Stranger Things 1×06: Chapter Six: The Monster

22
885

A necessidade de conexão.

Sempre achei a área de psicologia especial. Compreender grupos e indivíduos através de seus comportamentos me faz refletir a importância e o impacto de cada ser humano em seu meio e o impacto que pode gerar na vida de outros. Uma das chaves para entender esses comportamentos passam por vários fatores, como aspectos culturais e biológicos. Entre esses fatores, um dos mais importantes para decifrar essas inter-relações é, sem dúvida, a conexão entre indivíduos e grupos.

Rita Pearson, notável educadora americana, uma vez disse: “A conexão humana é indispensável para o aprendizado e amadurecimento”. Essa frase pode ser utilizada no segmento educacional e em várias outras áreas, até mesmo ao analisarmos o mundo das séries, haja visto que as mesmas tendem a refletir a realidade. Após priorizar o andamento da trama, trabalhando quase todos o elenco na busca por Will (e Barbara) e por um maior entendimento do Laboratório Hawkings e da criatura, Stranger Things desacelera ainda mais sua história e prioriza as relações entre os personagens.

Começando exatamente após o final do episódio anterior, temos Nancy deparando-se com o monstro e voltando com a ajuda de Jonathan. Devo dizer que fiquei com um sentimento bem confuso em relação à essa cena. A criatura foi construída de forma fantástica e o design de produção da série mostrou todo seu potencial nesse pequeno momento no mundo invertido, todavia não achei a decisão de trazer Nancy de volta a mais acertada. Um ponto de vista dentro desse mundo abriria novas possibilidades criativas e ainda poderia ser útil na resolução da trama principal.

Um ponto positivo dessa resolução, porém, foram as cenas entre a Wheller e o Byers.  O trauma vivido pelo casal de jovens foi bem crível e a necessidade de conforto e conexão entre eles foi criada de forma bem natural. É um tanto quanto curioso pensar que os últimos a entrarem na busca por Will foram os que chegaram mais longe de entender a situação geral.

Enquanto uns caçam monstros, Hopper e Joyce continuam sua jornada de investigação sobre o Laboratório. A interação entre os dois funciona perfeitamente, com Ryder e Harbour revezando os momentos de atenção do público. A aproximação dos dois faz perfeito sentido, quando se considera a importância de Hopper como xerife no caso do desaparecimento e sabendo das perdas vivenciadas por eles. Todas as cenas, porém, foram inúteis ao andamento do plot, pois as informações já eram sabidas e nada foi acrescentado.

O brilho Stranger Things continua sendo, porém, as crianças. Todas as cenas envolvendo os meninos e Eleven foram de uma maturidade do roteiro absurda. Temas como aceitação, amizade, confiança, fidelidade e orgulho foram trabalhadas de forma sutil, mas eficientemente.

Eleven, por exemplo, é um caso perfeito de um indivíduo que se sempre buscou uma conexão. Afastada de sua família ainda no início da vida, El nunca conseguiu desenvolver relacionamentos saudáveis e seu único laço afetivo foi desenvolvido através de sua interação com seu tutor/responsável. Esse relacionamento, claramente destrutivo, deixou marcas severas na menina, sendo trabalhadas nos flashbacks e nas expressões corporais bem reprimidas. Ao encontrar os garotos, El descobre algo que ela nunca havia imaginado: o conceito da amizade.

E é esse conceito que é debatido por Dustin. A nova dinâmica entre os garotos estava subtendida, porém não houve um esclarecimento entre eles. A cena do abraço final é extremamente importante para Eleven, pois nesse momento ela tem a certeza de que foi aceita por Mike e, sobretudo, Dustin. Se antes, o sentimento de amizade era exclusiva nas referências, Stranger Things estabelece de vez essa conexão das crianças e promete um confronto entre o governo e o grupo.

The monster desacelera consideravelmente sua trama, recicla informações e acaba sendo um tanto didática, mas foca em elementos infalíveis e cria maior unidade entre os personagens. Todas as peças já foram jogadas, agora é partir para a guerra.

Familiar Things

O projeto MKUltra realmente aconteceu. Os testes, realizados pelo departamento científico da CIA, ocorreram dos anos 50 a 1973. Em 1975 foram abertas várias investigações sobre essas atividades e até hoje várias teorias sobre tal projeto são levantadas de tempos em tempos. Entre as séries e filmes que fizeram referência ao MKUltra estão: Bones, Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D., Fringe e The X-Files.

O quarto para a pequena Jane (Eleven) apresenta alguns objetos relacionados à Alice no País das Maravilhas. A mesma obra já foi homenageada no episódio anterior, quando Nancy atravessa o portal na árvore e entra no mundo invertido, tal qual Alice adentra a toca do coelho.

Mais uma homenagem fofa à The Gonnies.

img1

Para cada soco bem dado em Steve, um sorriso. Steve parece ter sido inspirado em Troy (Também de The Gonnies), mas existiram tantos babacas nos anos 80 que nem sei…

Sobre essa história de Lucas ir procurando Will sozinho: Achei que ia dar ruim.

Como houve referências à obra do Carl Sagan nos dois últimos episódios, eis algumas dicas do que ver e ler. Para Ler: Contact (1985).   Para Ver: Cosmos: A Personal Voyage (1980) e Contact (1997).

  • Douglas

    Maratonei os oito episódios ontem e só sei que o tempo foi bem gasto. Ótima série, espero que seja renovada.

    • Lara Loureiro

      E praticamente já foi renovada, Douglas!

    • Lucas Pujol

      Já foi <3
      Mas a previsão de estreia é só pra 2018 🙁

      • Ainda não foi oficialmente, apenas aquele lance de gente do elenco falando em entrevista que será renovado. Mas com certeza será sim.

      • Flavio Batista

        Como assim 2018? os garotos estarao muito grandes… tem q ser pra semana q vem hahaha

  • Douglas

    Maratonei os oito episódios ontem e só sei que o tempo foi bem gasto. Ótima série, espero que seja renovada.

    • Lara Loureiro

      E praticamente já foi renovada, Douglas!

    • Lucas Pujol

      Já foi <3
      Mas a previsão de estreia é só pra 2018 🙁

      • Ainda não foi oficialmente, apenas aquele lance de gente do elenco falando em entrevista que será renovado. Mas com certeza será sim.

      • Flavio Batista

        Como assim 2018? os garotos estarao muito grandes… tem q ser pra semana q vem hahaha

  • Antony

    O episodio vacilou só na questão do mundo invertido deveria ter mais cenas no lugar , de resto foi ok a Onze foi a dona do episodio a pequena garota é uma grande atriz .

  • Antony

    O episodio vacilou só na questão do mundo invertido deveria ter mais cenas no lugar , de resto foi ok a Onze foi a dona do episodio a pequena garota é uma grande atriz .

  • Sthefani Cordeiro

    Lara que delicia acompanhar seus textos… Você me apresenta um lado que eu não tinha pensado… Concordo com tudo que disse no texto e a história da Eleven é de uma profundidade absurda!!! Curioso pelos textos finais rsrsrs

    • Lara Loureiro

      É ainda mais prazeroso fazer reviews de uma série tão boa quanto Stranger Things. A história de Eleven me pegou de jeito e com certeza terá uma boa abordagem nas duas últimas reviews. Bjs

  • Sthefani Cordeiro

    Lara que delicia acompanhar seus textos… Você me apresenta um lado que eu não tinha pensado… Concordo com tudo que disse no texto e a história da Eleven é de uma profundidade absurda!!! Curioso pelos textos finais rsrsrs

    • Lara Loureiro

      É ainda mais prazeroso fazer reviews de uma série tão boa quanto Stranger Things. A história de Eleven me pegou de jeito e com certeza terá uma boa abordagem nas duas últimas reviews. Bjs

  • Fabio Kazim

    Muito bom Lara tô contigo na review. E já quero para ontem o livro oficial da série Netflix com todas as referências que a série homenageia, seja em tempo real dos acontecimentos pelo período que ocorre, pela questão tempo que se funde, ou pelo atiçar a curiosidade nossa.

    Quero card game da série, quero colecionar figurinhas de Stranger Things.

  • Fabio Kazim

    Muito bom Lara tô contigo na review. E já quero para ontem o livro oficial da série Netflix com todas as referências que a série homenageia, seja em tempo real dos acontecimentos pelo período que ocorre, pela questão tempo que se funde, ou pelo atiçar a curiosidade nossa.

    Quero card game da série, quero colecionar figurinhas de Stranger Things.

  • kuroro

    Eu só vejo referências a Stephen King em todos os episodios, mas nesse a referência foi explícita! Além do fato das crianças lembrarem MUITO IT – A Coisa, a história da Terry Ives foi praticamente RETIRADA do mundo de A Incendiária, do autor! Com algumas adições, claro, mas o mesmo panorama e contexto, com a tentativa da retidada da criança (na série, bem efetuada, mas no livro nem tanto). São tantas mas TANTAS referências a ele que eu, como fanzaço do King fico morrendo a cada episódio que passa kkkk

  • kuroro

    Eu só vejo referências a Stephen King em todos os episodios, mas nesse a referência foi explícita! Além do fato das crianças lembrarem MUITO IT – A Coisa, a história da Terry Ives foi praticamente RETIRADA do mundo de A Incendiária, do autor! Com algumas adições, claro, mas o mesmo panorama e contexto, com a tentativa da retidada da criança (na série, bem efetuada, mas no livro nem tanto). São tantas mas TANTAS referências a ele que eu, como fanzaço do King fico morrendo a cada episódio que passa kkkk

  • Guga Ulguim

    tinha um quadro do coelho banco que leva alce pro país das maravilhas no quarto da eleven, bem legal pq os meninos estão seguindo ela pra conseguir chegar no mundo invertido

  • Guga Ulguim

    tinha um quadro do coelho banco que leva alce pro país das maravilhas no quarto da eleven, bem legal pq os meninos estão seguindo ela pra conseguir chegar no mundo invertido