Star Wars Rebels 3×03: The Antilles Extraction

2
289

A introdução de um velho conhecido.

Apesar de tirar o foco da série de Ezra e Kanan, “The Antilles Extraction” nos apresenta uma ótima trama focada em Sabine e, de bônus, introduz Wedge Antilles em Rebels.

A trama do episódio é simples: após receber a informação que alguns pilotos em treinamento do Império desejam se juntar à Rebelião, Sabine se infiltra na Academia Skystrike para resgatá-los.

1 – The Light Side.

O ponto alto do episódio foi conhecer um pouco da história de Wedge Antilles. Achei interessante o fato de um dos melhores pilotos rebeldes ter sido um cadete Imperial. Também gostei de ver como ele se decepcionou com a conduta do Império e decidiu abandoná-lo. Além disso, a química entre ele e Sabine foi excelente e eu adoraria vê-los juntos em novas missões.

Falando na mandaloriana, foi bom notar que a personagem não foi esquecida. A desenvoltura demonstrada por ela ao se infiltrar na Academia em uma ação tão arriscada foi impressionante. Também gostei de vê-la lutar e fazer referência ao seu treinamento no clã Wren. Espero ver mais episódios com o foco em Sabine, bem como a participação de outros mandalorianos nessa temporada.

Outro bom momento do episódio foi ver o comportamento de Ezra ao ter que aguardar o contato de Sabine. Apesar de ter se reconciliado com seu mestre, é notório que ele continua a caminho do “lado negro” da Força ao demonstrar impaciência e irritação. Acho que os roteiristas estão sendo felizes ao mostrar que mesmo sob a influência de Kanan, o Padawan parece fadado a ser corrompido.

Os roteiristas acertaram em cheio ao mostrar que a Rebelião, assim como todo grupo que luta contra um governo ditatorial, tem dificuldades com a manutenção e recrutamento de pessoal. Afinal, como vimos no começo do episódio, seis pilotos morreram, e os mesmos precisavam ser substituídos. Acho importante o fato de Dave Filoni e sua equipe nos mostrarem as dificuldades e derrotas que os rebeldes sofrem, assim como a diferença de poderio bélico em relação ao Império.

2 – The Dark Side.

O único problema do episódio ocorreu quando Ezra tentou resgatar Sabine e os outros pilotos pela primeira vez. Achei, no mínimo, curioso ver uma nave entrar em combate sem seus escudos ativados. Entendo que a trama foi desenvolvida de uma forma que o resgate não deveria ser bem sucedido, mas acho que os roteiristas poderiam ter achado outra maneira disso acontecer, já que pareceu um erro de principiante por parte da tripulação de Ezra.

Mesmo se afastando da trama principal, “The Antilles Extraction” se mostrou um excelente episódio ao apresentar a dificuldade da Rebelião em recrutar e manter seus pilotos, bem como voltar a atenção para Sabine, que havia sido deixada de lado desde o final da temporada passada. Além disso, fiquei muito satisfeito em ver Wedge se juntando à Rebelião, e estou ansioso para ver mais tramas sendo desenvolvidas com um dos maiores pilotos de X-wing da Galáxia.

Observações finais:

1 – Denis Lawson interpretou Wedge na trilogia original. Ele é tio de Ewan McGregor, o Obi-Wan Kenobi dos prequels.

2 – Gostei da introdução de Skerris, o impiedoso piloto Imperial. Espero que ele volte a enfrentar Wedge em episódios futuros.

3 – Kallus pagou sua dívida com Zeb ao ajudar Sabine e os pilotos fugirem. Seria só isso, ou o agente poderia ser um Fulcrum, um dos espiões rebeldes?

4 – Uma curiosidade sobre Wedge: ele foi o único piloto rebelde a lutar nas batalhas contra as duas Estrelas da Morte. Afinal, ele sobreviveu, assim como Han, Luke e Chewie à explosão da primeira, e foi comandado por Lando no ataque à segunda. Enquanto ele participava dessa ação, Luke enfrentava o Imperador, e Han e Chewie estavam com Leia desativando o gerador do escudo Imperial na Lua Florestal de Endor que protegia a estação em construção no espaço.

  • AlexSanders

    Valeu pela review Aurelio. Não sabia q tinha cobertura aqui. Vou passar a acompanhar. No mais, acabou-se a Phantom…será que vai ter outra nave auxiliar? Abs

    • Aurelio

      Fala, Alex! Seja bem-vindo!
      Eu acho que é uma questão de tempo até termos uma substituta para a Phantom.