Scream Queens 2×01: Scream Again [Season Premiere]

22
2878

Scream Queens está de volta para mais deboche, loucura e sangue.

Por mais fã de Ryan Murphy que eu seja, preciso admitir que Scream Queens não foi o sucesso que todos esperávamos. E não por razões que tenham a ver com a qualidade do show, mas com sua forma, seu estilo. Muito do apego alegórico que vemos na série das Chanels estava na gênese de Glee, com a diferença de que na série musical, esses elementos foram sendo incutidos na forma aos poucos. Se você pegar a primeira metade da primeira temporada de Glee e comparar com a primeira metade da segunda temporada, a forma e o estilo surgem mais apurados. É como se a identidade tivesse sido construída aos poucos.

Scream Queens já começou dando 200% de alegoria. O piloto da série veio como uma força propulsora de analogia, referência e metáfora; e como todos nós sabemos, para lidar com o significado dessas três palavrinhas, precisamos flexionar o nosso senso de realidade. Boa parte das críticas que várias das séries do Murphy sofrem partem de uma dificuldade (ou mesmo simples rejeição) ao uso da forma alegórica, que é um reflexo da realidade, mas não a representação exata dela. Para entender melhor, basta pensarmos no nosso carnaval, nos carros-alegóricos, que trazem construções artísticas metaforizadas da realidade e que oferecem uma interpretação incomum de fatores cotidianos.

Assim, passamos todo o primeiro ano acompanhando a história de horror dos personagens daquela universidade, por uma ótica completamente alegórica. Por baixo das viradas insanas, do texto provocativo e do exagero visual, estava a realidade, a crítica. Mas, só é possível chegar a isso se você consegue aproveitar toda aquela representação. Para os que conseguiram, a primeira temporada foi deleite do início ao fim. Para os que não, Scream Queens foi uma maluquice sem sentido que só reforçou o quanto Ryan Murphy é um péssimo contador de histórias.

Depois de uma audiência modesta, a série conseguiu um segundo ano e pelo que vimos nessa premiere, não está nem um pouco preocupada em encaixar as coisas nos lugares certinhos e habituais, só pra conseguir mais público. A ideia de jogar num hospital um bando de personagens que nunca nem fizeram medicina já é louca por si só e o barato de Scream Queens sempre foi esse. A premiere mostrou que os três criadores do show ainda estão afiados na língua e na atenção a tudo que está em vigência na cultura pop contemporânea.

O teaser que deu início ao segundo ano, contudo, foi um pouco frio. A grande ironia é que talvez a ligeira discrição do episódio tenha sido seu maior defeito. Era pouco tempo para situar muita coisa nos seus devidos lugares. O roteiro não pode esquecer nunca que precisa haver um mistério envolvendo crimes e que não pode tomar saídas fáceis que entediem os espectadores da temporada 1. Embora a fantasia do assassino desse ano tenha bastante apelo visual (e apresente o asqueroso tom de verde que nos guiará até o fim), as motivações desse criminoso precisam ser tão provocantes quanto as anteriores.

E lá vamos nós para dentro do hospital “onde o incurável se cura”. A premissa é absurda, mas de absurdo esses roteiros entendem. A reitora Munsch resolveu direcionar seu ego gigante para “ajudar os necessitados” e isso resultou num hospital que reúne bizarrices para todos os gostos. Jamie Lee Curtis continua se divertindo no papel e agora uniu-se no seu prazer a John Stamos, que está sempre feliz em poder viver mais um canastrão. Com direito a mão transplantada e tudo. A outra veterana que se uniu ao elenco foi Kirstie Alley, que por enquanto ainda não mostrou a que veio, mas que tem o espírito perfeito para compartilhar de toda aquela loucura.

O senso de humor da série também continua intacto. Os criadores souberam aproveitar cada piada, com direito a uma brincadeira com Making a Murderer que já é antológica. As Chanels, sempre hilárias, saíram de um documentário do Netflix para suas novas carreiras de residentes e eu já estou esperando por várias piadas envolvendo séries médicas como ER e Grey’s Anatomy (é sabido que Murphy é um grande fã dos programas de Shonda Rhymes). O primeiro “caso” do Instituto C.U.R.E, aliás, já nos rendeu doses cavalares de nonsense.

Foi muito bacana, sobretudo, ver como as Chanels apareceram num contexto diferente, completamente decadentes e desesperadas pela sobrevivência. Emma Roberts vai construindo algumas camadas distintas no seu eterno exercício de “bitchismo” e isso é ótimo pro show, que se esquiva de ter uma nota só. É impossível não achar adoráveis a cara sempre blasé da Number 3 e a cara sempre abobada da Number 5. Estou ansiosíssimo para ver como Hester vai ser incluída em todo esse contexto, de modo a respeitar a personagem e não soar como uma forma estratégica de manter Lea Michele no elenco (mesmo com apenas 10 segundos dela em cena, dá para ver como Lea entra inteira no espírito do show).

Enfim, é bem provável que não passemos dessa temporada. Toda a alegoria e toda a realidade distendida da série não são compatíveis com audiências de massa. Infelizmente a Fox não é a HBO. Por isso, temos que aproveitar essas delícias todas que estão por vir. Scream Queens pode não ser o maior sucesso do time de Murphy, mas é, sem dúvida, um dos maiores e melhores exemplos de como a ficção pode ser intensa como a vida e onírica como a loucura.

Deaf Taylor Swift Memories: O ator que viveu o namorado de Sidney em Scream 2 fez uma ponta no teaser. Ótimo que as referências de horror continuem em pauta.

Deaf Taylor Swift Memories 2: Falando em Taylor, o Lautner parece promissor no campo da comédia. E como Murphy é esperto na hora de escalar elenco jovem… Sacaram o detalhe de que em Twilight o Jacob era sempre quente e agora Lautner faz um personagem que tem a pele fria como gelo?

Deaf Taylor Swift Memories 3: O ator que fazia o Azímio de Glee também participou do episódio e quando fui procurar o nome dele no google, dei de cara com uma infinidade de fan-fictions eróticas entre ele e o Kurt. WTF!

Deaf Taylor Swift Memories 4: Zayday continua chata. Bem que podia morrer.

Deaf Taylor Swift Memories 4: Dei uma gargalhada alta quando Chanel disse que Number 5 estava trabalhando num consultório de dentista só pra poder conseguir aparelho de graça para os dentes de sua vagina, AHAHHAHHA.

  • vinland

    Eu acho essa serie bacana. Logicamente que esta longe de ser perfeita, mas a proposta dela se baseia na pura diversao sem compromisso, e eu acho ela muito competente no que se propoe.

  • Matheus Ramos

    Ainda bem que entendi a premissa do show, pq morro de rir com Scream Queens. Fico super chateado que não seja algo que vá durar muito. )=

  • André

    Amei a premiere,nâo foi boa quanto o pilot mas foi muita divertida,e o monstro verde é muito mais bizarro que o Red Devil.
    Amei rever a Denise junto com as Chanels,sâo as melhores personagens do show,a personagem da Kirstie Alley promete muito.
    Ultimamente a Fox tem ido bem mal de audiencia,os sucessos Lucifer e Gotham voltaram com somente 1.3 de demo,sem falar de Rosewood que voltou om 0.7 e Pitch que estreiou com 1.1 ..Scream Queens considerada fracasso voltou com 1.0 se manter nessa faixa e continuar vendendo internacionalmente acho q será novamente renovada

  • dan_atwood

    Senti falta da menção da culpada de tudo isso: Zayday Williams.
    As reações dela sobre as Chanel’s foram bem mais engraçadas do que as Chanel’s em si, tanto que tirando a piada com o netflix aquele momento que elas estão sozinhas em casa é boring e sem graça alguma.
    Achei o piloto bem NHÉ, darei uma chance pq vi a primeira temp. e achei genial, qm sabe essa vire algo assim, mas não dar um parágrafo para qm foi convidada para entrar, qm falou merde e fez chanel’s voltarem, que Diretora aceita as ordens e o q ela pede (algo aí tem), foi meio inaceitável e feito só para falar das bitches favoritinhas da série. (Sobreviva number five, não vivo sem vc sofrendo bully e esperando um dia vc se rebelar e acabar com tudo).

  • Luis Fernando

    Que serie maravilhosa, tem que ter mente aberta ser muito bem humorado para gostar de tudo. Esta serie, o que posso dizer mais, um entretenimento garantido. Foi emocionante quando as Channel’s entraram em cena, elevou ainda mais o episódio.

  • dan_atwood

    mas bem q podia rolar um cancelamento e um remake d Popular né haha

  • Victor.

    1 – Red Devil
    2 -Green Monster

    Tomara que a série continue até usarem todas as cores nos assassinos! HAHAHA

  • Outsider

    O retorno foi muito bom, como eu estava com saudades das Chanels, ri muito da vida decadente delas e das caras da number #03, do bullying que #05 sofre e da acidez da Chanel. Amei os poucos segundos da Special Agent Denise Hempfill e mal posso esperar por mais nonsense dessa série.

    Ps: Henrique, muito bom seu texto
    Ps: O que foi o TED Talk da Dean Munsch? Muito bom hahahaha

    Que venha o Green Monster agora, e Stay alive #05 we need you

  • G Factor

    Eu acho (e espero) que se o show continuar com a média de 1.0 na demo e fizer o sucesso que faz nas mídias internacionais + tal comercialização eles podem renovar para a 3ª temporada.

  • G Factor

    SPECIAL Agent Denise Hemphill

  • Lucas Pires

    Vou aproveitar cada segundo dessa delícia pop.

  • João Carlos

    Gosto muito desse jeito desapegado da série. Esse retorno foi ótimo.

  • Antony

    A serie não tem sucesso nos EUA mais mundialmente é bem forte não decreto que essa seja a ultima temporada .Gostei bastante do retorno voltou mais afiado que nunca nas piadas a melhor do episodio para mim foi cada Chanel dando sua versão do que signifca sumir kkkk , vai ser divertido degustar mais desse tipo de humor .

  • Lucas

    Série levinha e non sense né, nao pode levar muito a sério e ficar questionando o porque de tudo. Gostei que manteram os mesmos personagens (achei que por ser uma antologia iria mudar tudo), mas achei o ‘caso da semana’ da menina lobisomem um pouco além da conta, pelo menos pra mim. Não gostei do Taylor Lautner, a primeira impressão é que o ator não melhorou nada nesses anos. Chanels continuam sendo o trunfo da série e Denise maravilhosa sempre <3

  • Gustavo

    Ok, a série tem nomes mas conhecidos, mas é pq Jamie, Taylor e os demais estão com as carreiras no fracasso.

  • Matheus

    Scream Queens é uma série com grandes nomes no seu elenco é inegável falar isso, mas já o roteiro, nas referências estão de parabéns, mas a história em si é muito fraca, a saída que eles fizeram pra justificar a abertura do hospital foi bem fraquinha, claro que a série têm essa coisa bem non sense, mas foi um gênero que já foi muito explorado e desgastado tanto no cinema quanto na TV, misturado com essa coisa de quem é o assassino, que também já está batido nas séries. Assim o público, principalmente o americano fica cansado das mesmas coisas, não vejo a série indo para um terceiro ano, mas não é a primeira série mais ou menos do Ryan que é renovada de surpresa…

  • Capitã Marvel

    Essa série é genial. Sinto pena de quem ousa TENTAR levar ela a sério.

    • Matt

      Tentar ser trash, debochada, ou sátira, não precisa ser retardada. Os personagens dessa série parecem crianças de 5 anos.

      • Capitã Marvel

        Ué, e uma série trash debochada e sátira tem que ser como? Séria com personagens super maduros? Os personagens também fazem parte desse humor e tom debochado da série.

  • Duh

    Essa estreia foi demais! Superou a da primeira, muito engraçada, a cena do documentário e o interrogatório de Denise com a Hester foi hilário, as Chanells são espetaulares, o visual do assassino ficou muito legal e a mão com desejos de matar do John Stamos tbm ficou muito bom. Pena que muitos ainda não entenderam a série que é pra ser bem trash msm e uma forte critica a pessoas que só vivem no seu próprio mundinho e repudiam tudo que não pertence a eles, muito bem representado pelas Chanells, tudo regado a um forte humor negro.

  • Toq #1

    Eu amei esse primeiro capítulo, e achei bem melhor que o da primeira temporada. Torcer pra fazer o mesmo sucesso internacional (da qual muitos acham que não serve à FOX) que a primeira temporada fez!

  • Ray

    SQ é pra se divertir e pronto, por isso eu amei o piloto. E outra, que elenco maravilhoso! adoro a Jamie e o Stammos foi um deleite de adição, meu eterno tio jessie.