Survivor Millennials Vs. Gen X 33×03: Your Job Is Recon

31
942

Depois de um episódio extremamente imprevisível e frenético, “Your Job Is Reconum” foi mais calmo, mais arroz e feijão e a tão anunciada Game Changing Twist simplesmente não aconteceu. Ao invés de chacoalhar a dinâmica do jogo e misturar e confundir o elenco, a produção optou por uma abordagem mais conservadora para não confundir o público junto. Acredito que para os fãs mais fanáticos, uma twist seria muito bem vinda e poderia levar a temporada rapidamente a um outro nível, mas temos que lembrar que Survivor é assistido por cerca de 10 milhões de pessoas e que a grande maioria é formada por fãs casuais, que só querem se divertir sem pensar muito. São aqueles fãs que demoram para decorar o nome dos participantes e se confundem quando as tribos começam a se misturar. Assim, manter as tribos originais e a proposta Millennials Vs. Gen X deve ter soado mais tentador para a produção, que, no final das contas, visa a manutenção da sua audiência, mesmo que esta tenha se mostrado muito fiel nos últimos anos.

Vender um almoço entre alguns participantes de ambas as tribos como algo que poderia alterar as estruturas do jogo foi exagero e pode ter causado muita frustração. Esta twist de levar alguns membros de ambas as tribos para um encontro foi feita em Marquesas, a quarta temporada de Survivor e, mesmo em outros tempos, não foi capaz de gerar grandes repercussões. Tanto que não é algo comum de a produção repetir. Foi uma boa oportunidade para David já plantar algumas sementes na tribo rival e tentar assegurar um caminho tranquilo numa possível Swap, mas nada de muito impactante. Sorte dos sorteamos que, pelo menos, encheram a pança com sanduíches de manteiga de amendoim.

A edição seguiu linearmente as tramas que havia plantado anteriormente, a ascensão de Ken e David e o declínio de Paul e Chris, o que deu a tônica de um bom, mas previsível, episódio. É engraçado como as alianças se formam no início de Survivor e como nem sempre as melhores decisões são tomadas neste importante momento. Na sede de se colocar rapidamente numa posição de conforto, os participantes correm para fechar alianças com a maioria e selar um caminho tranquilo até, pelo menos, uma possível swap. Entretanto, esta garantia dificilmente vinga quando as pessoas certas são deixadas de fora da maioria e as pessoas erradas são incluídas. Já vimos diversos casos de participantes que se aliaram a pessoas erradas e pagaram caro por isso e vejo aqui um caso em que a maioria fez escolhas questionáveis.

Paul era o tipo de participante perfeito para se tirar o quanto antes, uma vez que é fraco nos challenges, tem a saúde debilitada, se acha como se fosse do elenco infantil de Stranger Things, não consegue fazer nada direito, é egocêntrico e ainda quer mandar nos outros. Por outro lado, Ken é o participante perfeito para se aliar, já que é forte, um grande provedor, extremamente confiável e deve atrair todas as atenções para ser eliminado na merge. Entretanto, a personalidade de cada um dos dois, somadas ao desespero pela segurança inicial, fizeram uma aliança toda tomar o caminho inverso do mais lógico. Uma escolha que os levou para uma traição, que acaba minando a garantia inicial da aliança e bagunçando o tabuleiro.

Na minha visão, os acontecimentos deste episódio foram contados na perspectiva de David, Ken e Cece, que estão com pinta de protagonistas. Logo, entendo que a decisão de eliminar Paul foi fruto de jogadas deste trio e não de uma iniciativa das mulheres. Assim, vejo como se aqueles que estavam no bottom tivessem armado uma arapuca para conseguir virar o jogo e as mulheres caíram nesta arapuca, colocando em risco a sobrevivência de toda a aliança. Em Survivor, nossa visão é muito moldada pela edição e pela narrativa escolhida a ser contada. Não sejamos inocentes, principalmente em tempos de UnReal. Com o poder de escolher o que aparece nos episódios, a produção consegue transformar um jogador ativo em alguém como a Tia do Botox caso interessa ou o oposto também é possível. Vemos apenas um resumo de 40 minutos num universo de 3 dias de disputa, o que acarreta na obrigação por parte dos editores de fazer escolhas narrativas para contar uma história e fazer o público torcer a favor e contra determinados participantes. Assim, não tenho como afirmar com certeza se houve algum grau de autonomia de Jessica e companhia ou se elas realmente foram manipuladas pelas investidas dos excluídos. Entretanto, fico com a impressão que estamos vendo a jornada de Ken, David e Cece rumo ao topo da hierarquia, ou seja, a chance das mulheres se arrependerem do que fizeram é bem grande.

Ao logo do episódio, acredito que David completou a transição entre o peixe fora d’água, o nerd neurótico e ansioso que ele provavelmente é na vida, para alguém calmo, sereno, ousado e consciente, o jogador que ele tem tudo para ser em Survivor. Sua dupla com Ken continuou funcionando muito bem e eles foram capazes de plantar as sementes da discórdia na aliança majoritária, que tiveram como consequência a eliminação de Paul. Uma grande jogada que manteve Cece na tribo, eliminou justamente quem eles queriam e ainda pode ter começado uma verdadeira guerra entre homens e mulheres que até então estavam unidos. David fez um comentário muito interessante e que me recordou uma situação em Second Chance quando uma pessoa que tenho um ódio particular foi eliminada por força de um idol. David disse que eliminar Paul era essencial, porque ele estagnava a sua posição no jogo e o retirando da equação novas relações poderiam ser formadas. Acredito que foi justamente isso que aconteceu no pós merge de Second Chance e que David pode conseguir aliados valiosos tanto nas mulheres quanto nos homens, agora que Paul não está mais entre eles. Assim, Paul não foi somente a pessoa mais fácil de se construir um argumento para a eliminação, mas a melhor escolha, uma vez que abre uma porta para David, Ken e Cece conquistarem números para o futuro.

survivor-33x03-img2

Do ponto de vista de Jessica, Tia do Botox e Monday, eu não acredito que tenha sido a melhor das decisões. Antes de falarmos da escolha em si, é importante frisar que eu jamais me aliaria para valer com alguém como Paul e tenho certeza que faria de tudo para eliminá-lo no lugar de qualquer um que tenha que conviver com este mala metido a rock star. Entretanto, após se aliar a ele, as três mulheres tomaram uma importante decisão e mudar o rumo da coisa no meio do caminho pode ter consequências desastrosas. Não senti que elas construíram realmente uma aliança sólida com Ken, David e Cece, mas apenas optaram por tirar Paul, sem a intenção de fazer Chris e Bret os próximos da lista. Assim, elas estremeceram a relação com os dois alpha males, que provavelmente vão ficar bem putos da vida, e estarão expostas num próximo Tribal Council, uma vez que não parecem estar completamente fechadas com os outros três. Esse cenário piora ainda mais se pensarmos que Chris e Bret são muito úteis para a tribo nos challenges e, com isto em mente, Ken, Cece e David devem mirar em uma delas a seguir.

Além de todos os insucessos e abusos de poder de Paul, a motivação de Jessica para eliminar um aliado foi uma declaração infelizmente dada por ele. Tentando consolidar a aliança e descartar uma separação por gênero, Paul acabou se complicando e soou um tanto displicente em relação às mulheres. Na minha visão, ele quis dizer que não existia uma aliança masculina e que não seria o gênero que determinaria quem dos 6 seria o primeiro sacrificado, mas a má escolha nas palavras fez parecer o contrário. Paul disse exatamente “Você tem a minha palavra que não existe nada entre os homens. E se eles decidirem seguir por este caminho, eu vou até vocês e digo… ladys, vocês estão por conta própria”. Desastre. Por mais que eu entenda que ele estava tentando dizer que contaria tudo para elas caso algo fictício acontecesse, o “Ladys, you are on your own” diz exatamente o contrário. Ele tentou vender sinceridade, mas acabou vendendo ingenuidade. Numa aliança, este tipo de resposta nunca é a certa por mais que bem intencionada. Ele quis dizer que seria honesto se tivesse uma aliança masculina, mas deu a entender que não liga para o destino das mulheres e que poderia abandoná-las a própria sorte assim que bem entendesse. Em Survivor, um jogo em que o nível de paranoia é enorme, nunca é demais prometer de pés juntos lealdade e sempre ter certeza que a outra parte entendeu que está segura e tem um aliado em qualquer hipótese. Paul falhou miseravelmente neste aspecto, além de muitos outros, e pagou por isso.

O challenge desta semana trouxe dois momentos especiais para a discussão entre as características das gerações. Enquanto os Gen X quiseram seguir exatamente o proposto pela prova, os Millennials mostraram uma flexibilidade maior, fazendo Taylor atravessar com todos os sacos, o que facilitou a travessia dos demais. A geração do milênio realmente não tem vergonha de assumir as suas fraquezas e até mesmo de pedir favores. Após vencer o challenge, os Millennials resolveram pedir para Jeff trocar os itens de conforto conquistados pelo kit de pesca, que eles esnobaram na premiere. Como eu faço faculdade hoje em dia com pessoas bem mais novas do que eu, vejo este tipo de comportamento com bastante frequência. Os alunos não têm a menor vergonha e sempre usam a máxima do “nada a perder” para pedir prazos menos rigorosos e a flexibilização de regras previamente estabelecidas pelos professores. Eu penso mais como os Gen X e também adoraria negar o pedido pelo kit de pesca. Entretanto, num jogo em que o social é tão importante, eu ficaria quieto e deixaria outros colegas de tribo se manifestarem sobre a negativa.

Pelo visto, não teremos uma Swap tão cedo, mas Millennials Vs. Gen X vem confirmando um início de temporada muito bom e sólido. Em 3 episódios, já tivemos 2 blindsides, porém o que mais me anima são as qualidades que este elenco já vem apresentando. O episódio foi um tanto quanto previsível, mas nada como ver um participante detestável, que havia dito que Andrew Savage é um exemplo de como se comportar em Survivor, levando um blindside. Acredito que a edição está com algumas tramas muito bem desenvolvidas e só espero para que a imprevisibilidade não se perca no processo.

Ranking da Semana Sem Vergonha Nenhuma de inverter tudo:

survivor-33x03-img3

1- Ken. Pensei seriamente em destronar Ken e ceder seu lugar no topo para David, mas, ao rever o episódio, vejo que o ele foi principal fator para a grande virada dos underdogs Gen X. Sem a sua força, as suas qualidades no acampamento e o seu discurso contra Paul, tão bem executado, nada seria possível. A grande preocupação para o seu jogo é que Ken, com certeza, tem tudo para ser muito visado e é um tanto quanto cedo para se destacar. Dei muita risada com a sua chateação ao ser comparado com o boneco homônimo sem pinto e isto deve ser realmente algo recorrente na sua vida. De qualquer forma torço para ele encontro o seu amor numa Barbie Girl chamada Brittnay Matthews ou Trisha Cappelletti.

2- David. Explodiu de vez. É outro jogador quando comparado ao que apresentou na premiere. Além de ter o idol e dois aliados muito seguros, David não tem medo de agir e tem um carisma muito grande. Fiquei surpreso com a sua serenidade e confiança, sobretudo no Tribal Council, e o vejo como um sério candidato à vitória. Acho que o que ele mais tem que fazer agora é ficar na sombra de Ken, usando o amigo como escudo e trabalhando sutilmente nos bastidores.

3- Michelle. Assim como a última Michele que deu as caras em Survivor, a Louca da Bíblia teve uma edição muito boa e certeira nos dois primeiros episódios e foi invisível no terceiro. Coincidência? Diferente do que eu imaginava, o jogo de Michelle está mais exposto do que ela gostaria e os outros participantes estão cientes do que ela fez no episódio passado. Continua sendo uma grande candidata para vencer. Gostaria de esclarecer que o apelido Louca da Bíblia não tem a intenção de ofender ninguém, nem sei ao certo qual é a sua religião. Se trata apenas de uma maneira carinhosa de chamar uma das participantes que mais gosto na temporada. Lembrando que eu sempre tive muito carinho pela Puta do Motim, um apelido que pode ser interpretado ainda mais como ofensivo. Não precisamos problematizar muito a respeito, principalmente, porque Michelle vem privando de que louca não tem nada, apesar que eu ainda lembro que ela estuda dragões e fala como se eles existissem. Uma participante surpreendente por sua complexidade e que pretendo continuar chamando de Louca da Bíblia sem nenhum sentido pejorativo para ela ou qualquer pessoa que tem a bíblia como inspiração.

4- Adam. Apesar de estar numa posição um tanto quanto precária, coloco Adam entre os 4 melhores deste início, aqueles que eu realmente vejo potencial para controlar o jogo e se sagrar campeão ao final da temporada. Este episódio é uma prova do quanto ele conhece a respeito do jogo e o quanto não vai poupar esforços para mudar seu status. Alguém inteligente e carismático que corre por fora, mas que com certeza tem condições para fazer um ótimo jogo.

5- Jay For Pay. Com a derrota dos Gen X, os Millennials, de forma geral, não tiveram muito destaque e Jay apareceu bem pouco. Continuo surpreso por estar gostando de alguém como ele e espero que dure. Em um dos confessionais extras disponibilizados no Youtube, Zeke diz que Jay é o melhor jogador até aqui e que gostaria de estar com um desempenho tão bom quanto ele.

6- Cece. Escapou de uma eliminação e está firme e forte ao lado de Ken e David. Se podemos chamar os dois de JT e Stephen, Cece, com certeza, seria a Taj desta equação. Tem carisma e pode surpreender, mas ainda é mais tímida no aspecto estratégico do que seus aliados. Gostei de como ela se fez de derrotada no Tribal Council, aumentando ainda mais o blindside em Paul.

7- Hannimal. Mesmo não respeitando o momento de choque de Zeke, que precisava de tempo e espaço para organizar suas ideias depois do blindside de Mari, eu entendo o lado de Hannah. Ela precisava se explicar o quanto antes e mostrar para Adam e Zeke que na verdade sua lealdade está com eles. Hannimal está numa posição interessante, porque, além de ter opções de ir com diferentes alianças, ela mostra que quer fazer as suas próprias vontades acontecerem e não vai se contentar com uma posição precária na maioria.

8- Michaela. Eu não estou criando grandes expectativas de vitória para ela, mas Michaela vem se destacando bastante e adorei o seu discurso neste episódio. Aparecendo bem rapidamente, ela se mostrou aberta às ideias de Adam, mas deixou bem claro, para o público, que só vai tomar uma decisão na hora certa e que esta decisão será completamente centrada no melhor para si mesmo. Os outros, a moral ou a ética que se lasquem. Seria Michaela a Sandra da nova geração? A menina não pensa duas vezes antes de armar um barraco ou fazer um comentário provocativo e está quase gritando “As long as it’s not me”.

9- Will. Normalmente Survivor trabalha com dois avulsos por temporada, um eliminado ainda na fase tribal e outro bem próximo da finale. Vejo Will como a segunda opção, alguém que fará um jogo decente, irá longe, mas não terá muito destaque e não levará muitos créditos.

10- Monday. Das mulheres Gen X que traíram sua aliança, vejo Monday como aquela que irá mais longe. Não tenho nada muito positivo (e nem negativo) para falar a seu respeito, mas ela até que tem uma boa participação na edição.

11- Jessica. Ela tem uma força muito grande, tanto na maneira como conversa com as pessoas quanto na edição como um todo, mas ainda não estou convencido de que ela irá muito longe. Vejo muitas pessoas dando crédito demais a sua jogada, sendo que eu não acredito que Jessica é quem sai beneficiada nesta história. O grande jogador do episódio, para mim, claramente foi Ken.

12- Chris. Tombou, mas pode se recuperar, uma vez que é muito forte nos challenges.

13- Bret. Tombou, mas pode se recuperar, uma vez que é muito forte nos challenges, ainda que em menor medida que Chris.

14- Zeke. Torço para que ele saia desta fase ruim, mas está difícil defendê-lo ultimamente. Por mais que eu entenda que não deve ser fácil tomar um blindside, Zeke se comportou muito mal com Hannimal e nem para fazer um barraco direito ele serviu. Achei seu piti meio garota enxaqueca e acho que ele terá que contar com a sorte, com as ações de Adam e com a força dos Millennials nos challenges para ir mais longe. Espero que ele mude esta trajetória ruim em breve.

15- Taylor. Ainda acho ele bem burro e sem noção, mas ele sobe um pouco, porque fez em David um contato que pode ser importante no futuro. Além disso, mesmo que todos virem as costas para ele e Figgy, será ela quem deve pagar o pato primeiro.

16- Figgy. Mostrou uma arrogância enorme ao voltar do Tribal Council e parece ser a próxima eliminada entre os Millennials. Além dos planos de Adam, existem confessionais da Louca da Bíblia e de Will neste sentido. Figgy acha que está mandando super bem, mas na verdade está sendo arrastada justamente por ser uma merda. Eu achei que, pelo menos, Michelle confiava nela, mas vi um confessional em que ela diz que quer trabalhar com Adam, em quem confia, e não com Figgy, uma vez que sabe que não pode confiar na “amiga”.

17- Tia do Botox. Acredito que na prática Tia do Botox, até este momento pelo menos, fez um jogo melhor do que a edição faz parecer. Entretanto, é impossível não colocar em último alguém que em 3 episódios só mandou alguém calar a boca no challenge e soltou uma ou duas frases soltas. Mesmo assim já sou fã da sua beleza ímpar e da sua relevância. Estou com uma forte impressão de que ela roda no próximo episódio. Assim, comecei a campanha:

Salve um animal em extinção.

survivor-33x03-img4

#SaveTiaDoBotoxSaveTheWorld

PS1: Quando alguém fala bem de Andrew Savage:

survivor-33x03-img5

Xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiuuuuuuuuuu

  • ♚ Lena

    Aguardando ansiosamente pra ver a cara dos novinhos quando perceberem que Paul foi eliminado e não CeCe, que causou a derrota da tribo oposta. kkkkkkk

  • Felipe N

    O episódio mostrou muito bem a dinâmica das duas tribos …… mas diferente do que aconteceu com a eliminada anterior, essa eliminação foi jogada na nossa cara na semana passada … tirando o impacto que esse Blindside teria.
    Na tribo Kids ….. Adam vem fazendo um bom trabalho em virar o jogo a seu favor ….. só que essa insistência em tirar Figgy é completamente forçado..Figgy é sequelada e tem um nível estratégico quase nulo, por outro lado eles sabem o poder de influencia de Jay e Michelle e mesmo assim não agem, uma vez que Figgy só sairá se sua aliança achar que não precisa mais dela ….. e com nove pessoas na tribo, eliminar uma jogadora torta e manipulável seria arriscado para os números.
    Na tribo mais importante do episódio deixou claro o que eu imaginava… havia três blocos de aliança .. Os Alpha, os Underdog e as avulsas ….. e o trio mais importante para a mudança dos rumos nem apareceu no episódio anterior …. deixando tudo mais previsível.
    Sobre o responsável pela virada …. tudo ficou meio nebuloso …. embora o trio mais legal tenha mirado em Paul … acredito que mal influenciaram na decisão em si, emboa a semente tenha funcionado bem …. e sim a boca grande de Paul. Jéssica esta seguindo um caminho de edição interessante …. ela parece ser a líder do trio QUASE AVULSO e tem um bom conhecimento de Survivor. Acho que ela deveria ter ficado com os homens por mais tempo… mas deixar a tribo na maioria masculina poderia ser arriscado … e é melhor pecar pelo excesso do quer ser passiva e ter arrependimentos por inercia. Na torcida para que ela surpreenda e seja eliminada no dia 35 … kkkkkkkk. Adoro a Cece …. mas ela simplesmente parece bem as margens dos acontecimentos … e com a possível demora para uma mistura ou a Merge …. ela talvez saia já no próximo episódio….. pq ela é péssima em todas as provas .. impressionante !!!!!!!!

    Otima Review como sempre !!!!!!!!! PS: como Figgy parece a Kelley as vezes é impressionante ….. no banquete quando ela estava falando com Cece e David … ela de óculos era a cara dela !!!!!!!!

    • diogopacheco

      A edição realmente não deixa a gente ter certeza do que aconteceu ao certo. Jessica é uma forte candidata, mas eu também acho que as consequências deste voto não serão boas para ela.

  • Amei a review mais uma vez, Diogo hsuashaushaua Amei os memes e as referências, principalmente com as Barbies rsrs Excelente análise do jogo.
    Essa incerteza que Survivor traz na questão de determinar o grau de autonomia de um jogador é sempre complicado. Não sou a pessoa mais crítica da edição e isso pode ser bem perigoso se tratando que tudo o que se passa ali é apenas UMA perspectiva. Adoto a filosofia do esperar para ver mais do que a filosofia do encontrar potencial. Sobre o nível de manipulação das garotas eu não sei. Mas é evidente pra mim o jogo de Ken. Esse episódio foi dele. Quem diria que teríamos um aplha male torcível. E eu que apostei nele para o prêmio Savage.
    A saída de Paul ao mesmo tempo que foi previsível, não foi kkkkk. Gostei do episódio e aposto que pegou muitas pessoas de surpresa, pessoas que não traçam grandes análises sobre o game ou simplesmente não pegaram a situação dele na tribo. Realmente, só de indicar Savage já merecia sair.
    Bret e Chris perdendo o domínio da tribo. Isso me deixa um pouco surpreso em relação ao que vi na premiere. Ainda não morro de paixões por David, mas compreendo seu bom jogo até aqui. E acredito que o maior acerto dele até agora foi se unir a pessoa certa. Sorte? competência? Palmas pra David que não vai ficar somente de alívio cômico da season kkkk mas confesso que amo ele perdido na ilha com medo dos mosquitos.
    Estou gostando muito desse início de temporada e espero tombos dos dois lados. Viradas de jogo são interessantes em qualquer momento, mesmo tirando meus ”favoritos”.
    Amo caras e bocas de Michaela mas quero ver mais…quero algo grande. Já tivemos Michelle e Ken…e espero que o momento dela chegue logo.

    • Débora Albuquerque

      Você sabe o que pessoas que tem medo de folhas e da mata podem fazer nesse jogo bebê! David virando nova Cirie? Será áudio.mp3

      • kkkkkkkk Apenas verdades. Mas ainda não comparo a rainha hsuashau tem que comer muito arroz com feijão ainda…e como tem muita gente boa nessa temporada…ele vai ter trabalho hahhaha

    • diogopacheco

      Sim, concordo bastante com vc. Por mais que eu goste de Ken e David uma reviravolta sempre é bem vinda.

  • Gleibson Acácio
    • FelipeJose

      SENSACIONAL HAHAHA

  • Anderson Reinert

    Apesar do ritmo mais lento e de ter um twist questionável achei que no final o saldo do episódio foi positivo.

    Concordo com o seu top 4, estou muito feliz que David e Michaela sobreviveram ao início do programa e aparentemente não correm mais tantos riscos porém, se vier uma swap se preparem.

  • Patrícia Salomão

    Ótima review.
    A temporada está em ritmo crescente. Mal posso esperar pelo próximo episódio e o caldo do Jeff.

    • diogopacheco

      Quero mto ver ele sendo arrebatado pela onda em versão integral

  • dan_atwood

    Estou torcendo pra um cara que tinha tudo para ser um alpha male chato, Go Ken maravilhoso <3 estou muito surpreso com minha torcida haha.
    Puta do Motim <3 eu entendo, sou da época que lia o RSFD onde esses apelidos eram comuns e sempre foram levados na boa, mas tem muitos fãs novos de Survivor que podem não entender, tipo se falasse da maravilhosa Surda de Amazon teria gente que iria achar ofensivo e tals, mas entendo que não são apelidos para se levar para o lado ofensivo. Ótima review como sempre Diogo

    • diogopacheco

      É mto surpreendente o quanto ele é torcível. Por esta, ninguém esperava.

  • Alisson

    Ótima review como sempre, Diogo, parabéns. Achei que esse episódio teve o air-time mais bem distribuído, mas ainda assim foi fraco. O meu maior problema aqui é achar alguém pra torcer, “vilões” pra torcer contra (a la Jason e Scot), o que não tá rolando porque parece que ninguém tem uma edição negativa. Por enquanto estamos indo em frente sem objetivo, mas acredito que isso vai rolar assim que o jogo afunilar. Semana passada eu disse que talvez não gostasse da temporada por não estar me empolgando, mas aí lembrei que uma das minhas favoritas, SJDS, foi ficar boa só lá no episódio 9, depois de uma onda de episódios horríveis (salve o blindside no badass), então nunca dá pra perder a esperança.

    Sobre o eliminado, não sentirei falta, mas achei que foi uma burrada de Jessica & co. Mas burradas costumam deixar as coisas mais interessantes.

    Até que gostei da swap não ter rolado, mas achei a “INCREDIBLE NEVER SEEN TWIST” meio sem motivo e provavelmente não vai dar em nada. Concordo com você que, como é uma temporada com novos participantes, eles têm que esperar um pouco pra mexer nas tribos porque os espectadores mais casuais ainda nem sabem quem é quem. Mas aí fica a dúvida de quando a terceira tribo será introduzida. No F15, talvez? Aí formam três tribos de 5? Seria algo inusitado e gosto de eles tentarem coisas novas.

    #1 – Ken: De longe o maior queridinho da edição. Gosto muito dele, é minha torcida facilmente (o que é bem bizarro). Tem um social bem melhor do que o seu parceiro e eles claramente são quem a edição quer que nos importemos dessa tribo.

    #2 – Michelle: Foi apagadinha nesse episódio mas ainda assim seu nome foi dito como a responsável pelo blindside na Mari. Esse tipo de crédito é o que aumenta a possibilidade de ela ser a vencedora.

    #3 – Jay: Ele é o terceiro dos únicos 3 que eu acredito que tenham alguma chance de vencer. No entanto espero mesmo que algo louco role e os três acabem saindo só pra confundir a nossa cabeça. Também gosto dele.

    #4 – David: Gosto mais dele agora do que antes e quero muito que sua aliança funcione. Em questão de edição ele tá bem e não vai a lugar algum tão cedo. Agora se eu estivesse lá já teria votado contra ele muito antes. Ele exala falta de confiança e deixa descarado que trairia qualquer um, eu pelo menos nunca confiaria nele (a menos em um caso como o Ken, em que claramente há confiança mútua). Não acredito que tenha chances de vencer.

    #5 – Michaela: Nossa, pensei exatamente o mesmo nesse negócio da Sandra, tá muito igual. Só espero que ela tenda pro lado que ela prefere e faça o que Sandrão nunca conseguiu: eliminar seu nêmesis (Figgy) antes do F3.

    #6 – Adam: Ainda acho que falta algo mais pessoal sobre ele, mesmo que esteja narrando os eventos da sua tribo, acredito que isso não seja o suficiente pra configurar uma chance de vitória. Ainda acho ele legal e creio que tenha chances de encontrar o idol.

    #7 – Zeke: Acredito que ele fez a coisa certa na intriga com a Hannah. Ele sabia que estava abalado e ia possivelmente falar merda, então pediu espaço, só foi tenso porque ela não respeitou muito. Ainda acho que venha a ser um grande personagem depois de uma swap ou merge.

    #8 – Jessica 4i20: Ela parece comandar o seu trio, mas suas aparições em tela são bem situacionais. Não tem chance, mas gosto dela.

    #9 – Bret: Super apagado, mas gosto dele. Por estar tão purple acredito que deva ser o segundo ou terceiro boot depois da merge.

    #10 – Sunday: A mesma coisa que o de cima, mas acho que ela vai chegar mais longe.

    #11 – Hannah: Pra mim foi ela que se queimou no argumento. Falta um pouco de tato social, mas acredito que fica de boa por enquanto porque Zeke e Adam certamente precisarão do seu voto.

    #12 – Taylor: Chatinho, mas pouco. Tá aí né.

    #13 – Chris: Mostrou um leve indício de vilania e acho que terá dificuldades em se recuperar dessa traição, enquanto Bret ficará mais de boa. Deve ficar sossegado até a merge.

    #14 – Will: Por alguma coisa irracional odeio ele. Não sei se é o cabelo de cuia, a idade, aquela voz ou me lembrar tanto o Spencer, só sei que quero ele fora e não consigo apontar o motivo.

    #15 – Cece: Ainda acho que ela flopa big time nos próximos episódios.

    #16 – Imperatriz Huang: Vivi por um arco em que uma pessoa invisível vira uma tirana sem dó. Quero muito que aconteça.

    #17 – Figgy: Não consigo gostar nem um pouco dela. Que meus santos me ajudem e o seu tombo esteja mesmo sendo montado.

    Até a semana que vem, porque pela preview o próximo episódio promete!

    • diogopacheco

      Eu to torcendo mto por mta gente e tava torcendo horrores contra o Paul. Agora fico na torcida contra Figgy e Chris.

  • Diego

    Michelle ainda para mim é a melhor jogadora, as pessoas sabem o que ela fez, isso é bom porque ela leva credito e ruim por colocar um alvo.

    Mas gosto de como ela se colocou bem no jogo, tem uma parceria com Jay, uma ligação com Hannah, aliança com Figgy e Taylor e caminha para se juntar com Adam. O que é bem benéfico para seu jogo já que pode usar o ultimo como escudo estratégico e Jay como físico.

    Figgy é burra, mas não tanto como as pessoas acham, ela tem o controle total do Taylor, e se chegar no fim ela pode vender a ideia “Vcs sempre quiseram me tirar, e eu cheguei no final”

    Gosto muito da Jessica, como é determinada e não aceita ordens, mas sinto que isso vai explodir na cara dela no swap.

    E Lucy com melhor arco? INV-INV-UTR-OTTN. O que muitos estão achando é que ela vai desistir por isso a edição tão ruim, seria uma boa explicação, já que ela está bem posicionada nas duas alianças.

    • diogopacheco

      Acho que Lucy sai antes do júri e ta tão apagada pq não vai fazer mta diferença a não ser no episódio da sua eliminação. A edição dela me lembra Kelly de Worlds Apart.

  • Vinicius Zambianco

    Fiquei com o pé atras nos dois primeiros episódios com Ken porque ele me lembra muito o Mike (WA) que eu detestei na fase tribal e um pedaço da merge, mas esse episódio me fez gostar muito dele, estou adorando essa aliança dele com Cece e David e se continuar tem tudo pra ser uma das melhores coisas da season. Fiquei pensando no trio que flippou e acho que elas podem virar o alvo também.

    Adorei o paralelo com SC, eu disse na época que o grande diferencial das três terem durado mais do que deveriam (beijos Kelley) foi a tão acertada escolha do eliminado, Savage poderia não ser o cabeça mais ele era o que tinha mais “fala”, assim como Paul, ele não era tão importante mas as pessoas ouviam o que ele dizia.

    Sobre os Millenials, estou gostando da Michelle e esse episódio me fez gostar do Jay, acho que essa distância deles com o Taylor a Figgy fará bem, porque os dois últimos são muito chatos. Entendi Zeke ficar “irritado”, mas o piti dele foi um pouco longe, e em um jogo social pesa ruim. Hanna e Adam são os fav de suporte.

    A Twist foi brochante, mas eu até prefiro que demore mais um ou dois episódios para a swap.

    Adorei a review e espero ansiosamente pelos próximos episódios.

    • diogopacheco

      Concordo bastante com vc Vinicius. Até a próxima.

  • Lybio Jeffersom

    Ótima review! e gostei da saída do Paul, realmente ele já tava se tornando uma deficiência para os Gen X, contudo, para a aliança dos seis, ele era um numero fiel, o q é bem importante; as meninas realmente deram um tiro no pé ao votar no Paul, e acho q o resultado disso irá vir logo. Ken e David estão bem posicionados no momento na tribo, tentaram fazer o move de tirar o Paul,e conseguiram ( apesar de eu colocar o crédito mesmo é nas meninas q decidiram votar com eles, e que podiam facilmente votar a Cece pra fora), vejo o Ken e David indo longe. já a Cece, só não saiu por motivos de agenda dos outros, e por isso deve ir longe não porque é boa jogadora ( alias, o seu orgulho q fez a tribo perder) mas porque tem gente mais perigosa pra tirar.

    Os Millenials tão com uma dinâmica boa, Figgy e a porta pensam que estão salvos, mas é claro q não estão, alias, é de uma ingenuidade grande eles pensarem que estão em uma situação boa na tribo, mas pelo visto, eles são tapados a esse ponto sim. Zeke e Adam apesar de estarem momentaneamente no bottom, vejo eles indo longe, principalmente o Adam, ele é bem editado e tal; tô amando Michaela mais e mais, ela apesar de baraqueira, ela é bem esperta, e certamente vai fazer o move q a beneficiar mais.

    Obs1: Não concordo com a comparação da Cece com a Taj hahahaha Cece fez nada pra se salvar nas duas votações dos Gen X.

    Obs2: Jay tá surpreendendo, tô gostando dele.

    • diogopacheco

      Eu não acho que Cece ficou atoa não. Ela ta com Ken e David e td mundo sabe disto. Ela se faz de burra mas não acho que seja e a vejo como alguém bem carismática.

  • Leonora Miguel Mattos

    Muito boa review Diogo, como sempre! Estou me surpreendendo com essa temporada e com a quantidade de pessoas que parecem ter potencial para fazer jogadas interessantes. Achei a jogada de Jessica e Companhia precipitada e vai trazer mais consequências negativas que boas. Quero muito que David use seu idol para alguma jogada mirabolante e que sua ansiedade não o faça usar o idol para alguma cagada.
    Figgy falando que quem vota nela vai sofrer as consequências hahahahahahaha

    • Celino filho

      calma lá avulsa nem foi vc que se salvou

    • diogopacheco

      Obrigado Leonora. Acho que vai demorar até David usar o seu idol. Posso cair do cavalo em breve mas acho que ele está numa posição segura na tribo.

  • Aécio

    Mais uma review excelente de um episódio muito bom! Não foi nada ao nível do segundo, mas a blindside e a saída do Paul, e com isso a possibilidade de David e Ken puderem virar as peças do jogo e se manter por muito tempo, tornou o saldo positivo.

    Essa dupla David e Ken é muito Stephen e JT de Tocantins mesmo, mas analisando essa comparação, essa dupla é extremamente prejudicial. Assim como JT, Ken é extremamente carismático, dificil de nao gostar, um provedor na tribo e um recurso essencial nos challenges. Se os dois conseguirem chegar ao F2 juntos, David tem chances esmagadoras de ser ofuscado e precisar se contentar com um segundo lugar.

    Sobre o que Paul disse pra Jessica e Sunday, a impressão que eu tive é a mesma das duas: parecia que a possibilidade dos homens se unirem com as mulheres não era algo em vista, mas que inevitavelmente aconteceria num futuro próximo. Até porque, pelo que a edição deu a entender nesses três episódios até aqui, os três homens da aliança majoritária estavam muito mais coesos entre eles do que entre eles e as mulheres. Tanto que Ken tentou se aproveitar disso para aliciar Jessica (e pode sim ter sido um fator que influenciou esse flip).

    Uma particularidade que eu venho gostando nessa season é que em ambas as tribos ninguém está seguro. Já houveram duas blindsides logo no começo (algo raro de ocorrer tão cedo no jogo), as alianças estão instáveis e as fraturas nas alianças estão visíveis, e tanto Ken e David quanto Adam e Zeke estão aí pra tirar proveito delas. Porque na vida sou Team Blindside.

    O promo do próximo episódio é bastante promissor, especialmente para o que for acontecer na Gen X a partir dessa blindside e a tia do Botox (amando esse nome, apenas) podendo mostrar a que veio. Mas levando em conta que a promo do episódio anterior conseguiu fazer um piquenique na praia parecer um twist revolucionário no jogo, vou me abster de confiar muito na edição desses promos kkkk

    • diogopacheco

      Realmente o que vc falou é verdade. Ninguém está seguro. As alianças estão bem instáveis.

      A chance de David ser ofuscado por Ken realmente existe, mas eu acho que no momento atual que Survivor vive, se jogar bem e souber se defender, David pode derrotar Ken.

  • Parabéns pela ótima review, Diogo!
    Contudo discordo com seu posicionamento quanto a Jessica, acredito que ela é uma boa e feroz jogadora, e tenho por mim, que se for preciso ela joga ate a ‘Monday’ “embaixo do ônibus”. Somente ela e Ken me fizeram pensar em torcer por eles, na tribo Gen-x.
    Uma dúvida, foi durante o ep. que a Michelle disse que prefere trabalhar com o Adan a Figgy? porque se foi eu devo não ter entendido 🙁

    • diogopacheco

      Não foi num confessional extra que tem no Youtube.

  • Marcus

    Muito boa review, Diogo.
    Sobre o episódio eu me decepcionei mesmo com essa twist, jurando que tava vindo uma swap linda por aí kkkkkkk
    Foi previsível o episódio em si mas claro que amamos o tombo do Paul, que blindside maravilhoso. Obrigado Jessica e cia. por terem colaborado para tal. hahaaha
    Por enquanto sigo preferindo a dinâmica da Gen X, tenho mais simpatia por David, Ken e Cece do que os meus favoritos do outro lado em Mills. Por lá, eu continuo aguardando o tombo de Figgy e Taylor, e pelo que você disse, se Michelle realmente fizer algo pra que isso aconteça vou começar a torcer por ela. Enquanto não acontece eu continuo torcendo contra os 4 beauty. Zeke, Adam são minha torcida com Michaela e Hannimal atrás, mas ainda chateado com essa última por conta do blind em Mari kkkkkkkkkk
    Pelo visto uma swap vai demorar mesmo, né? Que chato isso.
    Vamos ver o que o próximo episódio nos reserva. =)

  • Diego Rodrigues

    Adorei o tombo hahahahahah
    Adorei a review, não esperava que viesse swap logo no início com 2 eliminados.
    Eu tô é morto que a Tia do Botox não aparece falando nem na hora do voto hahahahah