Class 1×05: Brave-ish Heart

3
291

Eu sei, eu sei… Brave-ish Heart é a conclusão da história da April, mas vocês ficariam bravos se eu dissesse que achei esse fechamento bem meia boca? Que, para mim, a trama principal não funcionou e que deveriam ter dado um espaço maior para a Miss Quill? Muitos de vocês não vão concordar comigo, mas às vezes isso acontece.

O problema com a trama da April é que ela ficou arrastada. O lance no planeta dos ShadowKins, o clímax com a luta decisiva entre April e o Rei das Sombras eram coisas que prometiam muito, mas que acabaram se perdendo no meio de longas sequências de conversas entre os personagens. Os diálogos são importantes, pois eles nos ajudam a entender como o caráter daquelas pessoas está sendo construído e qual é a posição que elas possuem diante de determinada situação, mas aqui houve um excesso de falatório que acabou atrapalhando.

“Nightvisiting” foi um episódio em que quase não há ação e os personagens passam praticamente todo o tempo conversando e ele funciona muito bem, pois era uma história mais psicológica, mais densa. Já os diálogos de “Brave-ish Heart” parecem não se encaixar dentro das situações em que eles foram inseridos.

É muito bonito ver o pai da April dizendo todas aquelas coisas para impedi-la de matar alguém ou quando ela e Ram falam da importância um do outro, mas não podemos esquecer que eles estão no meio de um combate de vida ou morte e convenhamos que ali não é o melhor lugar e nem o melhor momento para se ter longas conversas. Como é que o Rei das Sombras não se aproveita dessas distrações para matá-los? Será que os ShadowKins possuem um código de moral que diz que é falta de educação interromper a conversa de alguém mesmo durante uma luta? Perguntas à parte, isso acaba comprometendo a dinâmica dos acontecimentos e por mais que o final seja satisfatório, acaba deixando uma sensação de que poderia ser melhor.

“April como você vai matá-lo?” “Não sei... De tédio, talvez?” Class --- Brave-ish Heart.
“April como você vai matá-lo?” “Não sei… De tédio, talvez?” Class — Brave-ish Heart.

Já a trama que girava em torno das pétalas carnívoras teve um resultado mais positivo e eu atribuo parte desse resultado à Miss Quill. Ela vem deixando de ser uma personagem que servia apenas para o alívio cômico e está mostrando que possui muitas camadas e que é uma personagem complexa. Quando bem explorada ela nos entrega ótimos momentos.

“Quando toda sua raça morrer diante dos seus olhos, você poderá falar comigo sobres monstros!”

Toda a dor, raiva, sofrimento e angústia que ela conseguiu passar diante do dilema da arca serviu para mostrar que ela realmente não superou a perda do seu povo e que sua relação com Charlie é bem mais complicada e instável do que pensávamos, se não fosse o verme preso dentro da sua cabeça ela já teria dado uma bela de uma surra no príncipe. E vamos concordar que ultimamente Charlie vem dando motivos para levar uns tapas.

Eu só espero que Quill ganhe mais destaque logo e não fique renegada a fazer parte somente das tramas secundárias, não que isso seja ruim, mas seria incrível vê-la com todo o destaque que ela merece, lançando sarcasmo para todos os lados, quebrando carros e ensinando uma bela lição para esses tais Governadores, que falam muito, fazem pouco, se mostram menos ainda e se acham no direito de  colocar como diretora de uma escola uma mulher que sai apontando armas na direção de adolescentes como se esse fosse o método mais eficiente e natural para se conseguir alguma coisa.

Tanya não parece muito feliz por receber o prêmio de “Pessoa Mais Avulsa” do episódio. Class --- Brave-ish Heart.
Tanya não parece muito feliz por receber o prêmio de “Pessoa Mais Avulsa” do episódio. Class — Brave-ish Heart.

Brave-ish Heart conclui esse two-part sobre a história da April, mas ainda deixa o arco dos ShadowKins em aberto. Logo podemos esperar que eles retornem na finale em busca de vingança!

> As séries favoritas de Fábio Porchat!

Nota de um diário de classe: Até o casamento da Britney Spears com Jason Alexander durou mais tempo que o reinado e os poderes da April. É uma pena, pois uma pessoa com essas habilidades seria bem útil para a equipe.

  • Letícia Menezes

    Devo dizer que concordo com sua opinião. Até agora este foi o episódio mais fraco.
    April tem o seu melhor quando está evil, mas no resto do tempo é muito sem expressão.
    Poderiam ter desenvolvido melhor a reação dos pais a situação, mas foi fofo a mãe de April andando, embora não tenha idéia como que a ligação com um coração curou paraplegia.
    The Governors… Espero que eles sejam bem evil e não queiram apenas dominar ou destruir o mundo, pff.
    Adorei a menção a UNIT.
    Also, ódio do Ram falando de LoTR como se fosse para gente velha! É atual até hoje rum. Será que é assim que me sentirei no futuro quando a LoTR, NArnia, HP e tal? Que é de coisa de velho? hahaha

    • Clark Jornalista

      É que Ram e os demais personagens da série (tirando Tanya) têm 16 anos. Se você pensar que Senhor dos Anéis é de 2001, 15 anos atrás, e eles tinham só 1 ano, é natural que eles pensem ser “para gente velha”.

  • Ramon Vitor

    Essa série melhora? Ou é aquilo ali do primeiro episódio mesmo?