Gilmore Girls: A Year in the Life: Winter

76
4756

Gilmore Girls está de volta e junto com ela a pulsação das grandes mudanças em Winter.

Quando soube que Gilmore Girls ia retornar resolvi rever todas as temporadas para estar com tudo fresquinho na memória e assim poder desfrutar do revival com toda propriedade de detalhes. Também foi a chance que dei ao show de me convencer que sua sétima temporada era boa e que eu só estava implicando com a ausência de Amy Sherman-Palladino a frente da produção. Quando negociaram a renovação da sexta para a sétima temporada, os executivos da CW queriam apenas mais um ano e Amy Sherman queria dois. O impasse provocou o afastamento dela e seu pupilo David Rosenthal assumiu o controle.

Mesmo que tenha escrito algumas coisas durante a trajetória do show, David não segurou as pontas e Gilmore Girls se perdeu num emaranhado de plots amorosos que nunca foram a cara da série. A presença dos coadjuvantes diminuiu, a presença de Emily e Richard diminuiu, Stars Hollow perdeu parte de sua essência porque David não estava interessado em Michel, Paris, Hep Alien, Taylor… Ele só queria Rory as voltas com Logan e Lorelai num casamento esdrúxulo com Christopher. Ainda havia bons momentos, mas aquela não era a série que estávamos acostumados a amar e a mínima chance de uma renovação ficou para trás. Cancelaram sem aviso prévio e Lauren Graham reclamou anos depois numa entrevista que nunca teve a chance de dizer adeus.

O Netflix acendeu uma luz no fim do túnel e deu a Amy Sherman a chance de retomar sua criação e encerrá-la como sempre quis. A autora sempre declarou que sabia quais seriam as exatas últimas quatro palavras ditas no show e os fãs foram atormentados por isso desde então. A Year in the Life surgiu como um especial em quatro partes, com 90 minutos cada uma, representando as estações do ano. Veríamos como as vidas das garotas Gilmore se transformaram depois de quase dez anos e como questões importantes como o luto afetaram a vida delas desde que Carole King cantou Where You Lead pela última vez.

Last Time I Saw Richard

A primeira parte do especial se passa no inverno, uma estação nublada, fria e sombria, o que se correlaciona completamente com a primeira história que Amy precisa contar. A morte de Edward Hermann na vida real obrigou Richard a se despedir também da ficção. Assim que Rory retorna para Stars Hollow depois de alguns anos fora cuidando da carreira, o episódio logo se foca nos eventos que lidaram com a perda do patriarca Gilmore. Um funeral arruinado pelas estranhezas de Lorelai, uma Emily entregue a um desnorteio… O cenário está pronto para que Amy fale de como a vida pode acabar te obrigando a mudar ainda que você não queira. Cada uma a seu modo, elas estão prestes a serem forçadas a isso.

Gilmore Girls: A Year in the Life: Winter
Gilmore Girls: A Year in the Life: Winter

Winter é um episódio que começa devagar justamente porque temos muito tempo. A série não é conhecida por suas grandes reviravoltas e por isso tudo é uma questão de pulsações internas. Após a morte de Richard, Emily aparece ainda achando que pode levar a vida conforme suas antigas diretrizes. Quando volta para casa, Rory acha que ter escrito para a New Yorker lhe abrirá as portas definitivas. Enquanto isso, Lorelai segue na sua rotina de absoluto controle sobre o que lhe cerca. Ela não expande os negócios e nem as próprias relações. Até mesmo encontrar um chef para substituir Sookie se torna um problema que ela adia por meses.

Essa lentidão é necessária no começo, porque assim que o flashback do funeral de Richard começa, a série volta a promover suas mudanças sem que a gente nem perceba imediatamente. A briga entre Lorelai e Emily termina o trabalho de nos transmitir direto para o espírito do show. É sensacional. As mágoas, ressentimentos, pesares, tudo trazido à tona enquanto a matriarca Gilmore grita com os empregados. Nenhuma das duas sabe naquele momento o quanto o confronto vai transformá-las adiante, mas a cena é violenta sobretudo para Lorelai. Emily tem absoluta razão sobre como a filha é controladora e individualista, e sobre como ela coloca tudo que sente num pedestal usando a forma como escreveu seu passado como justificativa. Ela realmente nunca abriu espaços plenos em sua vida para os homens por quem se apaixonou e por mais duro que seja para ela admitir, sua relação com Luke ainda tem algumas sutis barreiras.

Então, para rebater o que a mãe lhe diz, resolve considerar ter um filho (ter um filho lhe soa mais viável que admitir um casamento). Se até aqui a essência de Gilmore Girls já estava quase toda de volta, a aparição de Paris como dona de uma clínica de fertilização que atende até mesmo Angelina e Brad (que consideraram fazer devoluções) deixa tudo ainda mais brilhante. Se já era inebriante ver como Lauren, Alexis, Kelly, retomaram suas personagens com total segurança, contemplar Liza Weil reviver Paris como se nenhum dia tivesse passado é maravilhoso. De fato, na visita que Rory faz a Lane, é que vemos como aqueles atores são bons. Zach, Brian, Gil,  a própria Lane, todos absolutamente confortáveis em seus intérpretes.

Poor Paul

Ver Paris e Rory juntas é uma emoção sem tamanho… Rory cuida dos filhos de Paris, passa noites na casa dela, as duas se apoiam. Quando colocamos a história dessa amizade em panorama é simplesmente comovente. Por outro lado, um dos “esperados” retornos na vida de Miss Gilmore é um pouco indigesto para mim. Rory aparece namorando o “Esquecível Paul”, um rapaz gentil e atencioso que ela larga nos lugares como se fosse um guarda-chuva, enquanto tem um caso secreto com Logan, que está noivo, vai se casar e continua tratando-a como se ela fosse um bichinho de estimação que precisa de um afago para sossegar no tapete.

Vou pedir licença para avançar um pouco nos textos que virão e dizer que me incomoda a maneira como Amy absolve e enfeita a presença de Logan na série como se ele fosse especial, lúdico, com sua ridícula brigada e sua condescendência barata. Ele nunca me desceu e continua não descendo. É claro que nesses tempos de empoderamento feminino, Gilmore Girls só reafirma o que já vinha sendo dito lá atrás, veladamente, fazendo com que as trajetórias de suas protagonistas não fossem sobre suas relações com os homens, mas com o que a vida tem a lhes oferecer em todas as esferas. É muito confortável ver a maneira como Amy Sherman situa as três meninas Gilmore num ponto de convergência totalmente correlacionado: Emily viveu anos para uma outra pessoa, totalmente comprometida. Agora, ela precisa aprender como viver só. Lorelai passou anos cuidando de si mesma, agora precisa aprender a dividir, com tudo que isso representa. Já Rory está num processo de adequação profissional e tentando ser independente nas relações pessoais (não conseguindo tanto, contudo).

Gilmore Girls: A Year in the Life: Winter
Gilmore Girls: A Year in the Life: Winter

Quando, enfim, vemos Emily com seus jeans, expulsando coisas que não lhe trazem alegria… Quando vemos Lorelai investigando o que existe de conformista em sua vida e Rory ficando insegura do futuro, é que percebemos que Amy fez a mágica de novo e GG está no seu devido lugar. Estamos respirando de novo o ar de uma Stars Hollow dominada pelas loucuras de Taylor, pelas letras bizarras da Hep Alien, pelas excentricidades de Kirk e pela vida daquelas mulheres que exalam charme, força e inteligência de maneiras inesquecíveis. E o texto voltou… Aquele texto brilhante, esperto, cheio de cultura pop… Que prazer ter você de volta Gilmore Girls. Você está melhor do que nunca e tem muito mais a dizer do que todos nós podíamos esperar. Você está forte e relevante. E como você nos faz feliz.

> Entrevista com o elenco de 3%!

Kirk’s Rates: Lorelai tem um adesivo da Sadness no computador. Como não amar essa mulher?

Kirk’s Rates 2: Luke não ia querer wi-fi no seu restaurante e é claro que para não perder tempo explicando isso o tempo todo, inventa senhas novas para todo mundo que pergunta, hahhah. Muito sagaz também o momento em que Lorelai encontra dicionários no balcão e conclui que “chegou carta da April”.

Kirk’s Rates 3: Lindo ver as transformações em Emily acontecerem aos poucos. Em tempos antigos, ela jamais ficaria com uma empregada como aquela nem por um dia.

Kirk’s Rates 4: Participação especial de Jason Stiles (com quem o tempo não foi tão gentil).

Kirk’s Rates 5: Paris dizendo que Lorelai era como sua segunda mãe: <3.

Kirk’s Rates 6: Genial a cena com Emily vestindo jeans, mas com um colar caríssimo no pescoço. E ela com a Lorelai na terapia vai ser sensacional.

Kirk’s Rates 7: Meu carinho especial por Amy Sherman, que agora mostrou Michel falando abertamente sobre sua sexualidade e seu casamento. Ela deve ter querido muito fazer isso antes e não encontrou brechas.

É isso, galera. Vou dividir essa tarefa com a Camis Barbieri e ela estará com vocês para o episódio 2 e 4. Eu volto no terceiro. Até lá e vamos nos divertir.

  • Ivy

    Minha única decepção em relação ao revival é a insistência no relacionamento da Rory com o Logan. Veja bem, eu acho que o David até conduziu bem a sétima temporada (eu considero que foi um acerto o casamento da Lorelai com o Christopher pra mostrar a nós telespectadores e a própria Lorelai de que o seu primeiro amor não era a imagem lúdica que ela sempre cultivou). A Rory com o Logan eu tinha adorado o desfecho no final da sétima temporada, mas a Amy mostra a insistência dela em manter esse relacionamento tão disfuncional e colocar (como você mesmo falou no texto) a Rory numa espécie de transe e alienação em relação ao Logan. De resto eu achei sensacional, principalmente pra dar um desfecho pra Lorelai.

    PS: Henrique também temos que lembrar que a Amy que tinha cagado na sexta temporada com tudo, então mesmo com os erros do David na sétima temporada eu considero que ele fez até que um bom trabalho em trabalhar com o que lhe foi dado.

    PPS: Eu devo ser MUITO tapado porque eu nunca imaginei que o Michel fosse gay! Eu pensei que a Amy fazia ele como uma sátira dos franceses! hahahaha

    • henriquehaddefinir

      Eu AMO a sexta temporada. Minha preferida, aliás.

      • Ivy

        Nossa eu odeio essa temporada!! (principalmente a primeira parte). Eu acho que os personagens são tão descaracterizados e a Rory fica tão insuportável… Minha favorita sempre vai ser a terceira e a quarta logo sem seguida.

        • henriquehaddefinir

          Sou apaixonado pela ideia de levar a Rory até a vida que a mãe teria se não tivesse se rebelado.

          • Ivy

            Adoro essa ideia também, por isso eu odeio esse ponto na sexta temporada da briga das duas e da Rory desistindo das coisas. O final da sétima temporada pra mim é extremamente especial por marcar que a Lorelai conseguiu que a Rory tivesse o que ela não pode ter, mesmo o final do Revival ficou bonito porque se passou 10 anos depois e a Rory já estava mais velha, mas imagina que balde de água fria que iria ser se esse fosse o final do seriado? Nesse ponto eu achei ótimo a Amy não ter escrito a sétima temporada.

          • henriquehaddefinir

            Não sei… Acho que Rory não era mais nenhuma garotinha quando a sétima temporada terminou. Eu não acharia ruim não.

          • Ivy

            Ela tinha só 22 anos, acho que era bem novinha, por isso o Revival pra mim ficou mais especial, porque agora ela já é uma adulta, então mesmo repetindo o erro da Lor ela não está exatamente na mesma posição que a Lor se encontrava aos 16.

          • henriquehaddefinir

            Eu não considero uma repetição de erro. Não temos informações prévias de nada, acho precipitado tirar conclusões.

  • Carol Venancio

    Sou aquela que vai gerar a discórdia!!! HAHAHAHA
    Sempre gostei da Rory com o Logan e tinha ficado puta com ela por não aceitar o pedido de casamento dele no final da sétima temporada, mas enfim, re-assistindo e me colocando no lugar da Rory, o meu eu de 30 anos concordou que era ridículo ela casar antes de se firmar na carreira, então superamos isso. Porém quando vi que o ator que interpreta o Logan estaria presente em todos os episódios uma chama de esperança ascendeu e que me deu uma certa melancolia de que o amor da vida adulta é para sempre. E no começo eu gostei de como ele foi tratado como um verdadeira PA pra Rory, alguém que ela poderia se abrir sobre tudo e ser ouvida sem ser julgada. Porém… no caminho tinha uma pedra… quando ficou claro que ela era a “outra” na vida do Logan, sério fiquei puta, por mais que o Logan despertasse o lado incomum da Rory vê-la se submeter a isso… não condiz com a personagem. Simplesmente Amy Sherman acabou com a história ali, e claro o maldito desfecho.

    Rory e Paris simplesmente é a encarnação de um bromance feminino!!! É muito doentio shippar as duas?! HAHAHAHAHA
    Por mais que a Liza Weil com essa cara de Bonnie de HTGAWM, em nada me lembrou a sua personagem da outra série, simplesmente maravilhoso!! Ela com Rory, e também Lorelai e Luke foi uma das melhores coisas desse primeiro episódio!!

    Luke e Lorelai que nunca shippei, e eu gostei pacas nesse revival?! Achei que finalmente a química que ia além da amizade, no sentido amoroso mesmo, enfim transpareceu e de uma forma natural!! Que os anjos digam AMÉM!!!!

    Emily e seu luto… ai meu Deus, ri e fiquei despedaçada ao mesmo tempo!! Que delicadeza a forma que o luto foi tratado, uma necessidade meio inebriante e tão presente que mesmo com a ausência física do Richard ele ainda estava ali, completando essa família Gilmore que tanto amamos, e juro que não é por causa do quadro em que a sobrancelha do Richard é do tamanho do braço da Lorelai!!! HAHAHAHA
    É em razão da força do personagem na vida dessas Gilmore Girls!!!

    Para o primeiro episódio foi <3

    • Gabrielle

      Concordo com o que você falou sobre o Logan, sempre amei o personagem e acho que ele e a Rory combinam perfeitamente. Mas também não gostei de ela ser a outra e fiquei com a sensação de que se ela pedisse, ele terminaria o noivado, porém, pela cena dela conversando com o pai achei que ela não quis ser uma Sherry.

      • Carol Venancio

        eu já acho que a conversa com o Christopher foi do fato de criar um filho sem o pai presente,,, tal como foi com ela e será com ela e o Logan, não dão certo juntos, mas era preciso que o amor deles fosse “eternizado” e um filho representa isso.

        #COMOEUPRECISAVADESABAFARSOBREOSEPISÓDIOS

        • Ivy

          Olhando por esse lado, realmente fica bonito mesmo, é como a Lor com o Christhopher, a Rory é a “eternização” do amor dos dois (que não funcionava e nem iria funcionar). Nossa tão bom ver as outras opiniões aqui hahahahahah a gente consegue ter uma visão mais 360º da situação toda.

          • Carol Venancio

            Muito bom mesmo!!! Eu acredito que o final, ali seus minutos finais seja isso e que talvez num futuro, quando o filho dela com o Logan tiver adulto ela se case com o Jess, porque de boa, jamais o Jess aceitaria criar o filho de outro, não é o personagem!!

          • Suzy

            Eu acho que você ficou com uma imagem meio vilanizada do Jess, ele foi bem babaca mesmo com a Rory na 3 temporada quando eles namoraram, mas também não vejo ele rejeitando o filho de outro, não com a maturidade que ele tem agora. A verdade é que desde a 6 temporada ele se mostrou um personagem sólido e que sempre dá um rumo pra Rory.

          • Carol Venancio

            Não é vilanizar o Jess, é só que eu acho que não condiz com o personagem… não é aquilo tudo. Eu entendo que ele é aquelo amigo que coloca a Rory nos eixos, todo mundo tem e precisa de alguém assim, mas acredito que os sentimentos dele são completamente platônicos… ele não é alguém que ela vê romanticamente, não agora e não tão cedo por causa do bebê, daqui alguns anos, talvez… mas sei lá…

          • Suzy

            Entendo, entendo, queria uma continuação, rsrsrs
            Mas sabe, quanto ao Logan, apesar de eu gostar dele, eu acho, e não por culpa dele, mas que a Rory cai muito quando está com ele, eu acho que ela se presta a certas coisas, ela é meio obcecada com ele, sei lá.

          • Carol Venancio

            Quero tbm uma continuação…
            E eu entendo demais a relação Rory e Logan, porque tive uma relação assim por mais de 8 anos com meu ex-namorado. É uma regressão, com certeza, mas é onde você se sente como se tivesse protegida, sem precisar salvar o mundo, onde tudo faz sentido, apesar da bagunça que significa…

          • Anna

            Então. Eu achei que até o olhar do Jess foi o mesmo do teor da conversa dela com o Dean. Platônico, que poderia ter sido e já passou. Não sei se o Jess ( e o Dean) se apaixonariam pela Rory de 32. Amy fez ela ter 32 do 16 e 16 com 32.

          • Carol Venancio

            SIIIM!!! e esse acho que foi um erro, apesar de ser totalmente aceitável, porque o povo da casa dos 30 (o/) tão tudo perdido…

      • Suzy

        Eu gostava muito da Rory e o Logan, mas por mais que eles se amem, deu pra mostrar que não ia dar certo eles juntos…
        E eu não vejo a Rory usando da gravidez pra ficar com o Logan nem nada, como vc disse, não ser uma Sherry.

    • só não concordo com a parte dela aceitar ser a outra não condizer com a personagem… ela já fez isso antes uai… tanto que fiquei puta por isso… ‘porra rory, outra vez?”

  • Suzy

    Eu gostei muito do Revival, ver as 3 mulheres Gilmore em diferentes estágios da vida, mas as 3 se avaliando, refazendo, redescobrindo e recomeçando foi muito interessante, Emily e Lorelai, maravilhosas como sempre, Rory, a menina desde a 4 temporada é só ladeira abaixo… eu gosto do Logan, e gostei de seu relacionamento na série, mas a Rory se prestar ao papelão de ser a outra é ridículo, mas também condicente com este laço doentio da Rory por ele, como a Lorelai bem disse, é um relacionamento que a Rory não consegue se livrar.
    Não gostei como a Lane foi marcada aqui, ela sempre foi uma das minhas personagens favoritas na série e a amizade dela com a Rory sempre foi uma importante base na série, e aqui ela teve poucas palavras e era ou falando do marido, dos filhos ou consolando a Rory.
    Jess, você merece mais do que a Rory, e fico feliz que o Dean conseguiu supera-la, o Dean não é santo, mas a Rory fazia dele de gato e sapato.
    O desfecho final… bem, o ciclo da vida né? deixou muuuitas perguntas no ar… entretanto ver o final da Lorelai e Emily foi muito satisfatório.
    P.S.: Uma das melhores cenas pra mim foi a do bar secreto, rsrrsrs. Todos se escondendo quando o Taylor passa, haha.

    • Suzy

      P.S. 2: A cena de Paris e Rory no banheiro, incrível, chutando portas, maleta vaizia Liza Weil fantástica.

    • Ivy

      Meu, depois de ver o quarto episódio eu entendi direitinho o que a Amy quis mostrar. Realmente é o final do ciclo e achei muito interessante o paralelo que ela fez vida da Rory e da Lorelai e seus pretendentes, sensacional.

      • Suzy

        Este paralelo que você diz, seria do Logan ser o equivalente ao Christopher e o Jess ao Luke?
        Eu achei isto, mas será que foi o que a autora quis mostrar mesmo?

        • Ivy

          Exatamente! Foi sim, repara nas palavras que a Lorelai fala pra ela no final, é como se ela desse a entender que ela vai achar o “predestinado” dela algum dia, dando a entender (pelo menos eu entendi isso) que seria como ela achou o Luke.

          Eu acho que é isso, pois muitos fãs estão especulando que essa foi a mensagem. Eu espero que seja hahahahah

          • Carol Venancio

            Mas será que o Jess aceitaria criar o filho de outro?! O Jess não tem nada do Luke, nada mesmo!!!

          • Suzy

            Mas não acho que seria o caso de criar filho de outro, até pq eu acho muito provável a Rory criar o filho sozinha, como foi criada pela Lorelai.

          • Carol Venancio

            Mas o Luke vê a Rory como uma filha, por isso que eu digo que se fosse para acontecer Rory e Jess seria quando o filho dela estivesse maiorzinho

          • Suzy

            Sim sim, se fosse pra Rory ficar com alguém que não o Logan, seria daqui uns anos com o filho/a maior.

          • Ivy

            Eu sempre achei os dois meio parecidos. O próprio Luke ouvia comentários da irmã de que o Jess lembrava ele na adolescência. Eu acho que vai ser o caso do Jess tem um relacionamento melhor com o filho da Rory do que o Logan. Porque convenhamos que o Luke não “criou” a Rory, mas tinha um relacionamento bom com ela, coisa que o Christopher não teve efetivamente.

          • Suzy

            Bem, vamos ver pq no revival não mostrou tensão romântica entre Jess e Rory, ele até tem sentimentos mas seguiu em frente, muitas pontas soltas.

          • Ivy

            Mas nos primeiros 3 anos de GG também não tinha tensão aparente entre a Lor e o Luke. Era bem mais o Luke em relação a Lorelai e mesmo assim só em meados da segunda temporada que vemos uma coisa mais efetiva. Eu espero mesmo que essa tenha sido a intenção da Amy.

          • Suzy

            Bem, tomara, pq eu mesma gosto do atual Jess e ele é uma pessoa que passa segurança pra Rory e dá rumo pra ela, mas espero que com um baby ela amadureça e não siga o exemplo da mãe que ficou anos esperando o Christopher arrumar a vida.

          • Ivy

            Nesse ponto eu acho que não acontece, porque temos uma Rory de 32 anos e uma Lorelai de 16 na mesma situação. Enquanto a Lor vivia “no que poderia ter sido” a Rory já vive o “sei que não dá certo”. Tanto é que ela se arrepende da forma que tratava o Paul, dizendo como ela tinha sido horrível com ele.

          • Anna

            Tinha sim. A primeira temporada a Lorelai tinha uma tensão absurda com o Luke. Na festa da Rory, no hospital com o Richard e no dia do pintinho, quando ela vai contar do max… fica evidente.
            Eu decidi torcer pro Jess/Rory pq ele tem se mostrado um cara 10 e ela precisa disso. Mas não sei se eles vão por aí não… E diferente, pq LukeLor assim desse já viemos. E Chris casa ou fica com a Por já vimos tb.
            Enfim, vcs tão lidando bem com a vida profissional da Rory, gente? Não tô conseguindo.

          • Ivy

            A Rory não sabe lidar com fracassos, então eu até que lidei bem com a vida profissional dela. A Rory sempre teve as coisas muito “de mão beijada” (Chilton, Yale) então quando ela vê um obstáculo que ela não pode controlar e micro gerenciar ela pira.

            Mas lembra como a Lor fica balançada nas duas primeiras temporadas com a presença do Christopher? Então, pra mim no começo a tensão sempre foi mais em relação ao Luke do que a Lor, pois no fundo no fundo ela sempre quis que desse certo com o Christhoper (naquela época). Eu acho o casamento dela com o Christopher um tremendo acerto da sétima temporada, porque a Lorelai necessitava perder o estigma de que o Chris era o seu Mean To Be.

          • Anna

            É mesmo. A Rory estava tão destinada ao sucesso que sempre teve tudo de mão beijada. Duas verdades que vc falou. Eu amo o Luke. Amo. Então sou suspeita.

          • Suzy

            Então Anna, eu acho que profissionalmente a Rory estava bem, ela vivia ocupada viajava o mundo todo, mas por ser freelancer teve uma hora que estagnou, e acho que foi bom pra ela, então ela foi forçada a parar, recomeçar do início e achar uma nova motivação.

  • exdown

    nada a ver com os epis ”filmes ” mas o rosto da lauren ta me incomodando !! muito esticado muito estranho ela perdeu algumas expressoes falta naturalidade !!

    • Carol Venancio

      não só você a todos!! Ela tá muito deformada!!! e a Alexis tá com cara de velha, umas rugas muito fora do padrão pra idade!

  • Anna

    Gente, vamos combinar que Rory tem a capacidade de nos decepcionar. Isso está lá desde a quarta temporada. Achei interessante que a menina destinada ao sucesso esteja sem rumo…. Mas eu sempre detestei os 3 namorados da Rory. O Dean era inseguro e explosivo, o Jess pouco confiável e foi agressivo com a Rory quando ela não quis perder a virgindade com ele na festa e o Logan… aff. Mas o Jess e o Dean progrediram. A Rory regrediu. O Jess apesar dos sentimentos por ela, não me pareceu ser o Luke que vai estagnar esperando a Lorelai. E a Rory não demonstrou sentimentos por ele. Tá que o Logan é como um Chris e é o amor da vida da Rory… Eu teria ficado de boa até com um Rory e Paul… mas agora vamos ver a Rory repetindo as experiências da mãe?
    Eu não sei se gosto disso.

    • Suzy

      Eu não sei se ela vai repetir de fato as experiências da mãe, ela seguiu um caminho diferente, e está com o dobro da idade que a Lorelai tinha quando teve a Rory, e não sabemos como este desfecho final afetara a relação dela com o Logan e do Logan coma vida que ele tem tomado. Quanto ao Jess, não que ele seja literalmente o Luke da Rory, mas é a pessoa que faz ela tomar um rumo, uma pessoa mais sólida, mas eu acho que ele merece melhor que ela.
      E dizer que o Christopher é o amor da vida da Lorelai é meio errado, eu nunca achei isto, era mais aquele casal que queria estar junto, mas não era pra ser mesmo, era uma ilusão. Tano que eu achei bom mostrar eles casados, pq eu acho que eles precisavam disto pra mostrar que de fato não ia ser e a realidade é diferente da fantasia. Quanto ao Logan, eu acho que ele seria como o Christopher no sentido de que a Rory gosta das experiências que tem com ele,mas eles tem um amor verdadeiro ali, só que o relacionamento deles está errado…

      • Anna

        Não. Eu falei mais da Logan mesmo. Acho a Lorelai perfeita com o Luke e o Chris não era o amor dela. Mas é que a Alexis e a Amy disseram em uma entrevista que esse revival ia responder tipo quem era o “cara pra Rory”. O Dean superou. Eu sinceramente não vi a Rory tendo nenhuma tensão romântica com oJess…
        Eu nunca gostei do Jess. Mas vc ta certa. Esse revival me fez amolecer o coração com ele. Ele amadureceu e merece alguém melhor. E por mais que ainda reste um sentimento não entendi nesse revival que ele pretende estagnar e esperar por ela. Repetir no sentido de ter uma gravidez indesejada de um cara que não pode assumir.
        Espero que tenha uma segunda temporada. Até pq eu acho que o Logan mesmo é diferente do Chris, então queria mto ver como ele reagiria aí saber do baby. Pareceu pra mim nesse revival que os dois se amam de verdade. Apesar da relação ter sido mostrada errada.

        • Anna

          Mas é aquilo, né? O Logan tb nunca me desceu. Como eu era adolescente quando vi Gilmore Girls eu me identificava com a Rory. Então era do time single e jornalista poderosa. Eu achei que ia ver ela poderosa assim na profissão e nesse revival ver a vida amorosa resolver. Baque pra mim ver ela tendo que ficar em SH e com uma gravidez indesejada.

          • Suzy

            Entendo você, e de fato eu não vi nenhuma tensão romântica do Jess e a Rory, ele até tem um sentimento mas seguiu em frente, ele sequer mora em Star Hollow, e ele era um babaca antes, mas amadureceu muito, ele e o Dean, a Rory regrediu, e ela não merece nenhum dos dois.

  • Jean Fulaneto

    Henrique, me ajuda aqui. Em que parte de “Winter” fala que o Logan tá noivo? Sério, eu assisti tarde da madrugada e agora tô achando que marquei bobeira hahahaha

    • Carol Venancio

      Oi Jean!! No episódio Winter não se fala, é dito no Spring, mas se você nota a Rory dá algumas pistas de que a relação deles é roubada

      • Jean Fulaneto

        Ufa… obrigado! Achei que tinha perdido algo.

        Mas realmente o papo de “Vegas” dá a entender que tem algo errado.

    • henriquehaddefinir

      Eu vacilei antecipando isso, desculpa Jean.

      • Jean Fulaneto

        Hahaha tranquilo! 😉

  • Luana Noblat

    Winter foi um lindo episódio. Lauren e Kelly brilharam como nunca. Agora que me surpreendeu e muito foi Liza Weil, olhar, os trejeitos, todas as vezes que entrou em cena, roubou td o espaço. Você não conseguia ver Bonnie, apenas Paris. Brilhou mesmo.

    • Bel Ribeiro

      Eu também fiquei impressionada. Ela tá com o mesmo corte de cabelo (duh…), o mesmo estilo de roupas, mas você bate o olho e vê uma pessoa completamente diferente.

  • Samantha Pistor

    Henrique, se você quer se livrar de mim, você não pode cobrir todas as séries que eu amo. ^^

    Eu vi o primeiro episódio. Não estou vendo tudo de uma vez porque quero pensar, refletir, curtir e, porque não, reclamar.

    Mas vamos primeiro a um prólogo: antes da série sair agora, Amy comentou, em uma entrevista, que ficava estarrecida com o fato de as pessoas se preocuparem mais com o futuro amoroso da Rory do que com o seu futuro profissional. Achei brilhante a colocação e pensei: boas coisas virão disso. Não é a toa que quando vi o primeiro episódio, senti um banho gelado nos ossos com o tratamento da Rory nessa nova série.

    Rory, quando tinha 16 anos, quando tinha 20, quando tinha 23, tinha o direito de se meter em relacionamentos furados. E se meteu em vários, vamos dizer. Logan é de longe o pior de todos, mas Dann e Jesse não são muitos melhores. Todos machistas, pedantes, egocêntricos e babacas. Achava que a personagem fazia isso porque ela não podia ser tão perfeita e talvez tentasse fugir das coisas que a própria mãe fez. Então aguentei cada relacionamento da Rory e dei pulos quando ela terminou com os idiotas dos seus ex.

    Rory, com 32, segue sendo a mesma Rory de 16. E isso não se justifica. Acho que a série deu um tiro no pé tremendo em tratar Paul, o cara mais legal ever como alívio cômico enquanto coloca Rory num quadrado amoroso (ao que tudo indica) com seus ex por motivos de fan service. Também não justifica a Amy, depois do seu belo discurso, nos oferecer isso: ora, se a intenção era centrar nos relacionamentos passados da Rory e criar suspense sobre com qual babaca ela vai terminar, então por que fingir que se trata de outra coisa? Por que não apresentar Rory com Paul, um cara legal, bacana, inteligente, bonito enquanto ela encontra seus ex em situações semelhantes a que Lorelai viu Jason?

    Acho que uma grande faceta de GG, que deveria ter amadurecido (a própria Rory) ficou parada no tempo. Não vejo Rory hoje como uma mulher madura, segura e independente: vejo ela ainda como a filha da Lorelai, tentando mediar a família e buscando por um rumo em sua vida. Vejo ela ainda se jogando em relacionamentos bobos, com homens escrotos enquanto deixa a vida passar. O texto da Rory é triste e isso me deixa triste.

    E essa é a minha maior e única crítica com relação a série. Emily, Lorelai, Paris… incrível a evolução e atuação dos personagens. Brilhante do início ao fim o relacionamento da mãe e fillha no velório. Brilhante como a Emily descarta o casamento de Lorelai apenas porque eles moram juntos, não se casam. Tudo brilhante.

    • Rafael Rigaud

      eu fiquei um pouco surpreso com a opinião do henrique a respeito da Rory, e com alguns comentários como os seus. pra mim, a presença de paul foi exatamente o oposto: foi uma espécie de “cala a boca” pra todo mundo que pensa que a trajetória de Rory é definida pelos relacionamentos dela e não pelo que ela é. em outras palavras, foi o modo que amy encontrou para responder no seriado a mesma coisa que ela já tinha dito na entrevista que você citou. o fato de que ele foi caracterizado como esquecível várias vezes me fez ter certeza disso. achei isso brilhante. também gostei o modo como a relação dela com logan foi tratada, ela está tomando as rédeas da situação e, pela primeira vez, parece estar realmente confortável e no controle dos seus relacionamentos. tudo isso se alinha muito com a temática feminista da série que, nesses tempos atuais, pode ser muito mais explícita.

      • henriquehaddefinir

        Rafael, nos episódios futuros fica claro que Rory não tem o controle de nada e Paul ser esquecível porque é gentil e afetuoso soa bastante errado pra mim.

        • Rafael Rigaud

          comentei acima explicando, mas acho que vcs não entenderam muito bem o que eu disse. e é bem diferente ele ser esquecível por ser afetuoso do que todo o seriado repetir o tempo todo que ele é esquecível. como disse acima, não consigo deixar de ver isso como uma ironia. e vi mais alguns episódios e concordo contigo em relação à rory e logan

      • Samantha Pistor

        Eu não tenho medo de mudar de opinião nos episódios futuros. Por ora, a impressão que tenho é essa: Rory segue sendo imatura num nível preocupante. É inacreditável que ela erre com o Logando mesmo jeito que errou com Dann quando optou perder a virgindade com um cara casado e em um relacionamento monogâmico. E é inacreditável que essa seja a temática da personagem no primeiro episódio.

        Se a intenção da Amy era nos fazer refletir sobre isso, nesse primeiro episódio ela errou a curva.

        Paul é um cara gentil que tratou Rory e sua família melhor do que qualquer um dos outros com quem ela se envolveu. Dann é o cara que terminou com a garota duas vezes por conta da suas escolhas e tirou a virgindade dela sendo casado. Jess… blargh. Pode ser o menos pior, mas ele era desrespeitoso com todos ao seu redor, e isso inclui Rory, Lorelai e Luke. Logan… pelo amor de Deus, impliquei com o personagem do Cary umas quatro temporadas em The Good Wife porque o Logan me traumatizou. Eletista, prepotente, babaca e inconveniente e é com esse cara, ESSE CARA, que ela resolve se envolver depois de 10 anos.

        E ok, Rory pode ser isso de imatura, mas achei tenebroso usarem essa gag do Paul com Lorelai e Luke. O cara instala anti vírus para a Lorelai, lembra da chave de fenda do Luke, é cortes, educado e incrivel mas huehue ele é esquecível porque ele não é escroto.

        • Rafael Rigaud

          vc não entendeu muito bem o que eu quis dizer. disse que a amy ter feito o paul dessa forma, completamente irrelevante para rory, foi uma espécie de indireta para o fato de que as pessoas resumem a personagem dela aos relacionamentos. é como se ela tivesse dando a mesma resposta que ela deu em entrevista no seriado. havia uma grande expectativa em relação a com quem rory ficaria nesse retorno e eu não consigo deixar de ver esse relacionamento com paul como a forma que amy encontrou para ironizar isso.

          e quanto ao logan, vi mais alguns episódios e concordo que estava enganado em relação ao que vi no primeiro episódio.

        • Suzy

          A Rory é uma babaca e isto há tempos, volta e meia ela trata a mãe super mal, manipulava os avós, traiu o Dean, depois trocou ele pelo Jess, quando viu que perdeu o Dean foi atrás dele ele sendo casado, pq ele foi namorado dela primeiro, depois o Logan que ela se prestou a ser uma inútil, bêbada, brigou com a mãe e aguentava as besteiras dele pq o amava, e escolheu ser a outra dele.
          A Rory é a típica sonsa, se faz de boazinha quando não é.

    • henriquehaddefinir

      Samantha, eu concordo com quase tudo. Acho que quando você vir os outros, vai mudar sua perspectiva sobre como a vida profissional da Rory está sendo tratada. Porém, no que diz ao tratamento de Paul, a forma como Logan entra na história, é realmente lamentável. As pessoas estão insistindo numa correlação entre Logan / Christopher e Jess / Luke, quando na verdade esse seria um desserviço tanto ao show quanto à própria Rory.

    • Sky

      A insistência na gag do “Paul, o cara esquecido” foi uma das coisas que eu mais detestei no revival. Olha esse cara legal que vamos tratar como lixo porque… Por que? Enfim, a trajetória da Rory nesse revival foi um tanto decepcionante pra mim, no geral. Mas ainda sobraram muito coisas boas <3

  • Vinicius

    AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH

    Acabei de assistir ao último. Na minha escadinha este episódio fica em terceiro lugar.
    Concordo que no início tá estranho, mas quando começa o flashback, tudo engrena.
    Excelente episódio. Não gostei muito do Paul, podia ter escrito um melhor personagem para ser namorado da Rory, mas ok.

    Fiquei muito feliz com o que fizeram.

    Aguardando os próximos textos

  • Adriano Martins

    Muito amor envolvido 😍

  • Karen

    Depois de ver e pensar sobre o revival… foi muito bom apesar de algumas coisas.
    E não acho que exista o paralelo Jess/Luke Logan/Chris. São todos personagens diferentes, e não achei que o Jess estava ainda apaixonado pela Rory, ele pode ter um certo saudosismo e tal, ela foi muito importante pra ele. Mas ele sequer tentou investir nela ou ver algo mais. Pra mim a Amy deixou claro que o par da Rory é o Logan, mas eles tem que arrumar o relacionamento deles.
    Quanto ao demais, incrível jornada de Lorelai e Emily, me emocionei com elas. Os atores muito confortáveis em seus papeis, com um forte destaque pra Paris e Kirk.
    Queria que a Lane tivesse tido mais destaque, mas fazer o que né?
    Uma das melhores cenas foi ver a aula da Paris pra turma em Chilton.
    Rory, esta moça é de fato muito complexa, tem várias virtudes, mas tbm é uma tremenda babaca, rsrsrsrs.

  • carol

    Como não amar uma série que faz referência a The Wire <3

    • Mich

      mto amor!!!!! <3

  • Mia Fernandes

    Eu vi ontem o primeiro e a minha primeira impressão foi que algo não estava certo. Achei a atriz que faz a Rory desconfortável com o papel.
    Estava faltando aquela química entre ela e Lorelai.
    E simplesmente detesto o Logan, não sei qual é a graça e o que o torna tão especial. Rory é como se fosse um cachorrinho dele, que é só estalar os dedos e ela está ali… babando…

    O melhor foi mesmo os secundaristas: Michel e Paris. Paris roubou todas as cenas. O ooober do Kirk.

    Mas, não deu para engolir foi Rory uma chata e tremenda babaca (2)

    • Gleidson Oliveira

      Não acho que a Alexis estava desconfortável como Rory. Inclusive, acho que a atriz evoluiu MUITO e melhorou aquela atuação apática de antes. Acho que a ideia era justamente essa. Não era a atriz que estava desconfortável, era a personagem. A Rory me causou uma agonia nessa temporada porque a personagem parecia meio depressiva, como se ainda não tivesse se encontrado. Acho que a Alexis fez um ótimo trabalho como Rory nesse revival.

  • Thaísa

    Texto maravilhoso!! Não poderia concordar mais com tudo que foi dito! <333

  • Natália

    Ameeei o texto, como sempre! 😉 Winter está na terceira posição da minha listinha!

    A única parte que fiquei triste é que você Henrique não volta para comentar as últimas 4 palavras, porque?!? =(

    • Gleidson Oliveira

      Ia comentar a mesma coisa :'(

  • Marissa Sousa

    Amei a review, amei o retorno da série, amei o primeiro episódio !!! Estou assistindo apenas um ep por dia pq eu quero aproveitar calmamente cada segundo desse retorno maravilhoso <3
    Eu não revi as outras temporadas então pra mim foi uma nostalgia imeeeensa !!! rsrs
    Uma coisa eu gostaria de ter visto, por ser o primeiro ep, seria uma cena com a música de abertura e uma câmera passando pela cidade, mostrando os moradores, os lugares e coisas do tipo. P.S: estou forma de forma para ler as falas de Rory e Lorelai kkkk

  • Ana Silva

    Paul esquecível como os filmes da Marvel….kkkkk…<3<3<3

  • Michele Cruz

    Esse é um retorno triunfal Obrigada Netflix pelo presente Tô cantarolando a dias Where you lead.

  • Guilherme de Biasi

    “Kirk’s Rates 5: Paris dizendo que Lorelai era como sua segunda mãe: <3." Porque a primeira foi a babá portuguesa