Luke Cage 1×09: DWYCK

8
1444

A enfadonha receita de Luke Cage.

Hoje vamos aprender a fazer um episódio insatisfatório para a temporada de Luke Cage. Primeiro separe os ingredientes a seguir: uma colher de sopa de detetive abalada, um quilo de divã mascavo, uma xícara de vilão perturbado, seis unidades de contrabandistas (quatro malpassados), uma lata de aspirante a herói pré-cozido, uma colher rasa de enfermeira determinada e um copo de médico sem ética. Coloque tudo no liquidificador e bata bem até atingir uma consistência maçante, mergulhe a massa podre no ácido fervente por alguns segundos e estará pronto para servir. Rende a porção de uma hora.

Esta foi a melhor forma que encontrei para expor o meu desgosto com a condução deste episódio, e honestamente, posso fazer parte de uma minoria que o considera disforme em relação aos demais episódios da série. Começando pelo plot de Misty no divã/interrogatório, foi entediante ver o declínio da personagem logo agora que a temporada se encaminha para o seu final. Ainda assim, resta um pouco de esperança na heroína que Misty Knight pode se transformar e o fato da inspetora Ridley dar uma nova chance aumenta as chances da detetive ser ferida em campo.

Kid Cascavel não é dono do Harlem’s Paradise, mas faz questão de colocar Shades no seu devido lugar de subordinado. É engraçado que Zip, retorna do nada apenas para salvar a pele do Juice, é este tipo de incoerência no roteiro que me incomoda bastante em “DWYCK”. A reunião que Mariah e Domingo convocaram não acabou nada bem para os cubanos, coreanos, haitianos e jamaicanos. Stryker continua espalhando seu regime tirano e não esconde a cólera por aqueles que não desejam mais os seus serviços. Sorte de Madame Gao que está focada em seus negócios em downtown.

Stryker
Stryker

Assim como Shades, Mariah também foi poupada e é a nova menina dos olhos de Willis, sem demonstrar fragilidade a personagem usa os interesses comuns e a sua habilidade política para não se tornar inimiga de Kid Cascavel. Ele está fazendo vista grossa para a morte de Boca de Algodão, no fundo ele sabe que Luke Cage não mataria o seu “amigo mais chegado que um irmão”.

Luke Cage continua “pró” na arte de encontrar roupas de seu tamanho e, principalmente, em caminhar pelas ruas feito zumbi. A única razão que encontrei para Luke arremessar o policial feito um atleta olímpico ao invés de apagar o rapaz com um peteleco na testa é que a dor interna o faz perder o controle de seus poderes. Ainda bem que o protagonista tem Claire Temple ao seu lado, estudando as membranas plasmáticas das células de uma concha e disposta a ir até a Georgia em busca de respostas.

Apesar das intenções de tirar as balas de Judas, é bizarro saber que Dr. Burstein tinha um laboratório no celeiro. Duvido que o seu trabalho seja independente. A chef Claire tentou resgatar o sabor do prato final, mas não acho que foi bem sucedida quando deixou Luke Cage a mercê do doutor bem estranho. Voilà! A morte de súbita de Luke Cage está a mesa e ainda temos 4 horas para o fim da temporada, espero que as próximas receitas sejas mais apetitosas.

Shades
Shades
  • LUIS HEBER

    Muito fraca essa série…estou lutando pra passar do quinto…

    Além dos vilões ser o “O” os coadjuvantes não despertam empatia alguma. Nem um alívio cômico pra salvar uma ou outra cena tem.

    E o protagonista (personagem) não ser grande coisa dificulta tudo.

    • Lainara Araujo

      Concordo, esperando um coadjuvante que presta, o máximo que chegou perto foi o Pop, e nós sabemos o que aconteceu com ele.

  • carla machado

    Ah, sim …este episódio foi tão ruim que acelerei a parte da Misty com o psicólogo.Affff.
    A prte do celeiro foi forçada, talvez porque sim, a série tem muitos momentos chichês.
    Claire Mac Gyver total…tudo ela consegue!!
    Mas Erik LaRay está incrível como Diamondback.

  • Lainara Araujo

    Eu nunca pensei que iria achar Jessica Jones mais interessante que Luke Cage, e olha que eu botava expectativas, porque a melhor coisa em Jessica Jones depois de Killgrave era o Luke. Decepcionante, eu estou, na verdade, esperando um momento em que Jéssica faça uma aparição para deixar as coisas mais interessantes. E confesso, não passei do 2° episodio pela razão da série ser parada demais.

  • Netto Baggins

    Esse Kid Cascavel é o pior vilão das séries Marvel/Netflix. Se livraram do Cottonmouth pra colocar “isso”? Aff.

  • Carcosa, the Yellow

    Eu tô gostando de Luke Cage.
    Esses problemas q vc fala de narrativa, na vdd tudo faz parte da jornada do herói.
    Aaaaaahhh “uma colher de sopa de detetive abalada”. Essa é a parte em q nós deveríamos nos identificar com ela, nos relacionar com ela. A fragilidade e o pavio-curto. A parte em q ela quer sair. A negação. Todo herói passa por isso. Todo herói passa por uma transformação, enquanto os vilões continuam os mesmos que sempre foram.
    Nego q fala q série é devagar ou cai de ritmo devia odiar The Wire, BrBa, Mad Men, Família Soprano. Né?

    • Niobe S

      Não porque as séries citadas por você eram boas. Já Luke Cage é ruim mesmo, de doer.

    • Danilo

      Tbm não entendo essas pessoas que dizem que a série é parada, devagar…
      Acham que uma boa série se resume a ação durante 45/60 min.