Supergirl 2×01: The Adventures of Supergirl [Season Premiere]

57
4018

O show, o nome da série e alma de Supergirl ainda pertencem a Kara Zor-El. Supergirl teve um ano de estreia um pouco atribulado. Durante sua primeira metade a série experimentou com sua audiência e tentou definir sua própria identidade. Em um canal direcionado para uma audiência mais madura, a adaptação de uma super-heroína icônica precisou trabalhar dobrado para conseguir convergir ritmo e tom adequados para o público que estava sendo direcionada. O caminho não foi fácil, mas a série conseguiu entregar pontos extremamente positivos. O maior deles foi a sensação de esperança, de que existe mais do que apenas histórias centralizadas em tragédias e que, no final, uma super-heroína pode existir para trazer um símbolo mais forte de superação e força, mais do que o de expiação e tragédia, mesmo que estes pontos também estejam envolvidos na história, de alguma maneira.

Com a mudança de emissora, para um canal mais jovem e lar de quatro outras séries adaptadas das páginas das histórias em quadrinhos, Supergirl encontrou o verdadeiro lar que merecia desde o começo. E este clima foi potencializado durante a exibição de The Adventures of Supergirl. Otimista e divertida, a série voltou com extrema força, representada através da audiência, o melhor número da CW em oito anos, mas também trazendo o que deu certo da outra emissora e riscando o que não estava funcionando desde o episódio piloto, e eu estou me referindo a você, James Olsen/par romântico.

A trama deste retorno não foi grande ou complexa. Não tivemos muita coisa acontecendo, mas o que começou a se desenrolar promete garantir tensão suficiente para os próximos cinco episódios, pelo menos. A princípio o que o capítulo inicial fez foi trabalhar para situar possíveis novos telespectadores, inclusive com uma cena de abertura mais detalhada, mas sem utilizar de um didatismo forçado e de certa forma habitual ao começo da série em sua primeira temporada. Na verdade o que assistimos foi uma homenagem ao clássico dos super-heróis, com Supergirl e Superman trabalhando juntos para salvar o dia, sem qualquer vilão grandioso ou história rebuscada.

Tudo o que o episódio fez foi trabalhar de maneira incessante para apresentar o ambiente da nova emissora e também demonstrar para os fãs que começaram a acompanhar a série na CBS, que não existem mudanças drásticas. A série também buscou demonstrar que os erros cometidos no ano de estreia foram percebidos. O DEO recebeu uma repaginada, ficando bem mais relacionável e menos sisudo, e Winn finalmente entrou exatamente onde deveria ter sido incluído, excluindo a necessidade de termos que acompanhar as terríveis cenas no QG tecnológico da CatCo, que convenhamos, não fazia o menor sentido.

img1

Mas a minha principal preocupação após o anuncio de que o primão estaria fazendo uma participação ativa na série da Supergirl, não apenas um vulto como havia sido anteriormente, era a de que ele tomaria muito espaço, afinal, Clark Kent é sim mais famoso do que Kara, por enquanto. Só que de maneira alguma existiu um roubo de espaço ou cena. A série ainda está preocupada em demonstrar que conhece bem o potencial de sua protagonista, assim como o de seus coadjuvantes e Clark aqui nem ao menos funciona como coadjuvante e sim como participação especial, do jeito que deverá permanecer.

A química existente entre Benoist e Hoechlin é grande e faz com que o relacionamento familiar entre os dois seja extremamente sutil e caloroso. E essa química te faz acreditar que realmente aqueles dois personagens dividem uma história maior. E Tyler é competente em traduzir a persona de ambos personagens, Superman e Clark Kent. Existe sempre um grande problema quando o nome é maior do que qualquer outra característica. Henry Cavill até hoje enfrenta a estigma de um Superman pelas metades, tudo graças a imagem história do personagem na mente de quem cresceu acompanhado Christopher Reeve, Dean Cain e Tom Welling no papel de Kal-El. Exatamente por isso, e pela última interpretação criada para o cinema, que o mundo estava carente de uma versão menos carrancuda e mais esperançosa do Super. E nós conseguimos.

Não pretendia discorrer tanto do Superman nesta review, afinal, estamos falando da série da Supergirl, a verdadeira estrela do show, mas neste caso pretendo abrir uma exceção, especialmente pelo que o roteiro de Kreisberg e Queller conseguiu alcançar com aquela que pode ser considerada a versão definitiva do personagem na televisão. Existiu um pouco de história própria no relacionamento entre o Marciano e Superman, especialmente com a informação de que foi Henshaw o responsável por transformar kryptonitaem arma, assim como um pequeno aceno ao passado de Clark e Cat Grant no planeta diário, mas foi a personalidade de Clark e também do Superman que me conquistou como telespectador. Alegre, maduro, conselheiro e com um sorriso no rosto sempre que necessário, era este o super-herói que eu queria ver e que a DC estava tanto precisando para uma das pontas de sua trindade.

O grande ponto de The Adventures of Supergirl é demonstrar que o caminho da evolução ainda não acabou. Todo o ano de estreia da série foi centralizado em demonstrar o caminho tortuoso de transformação de Kara em uma heroína, longe da sombra do Superman e digna da alcunha de Protetora do Planeta. Neste, a presença de Clark é utilizada de maneira inteligente, e o último filho (homem) de Krypton aparece para ajudar a prima, não a ser uma heroína, porque isso ela já é, mas sim para trazer conselhos de como combinar a vida de super-heroína com a pessoal, algo que o senhor Kent parece ter dominado.

E o retorno de Supergirl atingiu com sucesso todos os objetivos que criei quando comecei a assistir a série. Uma produção preocupada em trazer o espírito de super-heróis, mas sem impor um tom drástico e pesado, Supergirl expos o potencial que tem para criar boas histórias. Aliada a um elenco com grande química e a inclusões válidas, como a de Lena Luthor, a produção mantém seu status como uma das melhores adaptações de uma personagem saída de uma história em quadrinhos. Estou extremamente ansioso para continuar acompanhado as aventuras de Supergirl e se o ritmo e qualidade permanecerem como está, neste que classifico como um dos melhores episódios da série, sei que não me decepcionarei.

Easter eggs e outras informações

– Adventures of Supergirl é uma homenagem ao título Adventures of Superman, que já teve sua versão na televisão, quadrinhos e até mesmo rádio. Este também é o título de uma série de revistas em quadrinhos publicada pela DC Comics e que fez conexão direta com a série, além de ter um time rotativo de artistas para cada número. Recomendo a leitura.

– Enquanto Alex apresentava o novo quartel general do DEO ela mencionou que a casa nova era parecida com a anterior, mas talvez melhor. Essa foi uma suave maneira da série de reconhecer sua nova emissora, a CW.

– Durante a primeira temporada enquanto voava James para a Fortaleza da Solidão, Kara ouviu do amigo que ela era mais rápida do que Superman. Duas vezes durante o episódio ela chegou primeiro que o primo quando era necessário.

– Supergirl ganhou um novo logo durante as transições de cenas.

– Como mencionado na review e em maiores detalhes aqui, The Adventures of Supergirl registrou a maior audiência da CW neste horário em oito anos para a emissora.

– A nova assistente da Cat atende pelo nome de Teschmacher, nome saído diretamente de Superman: O Filme e Superman II, da assistente de Lex Luthor.

img2

– Falando em Luthor, tivemos também o debut de Lena Luthor em Supergirl. Nos quadrinhos ela também é irmã do Lex e em um arco chegou a ser escondida pelo vilão, enquanto estava em uma cadeira de rodas. Smallville também teve sua versão da personagem, chamada Tessa, ou Lutessa Luthor, também conhecida como Tess Mercer, nome criado por causa da assistente do Lex e mencionada no easter egg acima.

– No começo do episódio Clark está em uma banca com o logo do Planeta Diário, nome do jornal onde ele trabalha em todas as versões do personagem na televisão, quadrinhos e cinema.

– “Este parece ser um trabalho para… nós dois”. A famosa frase já havia sido utilizada antes na série, para fazer referência a Supergirl. Utilizada principalmente nas histórias clássicas do Superman, dessa vez ela foi empregada para os dois.

– Este episódio marca o primeiro encontro live action entre a Supergirl e o Superman. Smallville não conta porque lá o Clark ainda atendia pelo nome de Borrão.

– Winn fala de um encontro entre o Lex e o Superman e o terremoto na Califórnia. Esta é uma referência ao filme Superman, de 1978. Aquele em que a Lois morre por causa do terremoto e o Superman gira o mundo ao contrário e volta no tempo.

img3

– O começo do episódio acontece imediatamente após o último da primeira temporada, Better Angels. Nele é possível ver um misterioso homem em uma nave similar a da Kara. Foi revelado pelos produtores da série que este é Moon El. Moon El é membro da Legião de Super-Heróis e tem poderes similares aos da Supergirl e do Superman, com a diferença de que kryptonita não é a sua fraqueza.

– John Corbin, o homem que tentou matar Lena, atende pela alcunha de Metallo, um dos clássicos vilões do Superman e que utiliza no corpo uma bateria feita de kryptonita.

– Foi feita uma menção a Gotham, cidade do Batman.

– Kasnia e Corto Maltese também ganharam um aceno. Dois nomes conectados a série do Arqueiro Verde, Arrow.

  • Kin Jordan

    De longe o melhor retorno de uma série de quadrinhos/heróis dessa temporada!!
    E olha que achei a primeira temporada bem mediana e estava na dúvida se continuava. Que mantenha o nível!!

  • wesley

    WINN graças a deus foi colocado no lugar que deveria estar .. aquele QG na CatCo era pavoroso , confesso que até antes da estreia estava com o pé atrás por esse Superman .. mas foi bem melhor do que eu imaginava , ele conseguiu trazer um Superman (por mais que eu goste do Henry Cavill) que é mais fácil de simpatizar , um dos melhores episódios da série com toda a certeza e o melhor retorno de série de herói do ano ..

    • O Superman do Tyler é mais parecido com o Superman que muitas pessoas cresceram assistindo. É uma mistura legal dos filmes mais antigos com as animações, especialmente a da década de 90. Eu adorei.

  • Gabriel

    Gostei muito desta versão do Super-homem. Tyler Hoechlin foi competente em sua interpretação tanto dele como Clark Kent quanto como o homem-de-aço. Me agradou ver uma versão esperançosa do personagem e admirada pela humanidade pelos seus valores morais ao invés de ser cultuada como um deus.

    Achei uma sábia decisão da série dispôs do primeiro episódio para apresentar o relacionamento entre Kara e Clark antes de enfrentarem alguma diferença de opinião como aquela apresentada no trailer da temporada. Também achei coerente que Clark não aprecie que o D.E.O. possua kryptonita. Já foi apresentado que o departamento de operações extra-normais, sob o comando de J’onn J’onzz, não se contentou em ter um objeto capaz de enfraquecer kryptonianos mas criar armas capazes de matá-los.

    Winn indo trabalhar para o D.E.O. foi uma decisão muito inteligente. Não faz sentido que uma das mentes mais brilhantes do universo (visto seu feito em S01E15 “Sollitude”) resolva trabalhar num conglomerado de mídia exercendo atividades triviais.

    Também achei uma ótima decisão dar um fim ao relacionamento amoroso entre Kara e Jimmy. The CW não é conhecida por trabalhar com namoros de forma interessante e o Olsen da série só tem o nome em comum com o personagem dos quadrinhos então não vejo motivos para persistirem nesta trama. Só espero que não resolvam trabalhar num caso entre Kara e Mon-El.

    Como Gotham existe neste universo acharia legal se trouxessem a Batgirl. Ao menos no arrowverse a Bárbara Gordon deve existir já que Oliver disse que não chamaria Felicity de Oráculo pois este nome já estava sendo usado. E podiam aproveitar e trazer a Mulher Maravilha daí teriam sua própria “trindade”.

    Achei o season premiere o melhor episódio da série. Se manter esta qualidade ela pode se tornar a melhor série de super-heróis que o canal já teve.

    • Olha, não sei como andam as restrições a personagens da DC, mas seria ótimo ter a Batgirl, ou a Batwoman na série, porque daria um contraste bacana com a Kara.

  • Carol Geaquinto

    Nunca fui fã de super-heróis, não vi todos os filmes, principalmente da DC, mas me tornei uma viciada pelas séries. Durante dois anos consumi todo o material produzido pela CW, me apaixonei por SHIELD (odeio essa briguinha MarvelxDC, acho uma perda de tempo sem fim, não me odeiem), porém tenho que admitir que não tenho ficado tão feliz assim com o tema. Essa semana joguei pra geladeira Flash e Arrow depois de ver a premiere e LoT antes mesmo de ver, porque quero focar em outras coisas e as elas não estão me agradando como já agradaram um dia. Eu ia fazer isso com Supergirl também, veria a premiere e jogaria pra geladeira até ter mais tempo. Porém como eu posso fazer isso com uma série que coloca um sorriso no meu rosto por 42 minutos? Uma série que me deixa orgulhosa só por existir e ser do jeitinho que ela é? Vejo as pessoas falando mal, falando que não é que nem as outras séries saídas dos quadrinhos… E graças que não é. A melhor coisa de supergirl é o clima leve e divertido, é o clima da Kara, é o sorriso que põe nos nossos rostos enquanto assistimos. Eu adorei tudo que mudou, adorei tudo que continuou. Sei que vou morrer de saudades de Cat, porque provavelmente ela vai aparecer pouco demais pros nossos gostos, mas espero que essa falta seja suprida pelos outros núcleos, que melhoraram muito na nova casa. Nem comentei muito sobre acontecimento x e y porque pra mim o que prevaleceu foi a alegria de voltar a ver o que não tive com Flash e nem Arrow. Ótima review Diego, sua fã como sempre. Até a proxima. #PoP

    • Gabriel

      Já desisti de Arrow e Legends of Tomorrow. Pretendo assistir Flash até o crossover com as outras séries e abandona-la também. Eu até entendo as reclamações com relação a primeira temporada de Supergirl. É visível que os produtores e roteiristas se basearam nelas e corrigiram alguns dos erros nesta season premiere.

      Espero que a qualidade apresentada neste episódio se mantenha ao longo da temporada. Vejo a série como a menina-dos-olhos da The CW. É uma série que pode utilizar a mitologia do maior herói da DC e ainda ter a liberdade necessária para desenvolver a protogonista sem precisar seguir conceitos pré-estabelecidos nos quadrinhos.

      • Caio

        Dropei legends na primeira temporada, mas pretendo conferir o primeiro ep da segunda. Arrow realmente está uma decepção.
        Mas Flash continua bem na minha opinião e Supergirl melhorou bastante na cw.

      • Tiago Lima

        Abandonei Arrow na 3ª Temporada, quando mataram uma personagem, ficaram a temporada inteira nisso, mesmo sabendo que a personagem voltaria em Legends e todo mundo já sabia, pois já tinha anunciado.
        Legends of Tomorrow tinha visto só o Piloto e achei bem ruim, depois vi alguns episódios aleatórios na Warner.

        a 1ª Temporada de Supergirl achei boa, não foi uma série que dava vontade de assistir loucamente, sempre deixava por último na minha lista, mas quando via o episódio tinha algo que me surpreendia ao discutir certos assuntos que em outras séries (The Flash e Arrow) não se aprofundavam. Como por exemplo um episódio que discute o DOE manter prisioneiros sem serem julgados e cumprir um período de pena e ser devolvido a sociedade, que em The Flash simplesmente jogam um meta-humano no porão da Star-Labs e fica por isso mesmo.

      • Arrow eu assisti só o primeiro episódio, precisa saber o que iam fazer, já que a promessa era a de voltar as origens – não foi lá tão bom. Flash eu ainda acredito o potencial, mas também já está me cansando. E Legends eu não consegui desistir, apesar de ter ficado tentado após o final da primeira temporada. O potencial com a Sociedade da Justiça é muito grande e pelo trailer parece que será em divertida.

    • Tiago Lima

      Alguns problemas que vejo em Arrow e Flash é que as séries não conseguem evoluir e ficam sempre na mesma coisa, por exemplo os flashbacks de Arrow toma metade do episódio e simplesmente não é importante, enquanto a ação no presente fica sempre na mesma, com o Oliver perseguindo um caminhão e enfrentando uma quadrilha, e quase todos personagens viram vigilante, uma das coisas que tinha nas primeiras temporada era a vida dupla do Oliver como empresário e vigilante que a partir da 3ª temporada só mostra ele como um vigilante. The Flash é uma série que promete grandes mudanças, mas um episódio depois volta ao normal e os personagens pararam de evoluir, sim se for notar cada personagem tem uma função dentro da equipe e só ficam nisso, não há mudança entre as relações e de funções, no máximo é começar a ganhar poderes também, igual Arrow faz ao transformar todos em vigilantes.

      Agora pegamos as novas temporadas de SHIELD e Supergirl, houveram mudanças, personagens novos incluídos bem na trama, que deram um ar novo para as séries.

      • O crescimento de SHIELD é enorme mesmo, Tiago. Eles criam algo novo e interessante anualmente. Supergirl está começando a trajetória, mas já vejo que está fazendo certo.

    • Realmente, Carol, o ponto mais forte da série é a sensação boa que ela dá. Afinal, a gente liga a televisão para “escapar” da realidade, e melhor escapar sorrindo do que chorando KKKKK Obrigado pelo comentário e até a próxima.

  • Ubirajara Júnior Do Carmo

    E eu me matando pra lembrar de onde eu tinha ouvido o nome Teschmacher. É porque na minha cabeça só tinha a voz grosseira do Lex falando.
    Adorei esse retorno. E haters gonna hate, mas esse Superman ficou bom. Muito bom. Na pegada do Dean ou do Reeve. Sou velha gurda mesmo, vi esses outros 2 por muito tempo.

    • Um Superman com a pegada antiga era tudo o que a DC precisava em live action. Ninguém aguenta mais o filtro cinza/sofrimento do cinema.

  • Fábio Santos

    GLORIFIQUEI DE PÉ 1: Kara e James terminaram! Aeeeeeeeeeee!
    GLORIFIQUEI DE PÉ 2: Superman ficou muito legal! Acredito que é aquele que muitos (talvez todos) queriam ver no cinema. Eu gosto do Super das telonas, mas esse ficou bem maneiro, na pegada do Reeve e eu sou daquela época da sessão da tarde, então gostei. rsrs
    Agora, aquele conserto da coluna do prédio foi bem meia boca hein? Ainda bem que a Kara escolheu ser repórter, e não engenheira. rsrs

    • KKKKKK coisas que só acontecem em série/revista em quadrinhos de super-heróis.

  • Emmanuel Oliveira Sales

    superman participando de supergirl e sendo bem recebido de maneira geral. aí o allan scott não pode participar de legends pra não confundir o telespectador qd vier o filme da tropa dos lanternas verdes. vai entender né

    • Não é exatamente por isso que não colocam o Lanterna Verde nas séries, Emmanuel. Pode ser a desculpa utilizada, mas o verdadeiro motivo é outro – la plata!

      • Emmanuel Oliveira Sales

        de fato, ja pensou o custo de fazer os constructos, ia explodir o orçamento da serie 😀

  • carla machado

    Adorei a review.
    Eu, que tinha largado Supergirl lá no comecinho fiz maratona e vi tudo pela netflix agora pra estar em dia com a série agora na CW.
    Gostei de tudo. Melissa é demais.
    Espero ótima temporada e crossovers.

  • Vitória Martins Souto

    Supergirl está sendo, juntamente com Gotham, minha série favorita do mundo DC, gostei muito do Tyler como Superman e ainda bem que o James e a Kara viraram apenas amigos. Tomara que mantenha a qualidade!

  • Juliano Guilherme

    Por fim… quando começa a série solo do Superman?

  • RWillians

    Ele mandou bem mas perderam uma grande oportunidade de usa o Tom Weeling, na boa, a cena dele com Jimmy Olsen ficou mto estranho, podiam ter usado uns truques de câmera para ele parecer maior, afinal o ator é bem baixo. E pelo amor de Deus parem com esse papo de Superman carrancudo, de uma hora para outra todo mundo ficou especialista em Superman. Para quem não lembra, a versão do Cavill reflete ao super que destruiu Metropolis numa batalha e teve que matar seu inimigo para salvar uma família, talvez se ele tivesse voltado no tempo e mudado tudo 2x, ele seria mais feliz, pq pra quem não se lembra é isso que o super do Reeve faz. Reeve foi um puta superman, ainda o melhor, mas desvalorizar o trabalho do atual com uma desculpinha de ser carrancudo, é preciso voltar la atrás e avaliar todo o contexto.

    • Não é preciso avaliar o contexto para saber porque o Superman do Snyder é carrancudo, ele é carrancudo porque o Snyder e a DC acharam que seria uma boa ideia na época. Simples assim. E podemos sim criticar essa nova abordagem do personagem, afinal, qualquer um que assistiu pelo menos uns 10 episódios da série animada pode se considerar um especialista com mais informações e mitologia do que quem assistiu apenas os filmes do novo DCU. Não é porque o Super do Henry Cavill precisou matar o inimigo e ver a destruição da cidade que ele se tornou triste, cabisbaixo, ele já era antes.

      • RWillians

        Pra começar, todo esse novo superman vem la da ideia do Nolan, que foi o principal idealizador de MoS. A Warner não saber o q fazer com o super não é novidade, talvez o unico q tenha acertado foi o Bruce Timm mesmo. Desde superman 3 nao acertaram mais o tom do personagem. O q a warner fez foi apostar q no time q estava ganhando nao se mexia, afinal o Batman sério do Nolan ja havia batido mais de 2 bi. Mas o pior q todad as criticad ao novo super se referem aos do Reeve, retratar um clark kent atrapalhado hj soa mto ridículo, vide superman o retorno ou até mesmo a desculpa esfarrapada na saida do elevador, o cara é simplesmente um dos maiores reporteres investigativos da cidade. A atuaçao do Reeve é sim brilhante, o cara faz 3 personagens totalmente diferentes, mas o clark bananao e ingenuo é coisa do cinema da época. Basta dar uma lida nas principais hqs pós anos 80, q nao vão achar qse nada dos filmes do reeve, q pra mtos se tornou padrão, padrão esse q tiveram q matar o personagem pra ele voltar a ter relevância, junto ao público. Compreendo suas justificativas, e até entendo a necessidade de super menos sisudo, mas isso pra mim não é desculpa para um sperman feliz demais.

        • Não é retratar um Superman atrapalhado, é retratar um Superman que funcione como um símbolo de esperança, de heroísmo, é não ser apenas mais um vigilante. Apostar na estética e no tom do Nolan foi o pior erro, afinal, funciona para o Batman, mas Superman não é Batman, é bem diferente e essa diferença praticamente não existe no DCU. Ninguém está pedindo para o Superman ser estabanado, mas pega o que aconteceu em Batman V Superman, o cara simplesmente fica parado no ar, observando, enquanto um monte de gente está pedindo ajuda dele. É muita babaquice. O grande problema do Superman do Cavill é que ele age como um deus, e a graça do Superman sempre foi perceber que o cara tem o poder para ser um, mas não se porta como tal. Ele é justo, mas carismático e não uma máquina de uma face só. Não estou pedindo que ele fique tropeçando nos próprios pés e caindo a cada curva, apenas que exista uma diferença entre ele e os outros vigilantes que operam no escuro. Superman é um personagem alimentado pelo sol por um motivo e nos filmes do Snyder o que prepondera é o filtro cinza.

          • RWillians

            Como disse, eu entendo seu ponto de vista, só não concordo com essa ser a desculpa q mtos dão para implicar com o ele. Para mim ele é mto mais humanizado nessas versões, afinal, ele convive com suas decisões, erros e acertos, o cara carrega um peso nos ombros. E ele não volta no passado para corrigir nada, na explosão do capitólio, por exemplo, mto criticam que ele escolheu não salvar ngm, mas essa é uma imagem mto forte, que mostra q independente de sua escolha pessoas morreriam, a fraqueza desse super não é Kryptonita, é ser falho como um ser humano. Os filmes podem ter sim vários problemas, mas colocar na conta de um personagem que já sofreu com a fama de escoteiro, e sofre agora uma tentativa de mudança, é mto para a conta do personagem.

          • Mas ser humanizado não significa não cometer erros, é ter empatia e esse Superman do Cavill precisa de umas lições neste quesito. “Independente de sua escolha pessoas morreriam”. Então ele deixa todo mundo morrer e nem ao menos tenta salvar uma pessoa? Isso é falta de empatia, cara. Isso não é ser herói. O Superman que eu conheço é o cara que pelo menos tentaria, é o cara que ficaria ali procurando sobreviventes com sua audição, com sua visão de raio-x. Não essa versão estranha que saí andando do meio do fogo com cara de poucos amigos e some. Desculpa, mas não existem desculpas para esse Superman que não dá a mínima para a humanidade e só está lutando porque está conectado intimamente aos vilões que surgem no planeta.

          • RWillians

            Mas aí é questao de cenas cortadas do filme, não do super. Desculpa Diego, mas vc parece conhecer historias do super só por tv. O super q vc conhece é aquele q nao tem peso nenhum nas costas. Concordo com vc em alguns pontos, respeito sua opinião em outros, mas o fato q há propensão a cobrar mais filmes da dc.

          • Conheço as histórias do Superman desde os 12 anos de idade, quem parece que conhece pouco do personagem é você, amigo. Que está aqui defendendo cena cortada (???) e peso nas costas (????) para justificar um Superman que não tem defesa. Mas tudo bem, já que você provocou, vamos lá. Abaixo uma lista de histórias de um Superman que não tem conexão nenhuma com esse criado pelo Snyder.

            Last Son, Superman All Star, Secret Origin, Must There Be a Superman? Up, Up, and Away, For All Seasons.

            Independente do peso nas constas, como em Last Son, por exemplo, o Super nunca se tornou esse protótipo criado para o cinema.

            “Sonhos nos salvam. Sonhos nos elevam e nos transformam. E pela minha alma eu juro.. até que meu sonho de um mundo onde dignidade, honra e justiça se tornem uma realidade que todos nós dividimos… Eu nunca irei parar de lutar”. Superman, “What’s So Funny About Truth, Justice, and the American Way?”.

            Agora cita para mim uma fala dos filmes do Snyder que seja icônica para o personagem.

          • RWillians

            Na boa, vc precisa de um b a ba então. Se vc precisa de falas para em um filme para comprender um personagem, aí fica dificil. Como eu disse respeito toda sua opinião, apedar de acha-la mto genérica. Qto as revistas, boas escolhas, mas são mto superiores a qq versao da tv em q o supre foi tratado como um cara de outro planeta q chega a terra, fica poderoso e se torna heroi, mas esquecem q o cara é em teoria o ultimo do seu planeta e foi criado por seres humanos.

          • Então me ofereça um bê-á-bá, porque eu já te provei com fatos o meu ponto de vista e você continua não me oferecendo uma visão coesa do porque o Superman do cinemas, com um filme próprio e outro dividido, é superior a imagem do Superman benevolente, carismático e bem mais interessante das revistas em quadrinhos. E sim, preciso de falas, porque além das ações, o discurso é parte fundamental para compreender o personagem. E você não está conseguindo vender o seu peixe. rs

          • RWillians

            Hora nenhuma eu quis dizer q era superior, no meu entendimento o q as pessoas fazem é colocar ele como o problema, sendo q não é, como ja coloquei varias vezes, enxergo coisas interessantes nele. Nao estou querendo vender peixe, tenho minha opinião, coloquei o q acho e respeito e compreendo a sua como coloquei diversas vezes tb. Nao pode e pessoas formadoras de opinião, tomar suas criticas como absolutas, sendo q a comparação que fazem é. Em cima de um personagem de cinema q tb não condiz mais com o personagem. Esse superman escoteiro nao casa nem com o tom dos filmes da Marvel, quiçá com os da DC.

          • Você está o tempo todo dizendo que a imagem que as pessoas tem é errada, que o personagem da televisão não tem o peso nos ombros que o do cinema tem, que eu quase não conheço o personagem, soa bastante como se você estivesse sim falando que a versão do cinema é superior é que estamos errados ao pedir um personagem mais carismático – em momento algum pedi um escoteiro.

          • E só para acrescentar a minha resposta abaixo: da onde você tirou que o Superman da televisão não tem peso nas costas? Até o da animação de 90 tem mais peso nas costas que esse atual. rs

          • RWillians

            Cara, as pessoas nao entendem q o q torna o superfraco é a humanidade e bao uma pedra ou uma radiação de sol vermelho. Em suas melhores histórias é o q os autores tentam mostrar.

          • Em nenhum momento eu disse isso, você já está supondo coisas que não foram mencionadas em nossa discussão.

    • Gabriel

      Ainda bem que não usaram o Welling. Não entendo esta mania que algumas pessoas tem de achar que ele era um bom Super-homem.

      • RWillians

        Podia ser, na serie ele pouco foi.

        • Gabriel

          Ele pouco usou o uniforme. Já dava para ver o quão ruim ele seria como Super-homem pela forma como agia sendo o Borrão. E também não foi um bom Clark Kent. Difícil achar algo de bom que foi feito em Smallville.

  • Diego Rocha

    – Up, up…
    – And away! <3

  • henriquehaddefinir

    Meu DEOS como eu amo essas reviews. Só senti falta de você falar da Cat e da cena com Kara decidindo ser repórter. EU CHOREI.
    Que delícia que é esse programa e que delícias esses textos.

    • Foi tanta coisa para falar que eu acabei esquecendo de me aprofundar na relação entre as duas e a nova profissão, mas pretendo contornar esse deslize no próximo texto. Obrigado pelo comentário, Henrique. É sempre um prazer ver você aqui. <3

  • Mayara Araújo

    Ótima review para um ótimo episódio! Desde a primeira temporada não entendo porque a série é tão criticada. Pra mim é uma série divertida, leve e gostosa de se ver.
    Quanto ao Superman, confesso que torci o nariz quando vi que o Tyler o iria interpretar. Não por não gostar dele mas só porque achei que ele não se encaixava para o papel. Bom, erro meu. Ele arrasou e embora que seja só uma participação especial o quero em mais episódios.
    Ansiosa demais para os próximos episódios <3

    • Obrigado pelo comentário, Mayara. Até o próximo episódio.

    • Lucas Zanco Bianco

      Podem ser apenas boatos o que escutei, mas me parece que o Tyler e os produtores da Supergirl estão discutindo um provável serie solo para o Superman do Tyler, se for verdade e espero que seja, vai ser muito foda ter os dois atuando.

  • Lucas Zanco Bianco

    Eu não acho que o superman do Hanry Cavill seja o problema do Superman dos cinemas não ser o que deveria ser, acho que o maior problema para o Superman do Hanry Cavill ser tão sombrio é do Zack Snider e dos roteiristas que queria algo diferente dos filmes do Universo Cinematografico da Marvel, então eles tentaram algo diferente, não acho que ficou ruim mas foi uma péssima escolha de tom, mas ainda assim tenho esperanças de que o Superman dos cinemas retorne como o Superman mais otimista e luminoso que ele teveria ser. Gostei muito do Superman e do Clark Kent do Hoechlin, ele é um ótimo ator, estava em duvidas sobre a escolha dele por causa que ele apouco tempo fazia a serie Teen Wolf e lá a atuação dele era um tanto quanto confusa.

  • Mari Martins

    Esse primeiro EP conseguiu superar a primeira temporada completa.

    Uns eps eram bons, no geral era tudo muito ruim. Só vi até o final por ser série de herói.
    Poderia ser melhor, mas evoluiu muito e fez um bem essa troca de emissora.
    Espero que continue em uma crescente! Ah, o Superman também é melhor do que o esperado.

  • Sara

    opinião de alguém que não é fã e só viu por causa de Superman(meu amorzinho). gostei bastante! chocada comigo mesma. Eu ri da minha cara por ter curtido. Então… James e Kara terminaram! só vi gente celebrando isso na minha tl, ship/personagem tão odiado quanto Iris West. que coisa. não vejo problema neles. acho que o ódio pelo Jimmy influenciou nisso. Certeza que o alien adormercido é próximo par romântico de Kara. Ele tem o requisito mais importante para interesse amoroso que o público vai amar(entendedores entenderão). Próximo casal a ser destruído: Barry e Iris. Toda vez que ela aparece eu digo: vai dar merda. Barry e Cait é só uma questão de tempo, não vê quem não quer. Iris não tem chance nesta emissora, nem Jimmy, devia ter uma cena entre eles cheia de indiretas para a audiência, mas no Berlantiverse isso é impossível, ele não ousa desafiar.
    P.S: Katie McGrath tem tanta beleza que me deixou hipnotizada.
    P.S: Replay no Superman saindo de cena. Que bunda CK!!! E é de aço!

  • Andréia Viana

    Gostei muito do Hoechlin como Superman/Clark, ele se mostrou bastante confortável no papel e a química dele com Melissa é muito boa, melhor primo ever! E ele não a ofuscou, muito pelo contrário, foi um excelente complemento pra ela.
    Cat Grant mudou um bocado nos últimos tempos, a achava meio chatinha, mas houve realmente uma boa mudança, os diálogos entre elas foram ótimos, ela toda assanhada pra cima do Clark, foi hilário.
    Winn, como sempre, cumprindo seu papel de alívio cômico da série, muito fanboy do Sperman, ele ficou bem melhor no DEO do que na CatCo, vai ser mais bem aproveitado.
    A única coisa que não gostei, foi o término da relação Kara/James, não teve nenhum sentido, ela passou a 1ª temporada inteira apaixonada por ele, sofrendo quando o via com a chata Lane e quando o conquista, ela percebe que eles são melhores como amigos? de um dia pro outro? nem namoraram, pra ter a desculpa de que ela não estava conseguindo administrar uma vida normal com ser a Supergirl, foi uma grande demonstração de imaturidade e que não sabe o que quer, pelo visto a forçação de barra virá por aí, creio que devem retomar a paixonite do Winn por ela e trazer de novo o Adam.

  • Carlos S.

    Eu achei legal esse superman, pq ele fez um superman bem classico, como não tem espaço para se aprofundar, eles criaram um superman que todos conhecem. Todos os elementos classicos estão ali… e o Clark dele é muito legal, parece uma atualização do clark ingenuo do reeve. Gostei muito…

  • Thiago de Oliveira

    Mon El, ou Lar Gand, não é de Krypton, por isso a Kryptonita não te afeta, ele é de Daxam, planeta em que cientistas Kryptonianos sofreram acidente e ficaram presos, os Daxamitas são descendentes de Kryptonianos, por isso ele ainda terá super poderes.