American Horror Story: Roanoke 6×06: Chapter 6

72
5161

Há seis anos, American Horror Story estreou na televisão com uma proposta ambivalente, de recuperação do gênero do horror e de experimentação da dramaturgia antológica. Ryan Murphy queria contar histórias fantásticas e elegantes usando o imenso apelo visual do gênero e variar seus temas ao máximo, usando sempre a mesma trupe de atores… Essa era a “companhia de teatro” dos sonhos de qualquer ator. E embora ninguém pudesse garantir que a coisa toda daria certo, era um passo ousado e empreendedor para o cenário vigente.

De lá pra cá passamos por um sanatório, um clã de bruxas, um circo de horrores e um hotel. Ao que tudo indicava, a sexta temporada seria nada mais nada menos que um novo ciclo, tomado daquele velho conhecido trabalho de marketing, que é um dos maiores e mais eficientes da TV americana. Porém, a chegada do ano seis foi tomada de mistérios e isso só aumentou ainda mais o interesse do público. O que Murphy queria com isso era tirar o show da zona de conforto, interromper a rotina natural do espectador e reproduzir uma história complexa e absolutamente desafiadora. Roanoke é uma temporada sobre uma lenda e que tridimensiona o que a palavra “metalinguagem” quer dizer.

“Reality” Com Aspas em American Horror Story: Roanoke

Quem assistiu os filmes ou leu os livros de Harry Potter, sabe que o grande vilão da trama, Voldemort, também era chamado de Tom Riddle e que há uma “lenda” de que o túmulo do cemitério de Greyfriars Kirkyard, em Edimburgo, com o nome de Thomas Riddle, seria de fato o túmulo de alguém que inspirou o personagem. Porém, esse é o mínimo detalhe acerca desse cemitério, que é conhecido como o mais assombrado do mundo. Estima-se que pelo menos 450 incidentes foram documentados entre os visitantes, com direito a mais de 140 registros de desmaios e dezenas de pessoas alegando que tiveram ossos quebrados enquanto estiveram dentro do local.

A situação foi se tornando tão alarmante que a prefeitura da cidade precisou fechar o cemitério por algum tempo, já que até mesmo a morte de um médium e de pesquisadores que passaram algum tempo por lá foram atribuídas aos fenômenos do local. Em um cenário ideal – e jamais saberemos porque esse cenário nunca foi estabelecido – Greyfriars Kirkyard seria o sonho de qualquer produtor que pretendesse produzir um reality em que pessoas ficassem a mercê desses eventos inexplicáveis. Essa é uma premissa rentável, eficiente e perfeita para virar lenda. Assim como Roanoke acabou se tornando.

O produtor Sidney, vivido por Cheyenne Jackson, começa o sexto episódio dessa temporada indo vender uma ideia para os executivos do canal que acabara de exibir My Roanoke Nightmare. Toda a conversa está cheia do jargão televisivo que nós conhecemos tão bem: números, anúncios, estimativas… O roteiro sabe do que está falando e nesse pedacinho antes da vinheta, faz com que tudo que vimos até aqui sofra uma reviravolta sem precedentes. O “programa” visto durante os cinco primeiros episódios acabou e a narrativa quebrou a “quarta parede” para mostrar o que My Roanoke Nightmare provocou no mundo “real”.

Por causa de todas as declarações de Murphy a respeito (que ele não precisava ter feito), já era possível prever que esse seria o caminho. Contudo, essa virada pode oferecer até o final, um monte de possibilidades que virão e serão parte da imprevisibilidade que ronda esse ano. O resultado foi mesmo impressionante… Em 40 minutos a série revirou a própria raiz dramatúrgica e reconfigurou sua mitologia de modo a poder se divertir plenamente com essas novas camadas. Ou seja, Lily Rabe vive um personagem e seu personagem é vivido por Sarah Paulson, que por si só vive – além desse – outro personagem, que é ela mesma, a atriz do papel anterior. Percebem o número de camadas? E o que a nova temporada de My Roanoke Nightmare faz é pegar todas essas versões e colocar todos juntos numa mesma “aventura”. É como se aquela casa fosse um castelo de metalinguagem no mais absoluto nível.

Reality Sem Aspas em American Horror Story: Roanoke

E é divertido, ninguém pode dizer que não… Vimos Kathy Bates viver a Açougueira por cinco episódios e agora vemos Kathy Bates viver a atriz por trás dessa interpretação, uma atriz decadente, canastrona e cheia de clichês sobre como interpretar e “humanizar” uma personagem. Sarah Paulson também ilumina tudo quando entra em cena, vivendo dessa vez uma mulher feliz. A atriz inglesa que NADA se parece com Shelby – mas não a Shelby real – e sim a versão que Audrey (a atriz inglesa) tinha dela. É complexo, ousado, inteligente e imensamente divertido observar, desvendar e acompanhar todas essas camadas. Sobretudo porque Roanoke  até agora é a temporada mais organizada, planejada e enxuta de toda a história de American Horror Story.

Basta ver como até mesmo um único episódio consegue manter sua narrativa em esferas específicas. Durante os cinco primeiros vimos o documentário e os roteiros não desviaram disso em momento algum. Agora, já no capítulo 6, o episódio passou seus primeiros 20 minutos montando o reality e os outros 20 minutos apresentando as tensões que culminariam com o novo pesadelo televisionado. Tudo sem aquela tradicional edição anárquica do show, que ainda considero maravilhosa, mesmo tendo sido sempre tão criticada. Roanoke é uma temporada de transgressão ao modelo estabelecido e faz sentido que a estrutura desrespeite as próprias origens.

Diante desse formato, as possibilidades não se findam. Podemos estar realmente diante de um material verídico sobre mortes inexplicáveis, mas esse também pode ser apenas outro embuste do canal, usando da mesma gênese mercadológica que promoveu o primeiro A Bruxa de Blair. Não se pode ter nenhuma certeza de que dessa vez estamos diante da verdade e isso também é sensacional, isso também se relaciona com o plano desse ano. Nossas expectativas aumentam e a excitação é 100% positiva… Queremos saber quem aparecerá interpretando a bruxa da floresta (já que Gaga acabou sendo a atriz por trás dela), se Kathy voltará como a Açougueira de alguma maneira, quem aparecerá como Edward, como os Polks… Será que Lee, Shelby e Matt contaram a verdade? Será que o agora é o real ou o real ainda está por vir? São TANTAS perguntas deliciosas e quatro episódios pela frente para respondê-las sem pressa e sem digressão.

A reunião de todos os elementos na casa já adiantou como tudo isso será empolgante. Atores zombam das “pessoas reais”, as “pessoas reais” se ressentem de como foram retratadas e os fenômenos passam por dois crivos: o da paranoia e o da recorrência. É impressionante que Matt, Lee e Shelby tenham topado aquele pesadelo todo novamente e é incrível ver já nas enfermeiras assassinas um exemplo de como “versão” e “realidade” se confrontarão a partir de agora. As que mataram Rory (em busca do R) eram bem mais assustadoras, assim como o homem que surge atrás de Lee e assim como o Pig Man  que surpreende Audrey. Metalinguagem, horror, referenciação… Roanoke é uma das histórias mais completas que Ryan Murphy já levou para a TV.

Por fim, ainda terminamos o episódio com a pergunta que vamos passar o resto do tempo tentando responder: quem não morreu? Se já não bastasse todo o sortimento de possibilidades interessantes, ainda temos o bônus da especulação saudável. Minha aposta é em Audrey, porque, enfim, Sarah Paulson nunca morre no show (não totalmente).

American Horror Story sempre foi um orgulho para mim e Murphy só me provou que não há fronteiras para o quanto sua arte está interessada em relevância, ousadia e contemporaneidade.

> Quem o Negan vai matar em The Walking Dead?

Roanotes: Sensacional que o episódio tenha começado dizendo que My Roanoke Nightmare teve mais audiência que Empire e The Walking Dead.

Roanotes 2: O roteiro deu uma aproveitada para cutucar os programas documentais do gênero do terror e insinuou que vários deles podem ter sustos armados.

Roanotes 3: Kristin dos Santos, velha conhecida das notícias sobre TV, fez uma ponta entrevistando a “verdadeira” Lee.

Roanotes 4: A atriz que interpretou a assistente de produção Dianna eu conhecia de The OC. Ela namorou o Ryan e parece que não envelheceu um só dia.

Roanotes 5: Agnes diz na entrevista que só há dois grandes personagens a serem interpretados por uma mulher: Mary Tyrone e The Butcher. Claro que é uma comparação esdrúxula, porque Mary Tyrone vem de um espetáculo que venceu o pulitzer e está sendo vivida no teatro, atualmente, por ninguém menos que Jessica Lange.

Roanotes 6: Murphy tão antenado que até o Pikachu fez uma ponta.

Roanotes 7: Há humor nessa temporada, talvez mais que em qualquer outra. A cena da gravação da ligação de Audrey para a polícia porque Agnes estava tentando invadir sua casa para roubar seu prêmio foi bem engraçada. Agnes queria roubar o trofeu de Audrey, um troféu tão esperado e merecido… Acho que Sarah também não deixaria isso acontecer, rsrs.

Roanotes 8: Episódio dirigido por Angela Basset e com todos os louvores.

  • ♚ Lena

    – O fato de Mary Tyrone ter sido mencionada pela atriz que faz The Butcher, talvez, seja a pista de que Jéssica Lange é quem fará a serial killer de Roanoke na segunda fase. Será?
    – Acho que quem sobreviverá será o Maaaaaatt, pela ligação com o espírito da floresta. Porém, acho que seria lindo se ficassem só as duas Shelbys pra decidirem quem é a Final Girl.
    – Acredito que Lee esconde um passado mais obscuro. Ela pode ter sido, sim, a assassina do marido. Veremos… E espero que expliquem a história de sua outra filha, Emily. Lee não é boa bisca!
    – Da mesma forma, achei que esse segundo Mister Pig (Pig Man) é real, é alguém vivo. Talvez um fã do mocumentary, a ser vivido por Finn Wittrock. Embora ache que seria lindo Finn interpretando o “fantasma” do antepassado de seu personagem em Freak Show.
    – O que foram aqueles efeitos especiais? Kkkk
    – Só aguardando pra ver os Polks “reais”… Medo!
    – Ah, por último, se é pra especular: acho que Taissa Farmiga fará a personagem correspondente à da Lady Gaga.
    – Nota triste: as participações de Evan Peters, Wes Bentley e Denis O’Hare se resumiram ao que já vimos? Logo eles que estão no elenco principal… Neste sentido, achei estranho a atriz que faz a “Lee real” ser apenas convidada.

  • Bel Ribeiro

    Mais quatro episódios nesse nível e poderemos aposentar o “Asylum foi melhor”.

    • Bel Ribeiro

      Ah, e CASA COMIGO, SARAH PAULSON?!

      • ♚ Lena

        E Evan Peters comigo? Adorei a ideia!

    • vai virar tipo “qual geração de Skins foi a melhor” hahaha

  • Hélen Ívina

    A Taissa Farmiga estava no episódio mesmo? Será que ela é a bruxa verdadeira ou a Priscila? Eu acho que quem vai sobreviver é o Matt verdadeiro pela ligação com a bruxa, ela tem afinidade por ele.

    • Kaique Barros

      Também acho. Trepadinha salva vidas.

  • Minha cabeça explodia a cada minuto desse sexto episódio. Até agora, quando paro pra pensar no que vi, entro em êxtase e não consigo nem me expressar. Vivi e estou vivendo o clássico “não sei mais o que dizer… só sentir.”

    Quando o episódio episódio terminou, imaginei: “O Henrique deve estar ainda mais orgulhoso de titia após esse episódio…”

    E após ler sua review confirmei esse orgulho e admiração, e de brinde identifiquei tudo o que eu adorei nesse episódio, além de perceber meu corpo preparado para o restante dessa temporada excelente! Obrigado a todos os envolvidos!

    • henriquehaddefinir

      Hahahhaha Isso mesmo Luis, eu fiquei muito orgulhoso.

  • Allan

    Tem um filme do Halloween que a premissa de reality show dentro da casa é parecida. Acho que se inspiraram no filme. Acho que foi o H20 não lembro qual.

    • Lucas Reis

      Halloween Ressurreição de 2002, que conta ainda com uma ponta de jamie Lee Curtis.

  • Lara

    Quando o Mason morreu ainda não tava na lua de sangue, logo não foram os espíritos que mataram ele.

    • Kaique Barros

      Mas as terras são banhadas em sangue, qualquer um que morra por lá fica perambulando por lá.

      • Mas não foi morto pelos espíritos.
        Claro, pode ter sido pela família bizarra.

    • ♚ Lena

      foi a Lee…

  • Bruno

    Esse episódio (e essa temporada como um todo) tá sendo uma das coisas mais incríveis que já assisti na tv! Mas se eu fosse o Ryan, eu teria colocado a Gaga de volta fazendo ela mesma (como se a Lady Gaga de verdade tivesse atuado em my nightmare roanoke) e morrendo. Sério, seria incrível!

    • Paulo Barcellos

      Ainda pode fazer isso, não duvido que faça, inclusive.

  • João Pedro

    Ainda estou digerindo tudo que vi nesse episódio… desde a season 2 não me empolgava tanto com a série e minha expectativa agora encontra-se muita alta. Ansioso para os próximos episódios o.o /

  • Diego Fernando

    Ótima Review. Não achei o twist tão sensacional como prometido, pelo que li no grupo e página do facebook já teorizavam o retorno do elenco e das pessoas “reais” ao local. Especificamente Matt, espero que tenha um bom motivo, já que os de Shelby e Lee em minha opinião não foram fortes o suficientes pra justificar a volta ao local em que quase morreram (racionalmente é algo insano, ninguém voltaria em um local desses, mas é o show então entendo). Por fim, tenho que ressaltar que embora não tenha achado a reviravolta tão incrível, o episódio em si continua brilhante, quase cai do sofá quando o Pig Man e as Enfermeiras apareceram, Foi sensacional o tom debochado dos atores em relação a história, principalmente em relação ao personagem da Sarah Paulson, ela é demais. A season tem tudo pra ser a melhor até agora, que continue assim, ansioso pra ver quem interpretará a real Açougueira e a bruxa da floresta.

  • Emerson Souza

    Minha aposta de quem sobrevive é a Shelby (Lily Rabe), a Shelby e a personificação da “Final Girl”. E a Lily nunca sobreviveu em AHS! Mas quem eu quero que morra é o Sidney e que seja a pior das mortes!

    • Acredito que seja a Lee. Sempre há uma “redenção” na série. Ela é a bêbada, a assassina, a má. Merece. Em segundo lugar, também acho que a Shelby mereça.

  • Juliano Guilherme

    Achando um escândalo de boa esta temporada. Acho que esta season funcionariam melhor no esquema netflix de tão boa que está. Assistiria tudo de uma vez. Agora só me resta perguntar: qual será a prometida ligação entre as temporadas na série e o que será que irão introduzir que terá ligação com a sétima temporada conforme prometido?

  • Igor

    Acho que se for a personagem da Sarah que vá ficar viva vai ser meio óbvio. Creio que não será ela, apesar de que é a personagem que mais gostei dos que apareceram na “segunda temporada” do programa.

  • Lucas Rodrigues

    Não entendi a motivação dos personagens reais em voltarem à casa. E qual a explicação dos espíritos, agora, aparecerem de verdade nessa casa, mas quando os atores estavam gravando o My Roanoke Nightmare eles não terem aparecido (pois tudo aquilo era efeito)? Achei o episódio mais fraco da temporada, e já esperava que todo o hype que Ryan causou não iria condizer com o plot twist da temporada, que ficou bem previsível no fim do ep 5.

    • dilds

      pq eles gravaram longe do periodo da “lua sangrenta”. E talvez fora dele, as aparições sejam bem mais sutis (levando em conta que algumas partes foram mentidas/exageradas no programa de reconstituiçao).

      • Lucas Rodrigues

        Por mais que as aparições sejam mais escassas fora do periodo da lua sangrenta, elas não se tornam nulas..

        • dilds

          nao nulas, mas no meio de uma equipe gingantesca com gente CARACTERIZADA como as assombraçoes, normal que elas passassem batido

      • Talvez mentidas e exageradas. Talvez. Porque as enfermeiras foram exatamente iguais. Aliás, as que apareceram são bem piores!

    • Kaique Barros

      A Lee volta para “provar” que ela não matou o marido e pra tentar desmascarar algo relacionado a Shelby, que briga pela guarda da garotinha. A Shelby voltou pra tentar reconquistar o MAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAATT, e o Matt (deixou a entender) que voltou pois há uma clara mentira entre os três, e ele não quer deixar os outros dois estragarem. O elenco do My Roanoke zoa o tempo todo os sobreviventes, logo eles não acreditam na história, até que: MURDE – R

      • Lucas Rodrigues

        Até entendo que os atores do My Roanoke Nightmare podem voltar numa boa, mas os sobreviventes, Shelby, Matt e Lee reais, não voltariam pra lá em plena lua sangrenta pra resolver conflitos

        • Acredito que sim. Todos os personagens perderam a sua motivação. Já eram solitários antes. Não têm nada a perder. Procuram a si mesmos.

          • ” Não têm nada a perder.” – A vida? A Lee tem a Flora. A temporada tá ótima, mas não faz o menor sentido o trio de personagens reais voltarem para a casa.

    • Igor

      Sim, por melhor que a temporada esteja não da pra negar quão forçado foi o fato deles voltarem a casa. A motivação deles não irem embora na primeira parte da temporada eu até entendi, afinal eles tinha que encontrar a Flora, mas ,se tudo que eles contaram era verdade, não faria nenhum sentido eles voltarem para a casa.

    • henriquehaddefinir

      Os fantasmas não apareceram durante as filmagens por causa da época. Isso foi dito no episódio.

  • dilds

    a kathy bates merece todos os premios por ter transformado a figura sinistra da açougueira numa coisa cômica com os ataques psicóticos dela, ela roubou 100% pra ela a cena nesse episodio, e a Agnes ja virou a figura mais interessante disparado.

    Eu nao ficaria esperando algum dos atores prometidos tipo a taissa façam um personagem “correspondente” aos que ja vimos. Os fas de ahs teorizam coisas muito obvias, nao aprendem hahahaha tipo achando que o Evan Peters seria o Pigman, quando ele apareceu sendo outro personagem totalmente novo.

    O motivo do matt e da shelby voltarem pra la (O Matt nem tinha um) realmente nao colou. Ele viu a palavra das enfermeiras se formando na parede, logo…o que ele contou, pelo menos sobre elas, era verdade. E ainda assim ele volta pra aquela casa pra dormir sozinho, passar alguns dias…o problema dessa temporada ate agora tem sido tornar plausível o matt e a shelby continuarem la. (nao, nem se compara com a Vivien e o Ben em Murder House…aqui eles continuarem na casa soa um absurdo muito maior).

  • Marcelo

    Sem palavras pra essa temporada, simplesmente maravilhosa <3
    Também aposto que Audrey é quem fica viva.

  • Jaime Guimarães

    Uma temporada sobre um documentário sobre um reality show acerca de um documentário sobre um fato real. Estou amando.

    • ♚ Lena

      Muitas camadas! Mais até do que a cebola do Shrek!

  • Kaique Barros

    Alguém mais percebeu que quando a Audrey e o Rory estão na banheira entes de chamarem por eles a casa da pra ver ao fundo um monte de tochas, como se fosse a açougueira e sua turma?

    • Allan Fábio Carnaúba

      Percebi a mesma coisa, mas só notei na hora que o Rory está sozinho na banheira, prestes a sair.

    • Gustavo Nagipe

      Gente, eu não tinha visto isso quando assisti e fui lá ver agora. Arrepiou até o último fio de cabelo. Ansiedade a mil pro próximo episódio.

  • Allan Fábio Carnaúba

    Desde Asylium não me empolgava tanto com AHS. Temporada ótima.

  • Junito Hartley

    Essa temporada é sem duvida é top 3 de AHS, so que esse episodio foi meio broxante, ate da pra relevar os atores voltarem pra casa, ja que pra eles aquela historia toda é mentira, agora os “atores reais” voltarem depois de quase morrerem e passar por todo aquele inferno é muito forçado, nao tem desculpa pra voltar pra um lugar daquele. Acho que a pessoa que sobrevive é a Lee, ja que ela tem a fama de ter matado o marido, dai ela vai ficar com a fama de ter matado geral.

    PS: A açougueira como ficou provado da Kate era tambem uma atriz, ai ela fica andando pelo terreno da casa de boa assustando, os fantasmas deram carta branca pra ela? kkk

  • Ricardo

    Foi mal, mas a não ser que tenha uma reviravolta no final, não entra em minha cabeça os verdadeiros matt, shelby e lee voltarem para casa.
    Acho que não existiria motivo nenhum que faria eles voltarem, e o que foi apresentado chega a ser ridículo

    • Isabella

      Eles voltaram porque acreditavam que não passariam por todo aquele terror novamente, já que tinha muito gente envolvida além dos colegas dentro da casa, tinha todo o pessoal da produção e dezenas de câmeras filmando cada espaço da casa. E, claro, um contrato milionário, afinal, pra muita gente, o dinheiro fala mais alto. É o que eu pensei assistindo ao episódio, mas concordo com você, eu não voltaria nem a pau pra uma casa assombrada depois de ter passado por tudo aquilo

    • petunia

      Não tem sentido nenhum eles voltarem. Assim como não tinha sentido nenhum quando eles continuaram na casa depois de quase serem mortos várias vezes.
      Mas, como foi comentado na resenha, talvez Matt, Lee e Shelby não tenham contado toda história verdadeira e tenha algum motivo pra voltarem lá….algo que ainda não sabemos. Torço pra que seja isso.

  • vinland

    Foi essa a grande reviravolta que o Ryan M prometeu ????? Que merda ! O velho truque de marketing para alavancar a audiencia, e segurar o telespectador, que infelizmente vivemos caindo. Bem desonesto esse tipo de Marketing. Nao teve nada demais esse episodio.

    • ♚ Lena

      O que você queria?

      • vinland

        Tipo, qual foi a reviravolta que ia deixa o publico chocado ????????? Nao entendi essa declaraçao. Nao aconteceu nada no episodio, a nao ser aquele moleque morrer no final. Nao aconteceu nada demais, os outros episodio foram melhores que esse, que eles fizeram suspense. Sem falar que as desculpas pra cada um deles voltar pra casa, foram bem esfarrapadas. Nao que achei ruim o episodio, essa temporada estou achando a 2 melhor ate agora, mas nao precisava usar esse artificio desonesto pra chamar a atençao da audiencia. Acho que AHS nao precisa disso.

  • alexandre12000

    Ué, mas foi uma grande reviravolta sim. Se era algo já esperado ou não, não é a questão. Mas Ryan cumpriu o que ele disse, a história, a narrativa sofreu uma reviravolta brusca! Aquilo que a gente estava assistindo, não era realmente o que estavamos assistindo. Reviravolta maior que essa?! Não confundam reviravolta com surpreender, até pq Ryan deixou dicas como ele sempre costuma deixar.

    • ♚ Lena

      também acho que teríamos tomado um susto maior se Ryan Murphy não tivesse dito nada a respeito do episódio 6, por outro lado, como tem tanta gente que faz mimimi e diz que não entende nada quando as coisas não são mastigadas… entendo a decisão dele! a surpresa não foi a mudança, mas os novos personagens! grandes interpretações, grandes personalidades e uma nova dinâmica, com ainda mais mistérios! tudo o que sabíamos até agora será colocado em xeque: disseram a verdade? quem sobreviveu?

    • Walber Lima

      Verdade, o problema foi ele ter feito esse alarde msm, e as pessoas criarem expectativas. O segredo do sucesso para tudo é não criar expectativas.

      E falou certo, reviravolta no roteiro não é sinônimo de surpreender viu gente.

  • Rodrigo Tannuri

    Repito: pra mim, essa temporada esta entre as três melhores do show, mas esperava muito mais desse episódio. Tomara que tenha sido apenas um desvio no bom caminho que a série estava trilhando.

  • vitor

    Tá incrível. Coven, Freak Show e Hotel são uma cagada
    Mas essa temporada tá muito boa, muito diferente das últimas três temporadas
    Tá assustador tá tenso tá tudo de bom

    • ♚ Lena

      Freak Show é a temporada mais poética. O “horror” é em relação à maldade humana. Basta se colocar no lugar de quem sofre por “ser diferente”, pra ver o quã profunda e maravilhosa é essa temporada. Poética!

      • dilds

        A mais poética e a mais carente de narrativa hahahaha

        mais de 50% da trama era preenchida por cenas pointless dos personagens do Denis O’Hare e da Emma Roberts IMAGINANDO como seria matar os Freaks (perdi a conta de quantas vezes a Ma Petit morreu) e números musicais.

        Um time de vilões fraquíssimos e desinspirados que não botavam medo (e tampouco conquistavam pelo carisma, como foi o caso de alguns) não ajudou em nada.

        Cenas gratuitas jogadas só pra ressoar com a temática, que apesar de bem rica e cheia de potencial, foi mt mal executada. O mesmo serve pra anterior e pra seguinte.

      • vitor

        você já pensou que Asylum era a mesma coisa e com uma história muito superio? (as duas temporadas mostram o ser humano na sua forma mais frágil, mas claramente uma é superior a outra) Tipo MUITOOOO superior. Freak Show não fazia sentido muitas vezes e só queria chocar por chocar

  • Isabella

    Quem sobrevive é a K Bates, to achando.
    Ou o Matt pq teve uma ligação com a Bruxa da Gaga, afinal ela tava querendo um boy magia pra ficar com ela pela eternidade rsrsrsr
    Ta bem massa essa tp de AHS. A tempos que nao assistia um ep sem dar aquela cochilada marota no meio.

  • Wagner Martins Moreira

    As vezes eu queria nascer uns 3 mil anos pra frente pra tentar a sorte de não ler tanta asneira. Tem gente que não entende a série e vem vomitar aqui!

  • Camila

    Que temporada maravilhosa e que episódio maravilhoso! Shippo muito Audrey e Rory.

  • Danielle Santos

    Está temporada está muito boa!! Vc fica tensa, curiosa e ansiosa… não acredito que os verdadeiros Matt Shelby e Lee voltaram, tem que ter uma explicação melhor!! Rip Rory

  • Realmente, desde o primeiro episódio, estou com essa sensação de temporada mais organizada também, e acho isso ótimo, porque, afinal, não impede o programa de ser bizarro, cruel e todos os seus outros adjetivos.

    Esse foi um dos melhores episódios da série, gosto dessas investidas em metalinguagem, que o Craven sempre propunha em seus filmes. Minha única ressalva é quanto as motivações que as pessoas “reais” utilizaram para voltar à casa, mas acho que isso será explicado depois.

    Enfim, ótimo texto, não estava tão empolgado nos primeiros episódios, mas agora estou totalmente.

    • ♚ Lena

      Na minha opinião, parece que a temporada está mais organizada porque ela está contando UMA história. Diferentemente da quinta, #Hotel, que atirou pra todos os lados e não chegou a lugar nenhum.

  • O legal da gente saber que só vai sobrar é que da um ar de Reality Show com eliminações mesmo.

    • E eles ainda citaram Big Brother, né? haha bem esperto fazerem isso.

    • ♚ Lena

      É a dinâmica do reality show conciliada com a premissa básica dos grandes filmes de terror.

  • Matheus

    Ryan Murphy ensinando pra Globo como se faz um “reality de horror/terror”, sem sair forçado rsrsrs…
    Brincadeiras a parte esse ep. foi maravilhoso, a princípio tive um pouco de estranhamento, mas depois foi bom ver essa “mudança” de ambiente. O mais legal é que você não sabe se tudo o que você viu é real ou não, se Matt, Shelby e Lee estão mentindo ou contando a verdade.
    Pelo jeito nessa temp. o Ryan percebeu que menos é mais, é melhor focar em uma só trama e explorá-la ao máximo, do que jogar um monte de histórias que se mostram confusas durante a temp.

    PS1: Sobre a “verdadeira” Açougueira, pode ser que seja a Mare Winningham (sei lá, ela têm cara de açougueira), ou a própria Lange (Alice Tour) pode aparecer.

    PS2: A bruxa da floresta acho que vai ser a Taissa, o Ryan já confirmou ela na trama e disse que ela teria relação com o personagem do Finn, que pode ser o filho da açougueira…

  • Clébio Cabral

    Não estou me lembrando da participação do Pikachu!!!!
    Essa temporada não terá 13 episódios?

  • Samantha Pistor

    Essa temporada de AHS foi um presente para todo e qualquer fã. Asylum perdeu a posição de favorita para mim. Essa plot é muito mais complexa, amarrada e bem escrita.

    Mas vamos lá: era óbvio que eles precisavam arrumar um motivo para os personagens “reais” voltarem para a casa, mas achei a omissão de explicações desnecessária. Po, eu sei que sou advogada e tals, mas não poderiam ter usado o contrato? Tipo, os participantes assinaram sem ler e são obrigados a gravar por tanto tempo, sob pena de processo que eles não possuem como pagar… uma explicação dessas é bem mais plausível do que “ah, vai ter gente, então podemos voltar numa boa”.

    Entendo que a ideia era os personagens voltarem para haver uma possibilidade de fraude, mas… não colou.

    Tirando esse detalhe menor, magnífico. Eu desconfiei no começo que aquilo já era o RS gravado por conta dos piii, mas ainda assim, foi tudo muito chocante. E a possibilidade disso não ser real é deliciosa. Amei todas as temporadas de AHS, salvo a quarta, mas nenhuma me fez eu me sentir assim

  • João Carlos

    Essa temporada esta diferente das outras e de uma forma boa. A interaçao com os atores e as pessoas que eles interpretaram foi demais.

  • Anderson Tomaz

    SUCESSORA DE ASYLUM BICHOOO

    ROANOKE PRINCESINHA, ASYLUM RAINHA

  • Walber Lima

    Se não derrapar no final como Freak Show, em minha opinião vai ser a melhor temporada da série.

    Povo falou demais aqui né, Lily Rabe não ia ficar só no documentário, que aliás deu um show, voltou e que atriz, o elenco feminino dessa série é um dos melhores que uma série poderia ter. Lily Rabe + Sarah Paulson é perfeição demais.

    Os motivos para os 3 voltarem não foi tão convincente mas ao mesmo tempo foi, $$$$$$$ sempre fala mais alto, eles sobreviveram mas ficaram muito danificados depois de tudo que ocorreu então normal estarem daquele jeito e sem um possível apego para viver, Matt e Shelby ainda se separaram e Lee faz sentido querer provar sua inocência.

    No mais, temporada espetacular, seria incoerente se o que mostrasse no documentário não fosse real, já que tem toda a ‘mitologia’ que o mundo da série permite. Particularmente achei genial esse capítulo, a ideia do documentário e o pós documentário em colocar atores e as pessoas reais inspiradas. Fora que se eu fosse ator jamais ia acreditar nessa historia rsrs.

    Torço para Lily Rabe ser a Final GIrl, até pq Sarah Paulson já sobreviveu demais, e em Hotel ela já começou morta…