Feed the Beast 1×06: The Wild West

2
25

No fim do último episódio um dos protagonistas desconfiava de sua falecida esposa e de seu melhor amigo. No fim desse sexto episódio o mesmo protagonista continua desconfiando de sua falecida esposa e seu melhor amigo. Não, não é um déjà vu, apenas um roteiro que, se não é mal escrito, certamente não passou da página 1, e está com sérias dificuldades para se sustentar por 6 episódios.

Feed the Beast tem esse grave problema de não saber dar a importância necessária para os problemas enfrentados e, em alguns momentos, dar pausas na história. Uma coisa é o marido traído que, amando sua esposa do fundo do coração, tem que refletir melhor sobre a forma como leva sua vida, etc. Outra coisa é a pessoa que apenas desconfia sem nunca procurar confirmação. E se David Schwimmer já faz sempre a persona do chorão, aqui nós já começamos a ficar com raiva dele, pois tudo é motivo para ele sofrer.

Aliás, parabéns para quem pensou nessa ideia; Tommy já foi de certa forma traído por Pilar antes de iniciar o relacionamento com a moça, em uma cena que dividiu as opiniões do público. Particularmente não achei que se encaixava muito, e Pilar nunca demonstrou sentir atração por bad boys. Por outro lado, lado, ela própria estava com desejo reprimido por Tommy há algum tempo, e encontrou uma pessoa que não tem tempo ruim!

A inauguração do restaurante foi um sucesso, a não ser a visita do Conselho Tutelar (patético), e pelo acontecido depois de tudo, que dá o título ao episódio. Apesar de ter sido um pouco artificial e simplório demais, foi uma forma ok de mostrar que NADA de bom pode sair no relacionamento com o Fada do Dente. Ainda assim ficamos com uma sensação de forçação de barra, porque TODO mundo ligou na mesma hora para cancelar as reservas.

Sobre a visita do Conselho Tutelar, agregando às críticas que eu já havia feito anteriormente à professora, o meu ponto é apenas um: Sem dúvidas TJ é um rapaz que tem certos problemas, tanto em sua vida pessoal quanto em sua vida social, contudo não é preciso ser nenhum gênio para entender que Tommy ama seu filho com muita intensidade, e tenta providenciar a melhor vida possível para ele. De fato, ele é muito condescendente com a criança, o que mostra porque TJ passa a respeitar tanto seu avô. Enquanto Tommy parece estar o tempo inteiro com pena de seu filho, que, pobre coitado, não fala desde que perdeu a mãe, o sr Moran trata TJ praticamente como um adulto, e sem um pingo de pena, passando lições valiosas para o neto. Um exemplo foi neste episódio, quando ele interrompeu uma conversa para dar uma dica sobre a roupa do neto. Enfim, se Tommy tem algum problema, enquanto pai, é se preocupar demais, não a displicência.

A série continua de certa forma previsível e óbvia, com poucas surpresas até aqui, além de termos a sensação de que estamos avançando a passos de minhoca. Se o Thirio pode ser um sucesso inacreditável, Feed the Beast não alcança o que parecia prometer, sendo uma sombra pálida do seu potencial, claramente inexplorado.

  • Thay

    Como cansa ver Tommy sempre desconfiado de tudo e nunca se impondo. O avô e Dion tratam TJ com mais respeito que o próprio pai, pois ambos estão em eterno luto.

  • Thay

    Como cansa ver Tommy sempre desconfiado de tudo e nunca se impondo. O avô e Dion tratam TJ com mais respeito que o próprio pai, pois ambos estão em eterno luto.