Primeiras Impressões: The Crown

26
5489

Imaginem a pompa de Downton Abbey, o clima de bastidores de House of Cards e a precisão histórica de Mad Men. Eis The Crown, a nova série da Netflix!

The Crown, a nova produção da Netflix, pode talvez não fazer o seu estilo. Mas ela claramente diz a que veio. Trata-se de um olhar sobre a vida da mulher que há mais tempo ocupa o poder no mundo: a rainha Elizabeth II. Mas nada daquela senhora com ar metade amável, metade blasé e conjuntinhos de terninho de todas as cores existentes. Somos transportados para 1947, quando Elizabeth (Claire Foy) ainda era princesa e noiva do Doctor Who (quer dizer, de Matt Smith com um blond platinado indefectível).

A dinâmica entre o casal é bastante amorosa e com muita parceria. Estamos tão acostumados a casamentos arranjados na realeza que causa um pequeno espanto ver tanto sentimento. O piloto deixa bem claro que a dinâmica entre Philip e Elizabeth será um dos principais conflitos da temporada: visto que o príncipe-consorte não apenas renunciou a seus títulos e a sua carreira (como oficial da Marinha Britânica), mas sobretudo porque abraçou um casamento em que sempre estaria hierarquicamente abaixo de sua esposa (o que, decerto, mexe com os brios machistas de qualquer homem). Até confesso que esperava mais pompa e circunstância de um casamento real em plena Abadia de Westminster – mas não dá pra esquecer que a Inglaterra estava recém-saída de uma longa, cara e extenuante guerra.

No trono, está o Rei George VI – o mesmo rei outrora gago, interpretado por Colin Firth em O Discurso do Rei. A interpretação de Jared Harris da velhice do mesmo rei é bastante competente. Um homem consciente de sua responsabilidade (responsabilidade esta que era inesperada, pois seu irmão mais velho Edward VIII abdicou do trono para se casar com Wallis Simpson, uma americana divorciada: um dos maiores escândalos da Monarquia), mas que precisa enfrentar a fragilidade de sua saúde. Um rei tão bondoso, a ponto de aceitar (e colocar) aquela coroa de papel presenteada no Natal por uma menina.

Brevemente, o piloto avança para 1952, quando o estado do rei vai piorando e Elizabeth precisa se preparar para assumir o trono, com todos os desafios que implica reinar sobre um Império (no crepúsculo de sua glória passada, é verdade, mas ainda sim um Império). Um destes principais desafios consiste justamente na convivência com um senhor septuagenário, turrão, mas que foi o grande comandante dos britânicos na resistência e luta contra os nazistas. Sir Winston Churchill, um dos maiores líderes políticos do século XX, sai de sua aposentadoria e retorna à Downing Street, reassumindo o cargo de primeiro-ministro (que exercera durante a Segunda Guerra, ao lado do próprio Rei George). John Lithgow reproduz de forma bastante amável as idiossincrasias, o sarcasmo e a astúcia política de Churchill. Destaque para a cena em que ele insiste em ser assessorado pela nova secretária do gabinete (justamente a que não o conhecia) que lhe informa o expediente do dia enquanto ele está na banheira.

The Crown tem os ingratos desafios de toda produção de época (sobretudo, as historicamente recentes), qual sejam fugir do didatismo e de uma abordagem “chapa-branca”, ao mesmo tempo em que necessitam ser bastante fieis à verdade dos fatos (especialmente em se tratando da Rainha da Inglaterra!). Em matéria de produção de arte, é sensível o primor estético. Não poderia ser diferente, já que The Crown está ostentado o título de “serie mais cara do Netflix”(com orçamento anunciado de US$ 130 milhões para estes dez episódios), dos quais grande parte devem ter sido empregados na cena da coroação de Elizabeth (estamos aguardando!). O elenco convocado também é um time primoroso: completam o núcleo principal da família real a Rainha-Mãe (que, sempre tão descrita como uma figura carismática, aqui tem uma representação mediana) e a Princesa Margareth, a ”ovelha negra” da família.

The Crown
The Crown

Porém, estes ingredientes valiosos não bastam. E e aí que The Crown sinaliza sua fragilidade. É uma série bastante interessante para determinados nichos de espectadores: notadamente, os interessados por história e produções de época e os amantes do estilo britânico! Para o restante do público, pode faltar aquele plus que os atraia. Outro problema de produções como The Crown é a relativa previsibilidade narrativa e cinematográfica. Não cabem aqui grandes surpresas diante da história de uma personagem real das mais notórias em todo o mundo.

A impressão geral que o piloto deixa ao seu final é de uma história com rico potencial de desenvolvimento, mas da qual você já pode saber o que esperar. Intrigas de bastidores políticos, relações internacionais, tensões entre os membros da Monarquia (muitos escândalos para os tabloides, por favor!).

Por fim, o roteiro de The Crown é assinado por Peter Morgan, indicado ao Oscar pelo filme A Rainha (em memorável performance de Helen Mirren), e a direção é do cineasta britânico Stephen Daldry. Não há informação sobre renovação, porém foi informado que o planejamento da série é para seis temporadas: cada uma abrangendo uma década do reinado de Elizabeth II. Vida longa à Rainha (e ao show!).

> Veredito da 3ª temporada de Black Mirror!

Caros amigos Série Maníacos, tem início aqui a nossa cobertura de The Crown. Um belo time, formado por alguns dos súditos mais leais da Rainha, irá entregar um texto diário sobre cada episódio desta temporada. Por favor, encham a caixa de comentários, não esquecendo de manter a disciplina britânica de não dar spoilers dos episódios futuros àquele de que trata o review. God Save The Queen!

  • vinland

    Eu adorei essa serie. ( pelo menos ate o episodio que assisti ) A produçao artistica esta fantastica. Elenco bem harmonizado, com ninguem ficando deslocado do contexto. Acho que finalmente teremos outra serie da Netflix, que rivalize de frente com canais como HBO, FX, BBC, alem de House of Cards.

    • josimar

      rs

    • thiago

      Daredevil, Narcos, Stranger Things, Orange is the new black, Bloodline e algumas outras séries originais da Netflix são superiores a maioria das produções do FX e rivalizam com qualquer canal fechado da TV! Sem contar em Black Mirror (apesar de não ser 100% original) q é uma das melhores produções dos últimos anos.

      Enfim, Netflix deixou de ser só House of Cards faz muito tempo!

      • vinland

        Olha amigo, todas essas series que vc mencionou, estao no mesmo nivel de Halt And catch fire, Turn, Divorce, Shamelees, The Affair, Masters Of Sex, Entourage, dentre outras, que sao producoes boas desses canais fechados, mas nada incrivel.

        Mas de peso a Netflix tem apenas House of cards que esta no mesmo nivel de, Mad Men, Breaking Bad, The Americans, The Shield, Six Feet Under, Fargo, American Crime Story, Sopranos, The Wire, GOT, The West Wing, Boardwalk Empire, SOA dentre varias outras.

        Eu jamais disse que as series da Netflix sao ruins, apenas disse que nenhuma tem muito destaque como uma grande serie, pra rivalizar no meio de premios e critica alem de House Of cards, e talvez OITNB.

        Essa serie pode ser a virada da mesa para a Netflix rivalizar de vez com outras emissoras.

        Vcs tem uma mania de interpretar tudo errado o que as pessoas escrevem, e vir aqui cuspir as coisas. Pelo menos se ao trabalho de ler, e interpretar direito o que vc leu. Isso se vc realmente leu meu comentario.

        A Netflix tem series muito boas sim, mas como disse, nada que se destaque, pra vc lembrar daqui a 10 anos, alem de HOC.

        The Black Mirror eu nao considero original, porque o produto ja estava pronto, e a equipe dessa 3 temporada foi a mesma das outras duas, entao essa ja pode descartar.

        E chega ate ser engraçado vc vir me falar que a Netflix ja superou o FX num ano em que essa emissora, fez temporadas premiadissimas como Fargo, ACS, AHS e The Americans. Todas concorrendo aos principais premios .Sem falar em outras finalizadas como SOA, Justifield, The Shield. Menos amigo menos.

        • Felipe Augusto

          Turn é boa mesmo? me lembro que muita gente não gostou no início.

          A série é só mais uma ou ela têm um diferencial?

          • vinland

            Olha cara eu gosto. Como disse no meu comentario, nao tem nada demais, nao espere uma super serie ao nivel The Americans. Mas da pra entreter. A primeira temporada realmente achei fraca, mas depois ela melhora. E como vai ter apenas mais 1 temporada ( 4 ao todo ) acho que vale a pena dar uma conferida.

      • Roberto

        Serio que num ano que o FX fez historia no Emmy com ACS, e em outros premios. Ja foi muito premiada com Fargo e AHS, e tem The Americans atualmente uma das melhores series adulta da TV, vc me solta essa dizendo que a Netflix superou o FX ? Ri alto aqui agora. Vc esta esta parecendo uma Tiete da Netflix em vir falar isso. A Netflix tem apenas HOC de destaque mesmo. Isso nao quer dizer, que ela produza series ruins.

  • Izaias teodoro

    Eu adorei, pra quem gosta de história, politica, é um prato cheio essa série, e apesar de ser uma série mais pra amantes de história, eles conseguiram deixar a série bem leve, sem aqueles termos técnicos chatos acerca do parlamento inglês e de toda o governo do Reino Unido, pra poder deixar a série mais acessível a qualquer tipo de público.

  • Lari

    Adorei a série. Amo história, amo a Grã Bretanha, amo a Netflix, o que pode dar errado?
    A única coisa que discordo da review: a Rainha-mãe era carismática sim entre os súditos e tudo o mais, mas era muito firme na proteção da Coroa e dé todo o modelo de perfeição que ela representa, e por isso era tida como intransigente, além de guardar muito rancor para com o Rei Eduardo, que alguns julgam ser provenientes do fato de que ela foi apaixonada por ele!

  • Luiz Henrique

    Ótimo piloto. Pelo visto a série, além de mostrar a realeza, mostrará também bastante os bastidores políticos e como até o primeiro ministro está alheio a Coroa. A direção e a fotografia da séries estão ótimas também. Netflix fez jus ao investimento

  • Dani Cosmovegue

    Quando dei o play no 1° episodio e vi que tinha quase 1 hora de duração respirei fundo pq achei que iria sentir cada minutos passando. Isso não aconteceu cheguei O final do piloto bem satisfeita e pronta pra começar o próximo.

  • Nie

    Estou gostando da Série, e sou apaixonado pela monarquia Britânica (Tudors, York e etc) e acho a série bem relevante, no atual momento. A série tem bastante referência a outras Rainhas famosas, como a Própria Elizabeth ! ( que era muito odiada por seu povo ) e a Jovem Rainha Victória, que álias possui uma Série Homônima do canal Britânico ITV. Acho mesmo que a série tem que durar 6 temporadas, e já penso no Futuro, no Casamento de Charles com Diana e nos “escândalos” desta.

  • Amanda Barros

    Estou adorando a série!O interessante da série é tratar a vida pessoal da rainha e seus familiares, sabemos dos fatos, dos escândalos, mas nunca vimos as reações dentro do Castelo.Por mais que seja ficção, é interessante assistir os diálogos. Os atores estão incríveis!

  • Mari Martins

    Comecei a ver na esperança de ser uma downtown abbey da vida. Ainda estou inconformada que uma das minhas séries favoritas tenha se encerrado. Amei o primeiro EP de Crown, e acho que é uma boa série, muito bem feita. Só não sei se o elenco é capaz de superar o de Abbey, no momento acho incapaz.

    • vinland

      Mas o elenco nao tem obrigaçao nenhuma de superar o elenco de DA. Ate porque sao series com historias totalmente distintas.

      • Mari Martins

        Não disse que o elenco é ruim ou inferior ao de DA, só que afetivamente, acho incapaz de ser tão perfeito como esse. Mas é algo que só saberei no futuro, se tiver outras temporadas.

    • Matheus Carneiro

      D.A. é única! Elenco único, roteiro único, tudo único! The Crown pode trazer aquele gostinho de D.A., mas mesmo sendo uma série boa, não será a mesma coisa… Aliás, nem The Crown nem série nenhuma rs

      • Mari Martins

        Verdade, por melhor que seja e mais bem feita, uma série de época não supera DA. Eu ficava pasma como uma série não precisava das cenas de sexo/ estupro/ muitas vezes inconvenientes de muitas séries de época, para desenvolver sua trama e ser perfeita. Fora os personagens, locações… <3

        • Matheus Carneiro

          Sim, DA trazia consigo esta habilidade nata de nos fazer gostar/odiar um personagem, geralmente ao mesmo tempo, e trazia a dor da época, que era fantástico! Mesmo sem te conhecer, creio que The Crown nos agradará muito, mas sugiro que você não compare nenhuma série com DA ahhahaha, se não você vai sofrer muito ahahahahaha

          • Mari Martins

            Já está me agradando! ótima série e ótima produção.

  • Arya Ibelin

    Produção perfeita, boas atuações, bons dialogos ,mas não me cativou.

  • Marlon Paiva

    Gosto demais de séries de monarquia e história. Claro que vou ver.

  • Lord

    Excelente review! Realmente, The Crown consegue superar as expectativas e ser mais do que uma série histórica, ressalto ainda o elenco afinado, a riqueza da produção e os detalhes técnicos.

  • Ste

    Aaah já assisti 6 ep e como amante de história, tô adorando! É dramática no tom certo e é interessante ver a mudança da Rainha conforme as responsabilidades vão batendo a porta dela..

  • Luana

    Assisti apenas o episódio 1 e estou adorando. Vim aqui só dar uma olhadinha na opinião de vocês!!
    Gostaria de indicar outra série: Victoria, ela terminou a primeira temporada em Londres, pelo canal ITV, é maravilhosa e tem a fofa da Jenna Coleman como a Rainha Victoria.

  • Daniel Tartaglia

    Superou minhas expectativas!