Australian Survivor 3×24-26: My How The Turn Tables/Stinky Cologne/Against All Odds [Season Finale]

12
316

E quando tudo parecia perdido eis que Australian Survivor nos presenteia com um final épico e emocionante.

Eu não tenho palavras para esse último episódio, nem em um milhão de anos, eu esperaria ver tudo aquilo que nos foi apresentado. É o mesmo show que estávamos vendo semanas atrás? Porque eu fiquei simplesmente maravilhado com tudo que aconteceu nesse último capítulo. Foram 80 minutos intensos e decisivos que provaram não só para mim, mas para todo o público que se eles quiserem, conseguem sim entregar episódios com qualidade.

Antes de embarcamos nessa maravilha de finale, vamos relembrar um pouco os dois episódios que diminuíram todas as minhas expectativas para aquilo que estava por vir, e talvez essa tenha sido a causa para que eu me surpreendesse tanto.

Em My How The Turn Tables após o blindside em Matt, Flick vai em direção a El para assegurar seu lugar; seu relacionamento com ela, foi o responsável por eliminá-la no episódio seguinte e aqui começamos a ver o desdobramento disso tudo. É engraçado notar que diferente de Flick (que se virou contra sua aliada mais próxima, Brooke), El já não tinha os mesmos planos de se livrar de Lee, seu aliado mais antigo e mais fiel, colocando assim as engrenagens de Flick para funcionar mais uma vez. Para El, levar Flick para um F3 talvez teria sido uma decisão mais correta, pois baseado nas atitudes da garota, era meio obvio que ela a levaria para um F2, assim como Lee, portanto em qualquer direção que o jogo fosse ela estaria garantida no conselho tribal final.

Após o balde de água fria de El, Flick começa a se movimentar de novo para garantir um lugar mais próximo da final, e volta a Matt e Kristie com a decisão de eliminar Lee ou El, dependendo do resultado do desafio de imunidade.

Matt nesses últimos episódios tem jogado mais agressivamente e eu venho ficado bem satisfeito. Provou que não está ali como paisagem e que realmente quer lutar para garantir seu lugar. A maneira como ele expõe as coisas é bem sutil, e ele praticamente controla as pessoas massageando o ego delas. Ele não diz o que quer fazer, mas as induz em um caminho benéfico para si. Ele já fez isso com Flick duas vezes, e isso é uma característica bem peculiar em um jogador, tirando ele um pouco da zona de conforto e se distanciando do Matt que vimos ao longo do jogo.

Após a vitória de Lee, estava fácil e claro que a melhor decisão era eliminar El. O problema dessa vez foi Flick que resolveu contar para ex-aliada que ela seria eliminada, por respeito a relação que as duas tinham. Nessa hora as máscaras dos falsos heróis começaram a cair, e eu fiquei muito mal pela maneira como El falou com Flick. A garota tomou uma decisão amadora em Survivor, contar para o eliminado que ele seria eliminado, mas achei que El e Lee passaram um pouco da conta. El soltando os cachorros para cima de Flick e Lee controlando Kristie como se ela fosse uma marionete sem vontade própria. Nesse momento eu já sabia que o jogo de Matt estava perdido, e que eu teria que engolir o casalzinho por mais um episódio.

Não deu outra, conhecendo a instabilidade emocional de Kristie, a decisão entre Matt e Flick parecia ser para onde os votos iriam. Eu fiquei surpreso com El votando em Flick, e achei totalmente acertada a decisão de Flick votar em Matt, afinal, antes ele do que ela. Eu não sei se o voto de El foi aleatório ou se foi algo pensado caso um ídolo de imunidade fosse jogado. Mas de qualquer forma, saiu quem eles queriam e mesmo se um ídolo de imunidade fosse usado, não via Kristie flipando de forma alguma.

img1

Pelas reações do júri era obvio que eles não estavam satisfeitos com a passividade de Kristie e com o rumo que o jogo estava tomando, portanto, a saída de Matt apenas esfregou mais sal em uma ferida que vem sendo aberta a cada conselho tribal.

Em Stinky Cologne, Flick em uma posição extremamente ruim começa a puxar mais cartas da sua manga. Eu simplesmente adorei ver Flick jogar durante toda a temporada. As pessoas podem falar mal dela, mas uma coisa é inegável, ela sabe ler e realizar jogadas muito bem. Junto com Brooke fez uma dupla incrível e seu blindside na amiga foi o ponto alto da merge.

Ela se dispondo a fazer fogo e encorajando Lee e El para uma virada foi ótimo, ainda mais por ver Kristie sair toda desesperada para fazer fogo também no meio da noite. É impressionante o quanto Flick consegue deixar o orgulho de lado e simplesmente ir de encontro a El de novo, característica essa que Sam não possuiu, pois, ao tentar sua jogada com Brooke para eliminar Lee, sua primeira atitude deveria ter sido ir se desculpar com o amigo, para tirar o alvo gigantesco que havia em suas costas.

Flick lutou com todas as suas forças, mas o casal imbatível conseguiu a vitória de novo no desafio de imunidade. Eu estava torcendo tanto para Flick, para que o poder estivesse em suas mãos e eu não pude deixar de aplaudi-la por não se dar por vencida e insistir em uma virada em pleno conselho tribal. Ela fez Lee e El admitirem (finalmente!) que se levariam para o F2 na frente de todo mundo, e começou a plantar sementes na cabeça de Kristie mais uma vez, mesmo que sem sucesso!

img2

Flick sai do programa com um grande ódio em sua direção, seja por parte de fãs (já vi vários comentários maldosos no facebook sobre a competidora) e sua Juri Villa foi uma das poucas que eu assisti, e eu simplesmente não entendi a reação de alguns participantes em relação a ela, Brooke eu já esperava, mas ela foi recebida de forma fria e foi bombardeada por todos os lados. Acho que é o preço que se paga por ter sido melhor que todos ali em vários aspectos do jogo. Eu votaria em Flick em uma final sim, e não penso que ela tenha feito um jogo ruim diante das circunstâncias que tinha, lutou até o final pelo seu lugar e merece ser reconhecida por isso. Go Fli(p)ck!

Acho que quando uma temporada consegue exibir seu melhor episódio em uma final é sinal que a renovação talvez não tenha sido tão errada assim. Em Against All Odds eu fiquei maravilhado com o desempenho da underdog Kristie e pude finalmente entender todo o seu jogo, e digo, seu discurso e suas respostas no Conselho Tribal Final, entram para o hall de melhores da história do show. Kristie não só abraçou seu gameplay como realmente se faz, mas renasceu das cinzas para finalmente alcançar o maior objetivo do jogo: o título de Sole Survivor.

RITOS DE PASSAGEM 

img3

A subida até o Desafio de Imunidade Final foi nostálgica, e mesmo que rápida, fez relembrar bons momentos e bons personagens que passaram pela temporada. Jogadores como Craig e Phoebe que foram eliminados antes da merge, sempre serão lembrados. Seja pela forma divertida como se comportava ou pela forma agressiva com que jogava. Brooke, Nick, Sue, JL entre outros também deixaram suas marcas também, pela força, pelo overplay, pelos confessionais, também foram peças essenciais na temporada.

Foi muito bom rever esses momentos e saber que apesar dos grandes erros cometidos pela edição, bons competidores emergiram e conseguiram nos entreter. Além disso, essa homenagem as temporadas anteriores do reality foi muito bem inserida, acho que o último rito de passagem exibido foi o de Caramoan, e simplesmente discordo de Probst por ter extinguido essa parte dos episódios finais, pois acho de extrema importância o reconhecimento dos jogadores restantes pelo seus competidores que ficaram pelo caminho como o respeito em relação a todos que jogaram. Já quero na S34 um comentário de cada jogador eliminado com cenas das suas temporadas anteriores mescladas com a atual, seria lindo demais de assistir e eu nunca pedi nada!

HAND ON A HARD IDOL 

img4

Não só escolheram o melhor desafio, mas escolheram a melhor locação para ele. Australian Survivor realmente apelou para o coração dos fãs e conseguiu fielmente trazer o mesmo impacto que este desafio trouxe em Borneo. Eu achei simplesmente fantástico trazer os familiares para assistir a prova, era o estímulo necessário que os participantes precisavam, e foi emocionante ver o reencontro de Kristie com seu pai. Nesse exato momento, quando ela cita Richard Hatch, eu já havia me rendido. Se minha torcida era para ela naquele momento, passou a ser elevada a décima potência.

A última vez que esse desafio apareceu na franquia foi em 2004, em Survivor All-Stars, portanto vê-lo novamente e com uma conclusão tão épica só pode me deixar orgulhoso da maneira como estavam conduzindo o episódio. Não me lembro da duração do desafio em Borneo, mas lembro da vitória de Kelly sobre Rudy. Entretanto, esse desafio me fez levantar para torcer mesmo em Marquesas para que Kathy se consagrasse campeã. Infelizmente a maldita da Neleh ganhou e trouxe Vecepia para uma final de merda.

Imaginaram como eu estava então? Torcendo em pé para que Kristie ganhasse, assim como torci para Kathy. Felizmente Kristie conseguiu ganhar o desafio mais importante da temporada e de forma emocionante desabou de dor e alegria. Foi um dos momentos mais emocionantes da temporada, e pela primeira vez, o choro de Kristie conseguiu me atingir, senti cada palavra direcionada a seu pai, senti cada palavra direcionada a Lee. Foi uma volta por cima épica!

A partir do momento em que Kristie entrou com o colar de imunidade, eu só conseguia pensar na reação do júri ao ver que ela havia conseguido. Foi muito engraçado ver a cara de Matt e Flick e do resto, que ficou sem reação ao ver que a garota havia ganhado uma das mais importantes imunidades do jogo. Sua decisão de levar Lee para a final foi correta (porque ela ganhou, claro) e porque El tinha uma abordagem mais agressiva do jogo (mais trabalho para ela). Mais uma vez o júri não ficou satisfeito com a escolha da garota (dava para ver pelas caras e reações) e só um milagre para a salvar no Conselho Tribal Final. E o milagre realmente veio.

O JÚRI 

img5

O discurso de abertura de Lee e de Kristie já os haviam separados por milhas de distância, e suas diferenças no jogo eram claras. Enquanto um defendia sua integridade, o outro apelava para o reconhecimento.

“People didn’t think I was going to make it. But I have survived through everything Survivor has thrown at me and I’m out the other side. I’ve proven that you can defy all the odds. I’ve done that: and isn’t that what Survivor is all about?” 

– Kristie Bennett. 

Que começo! E quanto mais as perguntas vinham em sua direção, mais confiante a garota ficava e o prêmio cada vez mais se distanciava das mãos de Lee. Kristie foi me ganhado a cada palavra, a cada defesa e a cada detalhe. Defendeu seu jogo como deve ser feito, sem arrependimentos e fazendo o júri reconhecer que ela pode ter feito pouco para eles, mas conseguiu superá-los em absolutamente tudo. Ela simplesmente foi lá com seu jogo passivo (muitas vezes), mas comendo pelas beiradas, navegando por alianças da qual não fazia parte, tendo o poder inúmeras vezes em mãos e escolhendo sempre o mais difícil. Tirou forças para lutar contra todas as adversidades e estatísticas do jogo, e passou por 20, repito, vinte conselhos tribais.

Kristie provou que dentro daquele corpo existem diferentes tipos dela mesma, e é até engraçado isso, porque só múltiplas personalidades explicam o quão boa Kristie era em suas atuações memoráveis.

Me lembro de compará-la a Aubry na primeira review, não porque via o jogo de Aubry nela, mas porque via nela, uma jogadora que sofreu um colapso no primeiro dia em Samoa, se reergueu e começou a lutar da sua maneira, assim como sua antecessora. Se pararmos para pensar com Aubry não foi diferente, uma garota estranha que tinha que lutar a todo momento para permanecer, que se ferrava a todo momento, com evacuações de seus aliados, ídolos perdidos, twists etc. Aubry e Kristie tem uma ponte enorme de diferença na maneira de jogar, mas a vitória deveria ser de Aubry lá assim como a vitória foi de Kristie aqui.

Um dos melhores discursos para mim foi o de JL por simplesmente dizer: “Kristie, nice to meet you!” reconhecendo o quanto ela havia evoluído e o quanto o júri queria ter visto mais daquela Kristie no jogo. Além disso, colocou Lee no seu devido lugar, expondo de vez toda a hipocrisia por trás do seu discurso. Outro destaque positivo fica para o Matt que fechou com chave de ouro o conselho tribal, perguntando para qual Kristie ele estaria entregando o seu sonho de infância. Emocionante!

Destaques negativos ficam para Nick (claro!), que sempre tenta causar. Discurso longo, dando volta em círculos e despejando todo o seu ódio para cima de Lee. Eu tenho uma teoria que muitos vão tentar fazer analogias como a maravilhosa Sue em Borneo, mas poucos vão conseguir. Nick é um deles, e se bem me recordo Reed foi outra. Devem ter outros por aí também.

img6

Outra coisa que me agradou muito foi terem convidado as famílias dos participantes para participarem da leitura dos votos. O fato de não ter sido revelado dentro de um estúdio fechado e com plateia, não me incomodou, porém, defendo a ideia que um episódio especial com um Reunion Show deveria entrar na lista de coisas para a próxima temporada.

Por fim, Kristie conseguiu a proeza de bater Lee e abocanhar o prêmio de $500.000 e o título de Sole Survivor, e não há quem não diga que sua vitória foi muito merecida e era a minha aposta.

 

PRECISAMOS FALAR SOBRE KRISTIE 

img7

Kristie começou o jogo tendo um colapso nervoso, com uma paranoia intensa a respeito dos participantes, mas conseguiu dar a volta por cima. Fez o teatro de eliminação de Craig, mas nunca esteve em controle no jogo, e logo em seguida conseguiu provocar a eliminação de Phoebe para se salvar (e isso foi sim sua maior jogada). Há quem diga que ela deveria ter sido eliminada na twist em que Sue foi raptada, mas como ela sempre lutou contra as adversidades, conseguiu se salvar mais uma vez.

A garota é uma personagem interessante, pelo seu jeito estranho de ser, quase louco. Tinha risadas altamente divertidas e conseguiu entreter o telespectador. Definitivamente não existe uma receita a ser seguida para vencer Survivor, e apesar do jogo de Kristie não ter sido muito atrativo durante a merge para quem assiste ela provou que a palavra “impossível” não existe em seu vocabulário, e contra todas as estatísticas, com a garra de uma lutadora, durante 6h e 30min conseguiu vencer o desafio mais importante da temporada contra duas ameaças de peso.

No Conselho Tribal Final fez uma performance digna de aplausos, e eu me recordo muito pouco de participantes que tenham entregue tanta segurança em seu jogo como ela, me lembrou um pouco de Todd em China.

Ela merece todos os méritos como campeã, apesar de não ser uma escolha previsível de acordo com sua edição, mas com certeza foi um ótimo desfecho para a história da temporada.

SALDO FINAL

Australian Survivor começou com uma edição fraca em cima dos participantes, mas mostrando que queria ao máximo se parecer com o reality original. Começou a despontar com a swap de tribos apesar de uma twist desnecessária. Apresentou muitos participantes com performances sólidas e dignas de fãs, mas também pecou em outros aspectos. Deixou a merge cair no esquecimento pela previsibilidade e acomodação dos participantes, mas por fim cravou seu último episódio de forma memorável na história do show.

Olhando para todo o histórico, o saldo não é positivo e não há acertos que justifiquem a quantidade de erros. Muita coisa precisa ser melhorada e deve ser. Sua renovação para uma nova temporada, talvez seja o empurrão que os produtores precisam para ter uma criação mais livre, com menos episódios e dias, além de uma seleção mais rigorosa dos participantes.

O indicativo de que Australian Survivor pode entregar episódios de qualidade é esse último, e eu, como sempre otimista que sou, ainda vou dar mais uma chance ao show e encarar essa terceira temporada apenas como um experimento para os próximos anos que virão. Se souberem ouvir o público, muitas mudanças boas estão por vir e espero que realmente estejam.

RANKING DA SEMANA 

O ranking da semana é todo da Kristie, mas Lee também não saiu de mãos abanando, conquistou de vez o coração de El.

PS1: Sobre o Desafio de Imunidade Final, Lee disse em entrevistas que não entregou o desafio e realmente se desequilibrou e caiu. Seu chororô funcionou Kristie, keep going!

PS2: A pergunta de Brooke para Lee foi bem indiscreta, mas o casal já assumiu o romance fora das telas, então sem relevância.

PS3: Espero que tenham gostado das reviews, assim como eu gostei de escrever. É realmente um trabalho difícil conseguir analisar três episódios de uma vez, mas espero que tenha conseguido atingir o objetivo. Vejo vocês na próxima temporada, até 2017!

  • Débora Albuquerque

    Que final maravilhosa. E que review… Poucas são as vezes que concordo com tudo que dizem sobre algum programa, mas vc representou cada sentimento que tive ao ver essa sequência de episódios. AU teve altos e baixos mas teve um winner mais do que merecedor e eu tive a sensação de dejavu ao ver sua atuação no FTC (saudades china). E sim, Nick chegou e deu aquele PAH na cara da sociedade a La Sue e achei lindo que outra pessoa além de mim ama o discurso de Reed. Trouxiane que sou, darei mais uma chance pq a final me deixou realmente feliz com tudo. Chorei e me emocionei como poucos episódios de US e fiquei com gostinho de quero mais ao perceber que eles podem sim entregar algo de qualidade. Que eles escutem os fãs e tornem o show inesquecível.

    • Então bateu na trave porque eu não gostei do discurso de Nick e muito menos do de Reed. Eu acho que ambos queriam apenas causar, e por mais respeito que eu tivesse pelo fato de Nick ter colocado Lee no seu lugar, achei seu discurso bem forçado e caricato. É como eu disse, poucos conseguirão ser Sue nas analogias, poucos!

      Quanto ao resto que bom que concordamos, e que bom que gostou da review. Quem venha S04, te aguardo por aqui! (:

  • Leo

    Kristie literalmente sobreviveu, lutou contra todos e conseguiu conquistar o júri. Não acreditava na sua vitória mas dentre os finalistas era a melhor opção. Fez um jogo fora do radar e conseguiu crescer no momento mais importante.
    A produção conseguiu caprichar no último episódio. Melhor challenge impossível e se tem alguma coisa que essa produção acertou foi as provas e a locação.
    Espero que a edição reduzam o número de participantes, realizem swaps e não deixe o jogo ficar monótono como foi a merge dessa sessão.

    • Foi tudo muito foda! Era essa a edição do ultimo episodio que deveria estar presente em todos os outros. Tomara que aprendam com os erros e façam uma S04 melhor que essa.

  • Webert Severo

    Adorei a review! 😀 Kristie foi dona e conseguiu conquistar o júri no fim ♥
    Só não concordei na parte que você falou que “a vitória deveria ser de Aubry lá” kkkkkkkk só resta aceitar que Michelle levou a temporada, e que mesmo que fosse um juri recalcado, ela conquistou o júri coisa que a Aubry não fez. Já vi pessoas odiadas ganhar o júri, e se ela não consiguiu ela pecou em muita coisa, mas enfim, só quis tretar com isso pq Michelle é rainha sim #Haterswillfall

    • as

      super concordo <3 WINchelle! e vale lembra que o ftc da michelle também foi otimo

    • Aubry >>>>> Michelle. Mas aceito a vitória de Michelle, porque ela tinha realmente um social muito bom. Mas em questão de gameplay o jogo da Aubry era sim mais atrativo. A diferença entre essa final e de Australian Survivor é que o Lee realmente não tinha jogo nenhum. Defender apenas sua moral não era motivo suficiente para lhe dar o prêmio, então pra Kristie ficou fácil. Mas temos que falar também que o juri de KR foi bem bitter também, mas é aquilo, não há receita para vencer.

      Que bom que gostou da review (:

  • Lucas

    Gostei de Kristie vencendo assim como gostei de Michelle vencendo também. Aliás, não consigo entender como alguém pode achar o jogo de Michelle ruim e achar Kristie uma excelente jogadora. Oi? São praticamente os mesmos estilos de jogar.

    • Mas eu não falei em nenhum momento mal do jogo de Michelle, só acho que a vitória dela contra Aubry foi injusta porque o jogo de Aubry era claramente superior. Michelle tem seus méritos também, teve um social bom e conquistou o juri.

      Aqui foi Kristie contra Lee, o jogo de Kristie era claramente superior ao dele, e ela também mitou no juri. Era tudo uma questão de ponto de vista e circunstâncias também (:

      • Lucas

        Mas eu não tô falando de ti. Pelo contrário, não tinha nem lido tua review quando eu fiz esse comentário. Foi bem mais direcionado pro Diogo do que pra você.

  • Lucas

    Parabéns pelas reviews e pelo tempo que se dedicou. Eu concordo sobre o saldo ainda ser negativo. Acho que os personagens não foram os melhores, a edição pecou bastante na previsibilidade (como assim Kristie não era uma escolha previsível pela edição? hehe desde Phoebe eliminada achei que ela ia ganhar), 24 participantes é um exagero, dentre outras coisas. Mas o potencial pra melhorar está ali.
    Ainda bem que Lee não ganhou e eu concordo com o discurso do Nick, pode até ser que tenha sido pra se aparecer, mas foi o único que falou sobre a hipocrisia de Lee.
    Por mais que eu tenha gostado da Kristie vencendo, acho que as decisões dos episódios anteriores foram bem erradas. Ela escolheu depender de uma prova de imunidade contra 2 dos mais fortes competidores. Deu certo no final, mas ela não precisava ter corrido esse risco.

    • Sobre o discurso de Nick eu realmente tenho a impressão de ter sido forçado e caricato, mas a hipocrisia de Lee também foi muito bem exposta pela JL.

      Foi exatamente esse o motivo de Kristie ter ganhado, ter sempre escolhido o caminho mais dificil e ter sido bem sucedida nele. Se o seu objetivo no jogo era realmente eliminar todos os Vavaus e todos os Saanapu antes de Lee e El que eram originalmente Aganoa, conseguiu mais uma vez se destacar. Ela realmente tem todos os méritos como campeã.

      Mas é aquela coisa, nem tudo que aconteceu foi realmente mostrado pela edição. Ou Kristie mentiu muito bem sobre sua estratégia ou a edição fez favor de escondê-la. De qualquer forma, vitória mais do que merecida!