The Affair 3×02: Episode 2

5
440

Múltiplos pontos de vista somados às múltiplas pontas soltas em Episode 2 e o resultado acaba sendo este começo de temporada arrastado que dá voltas em torno de si mesmo.

Não é novidade alguma que The Affair recorre a uma narrativa mais lenta para contar sua história, e isto não é demérito algum. Durante algumas temporadas fomos lentamente inseridos no universo da série e tal inserção, apesar de alguns tropeços, foi extremamente eficaz. Porém, neste início do terceiro ano, os acontecimentos estão um pouco mais vagarosos e diria até que aleatórios do que o esperado. Depois de uma première que nos contextualizou em que pé anda a vida de Noah, em Episode 2 temos um panorama de como Helen e Alison estão, novamente desenvolvido em dois POVs.

O grande problema que vejo é que, em duas semanas, não tivemos grandes avanços na história. Sim, estamos a par dos ocorridos pós julgamento e, especialmente, já temos uma ideia do que será trabalhado daqui pra frente, contudo, as peças do jogo parecem não se encaixarem mais, e, com isso, quero dizer que os personagens estão tendo subtramas muito distantes entre si, o que vai contra o princípio da série, que trata das suas relações. Foram dois episódios que poderiam facilmente terem sido reduzidos a um. Principalmente se considerarmos que as informações jogadas para nós foram típicas de uma estreia. Talvez uma première dupla, com os quatro POVs tivesse resolvido bem a situação e diminuído este desconforto ao assistir especialmente Episode 2.

Apesar de bons momentos, todos devidos a ótima atuação de Maura Tierney, o POV de Helen não acrescentou quase nada à história. O desenvolvimento de seu relacionamento com Vic (fadado ao fracasso, diga-se) me parece tão relevante quanto saber os ingredientes que ela colocou nos sanduíches dos filhos. Espero estar enganado e que desta relação surja algo interessante e importante para a trama, mas estou cético quanto a isto. Nem quero me ater aos comportamentos insuportáveis dele, ou à sua atitude final, que até foi surpreendente considerando seu histórico, mas que não me causa nenhuma simpatia. Confesso que até torci que ele não voltasse ao quarto, embora estivesse óbvio que retornaria.

Mas acabou que o relacionamento de Helen com o Dr. Ullah nem foi o pior. É sério mesmo que The Affair investirá numa nova relação ridícula da Whitney? Toda a sequência do jantar foi de revirar os olhos. Um plot desnecessário que só serviu para nos mostrar que a primogênita de Noah e Helen continua imatura e mimada. Como o POV foi em flashback, torço para que as coisas evoluam disso quando as linhas do tempo se encontrarem. Até porquê, nem mesmo a ida de Helen a prisão acrescentou algo à trama. Só não digo que foi um completo desperdício de tempo porque, além das boas atuações, tivemos o POV de Alison.

The Affair --- Episode 2
The Affair — Episode 2

Alison é uma pessoa que já sofreu muito na vida e parece que a cota de sofrimento está longe de acabar. Seu retorno a Montauk foi desconfortável do início ao fim. Aos poucos fomos descobrindo como ela foi se adaptando aos acontecimentos e o porquê de estar sem a filha. O tom desta parte foi bem mais próximo ao do episódio passado, carregado de um clima mais sombrio. Embora não saibamos o que acontece com a personagem logo após o julgamento de Noah, temos uma contextualização do presente dela.

Apesar de totalmente plausível e muito comovente, soou um pouco fora de lugar o retorno ao tema Gabriel. Claro que faz sentido a iminente batalha entre Alison e Cole pela guarda da pequena Joanie, e lógico que a justificativa é aceitável, mas como storyline me parece desconexo. Como dito antes, Alison realmente passou por muita coisa complicada em seu histórico e o trauma se encaixa em sua trama, mas para a narrativa da série parece que acaba fugindo um pouco do que The Affair se propõe. Para mim, isso tudo só se justificará se for o gatilho para o reencontro de Alison e Noah onde seu vínculo seria reforçado. Inclusive isto já serviria de um forte motivo para a reestruturação dos personagens, que necessitam voltar aos trilhos de suas vidas. Fica agora a dúvida sobre os conteúdos das cartas de Noah, para ver se isso se confirma.

Há de se deixar uma menção honrosa à costumeira espetacular atuação de Ruth Wilson. Seu sofrimento diante da possível perda da filha foi emocionante e merece todos os elogios possíveis. Mesmo quando a série dá uma tropeçada no roteiro, o elenco segura firme a qualidade do show. Acredito muito no potencial de The Affair, porém há de se enfatizar que é uma série de poucos episódios e necessita de uma narrativa um pouco mais dinâmica do que está sendo este retorno.

Fica nítido que o foco da temporada estará em torno de recomeços. Já vimos Cole e sua construção de vida com Luisa, Helen e sua relação com Vic e, agora, reconstruindo sua carreira e, especialmente, Noah saindo da prisão e Alison de sua institucionalização pós-trauma. Torço muito para que o reencontro de Noah e Alison aconteça logo e que os dois sirvam de auxílio, um ao outro, nesta nova fase, até porque eles parecem completamente perdidos estando separados. Talvez eles reatando tenhamos uma história mais fidedigna do que o que foi visto até agora. Mas que isto ocorra logo, sem enrolação.

> Entrevista com o elenco de 3%!

Alguns outros olhares em Episode 2:

Espero que não tentem transformar este novo namorado da Whitney num Scotty 2.0, pois não vai rolar.

Não consigo acreditar nas boas intenções de Oscar. Essa redenção dele não me parece autêntica.

Importante lembrar que ainda não tivemos o POV de Cole, então será que a visão de Alison sobre a guarda da filha foi tão verídica assim?

  • Thiago

    E que mãe terrível é aquela que deixa a filha pequena ver shameless kkk

  • Alan

    Episódio muito ruim, o primeiro ainda foi mediano. Não tenho paciência com os meu guilty pleasures, mais dois episódios medianos ou mais um tão horrível como esse eu vou ter que largar mão.

    • carla machado

      tb não estou gostando não…de nenhum dos dois….

  • willian_as

    Concordo com o relator. O POV de Helen foi meio: é isso que a gente tem pra hoje. Os filhos dela e Noah são chatos pra caramba, tão quase no mesmo nível de chatice dos filhos de Brody em Homeland (quem assiste sabe que não é brincadeira). Já os POVs de Alison (e Noah tb) são sempre mais interessantes e mais carregados digamos. Eu ainda acho um episódio mediano de The Affair extremamente superior a muitas porcarias da tv aberta americana, pena que não tem uma audencia tão boa como a série.

    PS.: Não sei se mais alguém percebeu, mas Brendan Fraser tá na série kkkkk. No primeiro episódio achei que era ele o guarda que persegue Noah, a cena na prisão nesse episódio deu pra ver que é ele mesmo.

  • Anderson Luis

    Também não curti esse começo de temporada, tô achando um tanto perdida mas achei esse episódio melhor que a premiere por conta de ter Alison e a Helen ( apesar do POV dela foi bem meh) por que caguei pra Noah e o rolo com o guarda. Se o plot dele fosse só o PTSD tudo bem mas outro rolo? Ca-guei.
    E Whitney tem a quem puxar em relação a ter o dedo podre pra homem. Que cara creepy!
    Na temporada passada até defendia as crianças por conta do divórcio e como as afetaram mas sem OR, os filhos da Helen e Noah estão chatíssimos. Os dois meninos então…
    Não confio também no Vic mas vamos ver como isso vai ficar.
    Eu gostei bastante do POV da Alison e não a culpo pelo que ela fez pois além de fazer um bem a ela também fez a filha. Fiquei surpreso justo o Oscar foi ajuda-la mas também não acredito nas boas intenções dele.