Outcast 1×08: What Lurks Whitin

20
100

Nem tudo é como parece.

Heróis e vilões são duas partes necessárias a qualquer narrativa. Mesmo que os arquétipos se corrompam nas mais variadas tramas criadas, os dois polos opostos sempre são as forças motoras de uma história. Se conhecemos a fundo a origem de Kyle Barnes como herói atormentado, nada mais coerente do que conhecermos a “origem” de Sidney de igual maneira, foco este do episódio da semana de Outcast.

O mal atrai o mal. E no caso de Sidney, se é este o seu verdadeiro nome, o exemplo clássico da máxima se confirma. A cold opening do episódio mostra que o passado do antagonista é ainda mais cruel. Um pedófilo que se esconde sob a casca de boa aparência e cortesia, que escolhe suas vítimas no local de trabalho, um parque de diversões. Mais uma vez a ironia contida na série se destaca, já que o aparente mal é o responsável por livrar Sidney do comportamento hediondo de outrora. Livrar em um sentido ameno visto que o impulso ainda continua lá, como demonstra a interação com Aaron.

Ao mesmo tempo em que conhecemos esse background que acaba criando certa simpatia com o até então antagonista, vamos descobrindo também que a Fusão é algo não tão “demoníaco” assim. No melhor estilo “Vampiro de Almas”, clássico filme sci-fi onde os habitantes de uma cidade eram substituídos por cópias sem emoção, a simbiose entre a matéria negra e os moradores de Rome é de certo modo bem quista. Usar a mulher de Ogden como o exemplo cabal das mudanças é uma sacada interessante ao invés de usar um elemento externo em tal ponto da narrativa. Todo aquele dialogo na prisão explicou muito mais coisa do que grande parte da série até aqui:

  • A fusão é repentina e “aparentemente” aleatória,
  • Depois embate inicial entre hospedeiro e invasor, há a coexistência pacifica de ambos,
  • Kyle serve como uma espécie de farol para essas criaturas, motivo esse que explica em parte a recorrência de “possessões” próximo a ele,
  • Assim, o que aconteceu com a mãe de Kyle e outros é o que já vinha suspeitando, quanto mais tempo a relação simbiótica existe, mais danosa é a remoção para o hospedeiro.

Alguns itens ainda ficaram em suspenso, no entanto, visto que mesmo com essa aparente camada do verniz de tranquilidade ainda se esconde intenções dúbias a serem trabalhadas. Outro trabalho ainda em progresso é o de Anderson perante sua queda em frente a sociedade. Depois do surto homérico na cara de grande parcela da população, nada mais comum e clichê até, do que o momento de descrença e perda. E o Reverendo ajuda no que pode, afastando Kyle depois de uma briga besta por uma visão já comprovadamente equivocada e perdendo o cargo era o bastião moral e motivo de sua estadia na cidade até então. A figura de Patricia, como a única crente restante em sua palavra, vai servir de âncora moral para o momento de virada de Anderson. E a rebeldia juvenil de Aaron vai ser o estopim de uma nova disputa entre ele e Sidney.

Além das respostas entregues, o interessante desse episódio foi o que podemos chamar de “Game of Thrones effect” na narrativa, visto que tudo o que foi apresentado é inédito nas Hqs. Chegamos ao ponto em que a obra televisiva, de certo modo, ultrapassou sua contraparte impressa, mesmo que alguns pontos chaves da obra de Kirkman e Azaceta ainda não tenham sido transpostos para as telinhas ainda. Com dois episódios restantes até a finale da temporada inaugural, Outcast vai se aprofundando ainda mais na mitologia criada ao mesmo tempo que cria sua identidade televisiva independente. Até a próxima semana!

Nota do Exílio 1: Kyle por hora focando mais na família do que na cruzada de libertação da cidade foi um respiro na trama pesada do protagonista, mas com a missão de reencontrar Allison ele deve mergulhar novamente na escuridão;

Nota do Exílio 2: Outro núcleo familiar que se resolveu também nesse episódio foi o de Mark e Megan. Depois do gelo e discussões a harmonia retornou. A pergunta é: até quando?

Nota do Exílio 3: Descobrimos também a relação de Ogden com o trailer na floresta: servia como local para que os recém possuídos externassem sua transição. Engraçado notar que Ogden concordou com a simbiose em troca de um relacionamento. Reflitam se fariam o mesmo;

Nota do Exílio 4: Todo o plot do “dungeon” foi tenso de acompanhar.

Nota do Exílio 5: Bolão rápido: Aaron vai ser morto por um surto de Sidney, ser o mais novo possuído do pedaço ou continuar sendo um moleque chato? Façam suas apostas….

Nota do Exílio 6: Nessa semana não teremos a zona de comparação já que não houve nada de relevante das Hqs para ser citado. Um fato ainda permanece para discussão, mas falarei melhor caso ocorra na série.

  • David Rocha

    To gostando desta reta final para o fim da temporada.

  • David Rocha

    To gostando desta reta final para o fim da temporada.

  • Felipe Farias

    Recomendam essa série? Eu quero ver, mas ando com o pé atrás…..

    • vinland

      Olha, eu achei os episodios mais ruins do que bons. Achei uns 2 bons, 1 mais ou menos, e os outros achei muito fraco. Mas assista, as vezes vc pode gostar.

  • Felipe Farias

    Recomendam essa série? Eu quero ver, mas ando com o pé atrás…..

    • vinland

      Olha, eu achei os episodios mais ruins do que bons. Achei uns 2 bons, 1 mais ou menos, e os outros achei muito fraco. Mas assista, as vezes vc pode gostar.

    • carolva

      eu nao recomendo

  • Daiane

    Até agora a série não engrenou. Vou ver essa temporada até o final e pensarei seriamente se vejo a próxima temporada.
    O reverendo é um dos personagens mais irritantes que já vi em uma série

    • Thiago Vinicius

      só vou até o final dessa temporada tbm!
      Muito sono essa série!
      Reverendo é insuportável rs!

  • Daiane

    Até agora a série não engrenou. Vou ver essa temporada até o final e pensarei seriamente se vejo a próxima temporada.
    O reverendo é um dos personagens mais irritantes que já vi em uma série

    • Thiago Vinicius

      só vou até o final dessa temporada tbm!
      Muito sono essa série!
      Reverendo é insuportável rs!

    • carolva

      eu acho que não volto deus me livre

  • San Ramon

    O Mal é o Mal, e esse moleque chato provavelmente vai continuar chato sem influência demoníaca.

    OBS: demônio significa apenas “seres sem forma”, o nome ainda vale mesmo fora da interpretação cristã.

  • San Ramon

    O Mal é o Mal, e esse moleque chato provavelmente vai continuar chato sem influência demoníaca.

    OBS: demônio significa apenas “seres sem forma”, o nome ainda vale mesmo fora da interpretação cristã.

  • Rei Gelado

    Torci para o Sidney matar aquele moleque no final. Coisa chata, quase toda série tem a necessidade de incluir um aborrecente insuportável.

    A série melhorou bastante nos últimos 2 episódios.

  • Rei Gelado

    Torci para o Sidney matar aquele moleque no final. Coisa chata, quase toda série tem a necessidade de incluir um aborrecente insuportável.

    A série melhorou bastante nos últimos 2 episódios.

  • rodrigo

    Não sei qual está sendo pior .. essa ou Preacher

  • rodrigo

    Não sei qual está sendo pior .. essa ou Preacher

  • Igor

    Melhor episódio da temporada. Gosto muito do Kyle mas o episódio sem ele como grande foco não perdeu em nada em relação aos anteriores. E parabéns pelas ótimas reviews semanais, com certeza estarei aqui nessa reta final sa temporada.

  • Igor

    Melhor episódio da temporada. Gosto muito do Kyle mas o episódio sem ele como grande foco não perdeu em nada em relação aos anteriores. E parabéns pelas ótimas reviews semanais, com certeza estarei aqui nessa reta final sa temporada.