Agents of S.H.I.E.L.D. 4×04: Let Me Stand Next to Your Fire

19
1705

O prólogo da história de origem do Motorista Fantasma começou em “Let Me Stand Next to Your Fire”.

E como o bom padrão da Marvel pede tudo está conectado. Bom, pelo menos é o trabalho que o episódio fez através do roteiro de Matt Owens, que também escreveu em outra produção da casa, Luke Cage (Who’s Gonna Take the Weight?). Seguindo o padrão de todo episódio centralizado em contar uma história, o ritmo desacelerou em vários aspectos, mas ainda conseguimos um pouco de ação, incluindo a perseguição de carros mais épica que a série já nos garantiu, Lola V Carro do Diabo. No fim toda história tem um começo e estamos cada vez mais próximos de descobrir a origem do Ghost Rider.

O quarto episódio de Agents of S.H.I.E.L.D. surgiu com um único principio, apresentar mais do passado de seu novo personagem, Robbie Reyes, e também começar o processo de união da equipe em prol de um objetivo comum, o lado místico que está sendo introduzido no MCU. Dentro da trama que começou com o primeiro episódio, apenas agora tivemos uma noção do panorama maior por trás do Motorista Fantasma, assim como a presença dos espíritos e do Darkhold, o livro misterioso de feitiços e pecados. Muito foi explicado e como todo episódio direcionado para a explicação, o que preponderou foi o excesso de diálogos.

Foi também graças ao episódio mais lento que tivemos a oportunidade de descobrir o que aconteceu no laboratório Momentum, assim como o reforço de uma das características marcantes da série, o casamento entre ciência e o inexplicável, neste caso a magia. Foi através de um Gerador de Partículas Quânticas e um livro de feitiços que algo desconhecido surgiu no mundo, e as explicações, por mais limitadas que tenham sido inicialmente, já começam a preparar o telespectador para novos horizontes, incluindo o de Doutor Estranho, filme que estreia no dia 04 de novembro.

“Só estou feliz que você esteja segura”

Um dos pontos mais positivos, porém, foi a expansão sentimental que Let Me Stand Next To Your Fire revelou. Desde que surgiu na série, ainda no episódio piloto, Daisy (naquele período Skye) e Coulson sempre demonstraram uma relação familiar muito forte. E fico feliz ao perceber que o roteiro jamais deixou de lado este aspecto tão forte da construção de seus personagens principais. O encontro entre os dois, abarrotado de sentimentos presos e decepção, poderia ter sido abordado com uma explosão, discursos inflamados e acusações, mas como todo bom pai, tudo o que realmente importa para Coulson é o bem estar de sua “filha”. E a atuação de ambos os atores é bem passional e entrega bem o sentimentalismo engasgado necessário para vender a cena, mérito da ótima química de Clark Gregg e Chloe Bennet.

MARVEL'S AGENTS OF S.H.I.E.L.D. - "Let Me Stand Next to Your Fire" - As Ghost Rider's quest for vengeance brings him into an explosive confrontation with S.H.I.E.L.D., Coulson and Mack must rely on an unlikely ally in their time of desperate need; and Daisy reunites with a familiar face to stop the Watchdogs, on "Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D.," TUESDAY, OCTOBER 18 (10:00-11:00 p.m. EDT), on the ABC Television Network. (ABC/Kelsey McNeal) CLARK GREGG, CHLOE BENNET
Agents of SHIELD — “Let Me Stand Next to Your Fire”

Também é possível ver o mesmo tipo de atrito entre Daisy e Jemma, só que a relação das duas é mais próxima de uma relação entre irmãs, expondo uma conversa mais direta e abrupta do que a pequena frase do Coulson. Tremor, a vigilante, está cada vez mais distante daqueles que eram seus amigos, mas não mais madura do que eles. Enquanto todos estão centrados em algum tipo de crescimento, Daisy está quase obcecada com sua missão pessoal de impedir o grupo Watchdogs. É essa motivação que a faz tentar recrutar Hellfire para operar junto dela, e é exatamente o discurso empregado pela personagem que a afasta totalmente da S.H.I.E.L.D. e a aproxima de Robbie.

E por falar nele, o Motorista Fantasma, foi graças a sua participação que a ação chegou neste quarto episódio. Robbie ainda é uma grande incógnita e apesar de ter trabalhado ao lado dos agentes e contra James, salvando Daisy e Jemma no processo, seu desejo é bem mais pessoal do que aquele difundido pela recém-saída das sombras S.H.I.E.L.D. É exatamente esse comportamento que o aproxima de Daisy, mesmo que ela tenha optado por esconder sua missão particular atrás de um feito nobre como a proteção dos inumanos. Robbie por outro lado não faz questão de esconder seu desejo em descobrir fatos a respeito de si mesmo e que estejam relacionados a sua família, o fazendo bem mais instável para um trabalho em grupo. E o grande ponto é que até agora só tivemos o elenco interagindo com o homem e não com o demônio, um encontro que estou ansioso para testemunhar.

Finalmente também tivemos um pouco do plot de AIDA. Demorou um pouco e continua sendo a trama que menos recebeu destaque até o momento, mas o desenho de algo mais relevante já começou a se desdobrar com nuances mais fortes. Neste momento toda a trama de um robô andando entre os agentes, se passando por uma pessoa de carne e osso, enquanto estamos tratando de almas, magia e tecnologia, é bem suspeito. Por enquanto ainda não sabemos onde a série quer chegar com a trama, mas já é bem claro que lentamente estamos sendo incluídos dentro de algo maior.

De maneira geral o quarto capítulo do quarto ano da série trabalhou de maneira menos intensa, mas com cenas que compensaram o amontoado de informações. Também é interessante ver como a produção se permitiu abordar o relacionamento entre Fitz e Simmons de forma natural, sem os percalços de um caso amoroso como tantas outras gostam de fazer. Estamos tratando de dois adultos e é muito bom vê-los agindo como tal, de forma natural. A onda de bons episódios para a série continua, assim como as possibilidades para o restante da temporada e após mais um episódio, só posso confessar estar extremamente ansioso para ver como a magia será introduzida na série.

Easter eggs e outras informações

– Simmons identificou que AIDA era uma androide em apenas uma cena. E a cena foi carregada por choque e uma pitada de orgulho por parte do Fitz. Como amo esse casal.

– Dentro do episódio finalmente conhecemos o tio de Robbie, Eli. Nas revistas em quadrinhos ele é o espírito que possui o Robbie, após um ritual satânico que não deu certo.

– Foi interessante ver a Daisy tentando recrutar o Hellfire e vê-lo traindo ela e Jemma no final. Na nona arte, durante o arco Guerreiros Secretos, Hellfire teve um relacionamento amoroso rápido com a Tremor e terminou vendendo o próprio time para a Hydra.

– Ver o Motorista Fantasma com uma corrente flamejante também foi uma ótima maneira da série fazer uma referência ao personagem nas histórias em quadrinhos. Tanto é que, quando empunhou a corrente pela primeira vez, James foi considerado por muitos telespectadores como o Motoqueiro Fantasma.

– Robbie fica mencionando que fez um trato com o demônio, bom, é válido mencionar que o livro Darkhold já foi guardado por um “capetinha”.

– Durante “Let Me Stand Next to Your Fire”, o nome Isaac Asimov foi mencionado. Para quem não sabe, Asimov é considerado o pai dos robôs. As três leis da robótica, criadas por ele, ditam que:

1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.

2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.

3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Leis.

– Quando termina a corrida contra o Robbie, o Culson pergunta se ele ganharia o carro do competidor. Essa é uma menção ao filme Grease, em que o prêmio da corrida entre Danny Zuko e Leo Balmudo era o carro do perdedor.

  • Ricardo

    Uma pergunta: o livro Darkhold é o mesmo livro usado por Victoria Montesi nos quadrinhos?
    Quanto à fala de Coulson após a corrida contra Robbie, entendi mais como uma referência a Velozes e Furiosos, já que eles também apostavam seus carros em corridas de rua!

    • Flavio Batista

      Na hora, tb me lembrei de Velozes e Furiosos

    • Exatamente, e a primeira aparição dela foi na revista do Darkhold. Ela é imune aos poderes de corrupção do livro.

      • Ricardo

        Já é uma oportunidade de mostrar a personagem até o final da temporada! Será?

    • Danilo Zanon

      E o carro do Motorista Fantasma lembra o do Van Diesel em Velozes e Furiosos 1. Aquele que ele mais gosta né…. Tb acho que parece mais VeF.

  • Ronaldo

    Adorei a Aída, não quero uma rebelião das máquinas kkkkkkkk. Espero que o Mephisto apareça mesmo na série, é sempre bom quando conseguem unir ciência e misticismo com qualidade.

  • Nidia Lysney

    Amei o reencontro entre Daisy e Coulson, os atores estavam muito bem em cena.

  • Flavio Batista

    Diego, não apenas a frase é referencia a Grease mas o local da corrida é muito semelhante ao local em que ocorre a corrida no filme do Travolta.
    E eu adorei q a Jemma descobriu de prima e nao surtou.
    Tava com o coração na mão que o casal iria ter a relação abalada pelo fato do Fitz ter escondido essa reação, mas os roteiristas me surpreenderam e tive q concordar q isso é totalmente condizente com a maturidade que os personagens alcançaram.
    Sem querer ser chato, mas se fosse uma serie da CW, por exemplo, isso iria se tornar um plot mega chato, mas no final da temporada eles iriam se acertar.
    E AoS nao, resolveram tudo em segundos! Genial

    • Junito Hartley

      Verdade man, a CW é um lixo, iam fazer um drama danado.

  • Flavio Batista

    pra nao perder o costume: Daisy feia, boba e chata pra caramba

  • Alex DAvila

    Eu achei o melhor episódio da temporada até agora… qdo acabou o episodio fiquei super empolgado!!!

  • lcp21

    está para ser cancelada essa série, a audiência americana está péssima, audiência padrão CW.
    Podem começar #SAVEAGENTSOFSHIELDS.

    • Diego

      Cara, em toda postagem da série vejo você comentando esse tipo de coisa e criticando a série. Se não é do seu gosto, faz um favor a si mesmo e deixe de ficar irritado por causa dela. A séria já esteve em situações piores. Ela não vai ser simplesmente cancelada por causa que não é sustentada sozinha.

      • Rodrigo Cardoso

        Nem liga pra esse cara. Provavelmente só quer chamar atenção, a melhor coisa a se fazer é ignorar.

      • lcp21 é praticamente a loira do banheiro do SM, Diego. Basta publicar duas reviews de série de “heróis” no mesmo dia que ele aparece, com o mesmo comentário de sempre. Não alimente, ele quer confete.

  • Tom

    Mais um ótimo episódio de MAos, meus olhos brilharam quando Robbie pegou a corrente *-* Fitz… ah esse personagem que tanto desejei a morte junto com a Simmons kkk mas estou começando a gostar um pouquinho do Fitz e espero que a AIDA não vire uma Ultron.

  • Rafa Silveira

    Tô gostando desse início de temporada. Eu tinha o pé um pouco atrás por n gostar muito do motoqueiro (essa versão em especial), mas tão fazendo um bom trabalho.

    Na temporada passada eles demoraram um pouco pra juntar todas as tramas até retornarem ao planeta onde o Hive estava, nisso eu acabei me incomodando um pouco com o ritmo em alguns momentos até chegarem nesse ponto. Dessa vez a coisa tá mais ágil e mais fluida com as diferentes histórias se intercalando com maior frequência. Tô curtindo bem mais.

  • Danilo Zanon

    Infelizmente como previa em alguns episódios anteriores, a audiência de Agents of Shield está despencando…
    Repito que acho que foi um erro colocar ela no horário das 22:00hs e tentar um tom mais escuro estilo Netflix, na TV aberta americana. E isso aliado a uma trama que pode deslanchar, mas que ainda é incerta, depois de uma excelente terceira temporada.
    Espero que a série vire logo a estória ou mude de canal/plataforma (temporada 5).
    Eu gosto desse tom da quarta temporada, mas como disse trama mais adulta e canal aberto não combinam muito.
    Estou gostando dessa temporada. Espero que ela sirva para amadurecer a Daisy. Ela precisa se posicionar e crescer. Alguns plots são interessantes mas o que menos tenho gostado é dos fantasmas. Mas confio em Shield e sei que algo legal vai vir.
    Vamos esperar.

    • R

      Eu confio que vai sair algo bom, mas mudança de pegada junto com novo horário e início lento vão fazer a audiência despencar. Adoro a série, mas deveriam ter pensado nesse tipo de reação do público, e com isso pensar em como a trama iria andar. Fico com medo de engrenar tarde demais, igual a primeira temporada da série.