American Horror Story: Roanoke 6×04: Chapter 4

47
4290

Dois momentos do episódio passado de American Horror Story:Roanoke se correlacionam para mim de uma forma especial: a personagem de Gaga na floresta e a imagem avermelhada da lua. Se elas duas se correlacionam completamente é impossível dizer por enquanto, mas sem dúvida há algo de unificado na forma como certas forças se manifestam dentro daquela dramaturgia. Por trás da modernidade midiática proposta pela existência do “documentário”, há uma série de referências míticas que vão se tornando cada vez mais interessantes.

O quarto capítulo dessa temporada esteve situado bem naquele ponto em que tínhamos o clássico evento de Halloween. Dessa vez o conceito tem outro nome, mas o efeito é o mesmo. Nos seis dias do mês de outubro que antecedem a lua cheia, o véu que separa o mundo dos espíritos do nosso é derrubado e as interações se tornam mais intensas. Em localidades como aquela, especialmente, a intensidade das manifestações é ainda maior. Assim, tivemos um episódio de convergência, daqueles que fazem com que American Horror Story seja ainda capaz de nos arrancar da cadeira.

Seguindo a ideia de que a cada episódio uma correlação com outros anos é feita, o capítulo 4 nos trouxe essências de Murder House, Coven e Hotel em abundância. Lindamente escrito por James Wong (nosso velho conhecido dos episódios de Halloween), o capítulo unificou-se ao da semana anterior na busca pelas respostas que virão para nos derrubar no episódio seis. A tumultuada história da colônia encontrou a tumultuada história da personagem de Lady Gaga, que anda sendo chamada de Bruxa da Floresta e já é uma das presenças mais marcantes desse ano.

O episódio começou trazendo Elias de volta, numa sequência assustadora do PigMan. Já devo ter mencionado que a lenda do Piggy Piggy nasceu por conta de um açougueiro de Chicago e o fato da personagem de Bates ser chamada de “açougueira”, nos leva até uma dessas ligações provocativas do roteiro. A constante aparição de porcos mortos desde que a temporada começou é uma clara referência a forma como o animal passou a ser associado a forças demoníacas quando o cristianismo invadiu o mundo. A simbologia envolvendo porcos é muito presente na nossa cultura das maneiras mais negativas e se AHS trata de cultura enquanto emoldurador de aspectos imagéticos, faz todo sentido que eles estejam ali.

É muito interessante notar como a série conseguiu criar uma rede de aspectos mitológicos que se autoreferenciam o tempo todo. Nos flashbacks que nos revelaram o destino dos colonos de Roanoke, vimos a maneira como a Açougueira planejou a morte dos seus e a própria morte no intuito de permanecer naquela terra eternamente, o que não deixa de ser um reforço do que AHS vem nos dizendo desde a Season One. E no que diz respeito ao papel da personagem de Gaga nisso tudo, os detalhes só vão deixando a coisa toda ainda mais interessante.

american-horror-story-circe

Acima temos uma foto da deusa mitológica Circe, filha de Hécate e Eetes, conhecida como a Deusa da Lua Nova e chamada de feiticeira por usar poções e feitiços para obrigar os outros a fazerem sua vontade (vale lembrar que foi com um veneno que a Açougueira matou toda a colônia e que foi um pó branco quem deixou Cricket cego no encontro da floresta). Circe também é conhecida como a “deusa do amor físico” (o que Matt pôde conferir muito bem) e era constantemente amaldiçoada por transformar os homens com quem ia para cama em porcos. Ela era soberana do povo Cita, mas cometeu tantas atrocidades e crueldades que foi banida para a ilha de Ea, que tinha terras banhadas de uma luz fúnebre, o que acabou por adicionar aos títulos da deusa, as palavras: deusa do horror e da morte.

Horror e morte foram coisas que vimos muito nesse episódio. Disse nas primeiras reviews que o terror estava mais presente, mas isso logo mudou. O choque visual das mortes das enfermeiras e de Cricket foi imenso. Corpos mutilados, criaturas, fantasmas, sangue, muito sangue, tudo naquela velha fórmula de horror que já é bem conhecida dos que são capazes de vislumbrar essas características em anos anteriores. AHS sempre fez horror e aqui só está honrando mais uma vez o título que carrega.

Por fim, a palavra Croatoan voltou a aparecer como uma espécie de defesa contra o ataque dos espíritos (que não funciona nesse período da Lua Sangrenta). A sequência em que vimos Flora sendo mantida junto com os desencarnados foi sensacional e acho que já é possível dizer que Priscilla pode ser sim a parte boa da colônia. Insisto na correlação entre ela e Virginia Dare, mas vamos esperar um pouco mais. Toda a ação desse quarto capítulo foi tão bem orquestrada que nem a atuação de Cuba Gooding me incomodou. De fato, ele está melhor do que em toda American Crime Story.

Minhas expectativas para o que o episódio seis vai revelar estão altíssimas. É tão instigante pensar que já vamos pro episódio 5 e nada de Evan Peters, Cheyenne Jackson… Pelo menos não claramente, explicitamente. Imaginar que teremos reviravoltas tão surpreendentes aumenta mais ainda o orgulho que tenho do show, porque ele está nos dizendo que mesmo depois de seis anos, ainda há um trabalho incrível de dedicação aos roteiros, aos detalhes, a tudo que possa continuar envolvendo e assustando os fãs. Roanoke é uma temporada de transição que mesmo tão diferente na forma, segue reverenciando tudo que o show já fez antes. Pensar sobre American Horror Story é pensar em todo esse universo sensacional criado por ela e que vai se unificando e se expandindo a cada ano, de modos inspirados e transgressores, que resultam naquela que é, sem dúvida, uma das mais poderosas obras de cultura pop que o mundo já viu.

  • ♚ Lena

    Minha sensação neste episódio foi de penúltimo capítulo! Será que no quinto episódio (metade da temporada) a trama será encerrada e o divulgado grande twist será um recomeço? Será que os atores do elenco principal que ainda não apareceram serão responsáveis pelos cinco últimos episódios?

  • Gustavo

    Um episódio excelente, nada me deixou insatisfeito. Sinceramente desde asylum que eu não me empolgava tanto com uma temporada da american horror story, as últimas temporadas eu tinha largado de tão ruim que eram, mas se essa cotinuar nesse ritmo vai acabar se consagrando como a melhor temporada da série. E eu to tão ansioso pra ver as reviravoltas acontecerem pqp…

  • Johann

    Achei a voz do entrevistador do “documentário” MUITO parecida com a do Evan

    • Walyson Morais

      Sim, desde a quebra no episódio anterior que também notei isso…só me faz acreditar que o twist do episódio 6 será relacionado a esses “bastidores” do documentário.

    • Isabella

      Eu também acho que a voz a dele.

  • Marcos Bastos

    Amei a ligaçaozinha com Freak Show, mesmo que pequena. Até então não existiam conexões entre o universo de Asylum-Freak e o universo Murder-Coven-Hotel. Essa temporada interliga tudo.

    Acho que o Cheyenne é o cara atrás da câmera do documentário.

    • Autran Kevinlyn

      “Até então não existiam conexões entre o universo de Asylum-Freak” é só lembrar do episódio 4×09-Orphans, no qual Elsa devolve Pepper à irmã mais velha, essa a incrimina pela morte de sua filha e Pepper é levada ao Briarcliff.

      • Igor

        Ele quis dizer que as histórias do passado (Asylum e FS) nunca tiveram uma ligação com as contemporâneas (MH, Coven e Hotel.)

    • Autran Kevinlyn

      “e o universo Murder-Coven-Hotel” A Condessa foi se consultar durante a gravidez com o médico que morava na Murder House e a Bruxa Queenie foi morta em Hotel pela Ramona.

      • Marcos Bastos

        Eu quis dizer que não existiam conexões entre o universo das histórias do passado (Asylum e Freak) e do universo do presente (Murder, Coven e Hotel). Eu nem tinha certeza se as 5 estavam realmente conectadas. Pensava que a 1,3 e 5 era um mundo e a 2 e 4 era outro. Essa temporada deixou a certeza de que todas são conectadas, independente de se passarem no passado ou presente.

    • Igor

      A ligação com Frak Show, foi o fato do criador da casa se chamar Edward Felippe Mott?

      • Marcos Bastos

        Sim.

  • João Carlos

    Para mim nada esta decepcionando nessa temporada.

  • Antony

    Só eu me incomodei da maneira fácil que a garota Flora se livrou da colonia de mortos , a serie poderia ter criado uma maneira minimamente aceitável mas não .

  • Fabi Alves

    Gente esse ep foi babado ! O melhor até agora pra mim!

  • Lucas Araújo

    Episódio maravilhoso. Amém, Roanoke!

  • Matheus Ramos

    Essa temporada está intrigante demais, e por mais que tenha os haters de sempre, a narrativa me contagiou. Após esse ep. 4 então, minhas expectativa só aumentaram!
    E Gaga fazendo valer seu Globo de Ouro, pela temporada passada. rs

  • ♚ Lena

    O que foi aquele depoimento do cara do Uber? Do nada! Só aquilo. Só eu achei propositada e milimetricamente forçado? Aliás, ambos gatos (o depoente e o reencenado). Podiam voltar ao seriado, que eu não ia me importar. kkk

  • Autran Kevinlyn

    Henrique, apenas retificando: Wong escreveu o “Chapter 3”, pois o “4” foi escrito pelo John J.Gray, que também escreveu as ótimas finales de Freak Show e Hotel.

    • henriquehaddefinir

      Oh, sorry. Eu confundi.

  • Allan Fábio Carnaúba

    Essa temporada está sendo pra lavar a alma de todos os fans que aguentaram as merdas que foram as três ultimas temporadas. Roanoke está incrivelmente boa, lembrando os tempos áureos de Asyllum e Murder House.

    Suas Reviews estão ótimas como sempre Henrique. Vlw.

  • xtrmntr28

    tudo nessa serie eh forçado e sem surpresas! vcs são enganados facilmente…

    • ♚ Lena

      Claro que não! Por exemplo, não nos deixamos contaminar, nem enganar por seu discurso do contra! kkk

      • xtrmntr28

        que “jenia”…

    • pethy

      Tb acho!

    • Wagner Martins Moreira

      E pq assiste?

      • xtrmntr28

        parei na segunda pq ja tinha percebido toda a cagada q viria pela frente e NÃO ME ENGANEI. KKKKKKKKKKK

  • G Factor

    Essa temporada tá com um nível altíssimo, amém Roanoke! E VAI TER CONEXÃO COM FREAK SHOW AAAAAAAH
    Mal posso esperar pro twist do ep6 e aparecerem Cheyenne, Evan, Emma Roberts….

  • vitor

    Essa temporada está muito boa o terceiro e quarto episódios foram muito bons

  • Lucas

    Gostei do episódio, teve bastante horror, o que foi a cena final com aquela estripação? Que coisa horrível de se ver, mas acrescenta ao show. Tenho birra da Lady Gaga e a personagem interpretada por ela ser a mais foderosa da história toda, me irrita mais ainda. Não sei se é por isso, mas não ameei tanto assim ela estar por trás da revolta dos espiritos, sei lá, Kathy Bates tem uma presença tão mais impactante, ela ser influenciada pela personagem da Gaga não me convenceu. Essa reviravolta já acontece no proximo episódio? To com o pé atrás, a temporada tem sido tão consistente até aqui, espero que o Ryan não cague em tudo. A review sempre muito boa e informativa, sobre a deusa e tal, mas isso de AHS é a melhor obra já feita e o caralho a quatro me cansa, just saying 🙂

    • Wagner Martins Moreira

      Rainha! Aceita que dói menos. Bjs de luz!

      • Lucas

        Just to be clear, eu adoro a Lady Gaga, como cantora.

    • Guilherme

      Ter birra da protagonista não muda o fato dela ter recebido um Golden Globe por sua atuação e nem da crítica especializada ter só elogios pra atuação dela. Como é uma questão de opinião e a sua é irrelevante pro sucesso da série, ela vai continuar com o protagonismo…

      • Lucas

        Não disse que muda o fato ou que minha opinião é relevante. By the way, a sua também não faz a menor diferença.

    • henriquehaddefinir

      Lucas, leia aqui: “uma das mais poderosas obras de cultura pop que o mundo já viu”.

      “UMA DAS”. Sacou?

      • Lucas

        Foi sobre exatamente isso que eu me referi.

    • petunia

      Como atriz, Lady Gaga é uma excelente cantora =/

  • pethy

    Sinto até um pouco de inveja de quem assiste e engole aquilo tudo de uma forma que gosta e até se “assusta” com o q vê. Eu não consigo. Pra mim parece um mone de cenas amontoadas e bizarras. Só consigo pensar em o qual irreal e patético é aquele casal ainda morar naquela casa…e a cada porco estripado, homem porco com faca na mão e sexo com bruxa da floresta q aparecem me da vontade de rir.

    • Wagner Martins Moreira

      E pq continua a ver?

      • pethy

        porque eu quero

        • Guilherme

          Sua falta de cultura e inteligência fica evidente no que escreve. A série é baseada em horror e não terror. Ela tem elementos da cultura americana. Vc não assiste porque quer. Assistir porque precisa de algo pra falar mal pra poder compensar sua vida medíocre

          • pethy

            Vejo q vc se ofende com opiniões diferentes da sua. A partir de um comentário meu sobre uma série já tirar conclusões sobre a minha inteligência e cultura mostra, na verdade, a falta da sua…
            Use argumentos para mostrar q a série é boa na sua opinião ao invés de tentar me ofender. Beijos de luz :**

  • dilds

    Eu gostei do ep, mas eh a primeira vez que me incomodo com certas coisas…

    Os flashbacks de AHS geralmente são muito corridos e extremamente explanatórios, com direito a narração ate…isso tira totalmente a força que as historias/cenas poderiam ter. Mistura isso com o fato de que foi fulano contando que ciclano disse que beltrano falou tal coisa…ai piora. Nesses momentos, a estrutura da serie prejudica ela. Nao podemos ver, como por exemplo em penny dreadful, aqueles flashbacks profundos e bem trabalhados da protagonista, que realmente te imergiam na historia e faziam você se importar com a personagem, por que não ha tempo.

    As razoes pela qual o Matt e a Shelby continuam na casa (coisa q mta gente ja reclamou desde o premiere) esta o começando a criar situações forçadas também. Outro defeito corriqueiro em AHS: personagens assim, normais, são expostos a uma quantidade absurda de situações e mortes horríveis, mas encaram isso de forma banal. Em alguns momentos eh bem sacado (MH tinha uma serie de piadas em relação a isso), em outros ridículo (as suecas permanecendo no Hotel depois de achar aquela pessoa dentro do colchão). O motivo pelo qual Shelby e Matt continuam naquela casa sós e desarmados esperando o anoitecer esta mais próximo do segundo exemplo.

    • dilds

      PS: a voz do cara gravando o documentário parece a do Wes Bentley

  • Junior Menezes

    Henrique, como já conversamos noutros meios (nisso inclusos os puxões de orelha muito bem-vindos, hahaha), eu disse a você que não havia gostado tanto de Roanoke por conta de Lady Gaga que, mesmo atuando melhor que a tristeza que foi em Hotel, me incomodar como ser sempre o centro das atenções, ser a ÚNICA que é a ÚNICA e tals. Contudo, esse episódio fez o que há muito eu não sentia assistindo a uma série de horror/terror: pavor, medo, ânsia de vômito (e olha que aguentei fortemente A Serbian Film, Cannibal Hollocaust, Subconscious Cruelty, etc) frente a cenas de desmembramento humano, evisceração. Realmente, a questão dos porcos está sendo bem empregada (e isso só me lembra de como a saga SAW me fazia tremer na base toda vez que porcos apareciam), porém, a questão envolvendo a insistência de Shelby e Matt tem me incomodado devido à própria estupidez inerentes a eles: por que diabos não chamar a polícia sabendo que os mortos-vivos (podem ser chamados assim?) aparecerão à noite? Por que não sair logo dali? Quanto, ainda, à atuação da Lady Gaga a mesma entregou sua melhor perfomance desde que Roanoke iniciara. Só uma dúvida, Henrique, Croatoan seria uma palavra semelhante aos dizeres cristãos/afrodescentes como ”sai, demônio”, ”em nome de Deus”, ”saravá, ogum”? Ah, acrescento que os flashbacks em American Horror Story são confusos, super-rápidos e não fazem (não a mim, pelo menos) emergir ainda mais no enredo, que nessa temporada tem passado por episódios de duração curtíssima a meu ver – tipo, menos de 40 minutos- , o que a maravilhosa e quase impecável Penny Dreadful sempre fazia em cada episódio 04: emocionávamos-nos com tamanha maestria e atuação de Eva Green. Em algum dia espero que American Horror Story consiga fazer o mesmo. Como sempre te digo, amei sua review.

  • Marcos

    A serie está excelente; Espero q RM não jogue um balde de água fria nos fãs desta temporada após o tão aguardado capítulo 6.
    * A Morte de Elias me remeteu muito a São Sebastião ( Paranoia Minha???)
    *Lady Gaga mostrando a que veio (apesar do mimimi frente a Misa Pop)
    * Quanto a Evan Peters – Terá Nudes ???? – Ops !!! Rsrsrsrs …

  • Viviana Galeno

    Comecei a assistir hoje até o 4 episódio e digo francamente a única coisa boa que estou achando de fato é ver André Holland (ator que faz o Edward em The Knick)esse formato de documentário é chato pra caramba. Essa é uma série que já está passando da hora de ser cancelada. Vou conferir até o fim mas sem grandes expectativas espero que aconteça reviravoltas pra balançar pois até agora estou achando essa série muito parada.