessoas mais próximas dele no jogo) dizendo que Adam é um péssimo aliado e que não se pode confiar nele são um alerta laranja piscando em neon em 3D através da tela. É possível que ele reverta a situação e que tenha sido tudo um jogo da edição para ficarmos com medo de ele ser eliminado, mas o fato é que o que foi dito foi dito, e precisa ser levado em consideração.
  1. Jay – Quando você precisa de alguém do nível de Taylor pra te alertar de que está sendo alvejado, a coisa tá feia mesmo. Jay falhou em compreender o que estava acontecendo e colheu o pior resultado possível. Seu idol pode servir, na melhor das hipóteses, pra dar um golpe na aliança rival antes de ir embora (principalmente com um Adam que tende a falar demais e jogar na cara das pessoas que elas estão no bottom), mas Jay será o principal alvo da aliança dominante enquanto ele durar, e já pode ser considerado carta fora do baralho. Já é seguro dizer que o move contra Michaela foi a pior decisão que ele poderia ter tomado.
  1. Sunday – Segue invisível, e até por isso tem tudo pra se tornar a goat da temporada e durar mais tempo do que muitos favoritos. Possível candidata a finalista, daquelas que tem zero voto e que o júri inteiro acusa de não ter feito nada pra chegar lá.
  1. Bret – Agora que Zeke acordou, Bret tomou seu posto como a maior decepção da temporada. Prometia muito e não cumpre nada. Provavelmente acabará eliminado num episódio fraco.
  1. Will – A única coisa que sabemos sobre Will é que ele é bom em provas de resistência. No mais, como a edição não fez nenhuma questão de nos dar qualquer informação sobre o garoto (além de ele ter 18 anos, estar no ensino médio e ser o braço direito de Jay), eu diria que é impossível sustentar alguma argumentação para ele estar mais alto do que isto no ranking, seja como personagem, seja como jogador.
  2. Taylor – Se te perguntarem qual o pior jogador que já passou por Survivor, o mínimo que você tem que fazer é cogitar fortemente responder esse nome.
  • Nabia

    Que review maravilhosa. Adorei a maneira como você pontuou cada jogada e cada evolução de cada um dos jogadores.

    Esse episódio da merge apesar de não ter sido tão frenético, foi bastante interessante. Pudemos reafirmar que a jogada do Jay de eliminar a Michaela foi precipitada. Agora Jay não tem números, e com a merge, perdeu mais um.

    Essa “perseguição” de Taylor em cima do Adam já mostrou que não servirá pra nada além de derrubar o jogo do moço e das pessoas ao seu redor (sim Jay, seu jogo que já estava comprometido, se perde mais ainda qdo vc vai na onda do Taylor..)

    Michelle de fato era uma personagem interessante. É uma pena que ela escolheu os aliados errados. Sua trilha teria sido bastante diferente, se seus aliados iniciais tivessem sido outros.

    Gosto de ver como o David usa o poder do idol a seu favor. Ele consegue firmar boas alianças e com isso passar despercebido como uma ameaça estratégica. Possivelmente quando as pessoas acordarem, se é que vão acordar, ele já terá feito muito estrago.

    A vantagem do Adam é uma bosta, espero que o Legacy seja algo infinitamente melhor… Pq se for uma vantagem mequetrefe como essa, pode dispensar…

    Estou amando essa season recheada de blindsides. E quero muito mais…

    • Luiz GustavoCristino

      Obrigado Nabia sua linda!

      Eu vejo claramente o erro da jogada do Jay. Ele alienou a Hannah e, com ela, todos os Millennials. A eliminação da Michaela foi a pá de cal na possibilidade de os Millennials se juntarem.

  • Rafael Tietz

    Weeeeeeeeeeeeeeee
    Essa temporada poderia ter o subtítulo de “Survivor Tombo Tour”. Está tenso kkk
    Mas é realmente ótimo ver esses blindsides lindos a cada episódio .

    Agora eu espero que nas próximas semanas não tenhamos um jogo previsível com Taylor, Will e Jay saindo. Acho que se rolar uma saída da aliança principal (por conta do Idol do Jay). O jogo vai se movimentar e a aliança vai ruir.

    Amo Hannah.
    Gosto de Zeke, Ken e Chris.
    Não consigo gostar de Adam (depois desses episódio nem tem como defender) e David, mas quero eles saindo em grande estilo (se acontecer). Eles merecem algo assim, pelo menos.

    Ótima Review Guto Mello.

    • Luiz GustavoCristino

      Eu adoro Ken, mas a esta altura percebo que estamos gostando dele como pessoa e não como jogador. Como jogador o cara está invisível.

      Obrigado Tietz! <3

  • Eric Jones Leuthier

    Adorei a review! Essa temporada tá prometendo mais do que eu esperei, confesso.

    Jay só começou a colher as consequências de ter eliminado a Michaela (e a gente só fica apreciando tudo com um gostinho de vingança pq né). Uma pena realmente que tenha sobrado pra Michelle porque, como tu bem pontuou, ela tinha muita coisa pra mostrar na temporada em questões estratégicas.

    Adorei a Hannah finalmente ficando por dentro dos acontecimentos e tomando uma posição mais firme nas decisões. E além de ter sido a consciência do Adam nessa semana, ela me representou no desafio assumindo sentir as dores em todos os lugares do corpo. kkkk

    Em um momento, o episódio mostra um quinteto que me agradou formado por Zeke, David, Ken, Chris e Adam. Embora esse último tenha feito besteira nesse último (e acredito que vai continuar fazendo). Mas acho que basicamente todos aí estão em posições relativamente favoráveis, só coloco mesmo o Adam como o mais descartável pelo grupo.

    “Se chegam pra me falar esse ‘grande segredo’, mentalmente eu diria ‘caguei'”.
    HAHAHAHAHAHAHAHAH ADOREI.

    • Luiz GustavoCristino

      Eric <3 <3 <3

      Torço pro Adam se recompor e voltar a fazer um jogo digno, mas realmente esse ep foi um balde de água fria em quem tava gostando dele como jogador. Obrigado pelo comentário!!!

  • Lybio Jeffersom

    Ótima review!!!! eu sinto muito com a saída da Michelle, mas confesso que foi um move bastante inteligente e necessário do David, pelo menos ela esta no juri ( apesar de que, sdds juri de 7, sem twist da produção). Adam fio uma grande decepção nesse episódio pecando muito no overplay, porem, sua edição é bem boa, mas confesso que vai ficar dificil pra ele agora, sabendo que todos da aliança principal não o confiam para ser um aliado, acredito que deva ser usado como numero por enquanto.

    Obs1: Taylor de longe é a pessoa mais tapada, sem noção e estupida que já vi em survivor, e olha que em 33 temporadas, isso é algo notavel, parabéns aos envolvidos.

    Obs2: Amei Hannah estável nesse episódio, FINALMENTE votou com a aliança principal sendo informada e participando nas decisões.

    Obs3: David e Zeke estão em posições bem confortaveis, imagino um f3: David, Zeke e Hannah, mas confesso que mesmo a situação atual possa se considerar isso, a temporada tá boa e imprevisivel demais, e estou amando isso.

    • Luiz GustavoCristino

      Aeee Lybio, obrigadão!

      Apesar de não ter ficado feliz com a saída da Michelle, eu concordo que foi um belissimo move do David, e isso me deixou ainda mais animado com o jogo dele.

  • Morto com a Ana Furtado kkkkkkk
    Realmente o crescimento de Zeke no jogo foi absurdo e Hannah foi maravilhosa nesse episódio votando certo e inciando uma ”revenge” com classe e sutilidade rs. Agora Adam estava me convencendo que merecia o prêmio, porém nesse episódio, jogou quase tudo no ralo. Contar pra Taylor sobre a vantagem (mesmo que a vantagem fosse merda) não é uma boa opção. Taylor agora pode trabalhar com isso para tentar fazer algo contra o Adam, até porque seu único e claro objetivo de jogo é vingar Figgy. Que demente!. Também acredito que Adam poderia ter se envolvido mais com o Gen X justamente pra mandar o Taylor embora de uma vez. Overplay e arrogância….realmente não dá pra defender ele nesse episódio.
    David e Ken são os que, nesse momento, têm mais chances de levar o prêmio pra mim. Apesar que acho que Ken ainda precisa de se movimentar mais estrategicamente. Agora resta saber se essa aliança vai realmente continuar e ser verdadeira ou alguem vai jogar o amiguinho under the bus.
    E nesse episódio fica claro a burrada que Jay fez tirando Michaela. Tombos are coming. Agora ele tem Taylor do lado dele….que reforço de qualidade pra não falar outra coisa.
    Gosto muito do Brett e do Chris por any razões. Nunca imaginei que diria isso hahaha
    Amei a ponderosa de Michelle. Ela é muito fofa < 3 e inteligente. Poderia ser outra pessoa? sim. Mas não sou eu quem voted out então paciência.
    ''Taylor – Se te perguntarem qual o pior jogador que já passou por Survivor, o mínimo que você tem que fazer é cogitar fortemente responder esse nome.'' kkkkkk SIMMM

  • Felipe N

    Foi um bom episódio …. mas tudo meio previsível. Eu tinha certeza que a aliança Cool Kids iriam ficar na mesma posição que as meninas de Cambodia, quando Kass e Ciera ( Will e Jay) traíram Woo e Kelley ( Michelle) ficou no Botton por associação com uma configuração 9×4.
    Minha reação a Adam foi de frustração.Ele demostrou ser super ansioso, controlador e arrogante. Chegou a me incomodar como em alguns momentos Spencer me incomodava. Sua necessidade de controle fez colocar um alvo gigantesco em suas costas, me fazendo achar que em questão de tempo o Blindside aparecerá. Adam já está no radar de alguns jogadores e não é de agora, uma vez que David já o sacou e Jessica também mostrou estar alerta sobre Adam. Desde a eliminação de Mari, eu tinha visto que a aliança Nerd tinha ficado em evidencia na mesma proporção que a aliança Cool Kids. Mari, Adam, Zeke e Hannah sacaram o quanto a aliança de gente bonita era unida, sem perceber que uma aliança de Geeks também era óbvia demais. Como o histórico vem mostrando Nerds em ascensão, a arrogância tomou conta e não imaginaram que seus adversários fossem espertos o suficiente o que rendeu o grande Blind em Mari. O chilique de Zeke no terceiro episódio só mostra o quanto eles estavam se achando os PIKA entre os Millennials, e a edição de Adam nesse episódio realçou isso de uma forma extremamente negativa para sua edição.
    Diferente de Adam, Zeke e Hannah melhoraram muito e controlaram algumas coisas nos bastidores, sem colocar o alvo em suas costas. David continua me alegrar, Ken esta meio apagado e se mostrou emocional demais e Jessica cada vez mais vem ganhando minha simpatia. O mais legal é que diferente do que a edição imaginava o Legacy Avantage tem grandes chances de não passar por mão nenhuma e ser usufruída por Jessica mesmo.
    Embora não seja fã de Will e Taylor, não quero um pagong e já quero ver essa aliança gigante ruindo. O interessante é que atualmente existam quatro blocos de voto ( Zeke, Adam, Hannah), ( Jay, Will, Taylor), ( Ken, David, Jessica), ( Bret, Chris, Sunday) e ambos os blocos tem alianças com outros membros de outros bloco.

    PS1: Que vantagem mais bosta a do Adam!!!!
    PS2: Sunday é outra grande decepção nessa temporada …. CHAATAAAA !!!!
    PS3 : Ótima Review !!!!!!!

  • diogopacheco

    Valeu mesmo por me cobrir esta semana Guto. Parabéns, por mais um texto excelente. Adoro que posso ir viajar sabendo que Survivor fica em ótimas mãos.

    No geral, concordo concordo com tudo que você disse. David é o grande favorito. O meu ranking estaria um pouco diferente nas posições, acho que eu sou um pouco mais conservador e não faria grandes alterações, mas a leitura dos jogos é bem semelhante.

    • Ricardo

      Diogo, uma duvida,
      Sobre a vantagem do Adam, a primeira coisa que pensei foi sobre a vantagem de Jessica, caso ela seja eliminada e fosse dar para alguem, o Adam poderia roubar.

      Mas nao vi na review, e nem ninguem comentando sobre isso. Sera que nao pode?
      Por que se for possivel, nao minha opiniao isso é uma otima vantagem.

      mas agora fiquei na duvida

      • Kelly

        Para ele roubar ele deveria saber sobre isso. Além do mais, a vantagem do Adam é roubar uma recompensa e no momento em que alguém a ganha, o que não se aplica nesse caso.

      • diogopacheco

        A vantagem é roubar um reward e se jessica passar a legacy Adam nem vai ficar sabendo. Jeff já confirmou q a legacy se passada para alguém nao será na frente de td mundo.

        • Ricardo

          Valeu, nao sabia dessa informaçao que nao era na frente de todos.

          Entao, foi algo praticamente inutil mesmo

    • Luiz GustavoCristino

      Diogo, obrigado pela confiança, não é fácil te substituir!

      Eu não me lembro como estava o seu ranking, e como nunca tinha feito um ranking antes, foi mais fácil fazer a louca, mas se eu estivesse pensando em histórico teria sido mais conservador com certeza.

  • phillip

    Gostei muito do episódio, mas só vai dar pra saber se a merge vai ser boa mesmo a partir do próximo episódio que é quando dar pra começar a perceber se o jogo vai ter uma aliança dominante até o final ou vai ser mais ao estilo Cambodia com os voting blocks… Pelo jeito que essa temporada está indo, acho mais provável a segunda opção.

    Eu estou vendo muitas pessoas falando que o Ken é o mais provável de ganhar, mas, assim como você, eu não consigo enxergar muito isso na edição dele. Pra mim, ele será só um personagem importante na temporada. Não consigo ver ele ganhando.

    Acho que depois que essa temporada acabar, você e/ou o diogo poderia(m) fazer um ranking das 33 temporadas.

    • Rodrigo

      O que seria os “voting blocks”?

      • phillip

        Voting block é uma estratégia que é usada em algumas temporadas, mas ganhou destaque em Second Chances aonde a maioria das eliminações foi seguindo essa lógica.
        É o seguinte… Ao invés de haver duas ou três alianças dominantes e fiéis aos seus membros durante todo o jogo, as alianças seriam fluidas e mudariam em cada votação, isso seria o “bloco de votação”. Ex: A, B, C se jutam pra eliminar D. No episódio seguinte, A se junta com B e outros pra tirar C. No episódio seguinte, B se junta com outras pessoas pra tirar A e assim continua.
        Resumindo, não haveria lealdade a nenhuma aliança e as pessoas se juntariam pra eliminar em cada votação.
        Acredito que deixa deixa o jogo muito mais interessante, como foi em Second Chances.

        • FelipeJose

          Mas na pratica não funcionou bem assim… pq ainda existiu uma aliança principal… essa estrategia só ganhou mais destaque pq alguns participantes queriam usar essa desculpa p trair a propria aliança sem chamar muita atenção…
          Nessa temporada por outro lado acho que pode existir esses blocos mas de outra forma… seriam:
          Jay, Taylor e Will
          Zeke, Adam e Hannah
          Chris, Bret e Sunday
          Dave, Ken e Jess

          cada um desses trios seria um bloco e esses blocos iriam se unir vez ou outra com os outros blocos p eliminar alguém do outro bloco… nesse episodio o bloco do Jay tinha a michelle q foi eliminada pelos outros… no proximo minha aposta esta entre o taylor (se a dinamica permanecer a mesma) ou adam (se o bloco do jay conseguir se unir com chris, bret e sunday e/ou dave, ken e jess)

    • Luiz GustavoCristino

      Phillip, é uma ideia bem legal essa do ranking. Podemos tentar fazer sim. Vc ja viu o post do Diogo com as 10 melhores temporadas da história?

      • Phillip F.

        Eu vi, mas já faz algum tempo e tiveram muitas temporadas muito boas ultimamente

  • LucaSP

    Concordo muito com o contraste que você fez entre Adam e David. Na verdade, até esse episódio não tinha levado o segundo tão a sério, a ponto de achar que ele tinha chances de ganhar. Continuo com pé atrás em relação a vitória – por motivos de Zeke, que a edição adora insinuar como vilão, e Ken – mas de uns episódios para cá ele subiu muito no meu conceito. Não acho que o jogo que ele faz se desassocia muito de um jogo social. Para mim, se o social dele fosse tão ruim quanto pintado, ele teria sido eliminado no primeiro conselho ainda. O que me parece é que estão tentando criar uma trajetória de superação para ele – no melhor estilo, “olha como ele era ruim no início, e como melhorou no final”. Pode ser a trajetória de um finalista, mas também pode ser a edição criando um personagem marcante para futuras edições.

    Sobre Adam, levei tão a sério os comentários de Zeke sobre eliminá-lo quanto levo qualquer coisa que sai da boca de Taylor. Primeiro, Adam é alguém que a edição força muito uma ligação com o espectador – como faz com todos os jogadores com o perfil semelhante ao dele – logo, é natural essas falsas ameaças de eliminação. No momento, acho um péssimo negócio para Zeke e Hannah se livrarem dele. O cara já perdeu, de certeza, um voto de um membro do júri, encarnou um jogo suicida onde atira para tudo que é lado e está bem paranoico – logo, manipulável. É um ótimo candidato para se levar para final.

    Sobre Michele, se o jogo dela era passar despercebida, fez muito mais coisa errada do que eu tinha imaginado. Chegou um momento que praticamente todo participante relevante tinha ganhado um confessional sobre eliminar ela porque era uma ameaça. Logo, discrição não foi, com certeza, o forte dela. E se ela ganhar uma segunda chance é bom ela ter isso em mente.

    Sobre Jay, com ou sem Micaela, ele estaria ferrado nesse episódio igual. Na melhor das hipóteses, seria seis contra sete e Michelle sairia de qualquer jeito. Na pior, Micaela fliparia e anunciaria ao mundo sobre o idol dele. De qualquer jeito, não vejo um cenário com ele fora do bottom nessa merge, o que, para mim, é um erro que remete muito mais ao começo do jogo do que ao episódio anterior.

    Por fim, Taylor já é meu participante sem noção favorito. É incrível a falta de visão dele sobre o jogo e como a edição explora isso para gongá-lo. Para mim, Adam deveria não só ter falado da “”vantagem”” para ele como a entregado. Taylor me parece a única pessoa estúpida a ponto de usar isso – se bem que depois desse episódio não duvido mais da burrice de Adam. A propósito, se Taylor conseguir usar isso contra Adam vai subir meteoricamente no meu conceito. A vantagem não é só ridícula do ponto de vista de “por que alguém usaria isso?”, mas também do “por que alguém se importaria com isso?”. Há um jogo, com idols, vantagens relevantes e participantes que são ameaças fisicamente, socialmente e estrategicamente. Quem se importa com alguém roubando uma recompensa? Prioridades, por favor.

    • Kelly

      “Sobre Michele, se o jogo dela era passar despercebida”
      Não é que o jogo dela era passar despercebida. Foi uma decisão para aquele tribal, aí sim uma decisão bastante equivocada. Se ela não tivesse percebido que as pessoas estavam evitando falar com ela – logo estava ferrada – até faria sentido. Agora sabendo que estava com o nome jogado na medina e não fazer nada???

      • LucaSP

        Se foi uma jogada para esse tribal, ela certamente sabia que tinha chances de ser eliminada. De fato, errou feio se omitindo, mas mesmo se tivesse reagido acho que o destino dela já tava traçado antes da merge ainda.

  • daniloanndrade

    Quem vota pelo Impeachment do Diogo Pacheco?
    Assim, Guto Mello fica como substituto permanente.
    Por favor, se organizem nos comentários abaixo e vamos votar!

    • Ricardo

      Nao

      • daniloanndrade

        kkkkkkk

      • Luiz GustavoCristino

        Tb n precisa ser tão categórico hahah

    • Luiz GustavoCristino

      Nem eu assinaria isso rsrs. Diogo é muito melhor do que eu pra falar de Survivor, mas obrigado pela consideração

      • daniloanndrade

        Vocês dois mandam bem. Concordo com suas análises, por isso não comentei nada construtivo. Só vim pela polêmica mesmo (esperando pra ver se o Diogo iria se manifestar);

        ps.: Estou gostando muito do jogo do David também. Espero que num futuro próximo Ken, influenciado por Adam, não se vire contra ele. Isso só aumentaria as chances de Ken e reduziria as de Adam ainda mais.
        Adam tem sérios danos pra reparar no próximo episódio, senão…

    • Vinicius

      Voto por Diogo ser o reviewer oficial, mas que o Guto comente aleatoriamente no meio d o texto, como o Diogo faz quando Guto escreve.

    • diogopacheco

      Tem dias que eu tenho preguiça e até apoio o impeachment, mas “não mexe, não mexe, não mexe no meu varão”.

  • Diego

    Vou dizer o que muitas estão pensando e isso está se refletindo na audiência (sendo a pior da historia, e nesse ep foi a primeira vez que Survivor não liderou na sua exibição).

    É uma temporada cheia de blinds e imprevisível, mas as pessoas simplesmente não conseguem se conectar com essas pessoas, não sei se a cupa é do cast ser sem carisma ou da edição, mas não á empatia, ninguém se importa com quem fica ou é eliminado, a unica pessoa que todos torciam era Michaela.

    Compare com KH que pode não ter tido tantos blinsd e surpresas, mas a America simplesmente amou apesar de odiar o winner.

    Tínhamos o heroe amado, Tai.
    A nerd undergod e fofa, Aubry.
    A mulher forte e estrategica, Cydney
    A doida carismatica, Debbie.
    E vilões escrotos que amávamos odiar, Jason e Scott.

    Fora antes da fusão, tivermos Caleb e Alecia bem queridos.

    Muitas dizem que mede a qualidade da temporada é suas eliminações, de fato é um fator importante, mas não adianta nada se vc não se importa com quem fica ou sai.

    • Luiz GustavoCristino

      Eu acho o elenco desta season muito superior ao da passada.

      • Vinicius

        não poderia discordar mais de você.
        pra mim o elenco feminino da outra temporada é o melhor da história de temporadas não returnees.
        Concordo com tudo o que o Diego disse.

        • Luiz GustavoCristino

          Achei bem exagerada essa afirmação sobre o elenco feminino, mas gosto é gosto. rs

          • Vinicius

            pra mim é o melhor conjunto de mulheres, com uma mulher dispensável apenas (Anna). As outras todas foram no mínimo personagens OK.

            Comparando com essa temos: Figgy, Cece, Rachel, Sunday como dispensáveis e substituíveis longe de serem Ok

    • diogopacheco

      Eu acho sim o cast de Kaoh Rong mto bom e talvez seja melhor do que o de Millennials vx Gen X, mas a diferença não é tão gritante assim na minha opinião. A audiência não está relacionada ao cast, historicamente são pouquíssimas as temporadas que tem uma audiência superior à anterior, seguindo uma tendência da tv americana de queda na audiência a cada nova temporada. Survivor ainda sofreu bastante nas últimas semanas por conta da final do baseball, debates e cobertura das eleições presidenciais e nem assim teve uma queda tã significativa. E esta não foi nem a primeira vez e nem a última que Survivor não liderou o seu horário, até de The Middle Survivor já perdeu.

      Eu não julgo os episódios pelas eliminações não, mas acho que esta temporada está muito boa.

  • Vinicius

    7 blindsides, 8 eliminações e uma temporada que ruma pra ser bottom 15 em survivor.

    12 pessoas restantes, 11 pessoas sem graça alguma 1 inútil porém fofinha.

    Como eu disse no episodio passado, tava óbvio que ou Michelle ou Jay sairiam neste episódio. Até apostei em Will mas ele é inutil demais na edição para ser o mergeboot.

    O episódio foi até legal… zinho, mas Adam já começou a me irritar e se ele continuar esse gamebot irritantíssimo vu torcer muito pra ele sair com um blindside com dois idols de uma maneira tão humilhante que ele vire o spencer 2.0 e não queira nem assistir mais survivor.

    Chegou no ponto que acredito que David ou Ken vence essa temporada e se eles + Jessica ou Zeke, forem pra final, que é o que eu acho (espero estar errado)vai ser o F3 mais insosso desde Nicarágua.

    Sem contar que o Jeff está extremamente irritante nessa temporada tentando forçar o gimmick da temporada guela abaixo, socorro. Tô vergonha alheia pra ele.

    Mas sigo na esperança de surgir uma Natalie Anderson nesses próximos episódios que vire o jogo de cabeça para baixo e tire ele desse marasmo com grandes blindsides que são bons só na teoria.

    • diogopacheco

      Ficar no que vc chamou bottom 15 para mim não seria ruim, estamos falando de um universo de 33 temporadas.

      Eu adoro David, Adam, Ken, Hannah, Jay.. então para mim está ótimo.