Águas Rasas

Não é só mais um dia na praia

6
2103

Não é só mais um dia na praia.

Filmes que evocam a pequenez humana perante a força destrutiva da natureza sempre foram os melhores exemplares do suspense. Seja um vulcão, um tornado ou um animal feroz focado em conseguir abater sua presa, a tensão alcança níveis máximos justamente pela proximidade com a audiência. “Águas Rasas” (The Shallows, 2016) entra para o seleto rol, com um filme ironicamente claustrofóbico, calcado na jornada se superação.

Nancy (Blake Lively) é uma jovem que resolveu pausar a vida, para pensar se o rumo que ela toma (ser médica) é realmente o que ela deseja seguir. Indo surfar numa praia isolada do México onde sua mãe surfou anos antes, ela tenta assim entrar em contato com as lembranças da genitora. O que ela não sabe é que o passeio paradisíaco vai acabar se tornando uma luta pela sobrevivência a poucos metros da areia, quando um tubarão incansável a encurrala numa armadilha que aparentemente não tem solução.

Jaume Collet-Serra é um bom diretor de filmes pequenos. Pequeno não de tamanho, mas sim de ambientação. Em pequenos espaços (uma casa, um avião) ele constrói uma narrativa com diversas reviravoltas que prende a atenção do espectador até o fim, mesmo que se utilize de diversos clichês consagrados. A façanha que ele realiza em “Águas Rasas’ é a de criar um ambiente claustrofóbico em pleno mar aberto. Ao focar toda a ação na protagonista e na luta pela sobrevivência na pequena rocha que se ergue na maré baixa, ele cria imediatamente empatia com o drama proposto. Lively também ajuda, entregando uma atuação solida que transmite a urgência necessária, carregando o filme nas costas durante 90% da exibição. Outra coisa é a quebra de expectativa de Collet-Serra cria, ao inicialmente objetificar Lively focando no seu corpo e na sua aparência, para logo em seguida destruir isso tudo mostrando uma mulher forte e segura de si frente a uma adversidade mortal. Se há algo que roube a cena no filme além de Lively é a gaivota companheira de desventura. O animal serve com um parco alivio cômico e também como uma espécie de “espelho natural” da personagem, o que fica ainda mais evidente quando “Bird Set Free” é cantada a plenos pulmões por Sia nos créditos finais.

No final a mensagem de superação acaba sobressaindo sobre o suspense e a tensão. Na vida a motivação vem de coisas simples, momentos de reflexão ou de uma perseguição por um tubarão sanguinário. Os desígnios divinos são difíceis de interpretar. Há clichês e momentos forçados, mas nada que apague o brilho conseguido pelo filme. “Águas Rasas” consegue ser um bom suspense que lhe mantem aflito na poltrona até o final da exibição. E de quebra entrega uma mensagem de superação. Um filme atípico no currículo de filmes de ação de Jaume Collet-Serra.

* O Série Maníacos assistiu ao filme a convite da Sony Pictures Brasil

O papo sobre cinema não acaba aqui. Se você tem Telegram e quer continuar a conversa sobre cinema em todas as suas vertentes entre no Lounge Cinemaníacos! Você pode entrar em contato com a equipe de cinema do SM e com bastante gente legal que curte cinema! Nos encontramos lá!

  • Keilla Teixeira

    Fiquei com mais vontade de ver. Filme de tubarão pra mim é filme de terror.

  • matheus

    É otimo. Com certeza entre os 3 melhores filmes de tubarão e um dos melhores suspenses do ano.

  • Allan Fábio Carnaúba

    Quando ouvi que lançariam mais um filme de tubarão, pensei logo que seria trash, de início nem quiz ver o trailer. Depois que assisti o trailer me empolguei MUITO pelo filme, e hoje dia 28/08 fui conferir, e posso dizer que me surpreendi, filme muito bem feito, a tensão vai a mil, eu ficava numa tensão só na cadeira. Os efeitos estavam ok, e a mensagem de superação no final foi pra fechar com chave de ouro. Gostei muito mesmo.

  • Helena

    Como fã de Tubarão, sempre gosto de ver filmes com essa temática e aqui fiquei positivamente impressionada. Um thriller que cumpre muito bem o seu papel e ainda consegue dar um algo a mais, sem tentar ser muito pretensioso e desvirtuar do tema. Também uma menção especial à atriz, que sempre achei bem fraquinha, mas que segurou muito bem o papel e ainda conseguiu criar empatia com o público.

  • Ray

    Também gostei do filme

  • Letícia Menezes

    Gostei do filme. Apesar de ficar metade o filme chateada porque tubarões não atacam sem provocação… A edição alternada de Slow Motion é legal e a fotografia muito linda and who doesn’t like blood in the water?