American Horror Story: Roanoke 6×02: Chapter 2

33
3772

O jogo entre ficção e realidade já começou.

A proposta esse ano veio completamente diferente, mas o tamanho da discrepância entre esse e os outros também aumentou a necessidade de certas explicações. Ryan Murphy não aguentou deixar a temporada falar por si mesma e já deu algumas declarações, afirmando que não temos a menor ideia do que realmente está acontecendo e que muito em breve, as nossas impressões serão afetadas por grandes e inevitáveis viradas. Deu quase um aviso: apresentamos esse formato a vocês, apenas para que manipulemos suas expectativas.

É tudo uma questão de limites entre realidade e ficção. O jogo proposto pelas bases dessa nova narrativa é muito intrigante porque terceiriza essa “mentira dramatúrgica” e faz com que o irreal esteja dentro de outro irreal, resultando numa constante dúvida: o que é “real” no final das contas? Sem dúvida nenhuma, o que nos espera no futuro dessa temporada é uma resposta sobre disso, exatamente. My Roanoke Nightmare é um programa que está fadado a ser questionado. Quem são os “verdadeiros” Shelby e Matt? Lily Rabe teria sido escalada apenas para dar depoimentos para uma câmera?

O Capítulo 2 desse momento – que já pode ser chamado de Ato 1 do sexto ano – começou exatamente do mesmo ponto em que parou o Capítulo 1. Essa chegada de Shelby na floresta, presenciando o aparente ritual de sacrifício humano, foi marcante por dois motivos: a presença de Lady Gaga com uma aparência muito diferente da que vimos em Hotel (fato que considero ótimo, porque quero mais é que ela prove que é sim, uma atriz) e a provável ligação com Murder House, na figura do Pig Man.

Há uma história sobre um açougueiro em Chicago que colocava uma cabeça de porco na hora de abater animais e que adorava ficar se olhando em espelhos. Seu espírito maligno teria ficado preso em um deles e isso teria dado origem a lenda que vimos no primeiro ano. Acho que dificilmente Roanoke vá abordar a história desse “homem porco” por essa perspectiva, mas há uma insistente abordagem de homens com cabeças animais na mitologia do show e a constante aparição do pig-man nesses dois primeiros episódios deve nos indicar alguma coisa. Notem que até mesmo a aparição que ele fez para Lee foi através de um espelho, o que deixa a conexão ainda mais forte.

Outra ligação com Murder House foi feita através da mesma base que se repetiu em Hotel: os espíritos presos dentro de uma residência com uma grande história de morte. As enfermeiras Bridget e Miranda andam pela casa e Matt acaba presenciando uma espécie de re-encenação de um de seus crimes. Assim como fizeram em todos os anos, histórias reais são usadas para ilustrar os acontecimentos dentro da ficção. Bridget e Miranda são as personas que reproduzem a história de Gwen e Cathy, duas enfermeiras do Michigan, que além de amantes, eram assassinas de vários dos internos da casa de repouso onde trabalhavam.

american-horror-story-6x02-img1

Assim como na série, elas resolveram escolher suas vítimas de acordo com as iniciais de seus nomes, mas ao chegarem ao segundo R de MURDER, perceberam que estava complicado demais conseguirem mais uma vítima que seguisse a regra. Logo depois de tentarem usar um outro método de seleção, Cathy teria se apaixonado, fugido; e mais tarde contado ao ex-marido sobre os crimes. Ela acabou testemunhando contra Gwen, alegando ter apenas assistido os crimes. Gwen acabou condenada a prisão perpétua e Cathy estará elegível para condicional em 2021. As duas, contudo, não matavam pacientes com tiros ou sufocamentos, preferindo métodos que não deixassem tantos rastros.

Curiosamente, a palavra MURDER usada no episódio e retirada da história delas, também nos lembra The Shinning, de Stephen King, em que o menino Danny tinha visões da palavra REDRUM, que é “murder” escrita ao contrário. A referência não é tão marcada, embora haja, nos dois casos, um clima de loucura e alucinação que inclui uma crescente ideia de que o que aquelas forças querem, pouco a pouco, é atraírem os residentes para aquela espiral de inconsciência e torpor que acabará por fazê-las parte do mistério.

Apesar de termos visto o episódio frisar bastante o drama de Lee (com uma Angela Basset valorizada como merece), o que me deixa cada vez mais intrigado é o quanto de “dramatização” existe na rotina de Shelby e Matt e o quanto de “documental” existe naqueles depoimentos. Até agora, Roanoke tem sido um exercício constante de suspense e com elementos de terror até bem mais presentes que de horror. Porém, considerando que parece estarmos diante de um embuste, suspendemos a efetivação das nossas impressões e precisamos esperar mais para tirar qualquer conclusão.

Enfim, enquanto não é possível rastrear as verdades por trás desse sexto ano, vamos nos divertindo com sequências de arrepiar a nuca. Sons estranhos, baques, aparições, alucinações… É como se Roanoke fosse um tipo de “frenesi do medo”, em que é impossível encontrar um só bloco sem apelo sobrenatural. Cientes de que precisavam adiar a verdadeira essência da própria história, os roteiristas encheram de eloquência o mal e o pavor que rondam as cenas, fazendo desse novo formato uma investida eficiente para nosso imaginário apavorado, sedento por mais razões para continuar tremendo.

  • Paola Di Castro

    O que? Sem Roanotes dessa vez?

    • henriquehaddefinir

      hahaahahaha que bom que alguém sentiu falta

      • Paola Di Castro

        É a melhor parte! haha

  • vitor

    o primeiro episódio foi morno esse foi frio e não to vendo como pode melhorar

    Scream Queens teve um primeiro episódio fantástico e acho que o RM deveria se concentrar mais nessa série

    • G Factor

      Esse ano Ryan ficou mais responsável por AHS e Brad por SQ, acho que isso explica muita coisa…
      Tá dando certo, que continue assim

  • Deby Candido

    Eu gostei muito mais desse segundo episódio. Foi mais tenso, com esse toque de terror que você mencionou. Eu estou muito intrigada com essa temporada, não sei direito o que pensar em relação a esse tema.
    Segundo o que li, será no episódio 6 que teremos a tão falada reviravolta na série. O que esperar?

  • Jackson Douglas

    Esttou Bem empolgado com o ritmo dessa temporada, e intrigado ,

  • Maysa

    Essa temporada está ótima, espero que continue assim e não me decepcione como Hotel.

  • Hélen Ívina

    Olha, até agora não consegui ver nenhum episódio inteiro, to com tanto medo desses episódios que saio pulando e minha amiga assiste e me conta depois. Nunca tinha acontecido isso comigo em nenhum episódio das temporadas anteriores. Eu realmente odeio terror em floresta, só que esse suspense de não saber o que está acontecendo, só tá me fazendo ficar mais ansiosa pelos próximos episódios. Parabéns AHS, conseguiu me fazer ficar com medo de ver os episódios e ansiosa pra saber o que tá rolando kkkkk

  • André

    A temporada teve uma introduçâo boa,como vâo ter somente 10 episodios esse ano acredito que vai ser bem mais ágil afinal nem vai ter muitos personagens pra desenvolver já que o trio protagonista(Shelby,Matt,Lee) já foi bem apresentado.
    Essa temporada parece bem redondinha,nâo foi uma má ideia apostar em uma trama mais simples.

  • Junito Hartley

    Carai, so esses dois episódios ja sao melhores que muita temporada de AHS, se continuar assim vai ser dispara a melhor temporada, ta foda de mais!!! O homem com cabeça de porco remete tambem a Coven, lembro que tem um episodio que um cara fica recitando “Hello pig pig” de frente pra um espelho e ai surge um pingman e mata o cara, nao lembro dele em Murder house, ate porque ja tem bastante tempo. Agora um coisa me deixou intrigado, a filha da personagem da Angela Basset fala que a priscila vai matar todo mundo e deixar ela por ultimo, ai quando o pai leva ela embora ela fica chorando pra querer ficar na casa!? WTF!!! Outra coisa, a personagem da Angela Basset, sabe que a casa nao é segura, que ta cheia de coisa estranha acontecendo, e o que ela faz? sequestra a filha que disse que alguem ia matar ela e leva a guria pra la, WFT²

    • André

      As personagens da Angela Bassett sâo todas duronas hahaha

    • Igor

      Essa cena do “Hello pig pig” é da própria Murder House e não de Coven. E se eu não me enago o cara não é assassinado pelo Homem Porco, mas sim por dois assaltantes que entram em sua casa na hora que ele faz o “ritual”.

      • Junito Hartley

        Verdade, revi aqui a cena e foi em Murder e os ladroes que matam ele.

    • Isabella

      Pensei a mesma coisa sobre ela legar a filha pra uma casa que tá “condenada”.
      Cade a segurança que toda mãe deseja pro filho?
      hahahahahaha
      Mas entendo que é pra fazer esse draminha da menina sumir bla bla bla…

  • caroline borges

    Não passa pela minha cabeça qual o possível virada que a temporada ira dar. gostei tanto dessa temática do My Roanoke Nightmare que assistiria de boa ate o final.

    • Luiz

      Provavelmente vão tirar o falso documentário

  • Lucas

    Segundo episódio muito bom, acho que AHS consegue ser muito bom quando a história faz sentido, pode ser que eu queira tudo mastigadinho (ou não, tem coisas nas outras temporadas que tem que fazer um esforço enorme pra dar sentido, na minha opinião), mas gostei que encontraram a fita com a história das enfermeiras. Quando o Matt teve a visão das duas já achei que ia começar a enrolação, mas o episódio seguiu mantendo a qualidade do primeiro. Espero que haja alguma explicação ou que faça algum sentido esse homem com cabeça de porco, acho a figura repetitiva e me cansa um pouco. Ainda não entendi quem viveu a história real, a Lily Rabe ou a Sarah

    • Luiz

      Então, a Sarah, a Angela e o Cuba estão encenando os acontecimentos, é como se fosse a simulação do linha direta. A Lilly, Dina e o outro ator são as pessoas q de fato ‘viveram’ os acontecimentos

  • Adalberto

    Adorei esse segundo episódio! Gostei bastante deles estarem investindo mais no terror, nunca tinha sentido medo de AHS antes! A cena em que o Denis está com a câmera e a Kathy diaba Bates aparece no espelho fez meu coração parar por uns segundos kkkkkkk
    “com uma Angela Basset valorizada como merece” SIM, Angela é excelente, merece mesmo!
    Preciso comentar que a Sarah está muito perfeita, apenas apaixonado.
    Acho que essa temp tem tudo para ser uma das melhores! Só vem!!!!

  • Cleverson

    Essa temporada esta ficando pareo a pareo com a minha preferida, Asylum, sinto a falta da Lily Rabe interpretar personagens na história mesmo, assim fica chato ver uma atriz tão boa fazendo apenas o básico, Sarah e Angela já estão ótimas, e imaginar que Katy Bates vai ser a vilã pelo que vimos nos episódios me faz querer assistir cada vez mais. Muitos dramas acontecendo ao mesmo tempo, que fazem de 40 min muito pouco pra série, mas estou encantado com essa nova temporada.

  • dilds

    “Rabe teria sido escalada apenas para dar depoimentos para uma câmera?”

    Ue, se a gabourney foi escalada pra fazer aquelas participações nas últimas duas temporadas hahahaha pq não?

  • ithalo

    Pra assistir essa temporada é preciso ver as outras?

    • Maia Junior

      Não necessariamente. Pode ver de boa.

    • G Factor

      Não, mas é sempre bom pq há pequenas conexões

  • Diego Fernando

    Ótimo episódio, até agora tudo esta indo muito bem no enredo, Angela Basset finalmente com um personagem muito bom, achei o plot da filha dela com uma pegada de invocação do mal 1 com a criança no armário, foi sensacional. Os 2 episódios estão de parabéns pelo terror. Espero que o Sr. Ryan agora fique na dele e não dê mais spoilers, gosto mais quando os plot twist acontecem sem aviso. Pra mim foi a melhor coisa não ter liberado muitas informações sobre a season e personagens, bem como ir conhecendo tudo aos poucos, mas claro com uma história envolvente e bem desenvolvida. Por fim, parabéns pela review.

    • G Factor

      Eu gostei da personagem dela em Coven, era ótima

  • G Factor

    AHS: Roanoke tá indo MUITO bem, 2 episódios e já acho melhor que todo Hotel!
    Ryan e Brad disseram que embora saibamos o tema isso não importa pq haverá um grande plot por volta do episódio 6 que fará tudo ser completamente diferente do que é. MAL POSSO ESPERAR

  • Lucas

    Outra coisa que eu notei também foi que a primeira vítima das amigas psicopatas se chamava Mary, que é o nome da avó da Violet. Apareceu em uma pequena cena em Murder House, sendo que foi através de uma visão da Billie Dean. Acredito que Roanoke e Murder House estão bastante conectadas.

  • Fabi Alves

    eu to é amando esse clima de teorias

  • Nando

    Tinha largado AHS no horrivel Hotel) até porque tive q ser forte pra aguentar os medianos Coven e Freak Show) mas pelos comentários positivos que tenho lido, acho q vou tentar assistir essa temporada sem muito compromisso, se for boa, continuo.

    • Luiz

      Hotel é de longe a pior temporada.

  • João Carlos

    Estou gostando e vendo aonde tudo isso irá nos levar.