Chicago PD 4×02: Made a Wrong Turn

9
782

A tensão no coração do gueto negro.

O segundo episódio veio com uma carga dramática ainda alta e apesar de não ter focado muito nos dramas pessoais dos personagens, não decepcionou e me deixou com uma esperança latente de que os casos de cada semana tratem cada vez mais temais atuais e o mais próximo da realidade que os norte-americanos vem vivendo/sobrevivendo.

Para resolver o caso da semana foi preciso reunir o máximo de policiais para procurar uma mulher branca que está desaparecida no coração do gueto negro. Não é a primeira vez que esse embate entre policiais e guetos de Chicago é abordado pela série, mas visto os últimos acontecimentos de negros que foram assassinados por policiais por todo os Estados Unidos e também as baixas que a polícia norte americana sofreu em Dallas e Baton Rouge.

É um assunto recente e de um peso enorme, então ser abordado em Chicago, uma cidade que é muito segregada racialmente foi maravilhoso. Os policiais, independentemente da cor, mostraram a tensão em seus olhares quando a câmera passou entre eles, assim como também mostrou o descontentamento dos negros para com os policiais. E entre tanta tensão duas pessoas foram importantes mesmo que tenham tido poucos segundos em frente à câmera. A primeira pessoa foi o avô de Derrick Latham que agradeceu ao Voight por tê-lo prendido e por não estar se preocupando com a possibilidade do neto estar morrendo pelas ruas da cidade. A segunda foi Bebe que informou a Voight que tinha visto além o cara negro alto, viu também um cara branco dentro de um carro, que mais tarde descobrimos ser um ajudante de Bobby Trent.

O contexto do caso foi ótimo para mim, mas fiquei com uma sensação de ter faltado algo no Waddell. Qual foi realmente a motivação dele para arrancar a garota de dentro do carro? Só porque ela era branca e “estava” ali para ficar alta? Não sei, essa parte deixou a desejar. Mas apesar disso o apoio de algumas pessoas do bairro demonstraram apoio e respeito à polícia – lembrando a garotinha indo entregar água a Erin e Jay –, enfatizando o discurso que o Hank fez quando reuniu todos os policiais. Sempre vão existir criminosos e pessoas que não gostem da polícia por inúmeros motivos, mas também sempre vão existir pessoas de bem que confiam na polícia e que acreditam em seu trabalho. Foi perfeito em mostrar os dois lados da realidade.

Bom, vamos aos acontecimentos dos personagens.

Jay chamou Erin para juntar as escovas de dentes no episódio passado e nesse tivemos a detetive convidando-o para morar no ap dela + uma linda declaraçãozinha de que está completamente apaixonada por ele. Na fala da Erin, o Jay é a única pessoa que ela pode confiar, então quer dizer que apesar de ter feito o que fez por Voight ela já não confia mais no sargento. Confesso que estou curiosa para ver como vão desenvolver a dinâmica entre Erin e Jay + o ap, e entre Erin e Hank + o assassinato. Muita água pra passar debaixo dessa ponte.

Essa semana tivemos a notícia que Antonio vai deixar PD e vai para Justice, mas por enquanto não vou sofrer por isso. Espero que Antonio tenha um melhor desenvolvimento em termos de plots na outra série. O que tivemos no episódio dessa semana foi Mouse querendo voltar aos Rangers e sinceramente não curti isso. O personagem agrega mais valor à série do que Kevin e estão querendo simplesmente tirá-lo? Palhaçada pura. Espero que Voight não minta e ele fique na Inteligência.

E para fechar preciso dizer que estou amando o clube da Luluzinha, como Nicolas comentou na review passada. Kim e Tay funcionam maravilhosamente bem e ainda de quebra temos as duas interagindo com Trudy. A única coisa que me preocupa ainda que prematuramente é o comandante tirar a Tay do distrito. Depois de dois parceiros, Kim finalmente tem uma parceira e já estão com uma arma apontada pra cabeça dela. Trudy pode pisar no comandante porque o lugar da Tay é no distrito 21.

Nos vemos em “All Cylinders Firing” e se você ainda não viu a promo, clica pra ver porque mexeu com o meu psicológico:

  • Rafaela

    Essa história de tirar Antonio da PD para Justice é uma prova que eles não crêem no sucesso de Justice e tenta agregar público com um personagem já conhecido. Para Wolf de criar novas séries se nem sustenta as atuais. Tô chateada com isso.
    Quanto ao episódio eu gostei de como o caso foi resolvido, mas ficou mesmo mal resolvido as intenções de Waddell.
    Mouse sair é tão “como é que é?”, ficou parecendo que queriam dar continuidade sobre os traumas de Jay que iam ser desenvolvidos temporada passada, porém deixaram de lado.
    Tô bolada com a história de Antonio e a saída dele vai ter um embate digno de telenovela entre ele, Voight e a comandante. Raiva.

  • Um bom episódio com alta carga de tensão, achei muito legal eles usarem o “calor” para expressar isso, Chicago estava quente, com tensão e desconforto no ar. A série quis mostrar a perspectiva da policia em relação aos conflitos recentes no USA, mas ao mesmo tempo mostrou o porque desses conflitos acontecerem.

    Voight sempre age acima da lei, usa de métodos nada éticos ou legais para avançar em suas investigações, é um exemplo de excesso policial, porém Voight nunca comete excessos com inocentes, ele sempre usa seus “métodos” com os suspeitos certos. Na vida real não é bem assim, nem sempre o policial age contra o suspeito certo, o que tem gerado todo esse conflito dos últimos tempos.

    E naquele discurso do Voight, e no plot do jornalista, achei que foi uma clara crítica a mídia, insinuando que eles não se importam com nada além de vender notícia.

  • Luana

    Com o coração na mãp pelo episódio desta semana. Mexeu com a Trudy mexeu com todos nós!!!
    Ela é o coração daquela delegacia…

  • Alípio

    Antônia anda tão jogado que a saída dele me deixa triste, mas também gera um pouco de indiferença. É torcer para que realmente seja melhor para o personagem.

    • João Carlos

      Ele vai para o novo spin off né?

  • Alípio

    Voltei pra falar que vi o trailer do ep da próxima semana e não deveria ter visto. Rolou uma aflição aqui…

  • O ep foi muito bom, mas eu não entendo o porque do Olinsky ta sempre apagado na serie
    ele deveria ser uns dos principais uai, parece que que ele é só um figurante qualquer
    O Kevin ta mais importante do que ele.

    • João Carlos

      Amo de mais o Alvin. Poderiam desenvolver mais a relação dele com a filha nova, que como a filha antiga (?) já nem sei mais o nome.

  • João Carlos

    Ao menos foi um episódio envolvendo negros que não teve Kevin como o personagem de destaque.