Code Black 2×08: 1.0 Bodies

0
100

Se não fosse por um momento especifico, 1.0 Bodies seria aquele típico episódio filler de meio de temporada. Sem apresentar praticamente nada relevante para plots principais ou secundários, praticamente focando nos casos da semana, o episódio foi bom, mas deixou a desejar depois da constante evolução que a segunda temporada vem fazendo.

“Eu quero minha dor. Porque eu quero sentir amor. Eu sinto dor pelas pessoas que sinto saudades. Eu sinto porque eu os amei. Eu não trocaria esse amor por nada.”

– RORISH, Leanne.

Com um furo de roteiro já no início, vemos Mike de volta ao Angels Memorial, andando e, dentro de limitações, trabalhando de novo, o que ficou um tanto quanto estranho visto que no episódio 6 ele estava se preparando para uma cirurgia de alto risco e no último episódio nem mesmo apareceu. Essa decisão estranha tomada pelos roteiristas tirou qualquer suspense em torno da cirurgia e não permitiu que sofrêssemos mais um pouco com a recuperação do Leighton mais velho. Acredito que a única resposta esteja na provável necessidade do ator se afastar um pouco por estar trabalhando em outra série, o que justificaria esse adiantamento.

Entretanto, com furo ou sem furo, foi um prazer ver Mike de volta à ativa, mesmo que tudo estivesse organizado para um iminente desastre. Desde o aviso de Campbell, até a primeira vez que ele não conseguiu aplicar o remédio no paciente, ficou claro que algo daria errado. Assim como o roteiro apressado, Mike decidiu voltar cedo demais e só conseguiu tal feito devido à participação de seu pai no Conselho. Foi triste assisti-lo trocar o ultrassom, quase fazer um procedimento errado e depois perceber que não estava bem. Diferente de Guthrie, mas ao mesmo tempo semelhante, Mike foi inteligente e humilde o bastante para assumir que não está apto para o trabalho, mesmo que isso lhe parta o coração e o de muitos telespectadores. Foi lindo vê-lo conversar com Angus, contar seu sentimento e entregar o estetoscópio, só espero que ele retorne o mais rápido possível.

Passado essa evolução do enredo, o resto de 1.0 Bodies foi focado no caso Elysian, abrindo portas para discussões amplas e dificílimas de serem respondidas. Em um primeiro momento, parecia claro que essas pessoas remetiam às testemunhas de Jeová, renunciando seu tratamento médico devido crenças maiores. Todavia, ao longo de 1.0 Bodies, ficou claro que existia uma diferença absurda entre esses pacientes e as testemunhas de Jeová, tendo em vista que os primeiros desejavam a morte, pois acreditavam ter vida eterna a partir dela, enquanto os segundos apenas recusam tratamento por acreditarem que a transfusão de sangue configuraria a morte da mesma forma que ela morreria sem a transfusão. Entretanto, mesmo com essa diferença, uma discussão foi aberta nesse episódio, até onde vai a loucura e o que é a insanidade?

A discussão sobre o tratamento ou não dos pacientes de Elysian refletem a dificuldade em se inferir que uma pessoa possui plenas capacidades mentais ou não quando segue ideias totalmente contrárias aos conhecimentos do século XXl, devido uma crença inexplicável para quem não a segue. É estranho falar que essas pessoas estavam em sã consciência, porém se analisarmos a própria religião católica, evangélica ou outras, também não existem provas visuais ou “concretas” de toda sua crença. Dessa forma, como esses religiosos podem julgar insanidade em pessoas que apenas fazem o mesmo, porém de uma maneira mais extrema? Concordando ou não, os pacientes de Elysian sabiam o que estavam fazendo. Havia forma de mostrar a loucura dessa crença? Sim, porém isso não configura insanidade. Em um mundo onde quase a totalidade das pessoas precisa agarrar na fé para sobreviver todos os dias, é um tanto quanto hipócrita julgar essas pessoas “loucas”, mesmo que suas ideias sejam as mais mirabolantes de todas.

Por fim, como toda série médica sabe bem fazer, um caso foi utilizado para fazer o médico se lembrar da sua particularidade e decidir o que fazer. É um esquema bem antigo, mas que nunca falha ou fica chato, até porque passamos a gostar mais do paciente devido sua similaridade com a personagem que já gostamos. Foi interessante ver Mike mudando de ideia e apenas peço para que continuem dando-lhe espaço, pois sua história é bem interessante.

> Entrevista com o elenco de 3%!

Black Tags em 1.0 Bodies:

Leanne reinou e sambou no final do episódio com aquele discurso. Espero e desejo muuuuito, que outros flashbacks aconteçam e mostrem a Leanne daquela época e como foi sua reação quando a tragédia aconteceu.

Code Black --- 1.0 Bodies
Code Black — 1.0 Bodies

– Por favor, lembrem-se de dar uma história para Dra. Pineda além dos tremiliques do Guthrie, ela merece muito mais.