Chicago PD 4×03: All Cylinders Firing

3
975

Intenso e de partir o coração

Quando vi a promo pensei que o episódio seria maravilhoso e honestamente, ele foi. “All Cylinders Firing” focou somente no plot de Platt e finalmente eu fiquei satisfeita com o desenvolvimento, ainda que trágico, da personagem porque não fazia sentido ter casos paralelos quando o coração do CPD foi atacada.

Se em cada episódio da série, um personagem fosse escolhido para ter seu plot desenvolvido da maneira como foi esse, a série seria perfeita. Mas contudo, Chicago PD está longe de ser perfeita por justamente não desenvolver os personagens maravilhosos que tem na mão. Estou cansada de receber migalhas durante quarenta e três minutos, quero desenvolvimentos completos, ainda que eles sejam de partir o coração como foi no caso de Trudy.

Sinceramente, o que falar de Amy Morton? Que ela é maravilhosa, isso não é nenhuma novidade, não é mesmo? Foi ótimo vê-la no centro do episódio o tempo inteiro e mesmo sabendo que não aconteceria nada de grave com a personagem, ainda assim foi de partir o coração vê-la escoltada dentro do hospital sem poder ir atrás do assassino de seu pai. Mas não foi isso que realmente aconteceu. Eu não sei vocês, mas eu fiquei com a sensação que a qualquer momento ela fugiria do hospital para sua vingança pessoal e foi o que ela fez.

Dois personagens que eu quero destacar durante o episódio são: Kim e Hank. Kim por sua amizade, cuidado e preocupação com a Platt. Tudo bem que já sabíamos que a Kim soltaria algo para Trudy e isso seria a peça chave para fazê-la fugir do hospital, mas ver o desespero da Burguess para encontrá-la é louvável. Burguess sabe que errou, mas sabe o que precisa fazer para compensar o erro. Já Voight, bom, ele é macaco velho. Conhece Trudy há anos e conhecendo-a tão bem foi direto ao local onde ela estava, impedindo-a de cruzar um limite que ela não saberia lidar depois. Além disso, tivemos o diálogo emocionante entre Platt e Mouch. As palavras dele mexeram tanto comigo que eu fiquei sensibilizada. Trudy é uma mulher durona que viveu a vida inteira por conta própria, então eu acho natural que ela ainda tenha esses impulsos esquecendo que tem agora alguém que “depende” dela, mas agora ela sabe que não pode esquecer o marido sempre que precisar resolver algo. Esses dois são puro amor.

Outro que merece destaque no desenvolvimento do caso é Olinsky. Gente, eu simplesmente odeio como ele não é aproveitado na série, mas esse episódio me deixou aliviada. A capacidade de observação dele e toda a calma que ele conduz tudo ao redor dele é invejável. Com Antônio saindo de PD, espero que ele ganhe um melhor destaque na Inteligência.

No geral, quero dizer que senti falta de Mouse e da Tay. E foi tocante ver como todos no CPD tem respeito pela sargento, Erin e Jay mal conseguiram dar a notícia da morte do Robert Platt. Foi um ótimo episódio realmente, mas eu esperava no início do episódio que o Fogel estivesse por trás de tudo já que uma rixa entre os dois foi criada realmente no episódio passado.

O próximo episódio é “Big Friends, Big Enemies”, se liga na promo:

 

  • Luana

    Excelente episódio
    Por um momento, quando começaram a revirar a semana em busca do cara que ameaçou ela achei que iam encontrar aquele oficial ameaçando a Truddy e seria ele o responsável.
    A conversa final do Hank com ela, impedindo-a de matar o cara, foi D+!!!
    “Você não é eu… você não conseguiria viver com isso”
    Que amizade linda!!!! Nem parece o Hank que entrou em chicago fire… quanta evolução num ser humaninho

  • João Carlos

    Que episódio sensacioal. Sempre quando a série faz esses tipos de episódios difícil deles errarem e ainda mais com a Platt que é uma personagem muito querida.

  • Libriane

    GOSTO MUITO DA SÉRIE, MAS TB ACHO QUE DEVERIAM EXPLORAR, A CADA EPISÓDIO, CADA UM DE SEUS PERSONAGENS…
    Olinsky É SEM DÚVIDA, O PERSONAGEM MAIS INTRIGANTE COM AQUELA POSTURA, AQUELA BOINA, AQUELE EX CASAMENTO COM ELE MORANDO NA GARAGEM… TANTA COISA PRA EXPLORAR, MAS SÓ FOCAM NA ERIN. JURO, PEGANDO ABUSO DA PERSONAGEM.
    SEMPRE ELA E SUAS HISTÓRIAS EM FOCO, NEM TEM MAIS O QUE CONTAR ALI.